Uniformes do São Paulo Futebol Clube

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
O uniforme do São Paulo surgiu da fusão entre os uniformes do Club Athletico Paulistano — a listra vermelha — e da Associação Atlética das Palmeiras — a listra preta.

Os uniformes do São Paulo Futebol Clube correspondem às vestimentas utilizadas pelos futebolistas da agremiação desde a sua fundação em 1930. O primeiro uniforme simbolizou a união entre Club Athletico Paulistano — a listra vermelha — e Associação Atlética das Palmeiras — a listra preta. Por outro lado, o uniforme reserva, composto alternadamente por faixas verticais em vermelhas, brancas, pretas e novamente brancas, somente surgiu dois anos depois da fundação. As vestimentas também apresentam o emblema denominado "coração de cinco pontas", juntamente com cinco estrelas (duas douradas e três vermelhas) que representam as maiores condecorações do clube.

A manutenção da estrutura dos uniformes é estatutária, mas algumas modificações foram feitas ao longo dos tempo. O uniforme principal do São Paulo, no que diz respeito à estética, variou pouco desde 1930, estando suas principais mudanças na largura das faixas centrais, além de detalhes — tais como frisos e listras — nas golas, mangas e meiões. No segundo uniforme, as alterações foram um pouco mais contundentes, porém sempre mantendo a estrutura de listras verticais alternadas em preto, branco, vermelho e branco. Os calções e meiões foram modificados e passaram de brancos — seguindo o primeiro uniforme — a vermelhos e posteriormente a pretos, além de possuírem peculiaridades de frisos e listras tal qual o uniforme titular. Vestimentas alternativas também foram lançadas por motivos promocionais ou comemorativos, o São Paulo também atuou em partidas específicas com uniformes de outras agremiações por necessidade.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Emblema[editar | editar código-fonte]

Estrelas localizadas acima do escudo do clube.

O emblema do São Paulo é denominado "coração de cinco pontas" e foi concebido poucos dias após o marco inicial de 26 de janeiro de 1930. O desenho foi obra do alemão Walter Ostrich, com a colaboração de um dos fundadores do clube, Firmiano de Morais Pinto Filho.[1] Segundo a definição do Estatuto Social de 2008, o escudo é descrito como:[1]

O emblema é composto por um triângulo isósceles com o lado superior maior encimado por um retângulo, com altura equivalente a metade da lateral do triângulo, fundo preto e as letras SPFC, tipo mensageiro "courier", em branco. No interior do triângulo acima descrito, uma faixa branca central com ¼ da lateral menor, ladeado por um triângulo escaleno vermelho e outro preto, nessa ordem".

De acordo com o website do São Paulo, o formato do emblema é único e, na época, inédito pois não há qualquer registro de semelhantes existente antes de 1930. A manutenção da estrutura é estatutária, mas algumas modificações foram feitas ao longo dos tempos, como a mudança no acrônimo e a inclusão de insígnias em forma de estrelas que representam as maiores condecorações do clube. As estrelas douradas correspondem aos feitos de Adhemar Ferreira da Silva nos Jogos Olímpicos de 1952 e Pan-Americanos de 1955. Já as estrelas vermelhas representam os títulos mundiais de 1992, 1993 e 2005.[1]

Uniforme titular[editar | editar código-fonte]

Primeiro time do São Paulo.

O surgimento do uniforme titular do São Paulo remete-se à data de fundação do clube (1930). Único em sua origem, o uniforme é inspirado na junção das camisas do Club Athletico Paulistano — a listra vermelha — e da Associação Atlética das Palmeiras — a listra preta. Dessa maneira foi criado um uniforme que simbolizasse a união dos clubes, conciliando com as cores do estado ao qual pertencem.[1][2]

O conjunto foi confeccionado na loja Esportes Moura, pelo conselheiro Mourinha. Inicialmente, o calção tinha detalhes em vermelho enquanto os meiões eram pretos com faixas brancas. Posteriormente, esses detalhes foram excluídos e o conjunto passou a ser totalmente branco.[1] Em 1983, o uniforme passou a ter a faixa branca mais estreita deixando, dessa maneira, as faixas vermelha e preta mais próximas. A proporção da distância entre as faixas continua a mesma até os dias atuais.[2]

Uniforme reserva[editar | editar código-fonte]

Atletas do São Paulo com a camisa reserva (julho de 2017).

A segunda vestimenta do São Paulo surgiu somente dois anos depois da fundação do clube. Antes disso, a equipe atuava somente com seu uniforme titular, mesmo em jogos como visitante contra adversários que vestiam camisas brancas.[1] Porém a equipe atuou com a antiga camisa da Associação Atlética das Palmeiras - totalmente preta, com golas e mangas brancas - em um amistoso contra os Estados Unidos realizado em 1930.[3]

O uniforme reserva é composto alternadamente por faixas verticais em vermelhas, brancas, pretas e novamente brancas, a camisa estreou em um clássico contra o Santos no dia 29 de maio de 1932. Araken Patusca, Luizinho e Armandinho (dois gols) foram os responsáveis pelos tentos da goleada aplicada no rival (4–0).[4] O primeiro modelo apresentava finas faixas verticais e não havia o escudo do clube.[4] Este, por sua vez, somente foi inserido em 9 de julho de 1933, novamente em uma goleada sobre o Santos.[4]

Apesar da estrutura principal ser mantida, ocorreram modificações ao longo dos anos. O conjunto original - camisa listrada, meias e calção branco - foi alterado em 1996, quando a FIFA adotou novos critérios. Por causa disso, a cor vermelha passou a predominar nos calções e meiões; contudo, no mesmo ano, substituíram pelo conjunto de cor preta.[1] Já em 2017, o modelo da Under Armour apresentou as faixas verticais até a altura dos ombros.[5] Popularizado como o uniforme de visitante do São Paulo, a camisa listrada ficou marcada em diversos momentos da história do clube, incluindo o título da Taça Libertadores da América de 1993.[4]

Uniformes alternativos[editar | editar código-fonte]

Apesar do estatuto do clube não permitir a existência de terceiro uniforme, o São Paulo apresentou várias vestimentas alternativas ao longo dos anos. A primeira camisa alternativa do São Paulo foi lançada por volta de 1940. Considerada oficialmente o terceiro uniforme do clube, a camisa apresentava listras verticais pretas e brancas, com detalhes vermelhos na gola e nas mangas.[3] Mais de vinte anos depois, o conselheiro Paulo Planet Buarque criou um terceiro uniforme três faixas verticais largas de cor preta, branca e vermelha.[3] Na década de 1980, duas camisas completamente branca foram confeccionadas com mudanças somente nas mangas.[6] Nas duas últimas décadas, o São Paulo lançou camisas comemorativas em homenagem à outras agremiações ou seleções. A Reebok, antiga fornecedora de materiais esportivos, inclusive, lançou duas camisas especiais para o torcedor.[7]

O clube também usou uniformes de outras agremiações em partidas específicas por necessidade. A primeira ocorreu na decisão do Torneio Cidade de Florença de 1964, quando o roupeiro esqueceu Ferrari esqueceu os uniformes e, naquela situação, não seria mais possível buscá-los por causa de uma forte chuva que fez com que o rio Arno transbordasse. A Fiorentina emprestou sua vestimenta com a qual o São Paulo se sagrou campeão do torneio.[3] Cinco anos depois, o clube enfrentou o Real Madrid pelo Troféu Colombino. Naquela ocasião, o São Paulo entrou em campo com o uniforme do Recreativo de Huelva pois o segundo uniforme estava indisponível.[3] A última ocasião foi na Libertadores de 1978, quando enfrentou o Palestino. A equipe chilena jogava com a camisa semelhante ao primeiro uniforme do São Paulo - branca com três faixas na altura do peito - e por isso, o clube usou a camisa do Unión Española.[3]

Evolução do uniforme[editar | editar código-fonte]

1930—1934 Uniform - São Paulo (1930-1934).pngSecond uniform - São Paulo (1930-1934).png O uniforme utilizado entre 1930 e 1934 surgiu da fusão entre os uniformes do Club Athletico Paulistano — a listra vermelha — e da Associação Atlética das Palmeiras — a listra preta. Dessa maneira foi criado um uniforme que simbolizasse a união dos clubes, conciliando com as cores do estado ao qual pertencem.[2]
1930 Uniform - São Paulo (1930).png O segundo uniforme do São Paulo somente surgiu em 1932. Dois anos antes, a equipe usou a antiga camisa da Associação Atlética das Palmeiras - totalmente preta, com golas e mangas brancas - em um amistoso contra os Estados Unidos.[3]
1935—1943 Uniform - São Paulo (1935-1943).pngSecond uniform - São Paulo (1935-1943).png Entre 1935, sua segunda fundação, e 1943 o uniforme apenas deixou de possuir as faixas horizontais no calção. No entanto, essas ainda seriam utilizadas em outros uniformes posteriores, mas sem muita regularidade.[2]
1944—1983 Uniform - São Paulo (1944-1983).pngSecond uniform - São Paulo (1944-1983).png Entre 1944 e 1983, duas mudanças significativas ocorreram nos uniformes do clube: as faixas horizontais no calção foram excluídas, enquanto os meiões passaram a serem brancos.[2]
1940 Uniform - São Paulo (~1940).pngUniform - São Paulo (2010).png A primeira camisa alternativa do São Paulo foi lançada por volta de 1940. Considerada oficialmente o terceiro uniforme do clube, a camisa apresentava listras verticais pretas e brancas, com detalhes vermelhos na gola e nas mangas. Apesar disso, não se sabe se o uniforme fazia homenagem ao Clube Atlético Estudante Paulista, incorporado em 1938 ou à seleção estadual. Na época, o uniforme foi utilizado por pelo menos sete jogos, incluindo os triunfos sobre Corinthians, Portuguesa e o argentino Gimnasia y Esgrima.[3] Em outubro de 2010, um modelo semelhante foi lançado para integrar os uniformes dos goleiros, mas com calções e meiões em vermelho.[8]
1964 Uniform - São Paulo (1964).png Em 1964, o São Paulo participou do Torneio Cidade de Florença e usou a camisa lilás da Fiorentina.[a]
1966 Uniform - São Paulo (1966).png Uniforme criado por Paulo Planet Buarque, conselheiro do clube e então diretor de futebol. A camisa apresentava três faixas verticais largas, preta, branca e vermelha, com o emblema do São Paulo centralizado. Foi utilizado em dez partidas do Campeonato Paulista de Futebol de 1966.[3]
1969 Uniform - São Paulo (1969).png Durante o Troféu Colombino de 1969, o São Paulo não possuía sua camisa listrada para jogar contra o Real Madrid. Por causa disso, o clube atuou com a camisa azul do Recreativo de Huelva, que promovia a competição. O jogo terminou com a vitória do São Paulo por 2 a 1.[3]
1978 Uniform - São Paulo (1978).png Na Libertadores de 1978, o São Paulo enfrentou o Palestino no Chile. Sem o uniforme reserva, o clube triunfou pelo placar mínimo usando a camisa do Unión Española.[b][9]
1983—1996 Uniform - São Paulo (1944-1983).pngSecond uniform - São Paulo (1944-1983).png A partir de 1983 o uniforme principal passou a ter a faixa branca mais estreita deixando, dessa maneira, as faixas vermelha e preta mais próximas. A proporção da distância entre as faixas continua a mesma até a atualidade.[2]
1984 Uniform - São Paulo (1984).png Em 1984 foi criado um terceiro uniforme para ser utilizado em amistosos, incluindo em partidas internacionais.[6] O uniforme completamente branco, com exceção das mangas, onde havia faixas finas, vermelha, branca e preta.[3]
1985 Uniform - São Paulo (1985).png A exemplo da camisa anterior, o modelo de 1985 foi confeccionado para uso em amistosos.[6] Completamente branca, a camisa tinha a manga direita vermelha, e a esquerda preta.[3]
1993 SPFC 1 (1993).pngSPFC 2 (1993).png Curiosamente em 1993, o São Paulo jogou o primeiro semestre do ano com meiões pretos ao invés dos até então tradicionais meiões brancos. Essa troca ocorreu até em jogos em que o time era mandante e foi com esse uniforme que o bicampeonato da Libertadores foi conquistado.[10]
1996—1997 Uniform - São Paulo (1944-1983).pngSecond uniform - São Paulo (1996-1997).png Na década de 1990, a FIFA exigiu que houvesse diferenciação entre todas as partes do uniforme de um time. Para isso o São Paulo instituiu, em 1996, a cor vermelha para o calção e meiões no segundo uniforme. Esse modelo persistiu até 1997.[1][11]
1996—2010 Uniform - São Paulo (1944-1983).pngSecond uniform - São Paulo (1998-2010).png Ainda em 1996, o clube adotou a cor preta nos meiões e calções da segunda vestimenta.[1]
2000 Alternative uniform of São Paulo (2000).png Na partida contra o Avaí, realizada em 15 de janeiro de 2000 pelo Torneio Constantino Cury, o São Paulo atuou o primeiro tempo usando uma camisa inspirada no Club Athletico Paulistano, em homenagem ao centenário do clube.[12]
2008 Alternative uniform of São Paulo (2008).png Em 2008 foi lançada uma terceira camisa em homenagem ao torcedor do São Paulo, mas sem ser utilizada em jogos oficiais. A "Camisa Oficial da Torcida Tricolor", apelidada de "Torcedor Black", acabou em campo utilizada pelo goleiro Rogério Ceni. A intenção inicial da Reebok era lançar uma dessas camisas por ano.[7]
2009 Alternative uniform of São Paulo (2009).png A exemplo do ano anterior, o São Paulo lança em 2009 uma nova "Camisa Oficial da Torcida Tricolor". A camisa foi inspirada no uniforme utilizado durante o Paulista de 1966, com uma manga de cada cor — preta e vermelha.[13]
2011 Uniform - São Paulo (1944-1983).pngSecond uniform - São Paulo (1996-1997).png Em 2011, o São Paulo voltou a atuar de calção vermelho na segunda vestimenta.[11][14]
2012—2017 Uniform - São Paulo (1944-1983).pngSecond uniform - São Paulo (1998-2010).png Em 2012, a cor preta voltou a predominar no calção da segunda vestimenta.[15]
2013 Alternative uniform of São Paulo (2013).png Em 2015 foi lançada uma terceira camisa para comemorar o término da reforma das novas cadeiras. Na época, o anúncio do uniforme alternativo levava o slogan "vermelho, a cor da raça" e ficou entre os tópicos mais comentados no Twitter.[16]
2015 Second alternative uniform for São Paulo FC 2015.pngAlternative uniform of São Paulo FC 2015.png Em 2015 foi lançada uma terceira camisa em homenagem aos 25 anos de carreira de Rogério Ceni. Os jogadores usaram a camisa bordô, com uma faixa vermelha situada no centro e cortada por um fino filamento dourado. Os goleiros, por sua vez, usaram uma camisa semelhante de contraste entre grafite e azul-marinho.[17]
2016 Alternative uniform of São Paulo (2016).png Em 2016, um uniforme na cor amarelo foi apresentado. De acordo com a fornecedora de material esportivo, a Under Armour, é uma homenagem às conquistas são-paulinas em todas as modalidades esportivas.[18] Por causa da rejeição, o uniforme foi utilizado somente uma vez.[19]
2016 Uniform of São Paulo FC - Homage Chapecoense.png Na última partida do Campeonato Brasileiro de 2016, o São Paulo usou um uniforme preto como forma de homenagear as vítimas do Voo LaMia 2933. Além do emblema da Chapecoense, a camisa tinha detalhes em verde e a escrita "#ForçaChape".[20]
2017 Alternative uniform of São Paulo (2017).png Em 2017 o clube apresentou um uniforme alternativo, a camisa de cor preta com teias de escudo espalhada por todo o uniforme.[21][22]
2018—2019 SPFC 1 (2018-2020).pngSecond uniform - São Paulo (1998-2010).png Depois do clube anunciar a Adidas como fornecedora do material esportivo, os torcedores iniciaram uma campanha nas redes sociais para que as três faixas fossem realocadas para a altura do peito e o escudo centralizado. A empresa alemã mediou conversas com o Banco Inter, patrocinador da equipe na época, e as reivindicações dos torcedores foram aprovadas.[23][24]
2019—2020 Alternative uniform of São Paulo-Uruguay 2019.png Lançada em 2019, a terceira camisa faz homenagem à seleção uruguaia com a cor azul celeste predominante. O clube estreou o uniforme alternativo na partida contra o Ceará, tornando-se a primeira camisa vestida por Daniel Alves em jogos oficiais.[25][26] O São Paulo recebeu os agradecimentos da seleção uruguaia pela homenagem.[27]
2020 Uniforme do São Paulo FC (2020).pngSecond uniform - São Paulo (1998-2010).png Para celebrar os noventa anos de história, o clube adotou mudanças na camisa principal: as três principais faixas, na altura do peito, seguem até as costas. Além disso, a camisa também apresenta três faixas prateadas percorrem os ombros e listras verticais brancas em marca d’agua. O uniforme foi lançado na partida diante da Liga de Quito pela Libertadores.[28]
  • A tabela tem funcionalidade de apresentar informações enciclopédicas e visuais de forma resumida, apresentando modelos simplificados sem inclusão de símbolos ou marcas patrocinais. Por conseguinte, mudanças menores e atualizações a cada temporada devem ser evitadas.

Patrocinadores[editar | editar código-fonte]

Atuais[editar | editar código-fonte]

Brasil Brahma
Japão Konami

Inglaterra Sportbet.io
Brasil Passa Quatro
Brasil Grupo Gazin
Brasil Cartão de Todos
Brasil Cimento Cauê

Brasil Betsul

Principais[editar | editar código-fonte]

Apenas em janeiro de 1982 é que o Conselho Nacional de Desportos passou a permitir patrocínios em camisas de clubes de futebol, porém apenas para partidas no exterior.[29] Ainda no mesmo ano o patrocínio estampado na camisa acabou permitido para jogos em território nacional, dessa maneira o São Paulo ostentou a Cofap como patrocinadora do time na final do Campenato Paulista de 1982.[30]

A LG Electronics teve sua marca exposta na frente e atrás da camisa até 15 de janeiro de 2010[31] com valores próximos a 18 milhões de reais anuais — contanto o aditamento do contrato anterior no valor de 16 milhões mais a atualização monetária pelo IGP-M[32][33] —, o que o credenciava a um dos maiores contratos de patrocínio do Brasil em 2009. O time teve com o patrocínio da LG a sua mais duradoura parceria, uma vez que ficou por nove anos como patrocinador. Antes dela, a TAM é que havia ficado por mais tempo na camisa do time, quatro anos.[34] Em 2010 o tricolor paulista começou o ano sem patrocinador o time e ficou assim até setembro, quando o São Paulo anunciou uma parceria com o Banco BMG,[35] porém nesse meio tempo o São Paulo fez contratos pontuais com a Hypermarcas, que utilizou a logomarca Bozzano ou Assolan no peito e Zero-Cal nas mangas para determinadas partidas.[36] Além disso, na partida de ida das semi-finas da Libertadores 2010, contra o Internacional, o uniforme tricolor estampou o logotipo do Criança Esperança, sem receber nada por isso[37] e na partida do dia 15/08/2010, contra o Cruzeiro foi estampada o nome de 18 Sócios Torcedores,que faziam aniversário no dia, no uniforme são-paulino.[38] Em 2012 o São Paulo começou novamente o ano sem nenhum patrocinador principal após a não renovação com o Banco BMG.[39] Após oito meses de camisa "limpa" o São Paulo anunciou uma parceria com a Semp Toshiba para patrocinar o clube até dezembro de 2014 por R$ 23 milhões anuais.[40] Mas a Semp Toshiba encerrou a parceria após a Copa do Mundo de 2014.

Histórico[30]
19821982 Cofap. 19911993 IBF Formulários.
19831983 BCN. 19931996 TAM Linhas Aéreas.
19841984 Perdigão. 19971997 Data Control.
19841984 Ovomaltine. 19971999 Cirio.
19841984 Sorte Já: Carnê Tricolor. 20002001 Motorola.
19841984 Promad. 20012001 Arapuã.
19841986 Cruzeiro do Sul Seguros. 20012009 LG Electronics.
19861986 Lionella.[41] 20102011 Banco BMG.
19861986 VASP. 20122014 Semp Toshiba.
19861987 Nugget. 20162017 Prevent Senior.
19871988 Bic. 20172021 Banco Inter.
19881991 Coca-Cola. 20212021 Sportsbet.io.

Mangas[editar | editar código-fonte]

O São Paulo fechou um contrato no dia 6 de julho de 2009 com a LG Display para as mangas da camisa que estampará o nome de uma tecnologia da marca, o In-Plane Switching.[42] O acordo demorou cerca de quatro meses para ser fechado por conta de um entrave sobre o tamanho do logotipo a ser estampado, o clube chegou a rejeitar diversas propostas por conta disso.[43] No final, somando os valores do patrocínio principal da LG Eletronics — pouco menos de 18 milhões de reais anuais — e da LG Display — em torno de 3 milhões de reais anuais[44] —, o clube arrecadará por ano cerca de 20 milhões de reais somente na camisa em uma parceria que durará até fevereiro de 2010.[45]

Histórico[30]
20002001 Motorola.[46][47] 20102010 Banco BMG.
20022002 TAM.[48] 20112011 Yázigi.
20032005 Habib's. 20122014 Wizard.
20062009 Fast Shop. 20162018 Corr Plastik.[49]
20092010 LG Display.[45] 20182021 Urbano.

Juntando-se os patrocinadores da camisa mais os laboratórios Aché e a Volkswagen — que são responsáveis por promoções e backdrops — a conta tricolor chega aos 30 milhões anuais,[45] a maior receita de um clube brasileiro.[44] O clube recebeu, inclusive, sondagens antes de outros clubes para espaços em diversos lugares do uniforme, mas refutou qualquer tentativa de modo a não poluir o uniforme.[50] Em maio de 2010 São Paulo FC oficializa parceria pontual com a Bombril até o final da Libertadores do mesmo ano[51] e em março de 2011 o São Paulo fechou com o grupo Multi que escolheu a escola de idiomas Yázigi para estampar sua logomarca nas mangas até o final do ano.[52] Em 2012 o tricolor renovou com o grupo Multi, mas para este ano a rede de ensino utilizada foi a Wizard até o fim do Campeonato Paulista de Futebol de 2012,[53] porém com o sucesso da parceria o contrato foi renovado até dezembro de 2014.[54]

Outros[editar | editar código-fonte]

Além dos patrocinadores da camisa, o clube tricolor mantém alguns outros contratos de valores mais baixos. Entre eles estão Volkswagen, Aché, FEMSA, TAM, Habib's, Visa e Life Fitness. Além disso, possui diversas parcerias para alavancar recursos para o clube e que incluem, além da Volkswagen e Aché, a Applebee's e a Associação Brasileira da Indústria Hoteleira (ABIH) que rendem ao clube cerca de 20 milhões de reais anuais.[55] Em janeiro de 2011 o São Paulo acertou com a operadora TIM para estampar a sua marca dentro dos números, o contrato vai até o final de 2013 e o tricolor reberá R$ 3 milhões por ano[56] e em 19/05/11 o São Paulo anunciou um novo patrocinador, a ALE, que estampará sua logomarca na parte superior frontal das camisas e no calção dos uniformes por R$ 2,2 milhões até o final de 2011.[57] Tambem em 2011 a Visa foi a patrocinadora pontual na estreia do pentacampeão mundial Rivaldo na partida contra o Linense válida pelo Paulistão 2011[58] e do atacante Luis Fabiano.[59] Em 1 de abril de 2016 o São Paulo acertou um patrocínio Rock & Ribs para estampar a marca no calção, o contrato de patrocínio se estende também com um restaurante no Morumbi Concept Hall.[60]

Histórico - Barra das costas
20102010 Tenys Pé.[61] 20112011 Copagaz.[62] 20162018 Joli.[63] 20202021 Gazin Colchões.[64]
Histórico - Barra da frente
20162017 FIAP.[65] 20172018 Urbano.[66]
Histórico - Calção
2016 Rock & Ribs.[67][68] 20172018 Guaraná Poty.[69] 20192021 Betsul.[70]

Fornecedores de material esportivo[editar | editar código-fonte]

O São Paulo era o responsável pelo próprio material até 1960. Nas duas décadas seguintes, o clube teve seis fornecedores: Athleta, HerinGol, Scratch, Penalty, Terres e Dell'erba.[71] Em 1981, a francesa Le Coq Sportif se tornou a primeira empresa a ter seu logotipo representado nos uniformes da equipe — o vínculo terminou em 1984. Por mais de quinze anos, o São Paulo teve apenas duas empresas fornecendo seus materiais, Adidas (1985–1991 e 1996–1999) e Penalty (1991–1996 e 1999–2002).[71]

No início de 2003, a Topper assumiu a responsabilidade de fornecer o material esportivo. O vínculo permaneceu até dezembro de 2005, quando o São Paulo triunfou sobre o Liverpool.[71] Após a conquista do título mundial, o clube assinou o contrato com a Reebok. O contrato entre ambos foi renovado de forma antecipada por duas ocasiões,[72][73] e perdurou até 31 de dezembro de 2012.[73] A Penalty foi escolhida como a fornecedora de material esportivo após o término do vínculo de seis anos com a Reebok.[74] Na época, o contrato foi anunciado pelo clube como "o maior acordo de fornecimento de material esportivo da história do São Paulo", rendendo mais de 35 milhões de reais por ano, [75] porém uma série de reclamações resultaram na interrupção do mesmo em abril de 2015.[76][77] Antes da rescisão com a empresa brasileira, a Under Armour assinou um contrato de cinco anos com o São Paulo. A empresa norte-americana, no entanto, tentou negociar uma redução nos valores definidos; o contrato foi rescindido em dezembro de 2017.[78][79] Seis meses depois, a Adidas foi anunciada como nova fornecedora — vínculo que permanece até a atualidade.[80][81]

Notas

  1. O São Paulo excursionava pela Europa quando enfrentou o FK Zenith Leningrad na decisão do Torneio Cidade de Florença. Durante o caminho entre o hotel e o estádio, o roupeiro Ferrari percebeu que havia esquecido os uniformes. Naquela situação não seria mais possível buscá-los por causa de uma forte chuva que fez com que o rio Arno transbordasse. A Fiorentina emprestou seu uniforme para o clube, que sagrou campeão do torneio.[3]
  2. Na época, o Palestino jogou com a camisa idêntica ao primeiro uniforme do São Paulo - branca com três faixas na altura do peito.[3]
  3. Vinculada entre 1985 e maio de 1991.[71]
  4. Vinculada entre 1991 e março de 1996.[71]
  5. Vinculada entre abril de 1996 e fevereiro de 2002.[71]
  6. Vinculada entre março de 1999 e dezembro de 2002.[71]
  7. Vinculada entre janeiro de 2003 e dezembro de 2005.[71]
  8. Vinculada entre janeiro de 2006 e dezembro de 2012.[73]
  9. Vinculada entre janeiro de 2013 e abril de 2015.[77]
  10. Vinculada entre maio de 2015 e junho de 2018.[78][79]
  11. Vínculo presente desde julho de 2018.[80]

Referências

  1. a b c d e f g h i «São Paulo FC - Símbolos». Website oficial do São Paulo. Consultado em 29 de maio de 2020. Cópia arquivada em 19 de março de 2011 
  2. a b c d e f Giacomini, Conrado (2005). São Paulo. Dentre os Grandes, és o Primeiro. [S.l.]: Ediouro. 323 páginas. ISBN 8500015721 
  3. a b c d e f g h i j k l m n Michael Serra (25 de abril de 2013). «São Paulo já usou uniformes diferentes em outras ocasiões». Website oficial do São Paulo. Consultado em 16 de maio de 2020. Cópia arquivada em 29 de abril de 2013 
  4. a b c d «Há 88 anos, São Paulo usava o uniforme 2 pela primeira vez na história». Gazeta Esportiva. 29 de maio de 2020. Consultado em 29 de maio de 2020. Cópia arquivada em 29 de maio de 2020 
  5. Adalberto Leister Filho (10 de julho de 2017). «Under Armour lança 2º uniforme do São Paulo». Maquinadoesporte.com.br. Consultado em 29 de maio de 2020. Cópia arquivada em 29 de maio de 2020 
  6. a b c «Série L! Grandes Clubes 2005». Mística Tricolor. Rio de Janeiro: Lance!. 2005. 92 páginas 
  7. a b «São Paulo Futebol Clube e Reebok apresentam nova coleção». Vipcomm.com.br. 20 de janeiro de 2008. Consultado em 16 de maio de 2020. Arquivado do original em 22 de janeiro de 2008 
  8. «São Paulo lança camisa inspirada na década de 1940». uolesporte.blogosfera.uol.com.br. 28 de outubro de 2010. Consultado em 16 de maio de 2020. Cópia arquivada em 19 de março de 2015 
  9. Costa, Alexandre da (2005). Almanaque do São Paulo. Placar. Rio de Janeiro: Editora Abril. 482 páginas EAN-13: 789 361402 948 1
  10. «São Paulo bicampeão da Libertadores 92/93». Rio de Janeiro: Editora Abril. Placar (1 083-A). maio de 1993 
  11. a b «São Paulo terá calção vermelho, e Lucas 'tropeça' na passarela». Folha de S.Paulo. 8 de abril de 2011. Consultado em 16 de maio de 2020. Cópia arquivada em 17 de maio de 2020 
  12. «Levir Culpi estréia no São Paulo com dois jogadores rejeitados». Folha de S.Paulo. São Paulo. 15 de Janeiro de 2000. Consultado em 16 de maio de 2020. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  13. Carolina Elustondo; Paula Ab (19 de janeiro de 2009). «Com os 'modelos' Washington e Miranda, Tricolor lança linha 2009 de uniformes». GloboEsporte.com. Consultado em 16 de maio de 2020. Cópia arquivada em 23 de janeiro de 2009 
  14. Ana Luiza Rosa (8 de abril de 2011). «São Paulo FC e Reebok lançam novos uniformes». Website oficial do São Paulo. Consultado em 16 de maio de 2020. Cópia arquivada em 17 de maio de 2020 
  15. «São Paulo abandona calção vermelho e lança uniforme mais tradicional». Folha de S.Paulo. 20 de janeiro de 2012. Consultado em 16 de maio de 2020. Cópia arquivada em 17 de maio de 2020 
  16. «São Paulo radicaliza e esconde até o escudo em novo uniforme vermelho». GloboEsporte.com. 28 de abril de 2013. Consultado em 2 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 30 de abril de 2013 
  17. «São Paulo estreia terceiro uniforme comemorativo por Ceni no domingo». Gazeta Esportiva. 15 de outubro de 2015. Consultado em 16 de maio de 2020. Cópia arquivada em 16 de maio de 2020 
  18. «São Paulo lança terceira camisa na cor amarela». Jovempan.com.br. 3 de agosto de 2016. Consultado em 19 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2020 
  19. Bruno Grossi (6 de fevereiro de 2017). «São Paulo tem novas camisas para 2017 prontas, mas faz mistério». Lance!. Consultado em 19 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 8 de fevereiro de 2017 
  20. «Lista GE: relembre os uniformes 3 do São Paulo na história do clube». GloboEsporte.com. 18 de agosto de 2019. Consultado em 16 de maio de 2020. Cópia arquivada em 17 de maio de 2020 
  21. «É oficial! São Paulo divulga imagens da nova terceira camisa». GloboEsporte.com. 18 de setembro de 2017. Consultado em 19 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 29 de novembro de 2019 
  22. «Mais de 40 mil torcedores contra o Sport fazem São Paulo bater recorde após 37 anos». Espn.com.br. 2 de outubro de 2017. Consultado em 19 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2020 
  23. «São Paulo confirma reedição de camisa com faixas no peito». Gazeta Esportiva. 8 de junho de 2018. Consultado em 16 de maio de 2020. Cópia arquivada em 17 de maio de 2020 
  24. Luciano Borges (12 de junho de 2018). «São Paulo tem camisa com faixa no peito e patrocinadores recebem elogios dos tricolores». IstoÉ. Consultado em 16 de maio de 2020. Cópia arquivada em 29 de abril de 2019 
  25. Eduardo Rodrigues (15 de agosto de 2019). «São Paulo lança terceira camisa em evento no Morumbi; estreia será domingo, contra o Ceará». GloboEsporte.com. Consultado em 16 de maio de 2020. Cópia arquivada em 17 de maio de 2020 
  26. «São Paulo lança a sua terceira camisa, azul celeste, em homenagem ao Uruguai». IstoÉ. 15 de agosto de 2019. Consultado em 16 de maio de 2020. Cópia arquivada em 17 de maio de 2020 
  27. «Seleção uruguaia agradece São Paulo por uniforme celeste e sorteará camisa a torcedores». espn.com.br. 20 de agosto de 2019. Consultado em 17 de maio de 2020. Cópia arquivada em 2 de dezembro de 2019 
  28. Érico Leonan (11 de março de 2020). «Em imagens, a nova camisa do São Paulo». Website oficial do São Paulo. Consultado em 16 de maio de 2020. Cópia arquivada em 17 de maio de 2020 
  29. Nossos comerciais, por favor. Rio de Janeiro: Editora Abril. Placar (em português) (614). 26 de fevereiro de 1982 
  30. a b c LEME DE ARRUDA, Marcelo; André do Nascimento Pereira, Martín Tabeira, Alexandre Magno Barreto Berwanger (21 de junho de 2009). «São Paulo Futebol Clube» (em inglês). RSSSF Brasil. Consultado em 4 de maio de 2009 
  31. «Chega ao fim a parceria do São Paulo Futebol Clube com a LG Electronics.» (em português). São Paulo Futebol Clube (oficial). 15 de janeiro de 2010. Consultado em 16 de janeiro de 2010 
  32. COSTA, Guilherme (21 de janeiro de 2009). «SP ainda vive dúvida sobre uniforme». Máquina do Esporte. Consultado em 4 de maio de 2009 
  33. FRANCESCHINI, Gustavo (6 de fevereiro de 2009). «São Paulo oficializa Volkswagen e Aché». Máquina do Esporte. Consultado em 4 de maio de 2009 
  34. BUENO, Rodrigo (26 de novembro de 2006). São Paulo avalia camisa em R$ 25 milhões. São Paulo: Grupo Folha. Folha de S.Paulo (em português). Consultado em 4 de maio de 2009 
  35. «São Paulo e Banco BMG anunciam parceria» 
  36. «Clube oficializa parceria com a Hypermarcas» 
  37. «São Paulo exibirá "Criança Esperança" em sua camisa no duelo com Inter» 
  38. «Sócio Torcedor, o maior patrocinador do Tricolor» 
  39. «Após negativa do BMG, São Paulo inicia ano com camisa 'limpa' e diz não ter desespero» 
  40. Após oito meses de 'seca', São Paulo fecha patrocínio para a camisa
  41. «GazetaPress» (JPG) (em português). A Gazeta Esportiva. Consultado em 4 de maio de 2009 
  42. «São Paulo e LG Display oficializam parceria». São Paulo Futebol Clube (oficial). 6 de julho de 2009. Consultado em 6 de julho de 2009 
  43. COSTA, Guilherme (6 de julho de 2009). «São Paulo celebra adequação de parceiros». Máquina do Esporte. Consultado em 6 de julho de 2009 
  44. a b CASARES, Júlio (6 de julho de 2009). «Entrevista com Julio Casares» (Transcrição) (entrevista centrada). Marcello Lima. São Paulo: Marcello Lima. Consultado em 6 de julho de 2009 
  45. a b c COSTA, Guilherme (6 de julho de 2009). «São Paulo admite atraso, mas festeja meta». Máquina do Esporte. Consultado em 6 de julho de 2009 
  46. «Camisa 2000» (JPG). SPFCpedia. Consultado em 4 de maio de 2009 
  47. «Camisa 2001» (JPG). SPFCpedia. Consultado em 4 de maio de 2009 
  48. «Camisa 2002» (JPG). SPFCpedia. Consultado em 4 de maio de 2009 
  49. «Chegada da Corr Plastik faz Tricolor ultrapassar meta de patrocínios». Site oficial SPFC. Consultado em 1 de Agosto de 2016 
  50. «São Paulo atinge meta de patrocínio e refuta estratégia corintiana». UOL esporte. 6 de julho de 2009. Consultado em 6 de julho de 2009 
  51. «FOTO: São Paulo amplia contrato com patrocinador» 
  52. «São Paulo fecha patrocínio com Yázigi até o fim do ano» 
  53. «Grupo Multi renova com São Paulo, mas muda marca» 
  54. «São Paulo FC e Wizard renovam parceria até 2014» 
  55. FERRARI, Carlos Augusto (9 de fevereiro de 2009). «Clube apresenta novos parceiros e aposta no marketing para evitar venda de atletas». Globoesporte.com. Consultado em 4 de maio de 2009 
  56. FERRARI, Carlos Augusto (28 de janeiro de 2011). «TIM é a nova patrocinadora do Tricolor». São Paulo Futebol Clube. Consultado em 28 de janeiro de 2011 
  57. FERRARI, Carlos Augusto (28 de janeiro de 2011). «São Paulo fecha patrocínio com a ALE». São Paulo Futebol Clube. Consultado em 19 de maio de 2011 
  58. «Visa é a parceira do Tricolor na chegada de Rivaldo» 
  59. «Visa mantém estratégia e terá Luis Fabiano» 
  60. «São Paulo apresenta patrocínio para o calção do uniforme». Maquina do esporte. Consultado em 26 de Abril de 2016 
  61. Maquina do esporte. «Tenys Pé volta ao São Paulo e pode ficar até dezembro» 
  62. «Copagaz fecha com São Paulo por um ano» 
  63. «São Paulo confirma dois novos patrocinadores para 2016». Fox Sports. Consultado em 7 de Janeiro de 2016 
  64. «Grupo Gazin é o novo patrocinador do São Paulo». Site SPFC. Consultado em 24 de Julho de 2020 
  65. «São Paulo e FIAP fecham primeira parceria do clube para 2016». Site SPFC. Consultado em 7 de Janeiro de 2016 
  66. Site SPFC. «Urbano é nova patrocinadora oficial do São Paulo para a temporada 2017» 
  67. «Rock & Ribs estampa calção do Tricolor». Site SPFC. Consultado em 26 de Abril de 2016 
  68. «São Paulo usa marca no calção por meses, não recebe e perde restaurante». Folha de S. Paulo. Consultado em 15 de Janeiro de 2018 
  69. Site SPFC. «Guaraná Poty: Patrocinador Oficial do São Paulo até 2018» 
  70. Site SPFC (3 de outubro de 2019). «Betsul é o novo patrocinador do São Paulo». Consultado em 3 de outubro de 2019 
  71. a b c d e f g h i Álvaro Logullo (3 de março de 2018). «Adidas retorna ao São Paulo; Confira a linha do tempo dos fornecedores esportivos que já vestiram o Tricolor». Spfc24horas.com.br. Consultado em 29 de maio de 2020. Cópia arquivada em 29 de maio de 2020 
  72. «Após título, São Paulo renova contrato com a Reebok». Folha de S.Paulo. 1 de novembro de 2007. Consultado em 29 de maio de 2020. Cópia arquivada em 4 de abril de 2015 
  73. a b c «São Paulo e Reebok renovam até 2012». Website oficial do São Paulo. 16 de novembro de 2009. Consultado em 29 de maio de 2020. Cópia arquivada em 29 de maio de 2020 
  74. Marcelo Prado (30 de outubro de 2012). «Após seis anos com a Reebok, São Paulo fecha com a Penalty até 2015». GloboEsporte.com. Consultado em 29 de maio de 2020. Cópia arquivada em 2 de novembro de 2012 
  75. «Penalty é a nova fornecedora de material esportivo do São Paulo FC». Website oficial do São Paulo. 1 de janeiro de 2013. Consultado em 29 de maio de 2020. Cópia arquivada em 29 de março de 2019 
  76. Marcelo Prado (17 de dezembro de 2014). «Por R$ 135 milhões, São Paulo fecha com a Under Armour por cinco anos». GloboEsporte.com. Consultado em 29 de maio de 2020. Cópia arquivada em 5 de março de 2018 
  77. a b Érico Leonan (28 de abril de 2015). «São Paulo promove almoço de confraternização com a Penalty». Website oficial do São Paulo. Consultado em 29 de maio de 2020. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  78. a b José Renato Ambrósio (17 de março de 2015). «Under Armour anuncia parceria com São Paulo e promete uniforme novo até maio». Espn.com.br. Consultado em 29 de maio de 2020. Cópia arquivada em 29 de maio de 2020 
  79. a b José Eduardo Martins (7 de dezembro de 2017). «Under Armour acerta rescisão de contrato com o São Paulo». UOL. Consultado em 29 de maio de 2020. Cópia arquivada em 29 de maio de 2020 
  80. a b Marcelo Hazan (16 de março de 2018). «Contrato do São Paulo com a Adidas é de cinco anos e meio; veja os detalhes». GloboEsporte.com. Consultado em 29 de maio de 2020. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2019 
  81. Matheus Lara; Paulo Favero (27 de fevereiro de 2018). «São Paulo anuncia acordo com a Adidas para fornecimento de material esportivo». Estado de S. Paulo. Consultado em 29 de maio de 2020. Cópia arquivada em 5 de maio de 2018 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]