Vágner Mancini

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Vágner Mancini
Informações pessoais
Nome completo Vágner Carmo Mancini
Data de nasc. 24 de outubro de 1966 (47 anos)
Local de nasc. Ribeirão Preto (SP), Brasil
Altura 1,85 m
Informações profissionais
Clube atual Brasil Botafogo
Posição Treinador
(ex-Meia)
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1988–1989
1990–1991
1992
1995
1997
1998
1999
2002
2003
2003
2004
2004
Brasil Guarani
Brasil Portuguesa
Brasil Bragantino
Brasil Grêmio
Brasil Coritiba
Brasil Ponte Preta
Brasil Sãocarlense
Brasil Ceará
Brasil Figueirense
Brasil Sport
Brasil Ituano
Brasil Paulista
Times que treinou
1999
2004–2005
2005–2007
2008
2008–2009
2009
2009
2010
2010
2011
2011–2012
2012
2013
2013
2014–
Brasil Sãocarlense (interino)
Brasil Paulista
=Emirados Árabes Unidos Al-Nasr
Brasil Grêmio
Brasil Vitória
Brasil Santos
Brasil Vitória
Brasil Vasco da Gama
Brasil Guarani
Brasil Ceará
Brasil Cruzeiro
Brasil Sport
Brasil Náutico
Brasil Atlético-PR
Brasil Botafogo
10


6
54

23


23
30
16
14
41
Última atualização: 18 de dezembro de 2013

Vágner Carmo Mancini (Ribeirão Preto, 24 de outubro de 1966) é um treinador e ex-futebolista brasileiro. Atualmente é treinador do Botafogo

Carreira[editar | editar código-fonte]

Como treinador[editar | editar código-fonte]

Sãocarlense[editar | editar código-fonte]

Depois de um começo como treinador interino do Sãocarlense em 1999, quando ainda estava em atividade como futebolista, assumiu o clube por 10 jogos; enquanto se curava de uma contusão.

Paulista[editar | editar código-fonte]

Mancini iniciou a carreira de treinador no Paulista e conseguiu projeção nacional.[carece de fontes?] Ex-atleta e muito identificado com o clube, Mancini foi capitão durante três anos, conquistando a série A2 Paulista e o Brasileiro da Série C, ambos em 2001. Em 2004 aceitou o convite do clube para assumir o posto de Zetti que se transferiu para o Guarani. Em 2005, entrou para a história do clube ao conquistar o título da Copa do Brasil de 2005, sobre o Fluminense, após um empate por 0–0 no Estádio São Januário. O título levou o clube da cidade de Jundiaí à sua primeira competição internacional: a Copa Libertadores da América de 2006.

Grêmio[editar | editar código-fonte]

Após passagem pelo Al-Nasr dos Emirados Árabes Unidos, Mancini foi confirmado como novo treinador do Grêmio em 2 de dezembro de 2007 para a temporada de 2008.[1]

Mesmo com a equipe invicta, o desempenho não agradou aos dirigentes e Mancini foi demitido em 14 de fevereiro daquele ano, após apenas cinco partidas pelo Campeonato Gaúcho de 2008 e uma, que seria a última, pela Copa do Brasil, contra o Grêmio Jaciara.[2] Pouco depois, o Grêmio oficializou a demissão do treinador.[3] Em uma entrevista coletiva depois da sua saída, Mancini relatou a intromissão de dirigentes no seu trabalho como um dos motivos para que fosse despedido.[4]

Vitória[editar | editar código-fonte]

Em 28 de março do mesmo ano, Vágner assumiu o comando técnico do Vitória substituindo Vadão.[5] Mancini fez seu time conquistar o Campeonato Baiano, vencendo o quadrangular final.[6] Em uma entrevista após a conquista, Mancini declarou que: "O significado (deste título) é de que eu estou fazendo a coisa certa. O que aconteceu no Grêmio é página virada. O trabalho sendo sério e com tempo pode alcançar objetivos e resultados".[7]

Após um início não muito entusiasmante no Brasileirão, o time conseguiu ficar por seis jogos invicto, vencer quatro partidas consecutivas e alcançar a segunda colocação na competição. No dia 10 de julho, Mancini chegou a falar até em conquistar uma vaga à Copa Libertadores, tamanho era o otimismo do treinador.[8]

Entretanto, a equipe caiu de produção e no segundo turno do campeonato chegou a ficar sete jogos sem vencer.[9] Mesmo com este jejum de vitórias, Vágner Mancini continuava obstinado atrás de um sucesso. Com os últimos resultados, o seu time poderia ficar fora da Copa Sul-Americana. No dia 23 de novembro, Mancini teve a chance de se reabilitar, justamente contra o clube que o havia dispensado no início do ano, o Grêmio. Nesta partida, o Vitória venceu por 4–2 no Tricolor Gaúcho, que lutava pelo título.[10] Com a derrota, o clube do sul viu suas chances, então, diminuídas para chegar à conquista da competição. Mancini, contudo, negou que fosse uma vingança.[11] Após a vitória e a garantia do seu clube na Copa Sul-Americana, o treinador garantiu que há interesse dele em continuar treinando o time em 2009.[12]

Enquanto ainda disputava o Campeonato Baiano 2009 deixou o clube para aceitar o convite do Santos em 14 de fevereiro de 2009.[13]

Santos[editar | editar código-fonte]

Em 18 de fevereiro estreou contra o Rio Branco, pela Copa do Brasil. Sob seu comando, o Alvinegro se manteve invicto por oito jogos. A única derrota santista nesse período foi contra o Corinthians, no dia 22 de março.

Porém, após um excelente Paulistão, onde foram vice-campeões sendo derrotados pelo Corinthians na final, Mancini e sua equipe começaram a ter atuações desastrosas no Brasileirão, assim como brigas entre o elenco e demissão de funcionários internos, causando um enorme mal estar no elenco, com acusações da existência de um "dedo-duro" no elenco pelo próprio treinador.

Pesou também contra o treinador a decepcionante eliminação do Santos na Copa do Brasil diante do CSA, perdendo o jogo de volta em plena Vila Belmiro.

Tudo isso, somando a goleada histórica sofrida justamente diante do seu ex-clube Vitória, no Barradão, por 6–2, foi demitido em 13 de julho de 2009 após desembarcar em Santos, tendo sido, porém, elogiado pelo presidente, Marcelo Teixeira.

Cquote1.svg "Para mim é muito complicado ter que decidir pela saída do treinador, ainda mais pela afinidade, pela relação que a gente tem com o Mancini, um treinador da nova geração dentre aqueles que eu reputo não mais como promissor, mas como realidade para o futebol brasileiro." Cquote2.svg
Marcelo Teixeira, Presidente do Santos, sobre a demissão de Mancini[14]

De volta ao Vitória[editar | editar código-fonte]

Com a demissão de Paulo César Carpegiani, retornou ao Vitória em 12 de agosto.[15] Levou a equipe ao 13º lugar com 48 pontos.[16]

Cquote1.svg "Eu acho que o torcedor do Vitória é inteligente o suficiente para saber que foram dois anos de bons trabalhos e o registro daquilo que eu penso, foi bom." Cquote2.svg
afirmou na sua última entrevista coletiva[17]

Vasco da Gama[editar | editar código-fonte]

No dia 11 de dezembro, foi contratado pelo Vasco da Gama para a temporada de 2010.

Cquote1.svg "Como jogador eu não tive a oportunidade de atuar no Rio e agora eu tenho a chance em uma grande equipe, com uma imensa torcida" Cquote2.svg
afirmou quando foi confirmado como técnico do Vasco[18]

Chegou à final da Taça Guanabara de 2010 invicto, sucumbindo diante do Botafogo por 2–0, clube que havia sido goleado pelo próprio Vasco por 6–0 um mês antes. Já na Taça Rio, após três derrotas seguidas, para Flamengo, Olaria e Americano, e partidas consideradas fracas pela Copa do Brasil, foi demitido no dia 25 de março.[19]

Guarani[editar | editar código-fonte]

No dia 15 de abril de 2010, o comando técnico do Guarani.[20] No Brasileirão, apesar de um primeiro turno razoável, o Guarani foi muito mal na segunda parte do campeonato e acabou rebaixado. Mancini acabou demitido do cargo no final do ano.[21]

Ceará[editar | editar código-fonte]

Em março de 2011, assinou com o Ceará.[22] Iniciou aplicando 5–2 no Icasa e levou o time a final do Campeonato Cearense, conquistado através de um triunfo por 5–0 sobre o Guarani de Juazeiro, e logo em seguida eliminou o Flamengo nas quartas-de-final da Copa do Brasil, competição na qual atingiu as semifinais. No início do Brasileirão o time não começou bem, se recuperou terminando o primeiro turno com 26 pontos, no início do segundo turno entregou o cargo embora o time estivesse em décimo primeiro lugar. No dia 11 de setembro de 2011, a diretoria do clube anunciou a saída do treinador.[23]

Cruzeiro[editar | editar código-fonte]

No dia 26 de setembro de 2011, acertou com o Cruzeiro. Com uma campanha razoável, Mancini salvou o clube do rebaixamento no Brasileirão 2011, terminando a competição na 16ª posição, após golear o rival Atlético Mineiro por 6–1, na última rodada. Em 2012, após início de temporada irregular e eliminação do Cruzeiro no Campeonato Mineiro para o América Mineiro no dia 6 de maio, e na Copa do Brasil para o Atlético-PR no dia 9, Vagner Mancini entregou o cargo.[24] Foram ao todo 30 partidas no comando da equipe mineira, sendo 14 vitórias, sete empates e nove derrotas.[25]

Sport[editar | editar código-fonte]

No dia 15 de maio de 2012, acertou com o Sport, com a missão de levar o clube pernambucano ao título do Campeonato Brasileiro de 2012. Porém em 11 de agosto, após sete jogos sem vencer, Mancini entregou o cargo. Sob seu comando, o Leão conquistou apenas três vitórias, cinco empates e foi derrotado oito vezes. Um aproveitamento de 29,1%.[26]

Náutico[editar | editar código-fonte]

No dia 1 de fevereiro de 2013 Vagner Mancini foi apresentado como novo técnico do Náutico. Após uma sequência de maus resultados, foi demitido após a derrota contra o Ypiranga, em casa, por 2–0.[27]

Atlético Paranaense[editar | editar código-fonte]

Mancini foi apresentado como o novo treinador do Furacão em 10 de julho de 2013.[28] Desde julho no Atlético, o treinador conseguiu, em pouco menos de seis meses, tirar a equipe da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro e levá-la ao terceiro lugar da tabela, o que acabou rendendo uma vaga na Copa Libertadores da América de 2014. Além disso, Mancini ainda conduziu o Furacão a inédita final da Copa do Brasil de 2013, na qual acabou sendo vice-campeão ao ser derrotado pelo Flamengo no Maracanã.

Ainda sim, não teve seu contrato renovado para 2014 e deixou o clube.[29]

Botafogo[editar | editar código-fonte]

Em 16 de abril de 2014 foi confirmado como treinador do Botafogo até o fim de 2014.[30]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Atualizado até 17 de dezembro de 2013

Clube Jogos Vitórias Empates Derrotas Aproveitamento
Paulista 112 46 35 31
Grêmio 6 4 2 0 77%
Vitória 54 25 9 20 51%
Santos 29 14 9 6 58%
Vitória 23 6 6 11 34%
Vasco da Gama 18 10 4 4 62%
Guarani 38 8 13 17 32%
Ceará 35 19 6 10 39%
Cruzeiro 31 15 7 9 55%
Sport 16 3 5 8 29%
Náutico 14 9 0 5 64%
Atlético-PR 41 20 12 9 59%
Botafogo 0 0 0 0 -%

Títulos[editar | editar código-fonte]

Como jogador[editar | editar código-fonte]

Grêmio
Figueirense

Como treinador[editar | editar código-fonte]

Paulista
Vitória
Ceará

Referências

  1. Odone anuncia novo técnico do Grêmio.
  2. Grêmio demite o técnico Vágner Mancini, que sai invicto. 14 de fevereiro de 2008 (14 de fevereiro de 2008).
  3. Direção anuncia que Vagner Mancini não é mais o técnico. Gremio.net.
  4. Mancini desabafa após deixar o Grêmio e Odone responde. Clicrbs.com.br.
  5. Mancini será apresentado ao Vitória nesta sexta. Placar.abril.com.br.
  6. Ataque do Vitória garante o bi. Correiodabahia.com.br.
  7. Após título baiano, Mancini diz que Grêmio é página virada. Esportes.terra.com.br.
  8. Mancini quer Leão trabalhando forte para conseguir vaga na Libertadores. Globoesporte.globo.com.
  9. Vitória completa sete rodadas sem vencer - Bahia Agora. Bahiaagora.com.br.
  10. A vingança de Mancini - Zero Hora.com. Clicrbs.com.br.
  11. Mancini nega revanche e valoriza Sul-americana - Abril. Abril.com.br.
  12. Mancini pode ficar para 2009 - A Tarde. Atarde.com.br.
  13. Vágner Mancini deixa Vitória para tentar acerto com Santos. UOL (14 de fevereiro de 2009).
  14. Excesso de gols sofridos, esquema tático e resultados ruins derrubaram Mancini. GloboEsporte.com.
  15. Vitória confirma retorno de Vágner Mancini (12 de agosto de 2009).
  16. No adeus de Mancini, Vitória empata com Goiás e pega vaga para Sul-Americana. globoesporte (6 de dezembro de 2009).
  17. Mancini diz que os dois anos à frente do Vitória foram bons. Ecvitoria.com.br.
  18. Mancini feliz por trabalhar 'em uma grande equipe, com uma imensa torcida'. Netvasco.com.br.
  19. Vagner Mancini é demitido do Vasco. GloboEsporte.com.
  20. Vagner Mancini é o novo treinador bugrino. Sítio oficial do Guarani (15 de abril de 2010). Página visitada em 15 de abril de 2010.
  21. 5 de dezembro de 2010 (UOL). Após rebaixamento, Vagner Mancini pede demissão do Guarani.
  22. Vagner Mancini assume o Ceará no próximo domingo. Arenanordeste.com (31 de março de 2011). Página visitada em 31 de março de 2011.
  23. CearáSC - Após conversa com a diretoria, Mancini deixou o cargo de técnico do Ceará. Cearasc.com.
  24. Lancenet - Vágner Mancini pede demissão no Cruzeiro. Lancenet.com.br.
  25. Vágner Mancini não resiste a 2º revés na temporada e deixa comando do Cruzeiro. Universo OnlineEsporte]].
  26. Vágner Mancini não é mais o treinador do Sport. Yahoo.
  27. Vágner Mancini não resiste a mais um resultado ruim e é demitido
  28. Vágner Mancini é o novo técnico do Atlético-PR
  29. Vagner Mancini anuncia que não continua no Atlético-PR em 2014. globoesporte (28 de dezembro de 2014).
  30. Vagner Mancini assina contrato e será apresentado nesta quarta-feira. Sítio oficial do Botafogo de Futebol e Regatas (16 de abril de 2014).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Mano Menezes
Treinador do Grêmio
2008
Sucedido por
Julinho Camargo (interino)
Precedido por
Vadão
Ricardo Silva (interino)
Treinador do Vitória
2008–2009
2009
Sucedido por
Mauro Fernandes
Ricardo Silva
Precedido por
Márcio Fernandes
Treinador do Santos
2009
Sucedido por
Vanderlei Luxemburgo
Precedido por
Dorival Júnior
Treinador do Vasco da Gama
2010
Sucedido por
Gaúcho
Precedido por
Dimas Filgueiras
Treinador do Ceará
2011
Sucedido por
Estevam Soares
Precedido por
Emerson Ávila
Treinador do Cruzeiro
2011–2012
Sucedido por
Celso Roth
Precedido por
Mazola Júnior
Treinador do Sport
2012
Sucedido por
Waldemar Lemos
Precedido por
Alexandre Gallo
Treinador do Náutico
2013
Sucedido por
Silas
Precedido por
Ricardo Drubscky
Treinador do Atlético Paranaense
2013
Sucedido por
Miguel Ángel Portugal
Precedido por
Eduardo Hungaro
Treinador do Botafogo
2014–
Sucedido por
'