Ceará Sporting Club

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde abril de 2018).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde abril de 2018). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.


Ceará
Ceará Sporting Club logo.svg
Nome Ceará Sporting Club
Alcunhas Vovô
Vozão
Time do Povo
O Mais Querido
Alvinegro de Porangabussu
Alvinegro Cearense
Gigante Alvinegro
Glorioso
Torcedor/Adepto Alvinegro
Mascote Vovô
Principal rival Fortaleza
Fundação 2 de junho de 1914 (104 anos)
Estádio Estádio Presidente Vargas

Arena Castelão

Capacidade 20 268[1]
Localização Fortaleza, Brasil
Mando de jogo em Arena Castelão
Presidente Vargas
Capacidade (mando) 63 903 pessoas[2]
20 268 pessoas[1]
Presidente Robinson de Castro
Treinador Lisca
Patrocinador Cimento Apodi
Embracon
Pro Tork[3]
NET[4]
Caixa
Algar Telecom
Material (d)esportivo Topper
Competição Campeonato Cearense de Futebol
Campeonato Brasileiro de Futebol - Série A
Copa do Brasil de Futebol
Copa Fares Lopes
Copa do Nordeste
Ranking nacional Baixa 27.º lugar, 5 553 pontos [5]
Website www.cearasc.com
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Temporada atual
editar

Ceará Sporting Club é um clube poliesportivo brasileiro. Sua sede situa-se na capital do Estado do Ceará, na Região Nordeste do Brasil. O clube foi fundado na noite do dia 2 de junho de 1914, pelas ruas do histórico bairro do Centro da Capital.

Seu mascote é o vovô, não por ser o time mais velho da capital cearense, mas por Meton de Alencar Pinto, então presidente do clube, por ao receber os atletas juvenis do América Futebol Club, os tratou como seus "netinhos".

Seu estádio oficial é o Carlos de Alencar Pinto, apelidado pela torcida como Vovozão. O alvinegro, porém, manda os seus jogos na Arena Castelão, do Governo do Estado do Ceará, e no Estádio Presidente Vargas, da Prefeitura de Fortaleza.

Também é de posse do clube um dos mais modernos centros de treinamento do Nordeste, a Cidade Vozão, que ocupa uma área de oito hectares, abrigando nele um estádio com capacidade para 4.000 pessoas; três campos oficiais de treinamento, bem como uma quadra society. O CT possui um prédio com 1.600 m² de construção.

Tem como principais títulos os campeonatos do Torneio Norte–Nordeste de 1969 e a Copa do Nordeste de 2015, conquistada de forma invicta, além de 45 títulos estaduais.

É dono das melhores campanhas de um clube cearense na Copa do Brasil (vice-campeão na edição de 1994, em que ficou marcada pela polêmica de um pênalti não marcado a favor do Alvinegro na final, além das semifinais de 2005 e 2011).

O clube é o dono da maior torcida do estado, sendo a terceira maior do Nordeste,[6][7] segundo a Pluri,[8] o IBOPE,[9] o Datafolha,[10] a Ipsos Marplan,[11] o Lance! e Ibope.[12] É o clube alencarino com mais públicos acima de 50.000 pagantes na história do Estado (13 vezes). Além disso, é o clube cearense com a melhor média de público de todas as edições da Série A (28.613 pagantes em 2018), além de possuir médias espetaculares em 2010 (23.467 pagantes) e 1982 (21.622 pagantes); além disso, é o clube cearense com a melhor média de público da Copa do Brasil (35.407 pagantes em 2005), além de possuir a 4ª melhor média de público da história da competição (20.355 pagantes entre 1989 e 2017)[13]. Também possui números expressivos em outras competições, como as Copas do Nordeste de 2013 (23.541 pagantes), 2014 (20.283 pagantes) e 2015 (24.282 pagantes); as Série B de 2009 (22.660 pagantes) e 2017 (20.555 pagantes); e o Cearense de 2006 (20.229 pagantes). O clube alvinegro também é o dono do maior público entre clubes cearenses em edições da Série A do Campeonato Brasileiro, com um público de 57.223 pagantes em partida contra o Vasco da Gama em 2018.

É o único time do estado e um dos poucos do Brasil a nunca ter participado da Série C do Campeonato Brasileiro, embora seja o clube brasileiro com maior número de participações na Série B, com cadeira cativa em trinta edições até 2017. Nela, obteve três acessos (1992, 2009 e 2017). Além disso, o Ceará é o único clube do Nordeste a nunca ter ficado sem Série desde 1971 ou disputado a Série C (o Sport, o outro nordestino a nunca ter jogado a Série C, ficou sem divisão em 1972).

É, também, o clube cearense que mais participou do Campeonato Brasileiro da Série A e da Copa do Brasil, além de ser recordista de títulos de Campeonato Cearense, com 45 conquistas, sendo uma vez pentacampeão (1915-1919), 3 vezes tetracampeão (1975-1978, 1996-1999 e 2011-2014) e 1 tricampeonato (1961-1963) e ser o único time do estado a ter participado de uma competição internacional oficial, a Copa Conmebol de 1995 e a Copa Sul-Americana de 2011.

O Ceará tem também tradição no futsal, onde foi tricampeão do Campeonato Cearense, nas edições de 2003, 2004 e 2005. O Alvinegro é o 4º clube que mais vezes venceu o campeonato estadual da modalidade, ficando atrás de Sumov, América e Horizonte.

História[editar | editar código-fonte]

No estado do Ceará, o futebol teve seus primeiros passos dados por marinheiros e funcionários de empresas inglesas instaladas no estado em 1903. Em 1904, José Silveiria, jovem estudante na Suíça, trouxe a primeira bola oficial para o estado. Logo o futebol tornou-se paixão popular; não demorou muito e surgiram inúmeras equipes.

No dia 2 de junho de 1914, caminhando pelo centro da capital do estado Ceará, Luís Esteves Júnior e Pedro Freire conversavam sobre diversos assuntos, principalmente sobre política internacional. Após chutar uma pedra no meio do caminho, começaram a falar sobre futebol, surgindo a ideia de fundar um clube. Ao encontrar colegas no Café Art Nouveau, na Praça do Ferreira, a ideia da dupla foi se concretizando. Ainda no mesmo dia, a turma se reuniu na residência de Luís Esteves. As 22 pessoas (há quem fale em 18 e em 25) escolheram o nome do clube como Rio Branco Football Club, com camisas de cor roxa e calções brancos, semelhantes ao uniforme da atual ACF Fiorentina, da Itália (que seria fundada em 1926 e cujas vestimentas, portanto, não influenciaram as cores do time cearense). Gilberto Gurgel, comerciante da Praça do Ferreira, foi eleito o primeiro presidente e promoveu-se uma coleta entre os associados, visando a arrecadar fundos para comprar uma bola oficial número 5. Foram arrecadados cerca de 22 mil réis, uma quantia razoável e que mostra a boa condição social dos fundadores do clube.

Numa outra reunião, exatamente um ano depois, foi escolhido mudar o nome do time para Ceará Sporting Club e, devido a dificuldade de se obter camisas na cor roxa, mudou-se as cores do uniforme para preto e branco.[14][15]

Não se sabe bem o porquê da escolha do nome Rio Branco. Provavelmente uma homenagem ao famoso diplomata brasileiro Barão do Rio Branco, falecido em 1912. O nome reflete, contudo, a dureza, as dificuldades da época e as esperanças de um futuro melhor; queria-se um Rio Branco de águas limpas, transparentes para se banhar e aproveitar o vento e o sol. O nome Ceará relaciona-se a um aumento do regionalismo, uma consequente desilusão da Belle Époque, advinda com a Primeira Guerra Mundial. As cores alvinegras evidenciavam igualmente o momento: o branco da paz, a que homens almejavam naquele instante de guerra, mais ainda. Quanto ao preto, há uma significância toda especial: sabe-se que tal cor, por séculos associada ao luto e a morte, foi transformada pela nobreza absolutista da idade moderna e sobretudo pelas elites num tom solene de elegância, gala, luxo, força, poderio e aristocracia. Assim, foram misturados no Ceará, o poder, a nobreza e a ternura.

Apesar de muitos pensarem que o codinome Vovô se deva ao fato de o Ceará ser o mais velho clube do estado, depoimento de Aníbal Câmara Bonfim, um dos fundadores do América Futebol Club, em 1920, diz o real motivo do apelido. Ele contava que os jogadores do América costumavam treinar no campo do Ceará. O presidente do Ceará na época, Meton de Alencar Pinto, passou a tratá-los como "meus netinhos" e se auto-intitulava "Vovô".[16] Em 2009, o personagem ganhou vida. Uma pessoa fantasiada de Vovô passou a estar presente nos jogos em que o mando de campo é do alvinegro.

O jogo mil de Pelé pelo Santos[editar | editar código-fonte]

Pelé 1960.jpg

Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, esteve em Fortaleza para jogar contra o Ceará vestindo a camisa do Santos. Esse seria o milésimo jogo de Pelé pelo clube. No confronto de alvinegros, quem se deu bem foi o Vovô, que bateu o Santos por 2 a 1 de virada. O Ceará saiu perdendo no primeiro tempo com um gol de Pelé, o 1 015 de sua carreira, mas os cearenses voltaram a campo dispostos a virar o placar e, aos 17 minutos da etapa complementar, Samuel empatou. Treze minutos depois, Da Costa fez de cabeça o gol da virada do Vovô.

"Já estava no finalzinho do jogo, o placar era 1 a 1 porque o Samuel tinha empatado para nós no começo do segundo tempo", contou Da Costa, autor do gol da vitória alvinegra. "A jogada foi assim: Samuel ou Edmar, não lembro direito, meteu uma bola para o Jorge Costa na ponta direita. O Jorge ganhou na carreira do Rildo (lateral esquerdo do Santos), foi à linha de fundo e cruzou. Eu ameacei ir para a marca do pênalti e voltei… O Carlos Alberto subiu, mas eu subi na frente dele e cabeceei, a bola bateu no pau da trave e entrou lá no cantinho. É um gol que guardo comigo até hoje." Da Costa conta ainda de uma curiosa aposta feita por Paulino Rocha na época. "Eu vou revelar coisa que pouca gente sabe. O Paulino Rocha desceu lá nos vestiários durante o intervalo e me disse: 'Da Costa, eu apostei com o Rolim (torcedor rival), e, se você fizer o gol da vitória, eu lhe dou o dinheiro todinho da aposta.' Pois ele me deu tudo… eram 3 mil cruzeiros, era muito dinheiro na época."[17]

A partida foi realizada em 3 de novembro de 1972 e foi presenciada por um grande número de torcedores, que abarrotaram as arquibancadas do Presidente Vargas, cerca de 35 752 pagantes. Ceará: Hélio, Paulo Tavares, Odélio, Mauro Calixto, Dimas, Edmar, Joãozinho, Nado, Jorge Costa, Samuel e Da Costa. Santos: Joel Mendes, Turcão, Paulo, Altivo, Murias (Vicente), Léo, Pitico, Roberto Carlos, Afonsinho (Edu), Pelé e Ferreira.[18]

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Estádios[editar | editar código-fonte]

Torcida no Castelão durante a final do Campeonato Cearense de 2013
Nome Localização Anos de Uso
Vovozão Fortaleza 1968–presente (Treinos e sede do clube)
Presidente Vargas Benfica, Fortaleza 1942–presente (Jogos de médio e grande porte)
Castelão Castelão, Fortaleza 1973–presente (Grandes jogos)

Estádio Carlos de Alencar Pinto[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Estádio Carlos de Alencar Pinto

O Estádio Carlos de Alencar Pinto, mais conhecido com Vovozão, é o estádio oficial e a sede oficial do clube do Ceará. O estádio possui capacidade para 3 000 pessoas e só é utilizado em treinos e pelas seleções de base. Já foi apresentado um projeto de ampliação do estádio, que poderia abrigar 30 000 espectadores, podendo abrigar jogos oficiais. O custo da reforma foi previsto para 15 milhões de reais. No entanto, o Ceará não manda os seus jogos no Vovozão, e sim no Castelão, no qual tem contrato de exclusividade, ou no estádio Presidente Vargas, em casos em que o Castelão estiver em manutenção ou estiver apresentando outros serviços.

Cidade do Vozão/CT Luís Campos[editar | editar código-fonte]

O Ceará adquiriu o Centro de Treinamento do Nordeste (CETEN), em 2013, como forma de presentear a torcida pelos 99 anos do clube. O contrato foi fechado por R$ 6 milhões de reais. O CT, localizado na cidade de Itaitinga, foi eleito o melhor do Nordeste. Chamado pela torcida de cidade vozão, o CT conta com uma área total de 80.000 m².

Símbolos[editar | editar código-fonte]

Escudos[editar | editar código-fonte]

Evolução dos escudos do Ceará Sporting Club

O Ceará possui cinco escudos que foram utilizados em momentos distintos:

  • O primeiro escudo oficial (1914 a 1915), ainda como Rio Branco Foot-Ball Club, mudaria suas cores pela dificuldade de se obter uniformes com as cores do símbolo, roxo e branco.
  • O segundo escudo (1915 a 1954) continha sete listras alternadas em branco e preto, além de trazer as iniciais CSC.
  • O terceiro (1955 a 1969) era inspirado no escudo do Santos, de São Paulo, e continha uma bola na parte superior, para simbolizar o futebol, o nome "Ceará", além de nove listras alternadas em branco e preto.
  • O quarto (1973 a 2003) trazia em destaque o nome do clube, além de nove listras alternadas em preto e branco.
  • O quinto escudo (2003 até hoje) é fruto de um trabalho de re-estilização do símbolo anterior, feito pelo publicitário Orlando Mota, da Mota Comunicação. Traz a data da fundação do clube (1914), além das cinco estrelas na parte superior do símbolo, representando o pentacampeonato estadual (1915-1919). Traz o preto como tom principal, mas não deixa de lado o branco, simbolizado pelas listras.[19]

Hino[editar | editar código-fonte]

O hino do Ceará foi composto pelo poeta José Jatahy, mesmo autor da música "Aquela Corrente" (também em homenagem ao Alvinegro de Porangabussu), e ganhou vida na voz do cantor cearense Paulo José.

Torcida[editar | editar código-fonte]

Torcida alvinegra lotando o Estádio Governador Plácido Castelo (Castelão).

O Ceará detém a maior torcida do estado e da capital do Ceará, com cerca de 1,8 milhões de torcedores em todo o Brasil, tendo assim uma das mais consideráveis torcidas do Nordeste (ao lado de Fortaleza, Náutico, Bahia, Sport, Vitória e Santa Cruz) e do Brasil. Foram algumas as pesquisas comprovando este dado. O clube é tradicionalmente ligado às massas populares, razão pela qual é chamado de "O Mais Querido" e "Time do Povo".

Em 2012, uma pesquisa realizada pelo instituto IBOPE e divulgada no dia 1° de setembro de 2012 demonstrou que o Ceará possui a maior torcida na Capital do Estado, com 28% do total de torcedores, o Fortaleza vem em segundo com 23% e o Ferroviário aparece em seguida com 1% dos torcedores.[20]

Também em 2012, no dia 8 de setembro de 2012, em mais uma pesquisa realizada pelo instituto Datafolha, em parceria com o jornal O Povo, foi revelado que o Ceará possui a maioria entre os fortalezenses. Com 28% dos entrevistados, o Ceará aparece como o time de maior público na capital. O Fortaleza vem em segundo lugar, com 21%. Equipes locais aparecem à frente de clubes do sudeste, Corinthians (8%) e Flamengo (7%).[21]

Em 2016, em nova pesquisa realizada na capital cearense pelo instituto Datafolha, em parceria com o jornal O Povo, registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-CE) – Nº CE-02799/2016, constatou-se que a diferença da torcida do Ceará para a torcida do Fortaleza caiu em relação aos dados levantados em 2012. De acordo com números apresentados pela nova pesquisa, o Vovô tem 26% da preferência dos entrevistados, enquanto o rival tricolor tem 25%, havendo empate técnico, tendo em vista a margem de erro de três pontos percentuais para mais ou para menos. Ainda segundo o Datafolha, entre os homens, 31% escolheu o Vovô e 26% o Leão do Pici. O Fortaleza é o preferido entre os jovens de 16 a 24 anos. O Leão tem 38% enquanto o Ceará tem 22%. A escolha se repete também entre os maiores de 60 anos, onde o Tricolor tem 31% e o Vovô com 25%. Entre os entrevistados com nível superior, com 29%, o Fortaleza supera o Ceará que tem 25%. O Leão é favorito entre as mulheres com 25% e o Ceará vem logo em segundo com 22%.[22]

As principais torcidas organizadas do Alvinegro são: Torcida Organizada Cearamor, Movimento Organizado Força Independente (MOFI), Torcida Ceará Chope, Cangaceiros Alvinegros, Setor Alvinegro, Torcida Fúria Jovem do Ceará e Cearacoiba.

  • De acordo com a FCF, o Ceará foi o clube que mais levou torcedores ao estádio em 2009, 2010 e 2011 pelo Campeonato Cearense.[23]
  • De acordo com a CBF, foi o clube do estado que mais levou torcedores ao estádio no Campeonato Brasileiro de 2006, 2007, 2008, 2009, 2010 e 2011. Em 2009, na Série B, o Vovô ficou com a 6ª maior média de público do Brasil, enquanto seu arquirrival ficou com a 22ª melhor média. Já em 2010, ficou com a 2ª maior média de público do Brasileirão (Série A).[24][24]
  • Em julho de 2002, o Datafolha fez nova pesquisa e estimou cerca de 1,5 milhão de simpatizantes do Ceará em todo o Brasil, o que colocava o clube como 15º do Brasil, segundo do Nordeste (perdendo somente para o Bahia) e primeiro em seu estado.
  • A Pesquisa Datafolha/O POVO, feita apenas no estado do Ceará, em setembro de 2010, reforçou que o Ceará é o clube cearense com a maior torcida: 13% dos entrevistados se declararam alvinegros, contra 8% do rival; o Flamengo apareceu com 19% e o Corinthians teve 10%. Na região metropolitana de Fortaleza, o Ceará é o clube com a maior torcida: 26% dos entrevistados se declararam alvinegros, contra 17% do rival.[25]
  • Em 2009, durante a Série B, o Vozão levou 429 722 pagantes para o estádio nos 19 jogos, obtendo, assim, a segunda melhor média de público (22 617 pagantes por jogo) daquele ano e, ainda, a segunda melhor arrecadação do ano, com R$ 5,7 mil.[26]
  • O Ceará conseguiu a 2ª melhor média de público da Série A 2010, com 23 467 pagantes por jogo. O time recebeu, em casa, 445 869 pagantes nos 19 jogos. O Vozão conseguiu o 4º, 5º e 6º maiores públicos do Brasileirão 2010. Além de conseguir, pela primeira vez na história do futebol cearense, rendas superiores a R$ 1 mil em uma única partida. No total, o Ceará arrecadou R$ 7,43 mil no Campeonato Brasileiro de 2010. Nenhum outro time cearense conseguiu arrecadar tanto em uma competição.
  • Em seu programa de torcedores oficiais, o Sou Mais Ceará, ocupa atualmente a décima posição em número de sócios-torcedores, com 22 500 000 torcedores oficiais cadastrados até março de 2011, sendo divididos em três planos: Torcedor Ouro, Prata e Bronze, além do cartão Sócio Acompanhante.[27]
  • Levou cerca de 1 200 000 de pagantes aos estádios em 2009 e 2010, número que nenhuma outra torcida do estado alcançou em um biênio.

Futebol[editar | editar código-fonte]

Uniformes[editar | editar código-fonte]

Jogadores[editar | editar código-fonte]

Goleiros[editar | editar código-fonte]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Participações[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Temporadas do Ceará
Participações em 2019
Competição Temporadas Melhor campanha Estreia Última A Aumento R Baixa
Ceará Campeonato Cearense 104 Campeão (45 vezes) 1915 2019
BandeirasNordesteBrasil.gif Copa do Nordeste 14 Campeão (2015) 1997 2019
Brasil Campeonato Brasileiro 23 3º colocado (1964) 1959 2019 2
Série B 30 3º colocado (2009 e 2017) 1981 2017 3
Copa do Brasil 24 Vice-campeão (1994) 1990 2019
Flags of the Union of South American Nations.gif Copa Sul-Americana 1 Segunda fase (2011) 2011 2011

Os 10 Maiores Públicos[nota 1][editar | editar código-fonte]

Público Pagante Mandante Placar Visitante Estádio Competição
1 63 399[28][nota 2] Ceará 2 x 1 Bahia Castelão Copa do Nordeste 2015
2 60 068[30][nota 3] 1 x 1 Sport Copa do Nordeste 2014
3 57 223[32] 0 x 0 Vasco da Gama Série A 2018
4 56 005[33] 1 x 0 ABC Série B 2017
5 55 445[34] 0 x 0 Vasco da Gama Série B 2016
6 55 227[35][36] 2 x 5 Palmeiras Copa do Brasil 1997
7 55 000[35][37] 1 x 1 Flamengo Copa do Brasil 2005
55 000[35][38] 2 x 0 Atlético Mineiro Copa do Brasil 2005
9 53 915[39][nota 4] 0 x 0 Grêmio Copa do Brasil 1994
10 52 207[42] 0 x 1 ASA Copa do Nordeste 2013
Torcida Cearamor no Estádio Castelão na capital cearense.

Alguns jogos em que a torcida alvinegra lotou o Presidente Vargas[editar | editar código-fonte]

  • 11 de agosto de 1971: Ceará x Corinthians (Campeonato Brasileiro): 41 099 (público pagante)
  • Ceará x Ferroviário (Campeonato Cearense de 1989): 38 515 (público pagante)
  • 3 de dezembro de 1972: Ceará x Santos (Campeonato Brasileiro): 35 752[43] (público pagante)

Rivalidades[editar | editar código-fonte]

Clássico-Rei[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Clássico-Rei
Ceará 2x1 Fortaleza, 30 de janeiro de 2011.

O Clássico-Rei é o nome do clássico disputado entre Ceará e Fortaleza, considerado o mais tradicional do Ceará e uma das maiores rivalidades brasileiras.

O primeiro clássico ocorreu em 17 de dezembro de 1918, com vitória do Ceará por 2 a 0, em partida válida por um dos torneios da antiga Liga Metropolitana Cearense de Futebol.

Última atualização: Fortaleza 1-2 Ceará, 8 de maio de 2018.

Rival J V E D GP GC
Fortaleza 565 192 201 172 776 738

Clássico da Paz[editar | editar código-fonte]

É como é conhecido o clássico entre Ceará e Ferroviário, devido à paz e à harmonia entre as duas torcidas. O Ceará leva uma vantagem de sessenta e cinco vitórias sobre o Tubarão da Barra. A maior goleada do Clássico da Paz ocorreu no Campeonato Cearense de 1941, quando o Ceará venceu por 10 a 1. Outra goleada a favor do Ceará ocorreu em meados de 1993: 9 a 1.

A última partida considerada é a de 3 de maio de 2017, uma vitória alvinegra por 2 a 0, pelo Campeonato Cearense de Futebol de 2017.

A estatística referente aos embates oficiais do Clássico da Paz é esta:

Última atualização: Ferroviário 0-3 Ceará, 7 de março de 2018.

Rival J V E D GP GC
Ferroviário 292 136 89 67 455 299

Competições internacionais[editar | editar código-fonte]

Jogos internacionais[editar | editar código-fonte]


Elenco atual

Soccerball current event.svg Última atualização: 3 de dezembro de 2018.

Elenco atual do Ceará Sporting Club[44][45]
N.º Pos. Nome N.º Pos. Nome N.º Pos. Nome
1 G Brasil Éverson 77 V Brasil Fabinho
3 Z Brasil Valdo 83 G Brasil Fernando Henrique
4 Z Brasil Eduardo Brock 86 G Brasil Diogo Silva
5 V Brasil Edinho 88 V Brasil Pedro Ken
6 LE Brasil Felipe Jonatan 91 LE Brasil João Lucas
8 M Brasil Ricardinho Capitão 97 Z Brasil Patrick
9 A Brasil Romário 99 A Brasil Ricardo Bueno
13 Z Brasil Luiz Otávio A Brasil Fabrício Pereira
21 M Brasil Juninho Quixadá A Brasil Italo Oliveira
25 A Brasil Calyson V Brasil William Oliveira
26 V Brasil Richardson A Brasil Matheus Matias
36 Z Brasil Tiago Alves LD Brasil Cristovam

Técnico: Brasil Lisca

Títulos oficiais[editar | editar código-fonte]

No futebol[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Títulos do Ceará Sporting Club
INTER-REGIONAIS
Competição Títulos Temporadas
Mapa das Regiões Norte e Nordeste do Brasil.svg Torneio Norte-Nordeste 1 1969
REGIONAIS
Competição Títulos Temporadas
Copane-trofeu.png Copa do Nordeste 1 2015Cscr-featured.png
ESTADUAIS
Competição Títulos Temporadas
Brasão do Ceará.svg Campeonato Cearense 45 1915, 1916, 1917, 1918, 1919, 1922, 1939Cscr-featured.png, 1941Cscr-featured.png, 1942, 1948, 1951Cscr-featured.png, 1957, 1958, 1961, 1962, 1963Cscr-featured.png, 1971, 1972, 1975, 1976, 1977, 1978, 1980, 1981, 1984, 1986, 1989, 1990, 1992*, 1993, 1996, 1997, 1998, 1999, 2002, 2006, 2011, 2012, 2013, 2014, 2017 e 2018
Brasão do Ceará.svg Torneio Início do Ceará 12 1922, 1923, 1926, 1932, 1936, 1937, 1943, 1947, 1952, 1953, 1967 e 1978
Brasão do Ceará.svg Taça dos Campeões Cearenses 1 2014Cscr-featured.png
Notas

Cscr-featured.svg Campeão Invicto

* O título do Campeonato Cearense de 1992 foi dividido com Fortaleza, Icasa EC e Tiradentes.

Por não serem um torneio à parte, os chamados "zonais", fases regionais e inter-regionais da Taça Brasil não foram listados aqui.[46]

Futsal pictogram.svg No Futsal[editar | editar código-fonte]

Presidentes[editar | editar código-fonte]

  • Brasil Gilberto Gurgel (1914-1920)
  • Brasil Felinto Moraes (1920-1920)
  • Brasil Virgílio Brígido Filho (1921-1921)
  • Brasil Aluísio Barroso (1921-1921)
  • Brasil Sílvio Gentil de Lima (1922-1922)
  • Brasil Joaquim Magalhães (1923-1923)
  • Brasil Carlos de Alencar Pinto (1923-1923)
  • Brasil Henrique Ellery (1924-1924)
  • Brasil Felinto de Moraes (1925-1925)
  • Brasil Bolívar Purcell (1926-1928)
  • Brasil Meton Pinto (1929-1929)
  • Brasil Carlos de Alencar Pinto (1930-1931)
  • Brasil Clóvis de Alencar Matos (1932-1933)
  • Brasil Felinto Moraes (1934-1934)
  • Brasil Walter Barroso (1935-1935)
  • Brasil João Batista Furtado (1936-1937)
  • Brasil Oliveira Paula (1938-1938)
  • Brasil Joaquim Lima (1938-1938)
  • Brasil Oscar Jansen Barroso (1939-1940)
  • Brasil Antônio da Frota Filho (1941-1941)
  • Brasil Ananias Frota (1942-1942)
  • Brasil João Batista Furtado (1943-1946)
  • Brasil José Bastos Mitoso (1947-1947)
  • Brasil Tarcísio Soriano Aderaldo (1948-1948)
  • Brasil Humberto Ellery (1949-1949)
  • Brasil Antônio Viana Rodrigues (1950-1951)
  • Brasil José Maria Catunda (1952-1952)
  • Brasil Edgardo Ellery (1953-1953)
  • Brasil Humberto Ellery (1954-1955)
  • Brasil José Elias Bachá (1956-1960)
  • Brasil Afonso Ésulo de Oliveira (1960-1961)
  • Brasil José Jaime Guimarães (1961-1963)
 
  • Brasil José Elias Bachá (1964-1965)
  • Brasil Edmar Uchoa (1966-1966)
  • Brasil Paulo Benevides (1967-1968)
  • Brasil José Lino Filho (1968-1972)
  • Brasil Luiz Nogueira Marques (1973-1973)
  • Brasil Luís França (1974-1974)
  • Brasil Fernando Façanha (1974-1975)
  • Brasil Euler Pontes (1975-1977)
  • Brasil Eulino Oliveira (1978-1979)
  • Brasil Franzé Moraes (1980-1980)
  • Brasil João Hildo Furtado (1981-1981)
  • Brasil Raimundo Chaves (1981-1981)
  • Brasil Danilo Marques (1982-1983)
  • Brasil Franzé Moraes (1984-1985)
  • Brasil Raimundo Chaves (1987-1988)
  • Brasil Marcone Borges (1988-1989)
  • Brasil Franzé Moraes (1990-1992)
  • Brasil Raimundo Chaves (1992-1992)
  • Brasil Antônio Góis (1992-1993)
  • Brasil Luiz Teixeira de Pádua (1994-1995)
  • Brasil Emanuel Gurgel (1996)
  • Brasil Carlos Osterne (1996)
  • Brasil José Lino S. Filho (1996-1997)
  • Brasil Elísyo Serra (1998-1998)
  • Brasil Átila Bezerra (1998-1999)
  • Brasil Eulino Oliveira (2000)
  • Brasil Edmílson Moreira (2001-2001)
  • Brasil Átila Bezerra (2001-2004)
  • Brasil Alexandre Frota (2004-2005)
  • Brasil Eugênio Rabelo (2005-2008)
  • Brasil Evandro Leitão (2008-2015)
  • Brasil Robinson de Castro (2015-atual)

[47]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • MOURA, Haroldo. Ceará - Alegria do Povo, 1996.
  • HOLANDA, Lúcio Chaves. Ceará Sporting Club - Um Retrato em Branco e Preto, 2004.
  • DE FARIAS, Airton. Ceará - Uma história de Paixão e Glória, 2005.
  • DE FARIAS, Airton e HOLANDA, Lúcio Chaves. Uma história em fatos & fotos, 2009.
  • CONRADO, Russen Moreira. Lição Eternizada em Preto e Branco, 2011.

Notas

  1. Exceto partidas do Clássico-Rei
  2. Público total: 63 903[29]
  3. Público total: 61 240[31]
  4. Neste jogo, após terem entrado cerca de 53 000 pagantes, os portões do estádio Castelão foram arrombados, e dezenas de milhares de torcedores entraram de graça. A estimativa feita na época dizia que havia cerca de 89 mil pessoas no estádio.[40] O público pagante oficial é de 53 915 pessoas.[41]

Referências

  1. a b «CNEF da CBF» (PDF). Site Oficial da CBF. Consultado em 9 de março de 2012 
  2. «Arena Castelão - Fortaleza». FIFA.com. Consultado em 16 de fevereiro de 2012 
  3. Comunicação, Departamento de. «Ceará fecha acordo de patrocínio com a Pro Tork». cearasc.com 
  4. Comunicação, Departamento de. «NET é a operadora oficial de TV por assinatura e banda larga do Ceará». cearasc.com 
  5. CBF (4 de dezembro de 2017). «RNC - Ranking Nacional dos Clubes 2018» (PDF). Cópia arquivada (PDF) em 4 de dezembro de 2017 
  6. http://tribunadonorte.com.br/noticias/64256.html
  7. «Torcida do Ceará é a maior do estado»  esportes.jangadeiroonline.com. Consultado em 16 de abril de 2017.
  8. http://www.pluriconsultoria.com.br/uploads/relatorios/Pluri%20Pesquisas%20-%20POTENCIAL%20DE%20CONSUMO%20-%20TAMANHO%20DAS%20TORCIDAS.pdf
  9. «Na Capital, 27% são Vovô - Jogada - Diário do Nordeste». Diário do Nordeste 
  10. «Deu Ceará - Esportes - O POVO Online». www.opovo.com.br 
  11. Emerson Gonçalves (18 de outubro de 2010). «A pesquisa Ipsos Marplan sobre as torcidas brasileiras – Parte I».Consultado em 16 de abril de 2017.
  12. Comunicação, Departamento de. «Em pesquisa realizada pelo Lance! - Ibope, Vozão aparece com maior torcida do Estado». cearasc.com 
  13. Ceará tem a quarta melhor média de público na história da Copa do Brasil
  14. O Sobrinho de Luís Esteves, Geraldo Quevedo Esteves, em vários depoimentos, informou que confirmou toda a história de fundação do clube com o tio, menos o episódio do chute na pedra, talvez um fato folclórico.
  15. FARIAS, Airton de. Ceará - Uma História de Paixão e Glória, 2005, Página 23.
  16. http://www.vozao.com.br/?page=mascote.php  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  17. HOLANDA, Lúcio Chaves. Ceará Sporting Club - Um Retrato em Branco e Preto, 2004, Página 209(Entrevista com Da Costa)
  18. HOLANDA, Lúcio Chaves. Ceará Sporting Club - Um Retrato em Branco e Preto, 2004, Página 123
  19. http://www.cearasc.com/_index.php?page=escudos.php  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  20. «Diário do Nordeste - Vovô maior torcida da capital». Consultado em 1 de Setembro de 2012 
  21. «O Povo – Ceará tem a maior torcida da capital». Consultado em 1 de Setembro de 2012 
  22. «Ceará e Fortaleza dividem torcida na Capital, diz pesquisa Datafolha». globoesporte.com 
  23. http://www.futebolcearense.com.br/2010/rendapublico.asp?idcamp=246
  24. a b http://www2.cbf.com.br/php/estatisticas.php?ct=2&cc=31&aa=2009
  25. http://www.opovo.com.br/app/opovo/gol/2010/09/23/internagol,2045072/para-orgulho-dos-alvinegros.shtml  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  26. http://www.cbf.com.br/php/estatisticas.php?ct=2&cc=31&aa=2009  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  27. url=http://www.opovo.com.br/app/esportes/2010/10/21/noticiaesportes,2055178/ceara-alcanca-a-marca-de-20-mil-socio-torcedores.shtml>
  28. «Tabela - Copa do Nordeste 2015 - Confederação Brasileira de Futebol». Consultado em 9 de agosto de 2016 
  29. «Final da Copa do Nordeste registra o maior público da temporada 2015 - Blog Numerólogos». globoesporte.com 
  30. «Tabela - Copa do Nordeste 2014 - Confederação Brasileira de Futebol». Consultado em 9 de agosto de 2016 
  31. «"Súmula Ceará x Sport-Recife Copa do Nordeste 2014"» (PDF)  Súmula CBF, 09/04/2014, acessado em 11/04/2014
  32. Com Castelão cheio, Ceará empata com o Vasco e deixa a vaga na Sul-Americana escapar Página visitada em 2 de dezembro de 2018.
  33. Ceará vence ABC e bate recorde de público no Castelão em sua despedida da Série B Página visitada em 26 de novembro de 2017.
  34. «Tabela - Campeonato Brasileiro de Futebol - Série B 2016 - Confederação Brasileira de Futebol». Consultado em 9 de agosto de 2016 
  35. a b c «Maiores Públicos da Copa do Brasil». www.campeoesdofutebol.com.br. Consultado em 9 de agosto de 2016 
  36. Tabelão 97 Placar, fev/1997–jan/1998, Editora Abril, pág. 108
  37. "Tabelão", Placar número 1.282, maio de 2005, Editora Abril, pág. 72
  38. "Tabelão", Placar número 1.283, junho de 2005, Editora Abril, pág. 73
  39. «BOLA N@ ÁREA - Tabela Copa do Brasil 1994». www.bolanaarea.com. Consultado em 9 de agosto de 2016 
  40. "O mistério do Castelão", Placar Especial número 2, fevereiro de 1998, Editora Abril, pág. 49
  41. «"Ceará 0 x 0 Grêmio"»  Futpédia, acessado em 22/11/2009
  42. «No Castelão lotado, ASA vence o Ceará e vai à final do Nordestão». Consultado em 9 de agosto de 2016 
  43. «"Ceará 2x1 Santos"»  Futpédia, acessado em 22/11/2009
  44. «Elenco atual de Futebol». Site oficial do Ceará Sporting Club. Consultado em 3 de dezembro de 2018 
  45. «Comissão Futebol Profissional». Site oficial do Ceará Sporting Club. Consultado em 3 de dezembro de 2018 
  46. «Os campeões do Nordeste e a antiga discussão sobre a chancela dos títulos». Blog de Esportes. Consultado em 13 de janeiro de 2018 
  47. HOLANDA, Lucio Chaves. Ceará Sporting Club - Um Retrato em Branco e Preto, 2004, Páginas 161 e 162

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons