Clássico dos Gigantes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Clássico dos Gigantes
Fluminense versus Vasco da Gama
Torcidas de Fluminense e Vasco.
Informações gerais
Fluminense 126 vitória(s), 515 gol(s)
Vasco da Gama 153 vitória(s), 560 gol(s)
Empates 114
Total de jogos 393
Total de gols 1 075
editar
Roberto Rivellino e Edmundo, grandes personagens do Clássico dos Gigantes.
Lula e Jaguaré, também fizeram história.
Clássico no Maracanã nos anos 1950.
Clássico no Maracanã nos anos 1970.
Clássico no Maracanã no Século XXI.
Laranjeiras em 1919 e São Januário, nos dias atuais, palcos iniciais do clássico.
Maracanã em 2007, e já reconstruído, em 2013.

Clássico dos Gigantes foi o nome eleito pelos leitores do jornal Lance! para o clássico de futebol brasileiro disputado entre os clubes cariocas Fluminense e Vasco da Gama, em 17 de maio de 2006, após mais de uma semana de participação dos torcedores dos dois clubes no site deste jornal.[1][2][3]

Introdução

Fluminense e Vasco, além de terem grandes torcidas frequentemente se confrontam em momentos decisivos e costumam levar grandes públicos em seus jogos, já tendo ocorrido públicos maiores de 100.000 pessoas por pelo menos onze vezes, os três maiores só se conhecendo o número de pagantes nos dias atuais, ou maiores do que 50.000 por pelo menos oitenta e oito até 2021. Ainda em 1952, uma multidão ficou de fora na vitória do Fluminense por 1 a 0, em 21 de setembro, pois a administração do Maracanã não teria mandado confeccionar ingressos suficientes.[4] Apesar disso, foram registrados 123.059 torcedores presentes ao estádio naquele dia.[5][6]

Tendo decidido entre si títulos de competições em dezenove ocasiões, em mais três Fluminense e Vasco compuseram a fase decisiva do Campeonato Carioca disputando jogos importantes para a definição dos títulos de campeão estadual. O momento mais importante do Clássico dos Gigantes foi a decisão do Campeonato Brasileiro de 1984, detendo estes oponentes oito títulos do Campeonato Brasileiro, sendo quatro para cada clube.[7]

O Clássico dos Gigantes é o único clássico carioca que já teve partidas válidas pela Copa Libertadores da América.[8]

Primeiro o Estádio de Laranjeiras do Fluminense e depois o Estádio de São Januário do Vasco, foram os dois grandes palcos do futebol carioca antes da inauguração do Estádio do Maracanã.[9][10]

História

O primeiro confronto deu-se em 11 de março de 1923, amistoso que teve vitória cruzmaltina por 3 a 2 no Campo da Rua Figueira de Melo, com dois gols de Negrito e um de Torterolli para o Vasco, com Henry Welfare assinalando os do Flu.[11]

A primeira partida no Estádio das Laranjeiras foi em 20 de maio de 1923, e terminou com a vitória do Vasco por 1 a 0, partida esta válida pelo Campeonato Carioca, que teve 10.910 pagantes, números estes que não incluem os sócios do Fluminense e que geraram a renda de 27:368$500.[12]

A primeira vitória tricolor aconteceu no Returno do Campeonato Carioca de 1925, por 5 a 1, no quinto jogo da história entre os dois clubes. Marcaram para o Fluminense, Nilo e Coelho II por duas vezes cada um, e Moura Costa, com Russinho descontando para o Vasco, com cerca de 30.000 torcedores presentes em Laranjeiras, segundo O Globo.[13]

Já a primeira partida no Estádio de São Januário foi realizada em 3 de julho de 1927, e teve como resultado final o empate por 2 a 2, em uma partida disputadíssima, dentro e fora de campo, com o estádio cruzmaltino lotado igualmente com cerca de 30.000 espectadores,[14] também válida pelo Campeonato Carioca.[15]

Na única decisão do Torneio Início, o Vasco foi campeão ao vencer por 1 a 0, em 1931, com gol de Fausto, de pênalti, competição disputada em Laranjeiras.

No dia 7 de maio de 1933, foi disputado o primeiro grande clássico do regime profissional no Rio de Janeiro, com vitória tricolor por 3 a 1 em Laranjeiras, no qual "uma grande multidão acudiu ao stadium da Rua Álvaro Chaves",[16][17] com o Jornal dos Sports afirmando que 30.000 torcedores estiveram em Laranjeiras, mais uma vez.[18]

O Clássico dos Gigantes decidiu o Torneio Municipal em duas ocasiões, com o Vasco campeão em 1946 e o Fluminense em 1948. Em 1945, o Vasco sagrou-se campeão com uma rodada de antecedência contra o Fluminense, que não poderia sair campeão naquele jogo, mas viria a terminar posteriormente em segundo lugar.

O Vasco conquistou o Campeonato Sul-Americano de Clubes Campeões em 1948, tendo sido o primeiro clube carioca a participar da Copa Rio, em 1951, competição da qual o Flu seria campeão em 1952. Em 1953 o Vasco conquistaria o Torneio Rivadavia Meyer, criado após o fim da Copa Rio, do qual o Tricolor participou, chegando a semifinal.

O Vasco foi campeão carioca de 1949 já na partida contra o Madureira em 20 de novembro, com 3 rodadas de antecedência (seria invicto), tendo o Flu terminado como vice. A partida entre os dois em 30 de outubro levou 33.378 pagantes a São Januário, com vitória vascaína por 2 a 0, no maior público do clássico antes da Era Maracanã.

A primeira vitória no Estádio do Maracanã foi do Fluminense, logo no primeiro jogo disputado, em 1 de outubro de 1950, 2 a 1 com dois gols de Silas, descontando Ipojucan para o Vasco, perante cerca de 40.000 torcedores (33.168 pagantes).

Uma multidão ficou de fora na vitória do Flu por 1 a 0, em 21 de setembro de 1952, pois a administração do Maracanã não teria mandado confeccionar ingressos suficientes.[4] Apesar disso, foram registrados 123.059 presentes (109.325 pagantes).[5][6]

No Torneio Rio-São Paulo de 1954, o Fluminense chegou à última rodada bastando vencer o Vasco (já sem chances de título) para ser campeão, pois tinha um ponto de vantagem sobre Corinthians e Palmeiras, que disputariam o Derby Paulista no Estádio do Pacaembu. Com o Maracanã recebendo 42.031 pessoas (34.131 pagantes), o segundo maior público desta edição, o Vasco fez 1 a 0 com um gol de Vavá e fechou-se atrás aguentando a pressão do Flu até o final, enquanto, em São Paulo, o Corinthians venceu o Palmeiras por 1 a 0, sagrando-se campeão.[19][20]

Em 1957, o Flu tornou-se o primeiro clube carioca a vencer o Torneio Rio-São Paulo, invicto, com o Vasco vindo a ser campeão no ano seguinte, com uma derrota. Na edição de 1957 o Flu foi campeão e o Vasco vice, em competição por pontos corridos.

A primeira partida por uma competição nacional foi disputada em 1 de abril de 1967, válida pelo Torneio Roberto Gomes Pedrosa, tendo tido como resultado final o placar de 2 a 2, perante 36.526 torcedores (33.455 pagantes).[21]

Tricolores e cruzmaltinos decidiram o Torneio Internacional de Verão do Rio de Janeiro de 1973 (que contou também com a participação de Argentinos Juniors e Doce Mel, ambas as equipes da Argentina), tendo o Fluminense vencido a final por 1 a 0, em São Januário.

Esse clássico carioca já decidiu o Campeonato Carioca cinco vezes, saindo o Fluminense campeão em 1976 e 1980, enquanto o Vasco saiu campeão em 1993, 1994 e 2003.[22][23]

Em outras três vezes, os dois se classificaram para o triangular final do estadual, tendo sido o Flu campeão em 1975[24] e 1984, enquanto em 1972, foi campeão o Fla.

Além destas oportunidades nas quais se confrontaram diretamente pelo título, o Vasco foi campeão e o Fluminense vice em 1949, 1956 e 1970. Nas edições de 1956 e 1970 o Flu levou vantagem no confronto direto, e em 1970 chegou a vencer o Vasco por 2 a 0 na última rodada, mas já não poderia mais alcançá-lo. Já o Flu sagrou-se campeão e o Vasco vice no Torneio Extra de 1941, também sem decidirem o título diretamente.

Os dois clubes decidiram ainda o segundo turno do Campeonato Carioca de 1973, com o Fluminense sendo campeão ao vencer o Vasco por 1 a 0, o primeiro turno do Campeonato Carioca de 1980, quando houve empate por 1 a 1 no tempo normal, com o Fluminense vindo a se sagrar campeão ao vencer a disputa de pênaltis por 4 a 1, além das taças guanabaras de 1994, com vitória vascaína por 4 a 1, 2012, com vitória tricolor por 3 a 1, e 2016, vitória do Vasco por 1 a 0, nas partidas finais.

O Vasco conquistou a Copa Rio, competição estadual, em 1992 e 1993, enquanto o Flu foi campeão em 1998, na última edição em que um grande clube foi campeão. Em 1992 o Vasco foi campeão e o Fluminense vice, após dois jogos finais.

Os jogos mais importantes entre Fluminense e Vasco, foram as finais do Campeonato Brasileiro de 1984 (vitória tricolor por 1 a 0 no primeiro jogo e um empate sem gols no segundo), que deram o segundo título da competição ao Flu. No segundo foi registrado o maior público pagante entre eles — 128.781, fora os não pagantes habituais —, tendo sido esta a primeira decisão de Campeonato Brasileiro entre clubes da mesma cidade.[25]

Em partidas eliminatórias pelo Campeonato Brasileiro, o Vasco eliminou o Fluminense nas oitavas de final do Campeonato Brasileiro de 1981[26] e foi eliminado pelo Tricolor nas quartas de finais do Campeonato Brasileiro de 1988.[27]

Nos jogos válidos pela Copa Libertadores da América de 1985 estes clubes empataram duas vezes, sendo uma por 0 a 0 e outra por 3 a 3. Com relação a esta segunda partida, o Fluminense posteriormente foi declarado vencedor pela Conmebol, pois o Vasco escalou irregularmente o jogador Gersinho. O Vasco seria campeão da Libertadores em 1998, enquanto o Flu alcançaria o título na Libertadores de 2023.[28][29]

Pela Copa do Brasil, o Fluminense eliminou o Vasco em 2000 e foi eliminado por ele em 2006.

Fluminense e Vasco fizeram o último clássico carioca com mais de 100.000 torcedores no Maracanã, antes de suas obras de modernização, quando 126.619 pessoas acompanharam a vitória vascaína por 3 a 0 em 21 de março de 1999.

O Clássico dos Gigantes foi o último clássico realizado no Maracanã antes do fechamento deste estádio para a realização de reformas visando a Copa das Confederações de 2013, tendo tido como resultado o empate por 2 a 2, em 22 de agosto de 2010, perante 80.080 torcedores (66.757 pagantes).[30]

Após a realização da Copa das Confederações, Fluminense e Vasco realizaram também o primeiro clássico após a reabertura do maior estádio do Brasil, com vitória por 3 a 1 do time cruzmaltino, perante 46.860 torcedores (34.634 pagantes), em partida válida pelo Campeonato Brasileiro de 2013.[31]

Outras estatísticas

Séries
O maior período de invencibilidade é do Fluminense, 13 jogos sem derrota (8 V e 5 E) entre 21 de abril de 1969 e 25 de julho de 1971, enquanto a favor do Vasco é de 10 jogos (7 V e 3 E) entre 2 de dezembro de 2012 e 19 de julho de 2015 e também entre 27 de maio de 2017 e 15 de março de 2020.[22]
A maior sequência de vitórias é do Fluminense, com 6 vitórias entre 8 de janeiro de 1939 e 25 de agosto de 1940, a do Vasco é de 5 vitórias entre 21 de março de 1999 e 2 de abril de 2000, enquanto a de empates é de 5 jogos entre 17 de maio de 2006 e 2 de setembro de 2007.[32]
Goleadas
A maior goleada é do Vasco, 6 a 0 em 9 de novembro de 1930, e a do Tricolor é de 6 a 2 em 11 de maio de 1941. Já a partida com mais gols foi a vitória do Flu por 5 a 4, em 6 de abril de 1947, na inauguração do Estádio da Rua Bariri.[22]
Artilheiros
O maior artilheiro deste clássico é o vascaíno Roberto Dinamite, com 36 gols. Pelo lado tricolor, o maior goleador é Waldo, com 12 gols, também eles os maiores artilheiros dos dois clubes em suas histórias.[22]
O milésimo gol do Clássico dos Gigantes foi marcado por Thiago Neves, do Fluminense, na vitória tricolor por 2 a 1, no primeiro turno do Campeonato Brasileiro de 2012.
Expulsões
A vitória tricolor por 2 a 0 em 19 de novembro de 1967 marcou o recorde de expulsões do Clássico dos Gigantes: 17 jogadores foram expulsos, e a partida, interrompida.[33]
A partida de 2 de setembro de 1944 disputada em Laranjeiras foi interrompida por briga generalizada e concluída em 6 de setembro na Gávea, mas apenas o vascaíno Alfredo, o causador da confusão, foi expulso. Na Gávea o Fluminense teve um gol anulado e se manteve o resultado do primeiro tempo em Laranjeiras: Fluminense 2 a 1.[34]
Principais competições
As partidas válidas pelo Campeonato Carioca somam 223 jogos, com 80 vitórias do Fluminense, 79 do Vasco e 64 empates, 311 gols a favor do Fluminense e 296 gols a favor do Vasco.[35]
Dos jogos da Estatística no quadro acima, 64 foram pelo Campeonato Brasileiro Unificado, com 22 vitórias do Vasco, 17 do Fluminense e 25 empates, 82 gols a favor do Vasco e 76 gols a favor do Fluminense.[36] Fluminense e Vasco jogaram entre si em todas as suas conquistas do Campeonato Brasileiro.[37]
Já pelo Torneio Rio-São Paulo foram 24 jogos, com 11 vitórias do Vasco, 9 do Fluminense e 4 empates, 44 gols para o Vasco e 40 para o Fluminense.[38]
Torneio Início
13 partidas não listadas no histórico da info do clássico foram realizadas pelo Torneio Início do Campeonato Carioca, com 4 vitórias do Vasco, 2 do Fluminense e 7 empates, com os critérios de desempate indicando 4 classificações vascaínas e 3 tricolores nas igualdades, 7 gols para o Vasco e 3 para o Fluminense. Somando com o retrospecto indicado na info seriam 388 jogos, com 152 vitórias do Vasco, 122 vitórias do Fluminense e 114 empates, 556 gols para o Vasco e 510 para o Fluminense.
Principais estádios
Estádio Olímpico Nilton Santos.
O Estádio do Maracanã foi o mais utilizado, com 248 partidas, 89 vitórias do Vasco, 76 do Fluminense e 84 empates, 326 gols a favor do Vasco e 310 a favor do Fluminense.[39]
No Estádio de São Januário foram 48 partidas, com 24 vitórias do Vasco, 12 do Fluminense e 12 empates, 84 gols a favor do Vasco e 50 a favor do Fluminense.[40]


Já no Estádio de Laranjeiras foram 43 partidas, com 20 vitórias do Fluminense, 16 do Vasco e 6 empates, 80 gols a favor do Fluminense e 70 a favor do Vasco, sendo estes os estádios mais utilizados na História do Clássico dos Gigantes.[41]
Palco do Século XXI, o Estádio Olímpico Nilton Santos abrigou 15 partidas, com 6 vitórias do Fluminense, 5 do Vasco e 4 empates, 19 gols a favor do Fluminense e 14 a favor do Vasco.[42]
Cidades
Arena da Amazônia, em Manaus
Os jogos do Clássico dos Gigantes foram realizados em 10 cidades de 5 estados diferentes: Rio de Janeiro, Arraial do Cabo, Niterói, São Francisco de Itabapoana, Teresópolis, Volta Redonda (todas no Rio de Janeiro), Brasília (Distrito Federal), Florianópolis (Santa Catarina), Juiz de Fora (Minas Gerais) e Manaus (Amazonas).[43] Algumas fontes, como o site NetVasco e a revista Placar - Os grandes clássicos, editada em maio de 2005, não apontam as partidas de Teresópolis e São Francisco de Itabapoana em suas relações de jogos, possivelmente as classificando como restritivas.
A partida de Teresópolis, que inaugurava o estádio local, não foi disputada pelas equipes principais,[44] assim como a de São Francisco de Itabapoana.[45][46]

Decisões

Torneio Municipal de 1946: Vasco campeão.
Torneio Municipal de 1948: Fluminense campeão.
Torneio Internacional de Verão de 1973: Fluminense campeão.
Segundo Turno do Campeonato Carioca de 1973: Fluminense campeão.
Campeonato Carioca de 1976: Fluminense campeão.
Primeiro Turno do Campeonato Carioca de 1980: Fluminense campeão.
Campeonato Carioca de 1980: Fluminense campeão.
Campeonato Brasileiro de 1984: Fluminense campeão.
Taça Rio de 1988: Vasco campeão.
Copa Rio de 1992: Vasco campeão.
Campeonato Carioca de 1993: Vasco campeão.
Taça Guanabara de 1994: Vasco campeão.
Campeonato Carioca de 1994: Vasco campeão.
Campeonato Carioca de 2003: Vasco campeão.
Taça Rio de 2004: Vasco campeão.
Taça Guanabara de 2012: Fluminense campeão.
Taça Guanabara de 2016: Vasco campeão.
Taça Guanabara de 2019: Vasco campeão.
Torneio Início
Torneio Início de 1931: Vasco campeão.

Jogos importantes

Campeonato Carioca de 1972:

Fluminense, Vasco e Flamengo, que acabaria campeão, compuseram a fase decisiva deste campeonato.

Campeonato Carioca de 1975:

Vasco, Botafogo e Fluminense, que acabaria campeão, compuseram a fase decisiva deste campeonato.

Campeonato Carioca de 1984:

Vasco, Flamengo e Fluminense, que acabaria campeão, compuseram a fase decisiva deste campeonato.

Outros grandes momentos

Além das oportunidades acima nas quais se confrontaram diretamente pelos títulos de campeões, os clubes foram campeões com o outro vice, nas seguintes ocasiões:

Fluminense campeão, Vasco vice
Torneio Extra de 1941.
Torneio Rio-São Paulo de 1957.
Segundo Turno do Campeonato Carioca de 1972.
Taça Guanabara 2023.
Vasco campeão, Fluminense vice
Campeonato Carioca de 1949.
Campeonato Carioca de 1956.
Campeonato Carioca de 1970.
Torneio Municipal de 1945.
Taça Rio de 1984.
Taça Rio de 1998.
Taça Rio de 2003.

Competições da Conmebol

Copa Libertadores da América de 1985: Dois empates em campo, com o Flu vindo a ser declarado vencedor do segundo deles posteriormente pela Conmebol, por conta do Vasco ter escalado irregularmente o jogador Gersinho.[47]

Demais jogos eliminatórios

Campeonato Brasileiro de 1981: Vasco elimina o Fluminense nas oitavas de finais.
Campeonato Brasileiro de 1988: Fluminense elimina o Vasco nas quartas de finais.
Campeonato Carioca de 1990: Vasco elimina o Fluminense nas semifinais.
Copa do Brasil de 2000: Fluminense elimina o Vasco nas oitavas de finais.
Taça Rio de 2005: Fluminense elimina o Vasco nas semifinais.
Copa do Brasil de 2006: Vasco elimina o Fluminense nas semifinais.
Taça Rio de 2008: Fluminense elimina o Vasco nas semifinais.
Taça Guanabara de 2010: Vasco elimina o Fluminense nas semifinais.
Taça Guanabara de 2013: Vasco elimina o Fluminense nas semifinais.
Campeonato Carioca de 2014: Vasco elimina o Fluminense nas semifinais.
Campeonato Carioca de 2017: Fluminense elimina o Vasco nas semifinais.
Campeonato Carioca de 2018: Vasco elimina o Fluminense nas semifinais.

Maiores públicos

Aonde não consta informações sobre públicos pagante e presente, a referência é apenas aos pagantes, o que indica que pelo menos 17 Clássicos dos Gigantes devem ter dado públicos presentes superiores a 100.000 torcedores, jogos no Maracanã.
  1. Fluminense 0–0 Vasco, 128.781, 27 de maio de 1984, Campeonato Brasileiro.
  2. Fluminense 2–2 Vasco, 127.123, 29 de agosto de 1976, Campeonato Carioca.
  3. Fluminense 1–0 Vasco, 127.052, 3 de outubro de 1976, Campeonato Carioca.
  4. Fluminense 0–3 Vasco, 126.619, 21 de março de 1999, Campeonato Carioca (105.500 pagantes).
  5. Fluminense 1–0 Vasco, 123.059, 21 de setembro de 1952, Campeonato Carioca (109.325 pagantes).
  6. Fluminense 1–0 Vasco, 108.957, 30 de novembro de 1980, Campeonato Carioca.
  7. Fluminense 2–2 Vasco, 106.359, 6 de setembro de 1953, Campeonato Carioca (86.308 pagantes).
  8. Fluminense 2–2 Vasco, 103.080, 13 de janeiro de 1953, Campeonato Carioca (78.723 pagantes).
  9. Fluminense 1–0 Vasco, 101.363, 25 de julho de 1973, Campeonato Carioca.
  10. Fluminense 1–1 Vasco, 101.199, 26 de outubro de 1980, Campeonato Carioca.
  11. Fluminense 2–1 Vasco, 100.275, 15 de novembro de 1953, Campeonato Carioca (86.917 pagantes).
  12. Fluminense 0–0 Vasco, 98.146, 21 de abril de 1976, Campeonato Carioca.
  13. Fluminense 2–1 Vasco, 98.006, 21 de abril de 1969, Campeonato Carioca.
  14. Fluminense 0–1 Vasco, 96.047, 8 de maio de 1977, Campeonato Carioca.
  15. Fluminense 2–0 Vasco, 94.123, 9 de dezembro de 1984, Campeonato Carioca.
  16. Fluminense 2–0 Vasco, 89.697, 20 de setembro de 1970, Campeonato Carioca.
  17. Fluminense 0–2 Vasco, 89.368, 25 de setembro de 1977, Campeonato Carioca.
  18. Fluminense 0–0 Vasco, 87.366, 18 de novembro de 1956, Campeonato Carioca (69.095 pagantes).
  19. Fluminense 2–4 Vasco, 87.019, 9 de setembro de 1951, Campeonato Carioca (76.561 pagantes).
  20. Fluminense 1–1 Vasco, 80.473, 11 de maio de 1980, Campeonato Brasileiro.
  21. Fluminense 2–2 Vasco, 80.080, 22 de agosto de 2010, Campeonato Brasileiro (66.757 pagantes).
Pelo menos os jogos com públicos presentes desconhecidos nos dias atuais de 6 de dezembro de 1964 (69.639 pags.), 21 de março de 1971 (69.424 pags.), 8 de setembro de 1974 (72.368 pags.), 27 de julho de 1975 (72.466 pags.), 10 de agosto de 1975 (79.764 pags.), 13 de abril de 1986 (71.042 pags.), 1 de fevereiro de 1989 (75.157 pags.) e 16 de junho de 1993 (79.940 pags.), poderiam constar nesta lista, que relaciona os públicos acima de 80.000 presentes, considerando como parâmetro o público pagante de 66.757, o menor da lista a atingir 80.000 presentes, embora outros eventualmente possam ter atingido esse número de espectadores.

Por décadas

1951/1960: 6.
1961/1970: 2.
1971/1980: 9.
1981/1990: 2.
1991/2000: 1.
2001/2010: 1.
Maior público no século XXI
Fluminense 2–2 Vasco, 80.080, 22 de agosto de 2010, Campeonato Brasileiro (66.757 pagantes).
Maior público na Arena Maracanã (pós 2013)
Fluminense 2–0 Vasco, 57.631, 12 de fevereiro de 2023, Campeonato Carioca (54.180 pagantes).[48]

Maior público no Estádio Olímpico Nilton Santos

Fluminense 3–1 Vasco, 36.374, 26 de fevereiro de 2012, Campeonato Carioca (31.276 pagantes).
Maior público fora do Estado do Rio de Janeiro
Fluminense 0–1 Vasco, 32.061, 17 de abril de 2016, Arena da Amazônia-AM, Campeonato Carioca (28.191 pagantes).[49][50]

Maiores públicos antes da Era Maracanã (1923/1949)

Em ordem cronológica, por estádio, não incluindo os sócios dos clubes, que não pagavam ingressos.
No Estádio das Laranjeiras: Fluminense 1–1 Vasco, 22.476, 17 de maio de 1925, Campeonato Carioca.
No Estádio de General Severiano: Fluminense 2–1 Vasco, 25.436, 23 de abril de 1939, Campeonato Carioca.
No Estádio da Gávea: Fluminense 0–0 Vasco, 18.340, 9 de junho de 1946, Torneio Municipal.
No Estádio de São Januário: Vasco 2–0 Fluminense, 33.378, 30 de outubro de 1949, Campeonato Carioca.

Títulos

Sobre os títulos dos 4 grandes do futebol carioca, ver Os quatro grandes do Rio de Janeiro.

Notas

Ligações externas

BARRETO BERWANGER, Alexandre Magno (4 de fevereiro de 2013). «História de Fluminense versus Vasco». Site Campeões do futebol. Consultado em 23 de fevereiro de 2015 .
FILHO, Paulo Cezar (27 de março de 2014). «Veja o confronto histórico entre Fluminense e Vasco (relação de jogos)». Site Netflu. Consultado em 17 de julho de 2015 .
ZARKO, Rafael e MIRANDA, Sofia (31 de outubro de 2015). «Supremacia recente vascaína esconde equilíbrio histórico de clássico com Flu». Site Globoesporte.com. Consultado em 31 de outubro de 2015 .
GLOBOESPORTE, Equipe do site (22 de abril de 2017). «9 verdades e 1 mentira sobre Fluminense x Vasco». Site Globoesporte.com. Consultado em 22 de abril de 2017 .
GLOBOESPORTE, Equipe do site (28 de agosto de 2020). «Os craques que já jogaram por Fluminense e Vasco». Site Globoesporte.com. Consultado em 29 de agosto de 2020 .
BONSANTI, Bruno (13 de fevereiro de 2015). «Os 10 maiores clássicos da história da Libertadores». Site TRIVELA. Consultado em 25 de fevereiro de 2017 .
LEAL, Ubiratan (20 de outubro de 2014). «Dez grandes viradas da história do mata-mata do Brasileirão». Site TRIVELA. Consultado em 25 de fevereiro de 2017 .

Bibliografia

Livro Clássicos do Futebol Brasileiro, por José Renato Sátiro Santiago Jr. e Marcelo Unt (2014).
Revista Placar - Os grandes clássicos (maio/2005).
Revista Placar - Grandes clássicos (abril/2015).
Revista Trivela - Os maiores clássicos do mundo (outubro/2008).
Revista Tributo Esportivo (Editora Alto Astral) - Grandes clássicos (2009).

Ver também

Referências

  1. Jornal Lance!, de 17 de maio de 2006.
  2. DECKER, Augusto (12 de fevereiro de 2016). «Os apelidos dos clássicos, dos 'milhões' de Vasco e Flamengo ao eterno Fla-Flu.». Jornal O Globo. Consultado em 9 de abril de 2020 
  3. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Não_nomeado-20230316144042
  4. a b JORNAL DOS SPORTS de 24 de setembro de 1952 (edição eletrônica 07079), página 5, Perspectivas do grande campeonato, página disponível em 21 de março de 2018.
  5. a b JORNAL DOS SPORTS de 24 de setembro de 1952 (edição eletrônica 07079), página 4, Coluna do estádio, página disponível em 21 de março de 2018.
  6. a b BARRETO BERWANGER, Alexandre Magno (1 de dezembro de 2012). «Um grande e esquecido Clássico dos Gigantes». PanoramaTricolor.com. Consultado em 27 de maio de 2014 
  7. BARRETO BERWANGER, Alexandre Magno (4 de fevereiro de 2013). «História de Fluminense versus Vasco.». CampeõesDoFutebol.com. Consultado em 27 de maio de 2014 
  8. BENEVENUTTE, Thiago (6 de maio de 2015). «Raio-x dos confrontos brasileiros na Libertadores tem 155 jogos e só um invicto». Globoesporte.com. Consultado em 19 de novembro de 2017 
  9. MANSUR, Carlos Eduardo (27 de janeiro de 2017). «Campeonato Carioca inicia sua 113ª edição neste sábado.». Jornal O Globo. Consultado em 16 de agosto de 2020 
  10. BUARQUE DE HOLANDA, Bernardo (12 de junho de 2020). «Maracanã: 70 anos (de futebol) em 7.». Site medium.com. Consultado em 16 de agosto de 2020 
  11. Livro Fluminense Football Club História, Conquistas e Glórias no Futebol, por Antônio Carlos Napoleão (2003).
  12. Jornal Correio da Manhã, de 25/05/1923, citado pelo pesquisador Hugo da Silva Moraes em sua dissertação de Mestrado em História Social para a UFF (Universidade Federal Fluminense), intitulado "Jogadas Insólitas: Amadorismo e Processo de Profissionalização no Futebol Carioca (1922-1924)", 2009, pág. 74: Esse preço corresponde a aproximadamente cinco carros novos do modelo Ford à 4:870$000 ou aproximadamente 10 meses de aluguel de uma casa no centro da cidade com 24 quartos, mobiliados, dois banheiros com aquecedor, cozinha com fogão a gás rendendo 2:800$000 mensais. Correio da Manhã, Rio de Janeiro: 25 mai. 1923. Correio Sportivo (http://www.uff.br/esportesociedade/site/arquivos/hugomoraesdissert.pdf)
  13. O GLOBO (23 de novembro de 1925). Edição matutina. «As partidas decisivas do campeonato da cidade (ver o rodapé da capa)». O Globo. Consultado em 27 de maio de 2014 
  14. DE FREITAS LIMA, Ricardo. «Estatísticas Fluminense >> Jogos >> 03/07/1927 >> 03-07-1927 - Vasco 2 x 2 Fluminense 15:30». Fluzão.info. Consultado em 23 de fevereiro de 2015 
  15. Edição matutina. «Título ilegível (ver capa e a pág. 2)». O Globo. 4 de julho de 1927. Consultado em 27 de maio de 2014 
  16. Livro Fluminense, 110 jogos inesquecíveis - Guerreiros desde 1902, páginas 36 e 37, por COHEN, Dhaniel; SANTORO, Carlos; D'ALINCOURT, Heitor e BOLTHAUSER, João (2012)
  17. Transcrição da crônica do jornal O Globo, de 8 de maio de 1933, Edição Matutina, página 2.
  18. Edição matutina. «Auspiciosa a estréa do Fluminense no campeonato». Jornal dos Sports, página 8. 9 de maio de 1933. Consultado em 1 de novembro de 2014 
  19. Jornal dos Sports, do dia 11 de julho de 1954.
  20. Torneio Rio-São Paulo 1952, página disponível em 19 de agosto de 2015
  21. Jornal Correio da Manhã, de 2 de abril de 1967, página 24.
  22. a b c d Revista Placar Os Grandes Clássicos, página 32, maio de 2005.
  23. ARAUJO, Viviane "VSales". «História do clássico Vasco e Fluminense.». PaixãoVascão.com. Consultado em 27 de maio de 2014 
  24. BARRETO BERWANGER, Alexandre Magno (28 de junho de 2014). «Equipe do Fluminense no Triangular decisivo do Campeonato Carioca de 1975.». CampeõesDoFutebol.com. Consultado em 19 de dezembro de 2014 
  25. LEAL, Ubiratan (22 de outubro de 2014). «Dez clássicos que marcaram a era do mata-mata no Brasileirão.». Trivela.com. Consultado em 31 de outubro de 2014 
  26. «Vasco 2 x 3 Fluminense (ver também partida anterior).». Futpédia.com. Consultado em 1 de novembro de 2014 
  27. LEAL, Ubiratan (20 de outubro de 2014). «Dez grandes viradas da história do mata-mata do Brasileirão». Trivela.com. Consultado em 31 de outubro de 2014 
  28. (10 de junho de 2007). Em 1985, Vasco e Fluminense empatavam pela Libertadores. NetVasco.com. Visitado em 27 de maio de 2014
  29. BONSANTI, Bruno (13 de fevereiro de 2015). «Os 10 maiores clássicos da história da Libertadores». Trivela.com. Consultado em 1 de abril de 2016 
  30. Gazeta Press (21 de julho de 2013). «Fluminense e Vasco 'reabrem' Maracanã dos cariocas». Placar.Abril.com. Consultado em 27 de maio de 2014 
  31. GloboEsporte.com (21 de julho de 2013). «Juninho reina na volta ao Maracanã, Vasco derrota o Flu e sobe na tabela». GloboEsporte.com. Consultado em 27 de maio de 2014 
  32. DE FREITAS LIMA, Ricardo. «Especiais - Sequências - Sequências contra adversário - Vasco». Fluzão.info. Consultado em 21 de janeiro de 2014 
  33. BARRETO BERWANGER, Alexandre Magno (6 de fevereiro de 2013). «O Clássico dos Gigantes». PanoramaTricolor.com. Consultado em 18 de janeiro de 2015 
  34. Livro Fluminense, 110 jogos inesquecíveis - Guerreiros desde 1902, páginas 56 e 57, por COHEN, Dhaniel; SANTORO, Carlos, D'ALINCOURT, Heitor e BOLTHAUSER, João (2012)
  35. PRAIS, Mauro (14 de abril de 2014). Vasco x Fluminense. NetVasco.com. Visitado em 23 de fevereiro de 2015
  36. «Vasco x Fluminense - História do Confronto - Brasileiro Unificado». Futpédia.com. Consultado em 23 de fevereiro de 2015 
  37. Revista Almanaque do Brasileirão 2017, Editora Alto Astral.
  38. DE FREITAS LIMA, Ricardo. «Especiais - Adversários - Adversários em Campeonato - Vasco - Torneio Rio-São Paulo». Fluzão.info. Consultado em 19 de novembro de 2014 
  39. DE FREITAS LIMA, Rodrigo. «Especiais - Adversários - Adversários em estádio - Vasco da Gama - Maracanã». Fluzão.xyz. Consultado em 4 de julho de 2022 
  40. DE FREITAS LIMA, Rodrigo. «Especiais - Adversários - Adversários em estádio - Vasco da Gama - São Januário». Fluzão.xyz. Consultado em 4 de julho de 2022 
  41. DE FREITAS LIMA, Rodrigo. «Especiais - Adversários - Adversários em estádio - Vasco da Gama - Laranjeiras». Fluzão.xyz. Consultado em 4 de julho de 2022 
  42. DE FREITAS LIMA, Rodrigo. «Especiais - Adversários - Adversários em estádio - Vasco da Gama - Engenhão». Fluzão.xyz. Consultado em 4 de julho de 2022 
  43. Revista Placar Os Grandes Clássicos, páginas 32 a 37, maio de 2005, atualizada com a partida de 02/02/2019
  44. Jornal do Brasil de 6 de julho de 1954, página 12.
  45. DE FREITAS LIMA, Ricardo. «Estatísticas Fluminense >> Jogos >> 14/05/2000 >> 14-05-2000 - Vasco 0 x 1 Fluminense 17:00». Fluzão.info. Consultado em 23 de fevereiro de 2015 
  46. Estádio da Rua Manoel Ferreira, página disponível em 19 de dezembro de 2015
  47. «SOARES, Daniel - Site De Primeira, O Fluminense na Libertadores - página editada em 12 de março de 2012 e disponível em 2 de maio de 2015». Consultado em 2 de maio de 2015. Arquivado do original em 27 de outubro de 2016 
  48. https://www.netflu.com.br/confira-publico-e-renda-de-fluminense-2-x-0-vasco/
  49. Site Estatísticas do Fluminense - Público - Maiores públicos em estádios
  50. GLOBOESPORTE.COM - Colina amazônica! Vasco vence Flu em Manaus e conquista a Taça Guanabara, página editada em 17 de abril de 2016 e disponível em 9 de junho de 2018.