Torneio Octogonal Rivadavia Corrêa Meyer

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Copa Rivadavia
Torneio Octogonal Rivadavia Corrêa Meyer
Copa Rivadavia.jpg
Troféu da Copa Rivadávia conquistado pelo Vasco em 1953
Dados gerais
Organização CBD
Edições 1
Local de disputa Brasil
Sistema Grupos e Eliminatórias
editar

Torneio Octogonal Rivadávia Corrêa Meyer (nome dado em homenagem ao então presidente da CBD) foi um torneio internacional de futebol disputado entre 7 de junho e 4 de julho de 1953 em São Paulo e no Rio de Janeiro. Sucedeu a Copa Rio,[1] com novo nome, formato/regulamento e história próprias, com outros patrocinadores (mas com o mesmo organizador: CBD), e que teve o Vasco da Gama como campeão invicto.

Fatos da Copa Rivadavia[editar | editar código-fonte]

Extinguir a Copa Rio[editar | editar código-fonte]

Segundo o RSSSF, o Anuário do Esporte teria publicado, em 1953, sobre a criação do Torneio Octogonal Rivadavia Correa Meyer: Um detalhe que acabou marcando, de forma mais expressiva a II Copa Rio, é que ela foi a segunda e última. Em verdade, não se sabe bem porquê, cinco clubes do Rio e de S. Paulo reuniram-se e resolveram forçar a C.B.D. a extinguir a Copa Rio. Deixaram a entidade máxima com um torneio internacional na mesma época, mas com outro nome e outro regulamento. Inclusive aumentando o número de concorrentes brasileiros, que agora serão quatro: dois do Rio e dois de S. Paulo. E essa fórmula nova deverá começar a vigorar agora, neste ano de 1953.[2]

No dia 11 de setembro de 1952, a CBD informou que a Copa Rio não seria disputada em 1953, devido à antecipação da segunda edição da mesma de 1953 para 1952.[3] Com isso, o Conselho Técnico da CBD sugeriu que ela fosse disputada de 4 em 4 anos (e não mais de 2 em 2 anos[4] ), ficando o certame entrosado à Copa do Mundo, às Olímpiadas e à vindoura Taça Brasil.[5] Já no dia 25 de setembro de 1952, a CBD divulgou um esboço de calendário para as temporadas de 1953, 1954 e 1955 marcando a "Taça Rio" (Copa Rio) para junho e julho de 1953, o mesmo período em que ocorreu o Torneio Octogonal Rivadavia Correa Meyer,[6] substituindo a Copa Rio, segundo a edição de 23 de outubro de 1952 do mesmo jornal.[7]

O Jornal dos Sports de 05/10/1952 (edição 7089) relata a reunião da  CBD que determinou substituição da Copa Rio pelo Torneio Octogonal, comprovando que o planejamento era incluir quatro clubes brasileiros (dois de RJ e dois de SP) e quatro clubes estrangeiros, sendo que os clubes brasileiros seriam classificados de acordo com sua posição no Torneio Rio-São Paulo (os dois clubes cariocas e os dois clubes paulistas mais bem classificados no Torneio Rio-São Paulo) e os estrangeiros seriam clubes (preferencialmente clubes campeões) de Inglaterra, Escócia, Portugal, Espanha, Itália, Iugoslávia, Hungria, Argentina e Uruguai (ou seja, os mesmos países dos clubes que foram os principais convidados à Copa Rio em 1951 e 1952 mais a Hungria). O jornal atesta que houve acalorado debate sobre manter ou não o mesmo nome anterior, de Copa Rio. Foi uma reunião com a participação do presidente da CBD, Rivadavia Correa Meyer, do presidente do Conselho Técnico de Futebol da entidade, Castelo Branco, do presidente da Federação Paulista de Futebol, Roberto Gomes Pedrosa, e de um  representante dos clubes da Federação Metropolitana de Futebol (nome à época da Federação de Futebol do Rio de Janeiro).[8]

O Jornal dos Sports de 02/10/1952 (edição 7086) traz um artigo de Mário Filho (jornalista que em 1950 idealizou a Copa Rio) em que o mesmo atribuiu a proposta de mudança no número de participantes estrangeiros/brasileiros (de 6/2 nas Copas Rio para 4/4 no Torneio Rivadavia) a uma solicitação dos próprios clubes brasileiros, sob o argumento dos clubes brasileiros de que o modelo de 1951/1952 (Copa Rio) "favorece um clube paulista e um clube carioca em detrimento dos demais". Mário Filho, neste artigo, diz que discorda da mudança, insinuando que os clubes não-incluídos iam da mesma forma continuar dizendo-se prejudicados: "Vamos admitir que no torneio internacional projetado pelos clubes se dobre o número de clubes brasileiros: dois do RJ e dois de SP. E os outros?" Neste mesmo artigo, Mário Filho diz que já achava errado que na Copa Rio (1951/1952) o Brasil contasse com 2 representantes (os campeões de RJ e SP) enquanto todos os demais países podiam contar com apenas 1 representante, que isso era um benefício indevido ao Brasil, e que seria ainda mais agravado se dobrasse o número de participantes brasileiros.[9] Porém, o mesmo jornal publicou que, se por um lado discordava da mudança no número de participantes brasileiros de 2 para 4, mas que o "essencial era a idéia, que resistiu como necessidade imperiosa", e que "continuará o Torneio Internacional, para honra e proveito do futebol brasileiro".[10]

Em entrevista ao jornal Última Hora de 09/01/1953, o presidente do Conselho Técnico de Futebol da CBD, Sr. Castello Branco, confirmou que foi a pedido dos clubes brasileiros que o número de participantes brasileiros aumentou de 2 para 4. Disse também que o objetivo era contar com os clubes campeões de Escócia, Inglaterra, Itália, Espanha, Portugal (ou seja, como nos torneios anteriores, o foco principal seria contar com equipes campeãs). Afirmou também que o modelo da competição não seria muito diferente ao da Copa Rio, com 2 grupos de 4 equipes.[11]

A mudança no número de participantes brasileiros, de 2 para 4, foi uma proposta originalmente do jornal O Estado de S. Paulo: o jornal O Estado de S. Paulo criticou a Copa Rio de 1952, comentando que a competição não havia tido sua situação resolvida faltando menos de 15 dias para o seu início, e que, com tantas recusas de convidados europeus, afigurava-se um torneio desinteressante, e sugeriu que organizar uma competição com mais clubes brasileiros (4) e menos estrangeiros seria melhor do que insistir numa Copa Rio com clubes europeus desinteressantes.[12]

Proibição ao Club Nacional de Football pela Associação Uruguaia de Futebol e sua substituição pelo Fluminense[editar | editar código-fonte]

Publicou o Jornal do Brasil de 10/06/1953 sobre a proibição da Associação Uruguaia de Futebol a que o Club Nacional de Football participasse do Torneio Octogonal Rivadavia Corrêa Meyer:

A comissão diretora do Nacional de Montevidéu se reuniu, em 09 de junho de 1953, e considerou a situação que surgiu com a decisão da Junta dirigente da AUF (Associação Uruguaia de Futebol) de proibir o Clube de participar da "Copa Rivadavia", bem como conferenciou, telefonicamente, com os dirigentes da Confederação Brasileira de Desportos sobre o problema.

Considerou-se impossível a participação do Nacional, em vista da categórica recusa da Junta por 10 votos, 7 contra a participação do Nacional e 3 a favor(Nacional, Peñarol e Wanderers), já que a participação não autorizada significaria violação dos regulamentos internacionais de futebol.

A sessão da Junta finalizou às primeiras horas daquele dia, fundamentando seu voto contrário, de 10 clubes da primeira divisão, e pronunciando-se a favor da participação apenas o próprio Nacional, o Peñarol e o Wanderers. O presidente do Nacional, Brum Carbajal, ainda tentou solicitar a autorização, como uma homenagem à C.B.D. O resultado da votação fez desaparecer as possibilidades de qualquer outra consideração do assunto, por parte da Junta.[13]

Dois dias depois, em 12/06/1953, publicou o Jornal do Brasil as seguintes informações, deixando claro que Club Nacional de Football desejava participar da competição mas que não pôde fazê-lo porque teve contra si, no âmbito da Associação Uruguaia de Futebol, os 7 clubes "pequenos" do Uruguai (os grandes sendo o Peñarol, o Wanderers e o próprio Nacional):

A CBD forneceu a imprensa e ao rádio no dia 11 de junho de 1953 uma longa e minuciosa "nota oficial" esclarecendo os entendimentos ocorridos com o Nacional para a sua participação na disputa da "Taça Rivadavia Correa Meyer". Pela troca de correspondência, cujos telegramas e ofícios fizeram parte da citada nota da CBD, verificou-se a atitude devente da entidade máxima que atendeu a todos os desejos do Nacional, clube que sempre manteve a altura do prestígio que desfruta, sendo acompanhado pelo Peñarol e pelo Wanderers, tendo contra si os demais outros sete clubes, todos eles sem a expressão do Nacional e que levaram a Associação Uruguaia de Futebol a tomar uma atitude completamente diversas da até então por ela seguida para com a CBD, que sempre se empenhou por manter os laços mais estreitos de amizade com a entidade uruguaia, sem esperar, jamais, que surgisse tão decepcionante atitute dessa, sempre tida em alta conta, mesmo entre o público desportivo brasileiro.[14]

As edições de 26/05/1953, 09/06/1953 e 12/06/1953 do jornal O Estado de S. Paulo confirmam que o Club Nacional de Football do Uruguai aceitou o convite para participar da competição, e apenas não o fez em função da proibição imposta pela Associação Uruguaia de Futebol.

Flamengo e Fluminense solicitaram à CBD a vaga que seria do clube uruguaio, pois não havia tempo hábil para preencher a vaga com outro clube estrangeiro. A CBD determinou que a Federação Metropolitana de Futebol (que era, na época, a Federação de Futebol do Rio de Janeiro, então Distrito Federal) determinasse um dos dois clubes cariocas para entrar no torneio na vaga do Club Nacional de Football do Uruguai. Em reunião de seu Conselho Arbitral, a Federação Metropolitana deu a vaga ao Fluminense, em função deste ter terminado o Torneio Rio-São Paulo em terceiro lugar entre os cariocas; todos os clubes presentes à reunião concordaram, exceto o Flamengo, que discordou da decisão porque pleiteava a vaga para si.[13] [15] [16]

Semelhanças e diferenças entre o Torneio Rivadavia e as edições da Copa Rio[editar | editar código-fonte]

Ambas as competições tiveram o mesmo organizador, a Confederação Brasileira de Desportos, com autorização da FIFA, comprovada pela participação do presidente da Federação Italiana e vice-presidente e Secretário-Geral da FIFA Ottorino Barassi na sua organização. Porém, para o Torneio Rivadavia de 1953, é registrada nos jornais da época a participação de Ottorino Barassi no recrutamento apenas do representante italiano, que poderia ser Juventus, Internazionale ou Milan (sem haver menções a que ele recrutaria clubes de outros países); contudo, assim como na Copa Rio de 1952, Barassi acabou não tendo êxito em trazer um clube da Itália ao Brasil em 1953.[17] Ottorino Barassi envidou esforços para trazer o campeão italiano AC Milan ao Torneio Rivadavia, mas isso não foi possível em virtude da participação do Milan na Copa Latina do mesmo ano. Barassi chegou a receber na Itália o representante da CBD, Manuel Furtado de Oliveira, que empreendeu um giro pela Europa para tratar da vinda de clubes daquele continente ao Torneio Rivadavia.[18] Ou seja: assim como ocorrera em 1951 (com o AC Milan) e em 1952 (com o Juventus), em 1953 um clube italiano não quis vir ao Brasil disputar a competição da CBD para poder priorizar a Copa Latina, e o campeão português Sporting Lisboa (campeão português em 1951, 1952 e 1953) fez um "tour de force", não querendo perder nem a Copa Latina nem o torneio brasileiro, participando de ambas as competições. A edição de 29 de abril de 1953 do jornal espanhol El Mundo Deportivo informa ser a Copa Latina a razão da não-participação do AC Milan no Torneio Octogonal Rivadavia Correa Meyer, referindo-se ao torneio como "o torneio do Rio". A mesma edição do jornal comenta que o adianto da Copa Latina de 1953 em uma semana (para os dias 04 e 07 de junho) possibilitaria ao Reims francês e ao Sporting de Lisboa participar da "Copa de Rio".[19] Assim como nas edições da Copa Rio, no Torneio Rivadavia os árbitros eram todos do quadro da FIFA: por exemplo, o árbitro paulista Querubim da Silva Torres foi aceito na competição apenas na condição de "bandeirinha" por não ser um árbitro do quadro da FIFA.[20]

O RSSSF indica que o Torneio Rivadavia foi o torneio sucessor da Copa Rio[21] , e várias fontes da época tratam o Torneio Rivadavia como "copiado" sobre a Copa Rio[22] ou tratam as duas competições (Copas Rio e Rivadavia) como a mesma competição: Agence France Presse (agência de notícias francesa),[23] Jornal do Brasil,[24] , jornal Última Hora,[25] jornal Mundo Esportivo (Brasil),[26] jornal escocês Glasgow Herald,[27] jornal O Estado de S. Paulo[28] , jornal espanhol ABC de Madrid[29] , jornal espanhol El Mundo Deportivo.[30]

O jornal Última Hora, jornal que em 1952 tratou a Copa Rio como um troféu mundial,[31] em 1953 se referiu ao Torneio Octogonal Rivadavia como "o torneio que outrora se chamava Copa Rio".[32] O mesmo jornal confirma em 15/06/1953 que o Torneio Rivadavia de 1953 era tratado no Velho Mundo (ou seja, na Europa) como sendo uma edição da Copa Rio.[33] Outras fontes da época confirmam que o Torneio Rivadavia foi tratado pelos europeus como sendo uma edição da Copa Rio.[23] [34] [35] [36] [37] [38]

O jornal português Diário de Lisboa, quando da participação do Sporting, ressaltou o caráter intercontinental ("característica euro-sul-americana") do Torneio Octogonal Rivadavia Correa Meyer, o que, segundo o jornal, o valorizava, sendo um "torneio de homenagem ao prestigioso presidente da CBD."[39] [40] Além da diferença na quantidade de participantes estrangeiros e brasileiros e nos países representados, há também a óbvia diferença nominal entre a Copa Rio e o Torneio Rivadavia. Porém, observa-se que houve diferença nominal mesmo entre as duas edições da Copa Rio, pois a 1ª Copa Rio (1951) se chamou oficialmente "Torneio Internacional de Clubes Campeões - Copa Rio" (nome escrito no troféu) enquanto a 2ª Copa Rio (1952) se chamou oficialmente apenas de "Copa Rio"(nome escrito no troféu). O fato do nome da taça de 1953 homenagear um dirigente esportivo (no caso, Rivadavia Corrêa Meyer) é um fato comum no futebol, sendo observado em várias competições oficiais, mesmo competições da maior importância como a Taça Jules Rimet/Copa do Mundo, o Troféu Henri Delaunay[41] /Eurocopa e a Copa João Havelange/Campeonato Brasileiro de Futebol de 2000, além de diversas outras competições oficiais (Supercopa João Havelange/Supercopa dos Campeões da Libertadores, Torneio Roberto Gomes Pedrosa, Copa Ouro Nicolas Leoz), e não implica qualquer conclusão sobre a oficialidade e o objetivo da competição.

Convite e desconvite aos campeões de França e Alemanha e não-aceitação do campeão da Iugoslávia[editar | editar código-fonte]

Em 1953 o campeão da Taça da Alemanha Rot-Weiß Essen foi convidado e aceitou participar do Torneio Rivadavia, e não participou apenas porque foi desconvidado pela própria CBD após ter aceitado o convite. A tabela do Torneio Rivadavia chegou a ser feita incluindo este clube, mas sua participação foi cancelada pela própria CBD, que desconvidou o clube ao torneio, conforme informado pelas edições de maio e junho de 1953 do jornal Folha da Manhã (antiga Folha de S.Paulo).[42] A edição de 28/05/1953 do jornal O Estado de S. Paulo dá conta que o Rot-Weiß Essen era campeão alemão e detentor da Taça da Alemanha, e que ele e o Hibernian eram as duas maiores expectativas que a CBD tinha em termos de participantes estrangeiros para o Torneio Rivadavia. Porém, o Rot-Weiß Essen foi "fragorosamente derrotado" em sua cidade (Essen) pelo America Football Club do Rio de Janeiro, o que levou a CBD a cancelar o convite ao mesmo. A edição de 06 de agosto de 1953 dá conta que o Rot-Weiß Essen acionou a CBD pedindo indenização por danos (e levou o caso à FIFA), pela CBD ter convidado e desconvidado o clube ao certame.[43]

A edição de 07 de maio de 1953 do jornal O Estado de S. Paulo dá conta da vontade do campeão francês Stade de Reims em participar do Torneio Rivadavia. O Jornal do Brasil de 7 de maio de 1953 (página 3 do 2º caderno) noticiou que o Stade de Reims (então campeão francês) foi questionado sobre o Torneio Octogonal e tinha dito "que irá ao Brasil participar do torneio em disputa da Taça Rivadavia Corrêa Meyer (Copa Rio).[44] Porém, a CBD havia condicionado o convite ao Stade de Reims, campeão francês, ao resultado do jogo do mesmo contra o America Football Club. Como o clube carioca derrotou o Stade de Reims em partida amistosa realizada em Liege (Bélgica), a CBD pôs o clube francês fora de cogitações para o Torneio Octogonal Rivadavia Correa Meyer.[45]

Assim como ocorrido com o campeão iugoslavo Dinamo Zagreb na Copa Rio de 1952 (que solicitou sua inscrição na Copa Rio de 1952 mas não foi aceito), em 1953 o campeão da Copa da Iugoslávia, o FK Partizan de Belgrado, solicitou sua inscrição no Torneio Rivadavia, mas não foi aceito pela CBD.[46]

A organização do torneio[editar | editar código-fonte]

No estádio do Hibernian, uma ilustração d' "Os cinco famosos" (The Famous Five), quinteto ofensivo do Hibernian, composto de Gordon Smith, Bobby Johnstone, Lawrie Reilly, Eddie Turnbull e Willie Ormond, que foram o grande atrativo do clube perante o público brasileiro em 1953.[47] [48] Após sua atuações pelo Hibernian no Torneio Rivadavia, Smith e Johnstone chamaram a atenção de clubes brasileiros, que tentaram contratá-los. Após recusarem, por razões desconhecidas, participar da Copa Rio Internacional, os escoceses do Hibernian vieram ao Brasil disputar o Torneio Rivadavia, considerando-o um Mundial de Clubes.[49] [50]

O jornal O Estado de S. Paulo, em sua edição de 26 de novembro de 1952, dá conta que o Torneio Octogonal Rivadavia Correa Meyer foi visto, já naquele momento, como substituto da Copa Rio. adicionando que desde então (novembro de 1952) o CBD já julgava importante começar a convidar os quadros estrangeiros. A edição do mesmo jornal do dia seguinte (27/11/1952) afirma que o CBD convidou o Milan para participar da competição. A edição de 22 de janeiro de 1953 do Estado de São Paulo dá conta de que o CBD planejava contar, para o torneio, com 4 entre os campeões de Inglaterra, França, Itália, Espanha e Portugal; porém, como o CBD sabia que os 4 últimos estariam envolvidos na Copa Latina, estava cogitando o Millonarios da Colômbia, o Hibernian da Escócia e o Sporting de Portugal (esta matéria de jornal indica que o Millonarios da Colômbia seria uma equipe composta apenas de jogadores argentinos); em 1951 e 1952, a Copa Rio já havia sofrido grande concorrência da Copa Latina, pois em 1951 o Milan e o Atlético de Madrid foram convidados à Copa Rio mas não participaram em parte para poder priorizar da Copa Latina, enquanto em 1952 Juventus, Nice e Barcelona foram convidados à Copa Rio mas preferiram priorizar a Copa Latina.

A edição de 28 de fevereiro de 1953 do jornal catalão El Mundo Deportivo[51] afirma que o objetivo original do CBD era realizar a competição com 3 times brasileiros, mais Sporting (Portugal), Juventus (Itália), Millonarios (Colômbia) e uma equipe austríaca (não especificada na matéria). A edição de 16 de março de 1953 do mesmo jornal informa sobre viagem de representante do CBD, Manuel Furtado Oliveira, à Europa para trazer quadros europeus ao torneio, que seriam o Barcelona (Espanha), o Hibernian (Escócia) e o Internazionale (Itália).[52]

A edição de 19 de março de 1953 do jornal O Estado de S. Paulo dá conta de que o secretário do CBD Manuel Furtado de Oliveira viajou a Paris com o objetivo de trazer ao torneio 4 clubes europeus: um da Itália (a ser Juventus ou Inter de Milão), um da Escócia (Hibernian), um da Espanha (Barcelona) e um de Portugal (Sporting), e que em caso de recusa do Barcelona, a escolha recairia sobre o Reims (França) ou o Partizan de Belgrado (Iugoslávia). A edição do dia seguinte (20/03/1953) dá ciência de que o Millonarios da Colômbia também foi convidado. A edição do Estado de São Paulo de 18 de abril de 1953 traz a lista de participantes como sendo Corinthians, São Paulo, Vasco, Flamengo, Millonarios (Colômbia), Hibernian, Milan e um clube de Portugal a ser definido. A edição de 25 de abril de 1953 informava que 3 clubes estrangeiros estavam garantidos no Torneio Octogonal Rivadavia Correa Meyer: Hibernian, Sporting e Milan, sendo que os dois últimos pediam um adiamento do certame brasileiro para poderem disputar a Copa Latina, sendo que o CBD concordava com este adiamento; a matéria também informando que a CBD concederia 72 horas para que o Millonarios da Colômbia respondesse se participaria do certame, e em caso negativo o CBD convidaria um representante paraguaio, porém condicionado ao requisito que este tivesse ao menos cinco jogadores da seleção paraguaia que acabara de ser campeã da Copa América de 1953.[53] A edição de 05 de maio de 1953 dá conta de que os 4 clubes estrangeiros seriam o Hibernian, o Sporting de Lisboa, o Rot-Weiß Essen, e a última vaga estrangeira ficaria entre o Reims (França), o Partizan (Iugoslávia) , o Austria Viena (Áustria) e o Olimpia (Paraguai).

A edição de 29 de abril de 1953 do jornal espanhol El Mundo Deportivo informa que participariam do torneio o Milan, Sporting Lisboa, o Partizan de Belgrado (Iugoslávia- este clube foi convidado e depois desconvidado pelo CBD a participar do certame), o Hibernian, o Vasco, o São Paulo e o Corinthians, adicionando que, caso o Milan e o Sporting Lisboa não pudessem participar por causa da Copa Latina, suas vagas seriam oferecidas ao Reims francês e ao Benfica português.[54]

A edição de 07 de maio de 1953 do jornal O Estado de S. Paulo dá conta da vontade do campeão francês Reims em participar do torneio. A edição de 23/05/1953 dá conta de que a tabela da competição chegou a ser feita incluindo quatro clubes estrangeiros: Hibernian, Olimpia, Rot-Weiß Essen e Sporting; a tabela da competição foi republicada pelo jornal em 03/06/1953, colocando o Club Nacional de Football do Uruguai no lugar do Rot-Weiß Essen. Em suas edições de 13/05/1953, 22/05/1953 e 27/05/1953, o mesmo jornal diz que os clubes Sporting de Lisboa, Olimpia de Assunção e Club Nacional de Football do Uruguai concordaram em participar da "Taça Rio" que seria disputada em 1953. A edição de 11/06/1953 confirma que o Club Nacional de Football do Uruguai foi obrigado a desistir do torneio pela Associação Uruguaia de Futebol, mas que o clube estava interessado em participar da competição.

Extinguir as competições internacionais de clubes da CBD[editar | editar código-fonte]

Nenhuma das 3 competições internacionais de clubes de "meio de ano" da 1ª metade dos anos 1950 (Copa Latina, Pequena Taça do Mundo, Copa Rio Internacional/Torneio Octogonal Rivadavia Correa Meyer) foi realizada em 1954, o que foi decorrência da realização da Copa do Mundo de 1954 no mesmo período do ano, pois a FIFA proíbe a realização de competições simultaneamente à Copa do Mundo. A Copa Latina e Pequena Taça do Mundo foram relançadas em 1955, perdendo status e sendo extintas após 1957 com o lançamento da Copa dos Campeões da Europa na temporada 1955-1956, torneio este que passou a ser a prioridade máxima dos clubes europeus.[55] [56] Em 1955, a CBD organizou a última de suas competições internacionais de clubes, o Torneio Internacional Charles Miller, vencido pelo Corinthians, com 4 equipes brasileiras e 2 estrangeiras, e um fracasso de público e renda.[57] Não se sabe a razão da CBD ter desistido de organizar competições internacionais de clubes a partir de 1956, sendo porém uma possível causa as grandes dificuldades encontradas pelo CBD em 1951, 1952 e 1953 para conciliar as datas das suas competições internacionais (Copa Rio Internacional 1951-1952 e Torneio Octogonal Rivadavia Correa Meyer 1953) com a disponibilidade de datas dos clubes estrangeiros, sobretudo a concorrência com a Copa Latina e com a Copa dos Campeões da Europa a partir de 1955.[58] Outra possível causa é o fracasso de público e renda do Torneio Internacional Charles Miller de 1955.[57]

Grupos[editar | editar código-fonte]

Grupo do Rio de Janeiro[editar | editar código-fonte]

Botafogo Brasil 2º Carioca melhor colocado no Torneio Rio-São Paulo de 1953
Hibernian Escócia Bicampeão escocês 1950-1951/1951-1952. À época, o futebol da Escócia era tão prestigiado quanto o inglês,[59] à época tendo o mesmo número de títulos da Inglaterra no British Home Championship, sendo que o Hibernian havia sido convidado antes a participar da Copa Rio em 1951 e 1952, ocasiões em que recusou o convite e foi substituído pelo Austria Viena.[60] [61] Tal era o prestígio do futebol escocês que Vittorio Pozzo (técnico bicampeão mundial com a Itália nas Copas de 1934 e 1938) afirmou que a Copa Rio de 1951 não teve maior êxito técnico por não terem participado representantes de Escócia, Inglaterra e Argentina,[62] e quando o Hibernian foi convidado à Copa Rio de 1952, foi divulgado no Brasil como sendo o melhor time britânico.[63] O Hibernian participou do Torneio Octogonal considerando-o um Mundial de Clubes, alegando ser o mesmo assim rotulado pela CBD.[22] [59] [64] [65] [66] [67] [68]
Fluminense Brasil O campeão uruguaio Club Nacional de Football foi convidado ao torneio, aceitou participar, mas foi proibido disso pela Associação Uruguaia de Futebol, forçada a tal decisão pelos clubes "pequenos" do Uruguai.[13] [14] Flamengo e Fluminense solicitaram a vaga do Club Nacional de Football, pois não havia tempo hábil para preencher a vaga estrangeira. Em reunião da CBD e da Federação Metropolitana de Futebol (então Federação de Futebol do Rio de Janeiro, então Distrito Federal)[69] , decidiu-se dar a vaga do campeão uruguaio ao Fluminense, seguindo o critério oficial de classificação de clubes brasileiros ao Torneio, a colocação no Torneio Rio-São Paulo de 1953.[13] [15] [16]
Vasco Brasil Carioca melhor colocado no Torneio Rio-São Paulo de 1953

Grupo de São Paulo[editar | editar código-fonte]

Corinthians Brasil Paulista melhor colocado no Torneio Rio-São Paulo de 1953
Olimpia Paraguai Vice-campeão paraguaio em 1953, mas liderava o campeonato de seu país na época do convite. À época, o Paraguai era o campeão da Copa América. Substituiu o Millonarios da Colômbia.[53]
São Paulo Brasil 2º Paulista melhor colocado no Torneio Rio-São Paulo de 1953
Sporting Portugal Tricampeão português 1950/51, 1951/52 e 1952/53.

Clubes que quase participaram: Além dos já citados Club Nacional de Football do Uruguai e Millonarios da Colômbia, também quase participaram da competição: os campeões de Alemanha e França, respectivamente Rot-Weiß Essen (Copa da Alemanha) e Reims (Campeonato Francês), que foram convidados, aceitaram o convite para participar, mas foram desconvidados pela CBD após serem derrotados na Europa pelo America-RJ;[43] [45] o campeão italiano Milan foi convidado mas deu preferência a participar da Copa Latina; o campeão da Copa da Iugoslávia, o Partizan de Belgrado, solicitou sua inscrição no torneio, mas esta não foi aceita pela CBD.[46]

Mudanças em relação ao modelo anterior (Copas Rio de 1951 e 1952): ambos os torneios contaram com os campeões carioca e paulista do ano anterior (Copa Rio de 1952: Fluminense e Corinthians; Torneio Rivadavia de 1953: Vasco da Gama e Corinthians), o campeão português (Sporting, nos dois casos), e o vice-campeão do Paraguai (em 1952, o Libertad, e em 1953, o Olimpia). O Austria Viena participou das Copas Rio de 1951 e 1952, mas participou como substituto do Hibernian,[60] [61] que foi convidado às Copas Rio de 1951 e 1952 mas preferiu não participar (o mesmo Hibernian que participou do Torneio Rivadavia de 1953). O campeão uruguaio em 1952 era o Peñarol, participou da Copa Rio de 1952, e abandonou a competição nas semi-finais, sendo eliminado por W.O para o Corinthians. Em 1953, o campeão uruguaio Club Nacional de Football aceitou participar do Torneio Rivadavia, mas "de última hora" não pôde participar, sendo substituído pelo Fluminense. Assim, a diferença mais efetiva entre os quadros da Copa Rio de 1952 e do Torneio Rivadavia de 1953 é que as "vagas" que haviam sido do Grasshoppers e do FC Saarbrucken na Copa Rio de 1952, estas vagas no Torneio Rivadavia de 1953 acabaram sendo do Botafogo e do São Paulo. O Grasshoppers e o FC Saarbrucken eram clubes respectivamente de Suíça e Alemanha (região do Sarre, então administrada pela França), dois países que não tiveram representantes na Copa Rio de 1951 e que não faziam parte dos 9 países originalmente planejados pela CBD para ter representantes na Copa Rio (Brasil, Uruguai, Itália, Inglaterra, Suécia, Espanha, Portugal, Argentina, Escócia).[70]

Partidas[editar | editar código-fonte]

Grupo do Rio de Janeiro (todas as partidas no Maracanã)[editar | editar código-fonte]

Data Local Jogo Equipes
7 de Junho de 1953 Rio de Janeiro A Vasco 3 - 3 Hibernian
13 de Junho de 1953 Rio de Janeiro B Botafogo 3 - 1 Hibernian
14 de Junho de 1953 Rio de Janeiro C Vasco 2 - 1 Fluminense
17 de Junho de 1953 Rio de Janeiro D Botafogo 2 - 2 Fluminense
20 de Junho de 1953 Rio de Janeiro E Fluminense 3 - 0 Hibernian
21 de Junho de 1953 Rio de Janeiro F Vasco 2 - 1 Botafogo

Classificação final[editar | editar código-fonte]

Posição Time Jogos Vitórias Empates Derrotas GP GC Pontuação
1 Vasco da Gama 3 2 1 0 7 5 5
2 Fluminense 3 1 1 1 6 4 3
3 Botafogo 3 1 1 1 6 5 3
4 Hibernian 3 0 1 2 4 9 1

Grupo de São Paulo (todas as partidas no Pacaembu)[editar | editar código-fonte]

Data Local Jogo Equipes
7 de Junho de 1953 São Paulo G Corinthians 5 - 2 Olimpia
13 de Junho de 1953 São Paulo H São Paulo 4 - 1 Olimpia
14 de Junho de 1953 São Paulo I Corinthians 2 - 1 Sporting
17 de Junho de 1953 São Paulo J São Paulo 4 - 1 Sporting
20 de Junho de 1953 São Paulo L Olimpia 1 - 1 Sporting
21 de Junho de 1953 São Paulo M São Paulo 1 - 1 Corinthians

Classificação final[editar | editar código-fonte]

Posição Time Jogos Vitórias Empates Derrotas GP GC Pontuação
1 São Paulo 3 2 1 0 9 3 5
2 Corinthians 3 2 1 0 8 4 5
3 Sporting 3 0 1 2 3 7 1
4 Olimpia 3 0 1 2 4 10 1

Semi-finais[editar | editar código-fonte]

Semi-final de São Paulo[editar | editar código-fonte]

Data Local Jogo Equipes
24 de Junho de 1953 São Paulo N São Paulo 1 - 0 Fluminense
28 de Junho de 1953 São Paulo O São Paulo 0 - 1 Fluminense
São Paulo P São Paulo 1 - 0 Fluminense Prorrogação

Semi-final do Rio de Janeiro[editar | editar código-fonte]

Data Local Jogo Equipes
24 de Junho de 1953 Rio de Janeiro Q Vasco da Gama 4 - 2 Corinthians
28 de Junho de 1953 Rio de Janeiro R Vasco da Gama 3 - 1 Corinthians

Finais[editar | editar código-fonte]

Data Local Jogo Equipes
1º de Julho de 1953 São Paulo S São Paulo 0 - 1 Vasco da Gama
4 de Julho de 1953 Rio de Janeiro T Vasco da Gama 2 - 1 São Paulo

Resultado final[editar | editar código-fonte]

COPA RIVADAVIA
Flag of Brazil.svg
VASCO DA GAMA
- CAMPEÃO -(Invicto)
Equipes
Vasco: Ernâni, Augusto e Haroldo; Eli, Danilo e Jorge; Sabará, Maneca, Ipojucan, Pinga e Dejair. Treinador: Flávio Costa.
Artilheiro: Pinga (Vasco) - 6 Gols

Estatística da Copa Rivadavia[editar | editar código-fonte]


Rendas e público[editar | editar código-fonte]


Turno de classificação - Série Rio de Janeiro[editar | editar código-fonte]

Jogos disputados no estádio do Maracanã

  • Vasco 3 x 3 Hibernian-ESC, renda de Cr$ 745.954,00, público: 35.755 ( 26.556 pagantes )
  • Botafogo 3 x 1 Hibernian-ESC, renda de Cr$ 368.717,90, público: 21.408 ( 13.449 pagantes )
  • Vasco 2 x 1 Fluminense, renda de Cr$ 1.141.693,50, público: 52.468 ( 41.822 pagantes )
  • Botafogo 2 x 2 Fluminense, renda de Cr$ 269.066,60, público: 16.451 ( 9.953 pagantes )
  • Fluminense 3 x 0 Hibernian-ESC, renda de Cr$ 181.699,70, público: 13.427 ( 6.605 pagantes )
  • Vasco 2 x 1 Botafogo, renda de Cr$ 1.067.939,90, público: 50.427 ( 39.151 pagantes )


Turno de classificação - Série São Paulo[editar | editar código-fonte]

Jogos disputados no estádio do Pacaembu

  • Corinthians 5 x 2 Olímpia-PAR, renda de Cr$ 844.455,00
  • São Paulo 4 x 1 Olímpia-PAR, renda de Cr$ 361.325,00
  • Corinthians 2 x 1 Sporting-POR, renda de Cr$ 1.347.540,00
  • São Paulo 4 x 1 Sporting-POR, renda de Cr$ 514.815,00
  • Olímpia-PAR 1 x 1 Sporting-POR, renda de Cr$ 99.820,00
  • Corinthians 1 x 1 São Paulo, renda de Cr$ 1.135.620,00


Semifinais[editar | editar código-fonte]

Jogos no estádio do Maracanã[editar | editar código-fonte]
  • Vasco 4 x 2 Corinthians, renda de Cr$ 487.924,60, público: 24.120 ( 17.938 pagantes )
  • Vasco 3 x 1 Corinthians, renda de Cr$ 1.059.905,20, público: 48.955 ( 38.030 pagantes )


Jogos no estádio do Pacaembu[editar | editar código-fonte]
  • São Paulo 1 x 0 Fluminense, renda de Cr$ 439.485,00
  • São Paulo 0 x 1 Fluminense (1 x 0 pror.), renda de Cr$ 481.005,00


Finais - Ambos estádios[editar | editar código-fonte]

  • São Paulo 0 x 1 Vasco, renda de Cr$ 979.256,00, no Estádio do Pacaembu
  • Vasco 2 x 1 São Paulo, renda de Cr$ 723.917,30, no Estádio do Maracanã, público: 36.802 ( 26.101 pagantes )

Rendas por Clube[71] [editar | editar código-fonte]

  1. Vasco da Gama: Cr$ 3.103.295,30.
  2. Corinthians: Cr$ 2.437.722,40
  3. São Paulo: Cr$ 2.307.711,20
  4. Fluminense: Cr$ 1.246.475,10
  5. Sporting: Cr$ 961.080,00
  6. Botafogo: Cr$ 852.962,20
  7. Hibernian: Cr$ 648.186,10
  8. Olímpia: Cr$ 632.792,50

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Jornal do Brasil, 08/06/1953, página 10.
  2. RSSSF: Torneio Rivadavia.
  3. Jornal O Estado de S. Paulo, 12/09/1952 , página 12
  4. Jornal O Estado de S. Paulo, 17/09/1952, pág.13
  5. Jornal O Estado de S. Paulo, 12/09/1952, pág.12
  6. Jornal O Estado de S. Paulo, 26/09/1952, pág.12
  7. Jornal O Estado de S. Paulo, página 11, 23/10/1952
  8. Jornal dos Sports. Edição 7089, de 05/10/1952, páginas 04 e 10. Memória Bn, da Biblioteca Nacional.
  9. Jornal dos Sports, 02/10/1952 (edição 7086), página 5.
  10. Jornal dos Sports, página 11, edição 7095, de 12 de outubro de 1952.
  11. Jornal Última Hora, 09/01/1953,páginas 7 e 8.
  12. Jornal O Estado de S. Paulo, 27/06/1952, página 13.
  13. a b c d Jornal do Brasil, 10/06/1953
  14. a b Jornal do Brasil, 12/06/1953, pag.11.
  15. a b Folha da Noite, 10/06/1953, página 7.
  16. a b Jornal O Estado de S. Paulo, 10/06/1953, página 11.
  17. Jornal O Estado de S. Paulo, 15/02/1953, pág.15
  18. Jornal Diário da Noite, edições: 5447, de 10 de abril de 1953 (página 18), e 5446, de 09 de abril de 1953 (página 18).
  19. El Mundo Deportivo, 29/04/1953, pag.03
  20. Acervo On-Line do Jornal Folha de S.Paulo, edições de maio e junho de 1953.
  21. RSSSF: Torneio Rivadavia.
  22. a b A Última Hora (14/04/1953) Ano 1953 - Edição 00563
  23. a b Jornal Diário Carioca, edição 7609, de 27/05/1953, página 9, reproduzindo texto de notícia da agência de notícias francesa AFP (Agence France Press), que comenta a possibilidade da participação do clube alemão Rot-Weiß Essen no Torneio Rivadavia e chama o torneio de Copa Rio.
  24. Jornal do Brasil, 08/06/1953, página 10.
  25. Jornal A Última Hora (13/04/1953) Ano 1953 - Edição 00563. Segundo o jornal Última Hora (13/04/1953) o dirigente da CBD Manuel Furtado de Oliveira comentou sobre os futuros convidados: "O clubes italianos disputam o título nacional da Itália, e, o vencedor teria que tomar parte da Copa Latina, vindo então, aqui, o Vice-campeão. O Sporting deverá participar mais uma vez do certame, embora haja possibilidade de vir o Benfica." Já em 14/04/1953, o mesmo jornal publicou artigo do francês Albert Laurence tratando o Torneio Rivadavia como uma competição internacional, copiada sôbre a saudosa "Copa Rio", e batizada "Torneio Octogonal"(Taça Rivadavia Corrêa Meyer), em uma artigo de Laurence no qual ele comenta a participação do Hibernian de forma muito elogiosa à tradição e qualidade do futebol escocês.
  26. Jornal Mundo Esportivo, página 5 da edição 459, de 12/06/1953. Na página 5 de sua edição 459 (de 12/06/1953), o jornal Mundo Esportivo compara o Torneio Rivadavia com a 2ª Copa Rio (de 1952), dizendo que, assim como ocorrera na Copa Rio de 1952, no Torneio Rivadavia "alguns participantes pouco podiam apresentar de realmente útil, a exemplo da 2ª Copa Rio", dizendo que o Torneio Rivadavia era "quase uma cópia" da Copa Rio, criticando a CBD pela organização e sobre alguns clubes participantes, e dizendo que, para o jornal, "só o nome da competição foi mudado, continuando tudo como dantes".
  27. Jornal escocês Glasgow Herald, de 22/06/1953, página 04, chamando a competição de Rio de Janeiro Football.
  28. Em suas edições de 13/05/1953, 22/05/1953 e 27/05/1953, o jornal O Estado de S. Paulo diz que os clubes Sporting de Lisboa, Olimpia de Assunção e Nacional de Montevidéu concordaram em participar da "Taça Rio" que seria disputada naquele ano, em junho; ou seja, para o jornal O Estado de S. Paulo, a Copa Rio e o Torneio Octogonal Rivadavia Correa Meyer seriam a mesma competição. Comentando a participação do Sporting Lisboa, a edição de 14/06/1953 comentou "no ano passado, quando o certame se denominava Taça Rio", novamente dando a entender que, para o jornal O Estado de S. Paulo, a Copa Rio e o Torneio Octogonal Rivadavia Correa Meyer seriam a mesma competição.
  29. Segundo a edição de 04/06/1953, página 19, do jornal madrilenho ABC: "El dia 07 del actual comienza a disputar-se el torneo de Rio, al que este año concurren..."
  30. El Mundo Deportivo, 29/04/1953, pag.03. O jornal se refere ao Torneio Octogonal Rivadavia Correa Meyer como "o torneio de futebol do Rio" ("el torneo de fútbol de Río"), sugerindo que o jornal via o torneio de 1953 e as edições da Copa Rio como sendo a mesma competição. A mesma edição do jornal comenta que o adianto da Copa Latina de 1953 em uma semana (para os dias 04 e 07 de junho) possibilitaria ao Reims francês e ao Sporting de Lisboa participar da "Copa de Rio"- ou seja, novamente tratando a Copa Rio e o Torneio Octogonal Rivadavia Correa Meyer como sendo a mesma competição.
  31. jornal Última Hora, 04 de agosto de 1952, página 2, catalogado no acervo on-line da Biblioteca Nacional como edição 351 do Última Hora.
  32. Jornal Última Hora, edição 594, de  21 de maio de 1953.
  33. Jornal Última Hora, edição 614, de 15 de junho de 1953.
  34. Jornal Última Hora, edição 614, de 15 de junho de 1953, afirmando que o Torneio Rivadavia de 1953 era tratado no Velho Mundo (Europa) como uma edição da Copa Rio.
  35. Jornal escocês Glasgow Herald, de 22/06/1953, página 04, chamando a Copa Rivadavia de Rio de Janeiro Football.
  36. Jornal ABC de Madrid, 04/06/1953, página 19, chamando a Copa Rivadavia de "el torneo de Rio".
  37. Jornal espanhol El  Mundo Deportivo, 29/04/1953, pag.03. O jornal se refere ao Torneio Octogonal Rivadavia Correa Meyer como "o torneio de futebol do Rio" ("el torneo de fútbol de Río"), sugerindo que o jornal via o torneio de 1953 e as edições da Copa Rio como sendo a mesma competição. A mesma edição do jornal comenta que o adianto da Copa Latina de 1953 em uma semana (para os dias 04 e 07 de junho) possibilitaria ao Reims francês e ao Sporting de Lisboa participar da "Copa de Rio"- ou seja, novamente tratando a Copa Rio e o Torneio Octogonal Rivadavia Correa Meyer como sendo a mesma competição.
  38. Jornal do Brasil, 07/05/1953, página 3 do 2º caderno. Noticiou que o Reims (então campeão francês) foi questionado sobre o Torneio Octogonal e tinha dito "que irá ao Brasil participar do torneio em disputa da Taça Rivadavia Corrêa Meyer (Copa Rio),  confirmando sua participação e escrevendo (Copa Rio) logo após a menção da Taça Rivadavia.
  39. Jornal Diário de Lisboa, 08/06/1953, pág.6
  40. Jornal Diário de Lisboa, 08/06/1953, pag.7
  41. Troféu Henri Delaunay, site da UEFA. Acesso em 01//02/2015.
  42. Acervo on-line dos Jornais Folha de S.Paulo, Folha da Manhã e Folha da Noite.
  43. a b Acervo on-line do Jornal O Estado de S. Paulo, 06 de agosto de 1953
  44. Jornal do Brasil, 07/05/1953, página 3 do 2º caderno.
  45. a b Jornal Última Hora, edição B599 de 1953, data 28/05/1953, página 12.
  46. a b Acervo On-Line do Jornal Folha de S.Paulo.
  47. Jornal Mundo Esportivo, edição 457 de 1953 (05/06/1953)
  48. Jornal A Última Hora (14/04/1953) Ano 1953 - Edição 00563
  49. Site do Hibernian Historical Trust. Acessado em 04/02/2013.
  50. Hibernian reach the first European Cup semi-finals 1956. A SPORTING NATION. Rock'n'Roll Era: 1950-1959. BBC- British Broadcasting Corporation. Acessado em 04/02/2013.
  51. El Mundo Deportivo, 28/02/1953, pag 03.
  52. El Mundo Deportivo, 16/03/1953, pag 08.
  53. a b Jornal Estado de São Paulo, 25/04/1953, pag. 11
  54. El Mundo Deportivo, 29/04/1953, pag.03
  55. Conforme informado pelo RSSSF sobre o fim da Copa Latina: After the introduction of the European Cups, it disappeared.
  56. Conforme informado pelo RSSSF sobre o fim da Pequena Taça do Mundo: After the start of the European Champions Cup (and also due to security problems in Venezuela) the tournament lost its appeal and was discontinued in 1957.
  57. a b Jornal O Estado de S. Paulo, 10/07/1955, pág.26.
  58. Edições de 25 a 29 de junho de 1952 do jornal O Estado de S. Paulo, sobre a realização da Taça Rio.
  59. a b Jornal Mundo Esportivo, edição 457 de 1953 (05/06/1953)
  60. a b OBS: Acesse 1º essa fonte, Acervo do La Stampa, depois a fonte seguinte
  61. a b Jornal italiano La Stampa, stampasera - 14.06.1951 - numero 140 - pagina 5: Il Tottenham campione d'Inghilterra e gli Bibernians campioni di Scozia hanno risposto con un rifiuto.
  62. Jornal dos Sports, 06/09/1951, página 5. Edição 6758.
  63. Jornal dos Sports. Edição 6959, de 07/05/1952, página 05.
  64. História do Hibernian. Site da BBC-British Broadcasting Corporation. Acesso: 11/02/2013
  65. História do Hibernian. Site da BBC-British Broadcasting Corporation. Acesso: 11/02/2013
  66. Site do Hibernian Historical Trust. Acesso: 11/02/2013
  67. Site do Hibernian Historical Trust. Acesso: 11/02/2013
  68. Site do Hibernian Historical Trust. Acesso: 11/02/2013
  69. RSSSF. AS ENTIDADES E SEUS PRESIDENTES NO RIO DE JANEIRO.
  70. Jornal dos Sports, edição 6525, de 29/11/1950, página 5.
  71. O TOTAL DE RENDAS POR CLUBE ACIMA, DESCRITAS NA FONTE ABAIXO, PROVAVELMENTE SE REFERE ÀS RENDAS BRUTAS QUE CADA CLUBE RECEBEU, ANTES DE SEREM DEDUZIDAS AS DESPESAS.