Pelegrino Adelmo Begliomini

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Begliomini
Informações pessoais
Nome completo Pelegrino Adelmo Begliomini
Data de nasc. 27 de novembro de 1914
Local de nasc. Santo André, SP, Brasil Brasil
Falecido em 10 de outubro de 2001 (86 anos)
Local da morte Santo André, SP,  Brasil
Apelido Stalingrado
Informações profissionais
Clube atual Aposentado
Posição Zagueiro
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
1934-1943
1943-1947
1947
Brasil Palmeiras
Brasil Corinthians
Brasil Fluminense
0179 000(0)[1]
075 000(0)[2]
00 000(0)
Seleção nacional
1942 - 1945 Brasil Brasil 06 000(0)[3]
[4]

Pelegrino Adelmo Begliomini, mais conhecido como Begliomini[5] (Santo André, 27 de novembro de 1914 - Santo André, 10 de outubro de 2001), foi um ex-futebolista brasileiro que atuava como zagueiro.[6] [7]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Com 17 anos, observado por um dirigente do, então, Palestra Itália, recebeu convite para jogar pela equipe juvenil do time. Pelo time principal do Palestra, sagrou-se campeão paulista em 1936, 1940 e 1942. Mais tarde, transferiu-se ao Corinthians, conquistando o vice-campeonato paulista em 1943, 1945 e 1946. Encerrou a carreira em 1947, pelo Fluminense, após uma séria contusão no joelho, aos 33 anos.

Pela seleção brasileira, o zagueiro atuou em dois Campeonatos Sul-Americanos (Copa América, da época), o de 1942 e de 1945, campeonato o qual foi vice-campeão, perdendo para a seleção argentina.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • Seu apelido "Stalingrado", devia-se ao nome de uma cidade russa, hoje Volgogrado, que resistiu aos alemães em uma sangrenta batalha da Segunda Guerra Mundial e, que virou sinônimo de algo intransponível, a Batalha de Stalingrado.
  • O jogador ia aos treinos do Palmeiras ao lado de Oberdan Cattani, em um Chevrolet 41, coupet.
  • Oberdan Cattani era o companheiro de quarto do jogador, na época em que atuava pelo Palmeiras.[8]

Citações[editar | editar código-fonte]

  • "Ele era reserva do nosso time e mesmo com certa idade, ainda impunha respeito pelo tamanho. Ele era forte" Aldo Costa, colega de time do ex-zagueiro.
  • "Ele foi um jogador de destaque naquela época e o único que chegou à Seleção" Nelson Cerchiari, ex-presidente do Corinthians de Santo André
  • "Ele não era um beque clássico. Quando entrava, era a bola e o boliche, não dava moleza" Oberdan Cattani, ex-colega e goleiro do Palmeiras.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Palmeiras
Corinthians

Outras Conquistas[editar | editar código-fonte]

Palmeiras

Menções em Livros[editar | editar código-fonte]

  • "Palmeiras X Corinthians 1945 - O Jogo Vermelho", Aldo Rebelo, Editora UNESP (pág. 105)

Referências

  1. Almanaque do Palmeiras, Edição 1 - 2004 - Editora Abril
  2. Almanaque do Corinthians Placar, Edição 1 - 2003 - Editora Abril
  3. CBF. «Begliomini - Zagueiro». Arquivado do original em 19 de março de 2009 
  4. PLACAR, nº 1094 - Editora ABRIL (pág. 73)
  5. Palmeiras x Corinthians 1945: O Jogo Vermelho - Aldo Rebelo - Editora UNESP (pág 100)
  6. Terceiro Tempo. «Que Fim Levou? Begliomini» 
  7. Corinthians x Palmeiras: uma história de rivalidade - Aldo Rebelo - Editora MAUAD (pág. 100)
  8. Diário do Grande ABC. «Um zagueiro do Grande ABC na Seleção». Arquivado do original em 14 de junho de 2010