Waldo Machado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Waldo
Informações pessoais
Nome completo Waldo Machado da Silva
Data de nasc. 9 de setembro de 1934 (82 anos)
Local de nasc. São Gonçalo (RJ),  Brasil
Altura 1,79 m
Informações profissionais
Período em atividade 1954-1971 (17 anos)
Posição Atacante
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
19541961
19611969
19691971
Brasil Fluminense
Espanha Valencia
Espanha Hércules[1]
00 403 00(319)
00296 00(182)
00019 0000(2)
Seleção nacional

1960
Rio de Janeiro Seleção Carioca
Brasil Brasil
0004 000(6)
0005 000(2)

Waldo Machado da Silva, mais conhecido apenas como Waldo (São Gonçalo, 9 de setembro de 1934) é um ex-futebolista brasileiro, que atuava como atacante, tendo começado nas categorias de base do Fluminense Atlético Clube (Niterói).

Waldo começou a sua carreira profissional no Fluminense Football Club em 1954, tendo permanecido no Tricolor até 1961 e atuado com destaque também na Seleção Carioca e na Seleção Brasileira, antes de emigrar para a Espanha.

Fluminense[editar | editar código-fonte]

No Fluminense Waldo conquistou o Campeonato Carioca de 1959, foi campeão da Zona Sul da Taça Brasil de 1960 e conquistou dois títulos do Torneio Rio-São Paulo, em 1957 e em 1960, sendo até hoje o maior artilheiro da história deste clube, não tendo marcado um único gol de pênalti sequer em sua carreira, o que ajuda muito a aumentar as estatísticas de vários artilheiros. Com 319 gols e uma média de aproximadamente 0,79 gols por partida pelo Fluminense, ele é até hoje o maior artilheiro da história do clube carioca[2][3].

Seu estilo era rompedor, sem firulas, e, por isto mesmo, perdia pouquíssimos gols, fazendo-os de todas as formas, mas geralmente com simplicidade e objetividade. No Fluminense, Waldo foi artilheiro do Campeonato Carioca de 1956 e dos Torneios Rio-São Paulo de 1957 e 1960.

Na época em que comandou o ataque do Fluminense, o Tricolor teve o ataque mais positivo dos Torneios Rio-São Paulo em 1954, 1957 e 1960 (sendo que, em 1956, não houve torneio), assim como aconteceu na Taça Brasil de 1960. Waldo fez 41 gols em 59 jogos atuando pelo Tricolor na história do Torneio Rio-São Paulo, sendo também o maior artilheiro do Fluminense nesta competição.[4]

Carreira na Espanha[editar | editar código-fonte]

Em 1962, Waldo transferiu-se para o Valencia, sendo até 2006 o segundo maior artilheiro da história do clube espanhol, com 160 gols em 296 partidas oficiais, atrás somente do jogador espanhol Mundo(Edmundo Suárez). Na temporada 1966-67, foi o artilheiro da Liga Espanhola e, até 2006, era o brasileiro com maior número de gols nessa liga, 115, só então sendo superado por Ronaldo, que acabaria por fazer 117 gols.[5]

Incluindo os jogos amistosos, Waldo teria feito 182 gols pelo Valencia.[6], sendo campeão da Copa UEFA em 1962 e 1963 (artilheiro desta competição em 1962), além de campeão da Copa do Rei em 1967.

Depois de sair do Valencia, Waldo atuou 19 partidas pelo Hercules, marcando 2 gols.[7]

Após terminar a sua carreira como jogador, Waldo radicou-se na cidade de Valência.

Seleção Brasileira e Seleção Carioca[editar | editar código-fonte]

Antes de emigrar para a Espanha, Waldo fez ainda 2 gols pela Seleção Brasileira (tendo sido campeão da Taça do Atlântico 1960) e 6 pela Seleção Carioca, podendo ter feito ao total 511 gols na carreira segundo a listagem de seus gols.

Partidas pela Seleção Brasileira

Principais títulos[editar | editar código-fonte]

Fluminense
Valencia
Seleção Brasileira

Publicações[editar | editar código-fonte]

Livros
  • Waldo, O Artilheiro, por Walterson Botelho (Editora Telejur, 2012)

Enlaces externos[editar | editar código-fonte]

Torneio Rio-São Paulo de 1957 - Site oficial do Fluminense, página disponível em 27 de julho de 2016.
RSSSF Brasil - Fichas técnicas de jogos que deram títulos ao Fluminense, página disponível em 27 de julho de 2016.
O Fluminense em 1956 (da Redação) - e 1957, página editada em 7 de junho de 2016 e disponível em 27 de novembro de 2016.
Revista Placar nº 298, de 12 de dezembro de 1975, página 24 (seção: Garoto do placar) - O velho Flu invicto: já uma máquina em 57.

Referências