Tesourinha (futebolista)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Tesourinha
Informações pessoais
Nome completo Osmar Fortes Barcellos
Data de nasc. 3 de dezembro de 1921
Local de nasc. Porto Alegre (RS), Brasil
Nacionalidade brasileira
Falecido em 17 de junho de 1979 (57 anos)
Local da morte Porto Alegre (RS), Brasil
Altura 1,75 m
Destro
Apelido Tesourinha, A Flecha
Informações profissionais
Posição Ponta-direita
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
1939–1949
1949–1952
1952–1954
1954–1957
Brasil Internacional
Brasil Vasco da Gama
Brasil Grêmio
Brasil Nacional
0149 0(176)
000? 00(22)
000? 00(29)
000? 000(5)
Seleção nacional
1940–1944
1944–1950
Rio Grande do Sul Rio Grande do Sul
Brasil Brasil
0007 000(6)
0023 00(10)

Osmar Fortes Barcellos, mais conhecido como Tesourinha (Porto Alegre, 3 de dezembro de 1921 — Porto Alegre, 17 de junho de 1979), foi um futebolista brasileiro que atuava como ponta-direita.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Tesourinha, que teve o apelido tirado de um bloco carnavalesco no qual participava chamado Os Tesouras.[1] Começou a carreira jogando em um clube amador de Porto Alegre, o Ferroviário, time da Ilhota, ex-vila da capital do Rio Grande do Sul, hoje batizada de Praça Garibaldi. Em 1939, aos 18 anos,[1] foi convidado por um olheiro do Internacional a fazer testes no clube, sendo aprovado. O clube constatou que Tesourinha precisava engordar e autorizou uma padaria próxima ao Estádio dos Eucaliptos a fornecer pão e leite a ele.[1]

No Internacional, Tesourinha estreou no dia 23 de outubro de 1939, em uma vitória de seu time sobre o Cruzeiro por 2–1, em partida válida pelo Citadino de Porto Alegre. Seu primeiro gol como profissional só viria a ocorrer em um amistoso com o Força e Luz em 14 de dezembro daquele ano, no qual o Internacional venceu por 7–0.

Devido à concorrência com o consagrado Carlitos, Tesourinha foi deslocado para a ponta-direita,[1] onde teve exitosa carreira. Consagrou-se no chamado Rolo Compressor, como foi denominada a equipe do Internacional da década de 1940 hexacampeã gaúcha e tida como "imbatível".

Em 23 de janeiro de 1949 venceu o concurso Melhoral dos Cracks do Brasil de 1948 com a expressiva soma de 3.889.840 votos, além do título Tesourinha recebeu um apartamento n. 403 do Edifício Colima, Rua Haddock Lobo, 191, Tijuca, Rio de Janeiro. Esse apartamento, oferta de Cibrasil, estava avaliado em 215.000 cruzeiros.[2]

Ainda em 1949, Tesourinha transferiu-se do Internacional para o Vasco por uma quantia considerada uma fortuna na época. Estreou no dia 4 de janeiro de 1950, em partida válida pelo Torneio Rio-São Paulo, na qual o Vasco venceu a Portuguesa de Desportos por 5–2 e Tesourinha marcou um gol cobrando falta. No clube carioca, fez parte do lendário Expresso da Vitória. Atuou no Vasco até o ano de 1952.

Em 1952, Tesourinha foi contratado pelo Grêmio, ficou conhecido por quebrar um tabu histórico de ter sido o primeiro atleta negro da história a jogar no clube.[3][1] Tesourinha fez a sua estreia no Grêmio no amistoso do dia 16 de março daquele ano, em uma vitória por 5–3 sobre o Juventude, em Caxias do Sul. Tesourinha marcou dois gols na partida.

Encerrou a carreira em 1957, jogando pelo Nacional de Porto Alegre. Ainda ensaiou seguir a carreira de técnico, ao dirigir o Futebol Clube Montenegro em 1960.

Seleção Brasileira[editar | editar código-fonte]

Em 1944, foi convocado pelo treinador Flávio Costa para a Seleção Brasileira, onde Tesourinha estreou em um amistoso contra a Seleção do Uruguai, no dia 14 de maio, marcando um dos gols da vitória brasileira por 6–1. No ano seguinte, seria titular nas seis partidas da Seleção Brasileira no Campeonato Sul-Americano de Seleções, sendo eleito o melhor atleta da competição.

Participou de nova edição do Sul-Americano de Seleções, desta vez sendo campeão e novamente escolhido como melhor atleta. Tesourinha marcou 7 gols neste campeonato.

Era nome certo para a Copa do Mundo de 1950, no Brasil, mas acabou cortado pelo técnico Flávio Costa por causa de uma grave lesão nos meniscos[4].

Seleção Carioca[editar | editar código-fonte]

Tesourinha estreou em 8 de março de 1950 pela Seleção Carioca, na vitória por 4–2 sobre a Seleção Mineira. Tesourinha marcou o terceiro gol da partida, se contundiu depois de um choque com Lusitano, teve um músculo distendido.[5] Foi campeão do Campeonato Brasileiro de Seleções Estaduais de 1950.

Morte[editar | editar código-fonte]

Tesourinha faleceu em 17 de junho de 1979, aos 57 anos, vitimado por um câncer no estômago.[6]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

[7]

Ano Clube Gols
1939 Internacional 1
1940 11
1941 9
1942 15
1943 25
1944 19
1945 24
1946 11
1947 16
1948 23
1949 18
Total 172
1950 Vasco da Gama 5
1951 17
Total 22
1952 Grêmio 12
1953 10
1954 16
1955 3
Total 41
1956 Nacional 4
1957 1
Total 5
Total na carreira 240

Seleção Gaúcha[editar | editar código-fonte]

Expanda a caixa de informações para conferir todos os jogos deste jogador, pela sua seleção.

Seleção Brasileira[editar | editar código-fonte]

Expanda a caixa de informações para conferir todos os jogos deste jogador, pela sua seleção nacional.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Internacional
Vasco da Gama
Seleção Brasileira

Prêmios individuais[editar | editar código-fonte]


Referências

  1. a b c d e Baibich, André (Março de 2007). «Tesourinha, o Garrincha colorado». Revista do Inter 
  2. «RESULTADOS FINAIS DA ELEIÇÃO DO MELHORAL DOS CRACKS DE 48 !». Jornal dos Sports (5.958). 23 de janeiro de 1949. p. 5. 10 páginas 
  3. Tesourinha quebrou um tabu Arquivado em 1 de outubro de 2008, no Wayback Machine. Museu dos Esportes, acessado em 3 de julho de 2009
  4. http://observatorioracialfutebol.com.br/tesourinha-recordar-e-preciso/
  5. «DOIS A DOIS NO PRIMEIRO PERIODO; FINAL: CARIOCAS, 4 x 2». Jornal dos Sports (6.301). 9 de março de 1950. p. 6. 10 páginas 
  6. «Há 30 Anos em ZH: morre Tesourinha». Zero Hora. Consultado em 3 de julho de 2009 
  7. http://futebol80.com.br/links/artilheiros/tesourinha.htm