G-12

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
G-12 (Brasil)
Arrows 12x12 w.svg
Porto Alegre
Arrows 12x12 w.svg
Santos
Arrows 12x12 e.svg
São Paulo
Arrows 12x12 w.svg
Rio de Janeiro
Arrows 12x12 w.svg
Belo Horizonte
TransparentPlaceholder.png
Minas Gerais
Belo Horizonte
- Atlético Mineiro
- Cruzeiro

Rio de Janeiro
Rio de Janeiro
- Botafogo
- Flamengo
- Fluminense
- Vasco da Gama

São Paulo
São Paulo
- Corinthians
- Palmeiras
- São Paulo
Santos
- Santos

Rio Grande do Sul
Porto Alegre
- Grêmio
- Internacional
Localização dos clubes do G-12 no mapa do Brasil

No futebol masculino brasileiro, G-12[1][2][3] refere-se ao grupo de doze clubes formado por Atlético Mineiro, Botafogo, Corinthians, Cruzeiro, Flamengo, Fluminense, Grêmio, Internacional, Palmeiras, Santos, São Paulo e Vasco da Gama.[4]

Eles são considerados os clubes mais populares e bem-sucedidos do futebol brasileiro, vencendo todas as edições, exceto seis, das sessenta e três do Brasileirão desde o início da principal competição nacional em 1959, até 2021, mais de 90% delas.[5][6]

São também esses doze, aqueles com mais presenças na competição e também entre os quatro primeiros colocados do Campeonato Brasileiro, desde 1959,[7][8] sendo considerados grandes pelo seu contexto histórico e não necessariamente por um bom desempenho recente.[9]

Títulos e popularidade[editar | editar código-fonte]

Seu status de grandes clubes do futebol brasileiro decorre de suas performances históricas nos respectivos campeonatos estaduais. Durante muito tempo, não houve torneios nacionais no Brasil (com a primeira edição do Brasileirão sendo realizada apenas em 1959) e a competição entre equipes de diferentes estados foi escassa (com o Torneio Rio-São Paulo, realizado irregularmente entre 1933 e 1966 e de 1993 a 2002, sendo o torneio mais notável dessa natureza); assim, esses clubes ganharam sua reputação distinta por serem dominantes dentro das fronteiras do estado.

Esse sucesso regional se traduziu em glória nacional e internacional. Os doze grandes clubes dominaram o Brasileirão e a Copa do Brasil e apresentaram grandes atuações na Copa Libertadores e na Copa do Mundo de Clubes (e em outras competições internacionais equivalentes).[10]

Torcida do Flamengo no Maracanã.

O G-12 também são os clubes com mais torcedores no Brasil, desfrutando de popularidade em todo o país. Mesmo longe das fronteiras estaduais, não é difícil encontrar adeptos do G-12,[11] muitas vezes superando até os clubes locais.

Número de apoiadores no Brasil[12]
Clube Apoiantes
Flamengo 32,5 milhões
Corinthians 27,3 milhões
São Paulo 13,6 milhões
Palmeiras 10,6 milhões
Vasco da Gama 7,2 milhões
Grêmio 7,0 milhões
Cruzeiro 6,2 milhões
Atlético-MG 6,0 milhões
Internacional-RS 5,6 milhões
Santos 4,8 milhões
Fluminense 3,6 milhões
Botafogo 3,4 milhões

Clubes[editar | editar código-fonte]

Reinaldo comemorando com o gesto dos Panteras Negras.

Atlético Mineiro[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Clube Atlético Mineiro

O Clube Atlético Mineiro é sediado na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais,[13] fundado em 25 de março de 1908 por um grupo de estudantes, tem como suas cores tradicionais o preto e o branco e é o atual campeão brasileiro e da Copa do Brasil.

O clube é o maior campeão do Campeonato Mineiro com 46 troféus,[14] além de ser o maior vencedor do Clássico Mineiro,[15] com uma grande vantagem contra seu rival, o Cruzeiro. No âmbito nacional, foi campeão brasileiro duas vezes, em 1971 e 2021, além de outros três títulos nacionais oficiais: a Copa dos Campeões (FBF) em 1937,[16][17] a Copa dos Campeões (CBD) em 1978,[18][19][20][21] e a Copa do Brasil, em 2014 e 2021.[22] Na esfera internacional, possui quatro títulos oficiais:[23] uma Copa Libertadores da América,[24] duas Copas Conmebol[25] e uma Recopa Sul-Americana. Igualou o maior rival Cruzeiro, ao conquistar o Campeonato Mineiro, a Copa do Brasil e o Campeonato Brasileiro no mesmo ano.[26]

Um episódio marcante da história do clube alvinegro foi a excursão à Europa em 1950, concedendo o título simbólico de "Campeão do Gelo", onde o Atlético jogou dez partidas entre 1 de novembro e 7 de dezembro nos seguintes países: Alemanha, Áustria, Bélgica, Luxemburgo e França. A equipe venceu 6 jogos, perdeu dois e empatou os restantes, marcando 24 gols e sofrendo 18. Na volta ao Brasil, o clube foi homenageado pela CBD no Maracanã, antes de um jogo do Campeonato Carioca.

Botafogo[editar | editar código-fonte]

Comemoração da torcida no Campeonato Carioca de 2006
Ver artigo principal: Botafogo de Futebol e Regatas

O Botafogo de Futebol e Regatas é uma agremiação cediada na cidade do Rio de Janeiro. Surgiu da fusão do Club de Regatas Botafogo (fundado para o remo em 1894) com o Botafogo Football Club (formado para o futebol em 1904).[27] Suas maiores no futebol vêm especialmente entre as décadas de 1950 e de 1960, considerada sua era de ouro.

Conhecido pela estrela de cinco pontas em seu distintivo, que lhe dá a alcunha de clube da Estrela Solitária, o Botafogo tem como suas cores oficiais o preto e o branco. Desde 2007, manda seus jogos de futebol no Estádio Nilton Santos. Um dos clubes mais populares do Brasil,[28][29] tem como seus principais rivais o Flamengo, o Fluminense e o Vasco da Gama.[30][31]

Foi indicado pela FIFA ao seleto grupo dos maiores clubes do século XX.[32][33] Dentre seus principais títulos no futebol estão: 21 Campeonatos Cariocas, 4 Torneios Rio-São Paulo, 2 Taça dos Campeões Estaduais Rio-São Paulo, 2 Campeonatos Brasileiros e 1 Copa Conmebol.[nota 1][34][35][36][37]

Além disso, o clube detém alguns dos principais recordes do futebol brasileiro, como o de maior número de partidas de invencibilidade: 52 jogos entre os anos de 1977 e 1978;[38][39] o recorde de partidas invictas em jogos do Campeonato Brasileiro: 42, também entre 1977 e 1978;[40][41] É um dos maiores recordistas numa mesma edição de Campeonato Brasileiro: 24 jogos invictos em 1978 [42]. Tem também o maior número de jogadores cedidos à Seleção Brasileira para Copas do Mundo,[43] o mais marcante sendo o Garrincha, jogador que defendeu o clube carioca de 1953 a 1965, e com a camisa amarela foi campeão das Copas do Mundo de 1958 e 1962. Ele venceu o Campeonato Carioca três vezes e Campeão do Torneio Rio-São Paulo duas vezes, marcou 232 gols em 581 partidas e se tornou um símbolo da história do clube.[44]

O clube ainda é o responsável pela maior vitória já registrada no futebol brasileiro: 24–0 sobre o Sport Club Mangueira no Campeonato Carioca de 1909.[45]

Corinthians[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Sport Club Corinthians Paulista

O Sport Club Corinthians Paulista foi fundado como uma equipe de futebol no dia 1 de setembro de 1910 por um grupo de operários do bairro Bom Retiro, na cidade de São Paulo. Seu nome foi inspirado no Corinthian FC de Londres, que excursionava pelo Brasil.

O clube é um dos mais bem sucedidos do Brasil e das Américas nos últimos anos.[46] Sendo o terceiro maior campeão nacional, com onze conquistas, ficando atrás somente do Palmeiras e Flamengo. Tendo conquistado dois Mundiais de Clubes da FIFA,[47] uma Copa Libertadores da América de forma invicta, uma Recopa Sul-Americana, sete Campeonatos Brasileiros,[48] três Copas do Brasil,[49] uma Supercopa do Brasil, cinco Torneios Rio-São Paulo (recordista, ao lado de Palmeiras e Santos), duas Taça dos Campeões Estaduais Rio–São Paulo, 30 Campeonatos Paulistas (atual recordista) e uma Copa Bandeirantes (único vencedor).

Suas cores tradicionais são o branco e o preto. Desde 2014, manda suas partidas de futebol na Neo Química Arena. Seus rivais históricos são o Palmeiras, com quem disputa o Derby Paulista; o São Paulo, com quem disputa o Majestoso; e o Santos, com quem disputa o Clássico Alvinegro. Sua torcida é conhecida como "Fiel"[50] e seus torcedores são estimados em aproximadamente 30 milhões espalhados por todo o Brasil e pelo mundo, atrás nacionalmente somente do carioca Flamengo.[51][52]A sua torcida é considerada também uma das maiores torcidas do mundo.[53][54]

Cruzeiro[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Cruzeiro Esporte Clube

O Cruzeiro Esporte Clube é uma associação polidesportiva brasileira, com sede em Belo Horizonte, Minas Gerais. Fundado em 1921 com o nome de Società Sportiva Palestra Italia, foi rebatizado para seu nome atual em 1942 - em referência ao Cruzeiro do Sul - por imposição do governo federal à época proibiu o uso no país de quaisquer símbolos de Alemanha, Itália e Japão, nações inimigas do Brasil no contexto da Segunda Guerra Mundial.[55] Tem hoje a sexta maior torcida do país e a maior torcida do estado de Minas Gerais.[56][57][58][59] Seu maior rival é o Atlético Mineiro, e em menor grau, há também a rivalidade com o América Mineiro.[60]

Final da Copa do Brasil de 2017, vencida pelo Cruzeiro.

O Cruzeiro foi duas vezes vice-campeão da Copa Intercontinental de clubes e tem no seu currículo continental dois títulos da Copa Libertadores da América, dois da Supercopa da Libertadores, um da Recopa Sul-Americana, um da Copa de Ouro Nicolás Leoz e um da Copa Master da Supercopa. No âmbito nacional, o time celeste detém quatro conquistas no Campeonato Brasileiro e seis da Copa do Brasil (atual recordista), sendo o único bicampeão seguido da competição. Em âmbito regional, foi bicampeão da Copa Sul-Minas e campeão da Copa Centro-Oeste, e em âmbito estadual possui 54 conquistas. Foi ainda a primeira e única equipe de Minas Gerais e única brasileira a conquistar a tríplice coroa nacional, tendo vencido um campeonato estadual, uma Copa do Brasil e um Campeonato Brasileiro na temporada de 2003.[61]

O Cruzeiro é o 3° clube brasileiro com o maior número de vitórias na Copa Libertadores da América, com 95 vitórias[62] e com 636 vitórias é o 2º clube com o maior número de vitórias na história do Campeonato Brasileiro de Futebol (soma dos campeonatos de 1959 a 2019). Além disso, é o quarto do Ranking Nacional de Clubes (o Ranking da CBF) e o terceiro do Ranking Histórico de Pontos.[63]

Flamengo[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Clube de Regatas do Flamengo

O Clube de Regatas do Flamengo é uma agremiação sediada na cidade do Rio de Janeiro, capital do estado de mesmo nome. Fundado no bairro do Flamengo[nota 1],[67] tornou-se um dos clubes mais bem-sucedidos e populares do futebol brasileiro. Tem como suas cores tradicionais o vermelho e o preto e como seus maiores rivais esportivos o Vasco da Gama, o Fluminense e o Botafogo.

Dentre suas maiores glórias no futebol, destacam-se as conquistas da Copa Intercontinental[nota 2] (único time carioca a ter conquistado um título de dimensão mundial reconhecido pela FIFA)[68] e das Copas Libertadores da América de 1981[nota 3] e de 2019, além de uma Recopa Sul-Americana, uma Copa Mercosul e uma Copa de Ouro Nicolás Leoz, o que lhe confere a quinta posição no ranking de títulos internacionais de clubes brasileiros. Em se tratando de Copa Libertadores da América o Flamengo é o quinto com maior aproveitamento na competição, além de ser o clube com o melhor desempenho considerando apenas duelos entre equipes brasileiras até 2019.[70]

Pôster do Mundial de Clubes de 1981 com Zico em destaque.

Em relação às conquistas a nível nacional o Flamengo é, por decisão judicial, e em seguida, pela CBF, oficialmente detentor de sete títulos do Campeonato Brasileiro (1980, 1982, 1983, 1992, 2009, 2019 e 2020) — além da controversa Copa União de 1987[nota 4] —, três títulos da Copa do Brasil, duas Supercopas do Brasil e uma Copa dos Campeões. Estas quatorze conquistas dão ao clube o segundo lugar no ranking de títulos nacionais, atrás apenas do Palmeiras.[84] Com relação a nível regional e estadual, o clube conquistou um Torneio Rio-São Paulo, uma Taça dos Campeões Estaduais Rio–São Paulo e trinta e sete títulos do Campeonato Carioca e vinte e três Taça Guanabara sendo o maior vencedor das competições estaduais.

O Flamengo é o clube de futebol mais popular do Brasil,[85][86] com uma torcida estimada em 40,4 milhões[87] de torcedores espalhados por todas as regiões do Brasil.[88][89] Um Fla-Flu detém o recorde mundial de público de partidas entre clubes: 194.603 espectadores, na final do Campeonato Carioca de 1963.[90][91][92]

Fluminense[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Fluminense Football Club

O Fluminense Football Club é um clube sediado no bairro de Laranjeiras, zona sul da cidade do Rio de Janeiro, no Brasil, fundada em 21 de julho de 1902.

Um dos quatro grandes clubes do Rio de Janeiro, primeiro entre os doze grandes do futebol brasileiro a entrar em campo e a ostentar a palavra futebol no nome, o Fluminense é o clube que mais disputou campeonatos estaduais no Brasil, tendo sido a sua primeira participação em 1906, e a de 2021 a sua 117ª.[93][94]

Fred, maior artilheiro do Campeonato Brasileiro a partir de 2003, joga pelo Fluminense.[95]

Com os grandes títulos conquistados e a história construída desde a sua fundação, consolidou-se então entre os 12 maiores clubes de futebol de um país com dimensão continental, onde 520 clubes já disputaram alguma divisão do Campeonato Brasileiro, 158 já tendo disputado a primeira divisão, com 17 deles tendo sido campeões, apenas 8 com pelo menos quatro títulos, sendo também 8 o número de campeões na era dos pontos corridos, entre eles, o Fluminense, clube do Rio de Janeiro com mais presenças no G-4 do Campeonato Brasileiro,[96] assim como também acontece no do Campeonato Carioca.[97][98][99][100] Conquistou ainda de forma invicta a Copa Rio de 1952.[101]

Os seus times mais vitoriosos na segunda metade do Século XX foram o de 1969-1971, campeão brasileiro de 1970, campeão carioca e da Taça Guanabara, ainda competição independente, de 1969 e 1971, primeiro time a receber a alcunha de Máquina Tricolor,[102] e o de 1983-1986, campeão brasileiro de 1984 e tricampeão carioca.

Tendo campo de jogo desde 1904 e construído no mesmo lugar o primeiro estádio, estrutura de cimento, da América Latina, ainda em 1919,[103] abrigou os grandes jogos do futebol carioca e da Seleção Brasileira em seus primórdios,[104] tendo sido apontado em 1949 pelo presidente da FIFA, Jules Rimet, como a organização esportiva mais perfeita do mundo, com a FIFA reconhecendo o seu gigantismo e pioneirismo, essa última uma característica marcante do clube, ao parabenizar o Fluminense por ocasião de seu aniversário de 112 anos.[105][106]

Um Fla-Flu detém o recorde mundial de público de partidas entre clubes: 194.603 espectadores, na final do Campeonato Carioca de 1963.[90][91][92]

Grêmio[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense
Foto do primeiro time gremista, em dezembro de 1903. 23 homens de braços cruzados com camisetas de longas longas em listras nas cores marrom e azul, gravatas brancas e calças azul escuro. 11 deles estão em pé, seis ajoelhados e e seis sentados no chão.
Equipe do Grêmio que conquistou o título do Campeonato Gaúcho de 1932.

O Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense é um clube de futebol brasileiro da cidade de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, fundado em 15 de setembro de 1903 por Candido Dias da Silva. Suas cores são azul, preto e branco.

Já foi campeão da Copa Libertadores da América em três ocasiões, o que o torna o clube brasileiro com mais conquistas nesta competição, ao lado dos paulistas Palmeiras, São Paulo e Santos, e vice em duas outras oportunidades.[107] Foi o primeiro clube fora da região Sudeste a conquistar títulos de dimensão continental e mundial, sendo campeão da América e do Mundo em 1983.[108] Também é bicampeão da Recopa Sul-Americana, tendo conquistado este torneio em todas as vezes em que o disputou. Conquistou ainda dois Campeonatos Brasileiros da Série A, um Campeonato Brasileiro da Série B, cinco Copas do Brasil[109] e uma Supercopa do Brasil, além de uma Copa Sul e um Campeonato Sul-Brasileiro. No âmbito estadual, já foi campeão quarenta vezes do Campeonato Gaúcho, duas vezes da Recopa Gaúcha e uma vez da Copa FGF.[110][111]

O Grêmio é um dos clubes de futebol mais populares do Brasil, com uma torcida estimada em mais de oito milhões de pessoas no país.[112] Conforme pesquisa por amostra realizada pelo Datafolha em agosto de 2019, 4% da população brasileira torce para o Grêmio, que tem a quinta maior torcida do país, empatado com Vasco e Cruzeiro.[113] De acordo com pesquisa realizada em 2021 pela empresa DataTempo, o clube possui quase o dobro de torcedores que seu rival.[114][115] Seu quadro social, em junho de 2020, era formado por 85 mil contribuintes adimplentes.[116]

Seu estádio é a Arena, inaugurada em dezembro de 2012. Antes, o clube teve os estádios da Baixada (de 1904 a 1954) e Olímpico, inaugurado em 1954 e rebatizado em 1980 como Olímpico Monumental.

Internacional[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Sport Club Internacional
"Rolo Compressor" em 1942, elenco que conquistaria oito estaduais entre 1940 e 1948.

O Sport Club Internacional é um clube com sede na cidade de Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul. Foi fundado em 4 de abril de 1909, pelos irmãos Poppe, com o objetivo de ser uma instituição democrática e sem preconceitos.[117] Tem como suas cores o vermelho e o branco e seus torcedores são conhecidos como colorados.

No futebol, é um dos clubes mais vitoriosos do Brasil e das Américas, sendo o terceiro maior campeão internacional do país, com sete conquistas oficiais, superado somente por Santos e São Paulo.[118][119] Suas maiores conquistas foram as do Mundial de Clubes da FIFA, em 2006,[120][121] e os dois títulos da Copa Libertadores da América, em 2006 e 2010,[122] além de uma Copa Sul-Americana de forma invicta, em 2008,[123] dois títulos da Recopa Sul-Americana, em 2007 e 2011,[124] e uma Levain Cup/CONMEBOL, em 2009.[125]

Em relação às conquistas em nível nacional, o Internacional é detentor de três títulos do Campeonato Brasileiro (1975, 1976 e 1979),[126] sendo o terceiro de forma invicta,[127] além de uma Copa do Brasil[128] e um Torneio Heleno Nunes.[129] É o primeiro clube da Região Sul a conquistar títulos nacionais e a disputar uma final de Copa Libertadores.[130] O Internacional ainda é o maior vencedor do Campeonato Gaúcho, tendo conquistado quarenta cinco vezes a competição, e detém o recorde de maior número de conquistas consecutivas: oito vezes, entre 1969 e 1976.[131][132]

Desde 1969, manda suas partidas de futebol no estádio Beira-Rio, de propriedade do clube, com capacidade para mais de cinquenta mil torcedores. O local passou por uma ampla reforma entre 2010 e 2014 para poder sediar partidas da Copa do Mundo de 2014.[133][134][135] O Internacional tem uma torcida estimada em 6,4 milhões de torcedores espalhados pelo país.[136][137] É o clube pioneiro do país no programa sócio-torcedor, lançado em 2003.[138] Em 2020, contava com mais de cento e vinte mil associados.[139]

Palmeiras[editar | editar código-fonte]

Torcidas de Palmeiras e Flamengo durante a final da Libertadores de 2021.
Ver artigo principal: Sociedade Esportiva Palmeiras

A Sociedade Esportiva Palmeiras é um clube da cidade de São Paulo, capital do estado homônimo. Foi fundado em 26 de agosto de 1914 e suas cores, presentes no escudo e bandeira oficial, são o verde e branco.[140] O vermelho, presente desde sua fundação em 1914, foi excluído durante a Segunda Guerra Mundial, por pressão do governo nacional, na mesma reunião que formalizou a mudança de nome de Palestra Itália para Palmeiras.[141]

Seus títulos mais importantes conquistados no futebol são as Copas Libertadores da América de 1999,[142] 2020[143] e de 2021[144](recordista brasileiro ao lado de Grêmio, Santos e São Paulo), a Copa Rio de 1951, considerado na época como um Mundial de Clubes de futebol[145] e reconhecido como tal pela FIFA, por meio do presidente da entidade, Joseph Blatter, em agosto de 2014, sendo uma decisão do Comitê Executivo da FIFA de 7 de junho[146][147][148][149][150] e por meio de documento encaminhado ao Ministério do Esporte do Brasil em novembro do mesmo ano.[151][152] A entidade, no entanto, não reconhece a competição como um torneio FIFA e reforçou este posicionamento em outubro de 2017, quando reconheceu os vencedores da Copa Intercontinental como campeões mundiais,[153] sem, também, promover a unificação da Copa Intercontinental com a sua atual competição.[154][155]

O Palmeiras é a equipe brasileira com o maior número de títulos de abrangência nacional conquistados, obtendo a maioria das competições oficiais que disputou criadas no País.[156] O alviverde possui 15 conquistas deste porte,[157] com destaque maior para seus dez títulos do Campeonato Brasileiro (atual recordista). Além destes campeonatos, o Palmeiras já venceu no país as Copas do Brasil de 1998, 2012, 2015 e de 2020 e a Copa dos Campeões de 2000.

No Estado de São Paulo, o Palmeiras também é um dos principais vencedores, com 23 conquistas do Campeonato Paulista de Futebol e mais dois títulos extra da mesma competição. Em 1996, o alviverde conquistou o estadual daquele ano com a melhor campanha de uma equipe na era profissional neste campeonato.[158] Na ocasião, foi campeão com 83 pontos ganhos em 90 possíveis, com um índice de aproveitamento de 92,2% dos pontos disputados e 102 gols marcados em 30 jogos realizados.

Santos[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Santos Futebol Clube

O Santos Futebol Clube, sediado na cidade de Santos, São Paulo,[159] foi fundado em 14 de abril de 1912. Suas cores iniciais seriam o branco, azul e dourado, mas um ano após a sua fundação, ficou decidido que as cores do clube passariam a ser branco e preto. Manda as suas partidas no Estádio Urbano Caldeira, mais conhecido como Vila Belmiro.[160] Seus maiores rivais no futebol são o Palmeiras,[161] com quem disputa o Clássico da Saudade; o Corinthians,[162] com quem disputa o Clássico Alvinegro; e o São Paulo, com quem disputa o San-São.[163][164]

O Santos tornou-se no futebol um dos clubes mais bem-sucedidos do Brasil e reconhecidos mundialmente.[165][166][167] Ficou famoso na década de 60 pelos vários títulos internacionais e nacionais conquistados e por ter revelado Pelé,[168][169] considerado por muitos como o maior jogador da história do esporte, e segundo a FIFA, o melhor jogador do século XX[170] , além disso, também tem o marco de maior artilheiro da história do Santos e da Seleção Brasileira.[171] Abaixo de Pelé com 77 gols pela seleção em jogos oficiais, está também outro jogador revelado pelo clube, Neymar.[172][173]

Equipes do Santos e Benfica antes do Mundial de 1962.

Ao longo de sua história,[174] o Santos conquistou um grande número de títulos internacionais,[175] com destaque para os Mundiais de 1962 e 1963, as Copas Libertadores de 1962,[176] 1963[177] e 2011[178] (recordista brasileiro ao lado de Grêmio, Palmeiras e São Paulo), a Recopa dos Campeões Intercontinentais de 1968,[179][180][181] a Supercopa Sul-Americana dos Campeões Intercontinentais de 1968, a Copa Conmebol de 1998 e a Recopa Sul-Americana de 2012.[182] No cenário nacional é octacampeão brasileiro.[183] Ainda no âmbito nacional, o clube possui uma Copa do Brasil vencida em 2010, totalizando nove conquistas nacionais. Outros títulos importantes incluem cinco Torneios Rio-São Paulo (recordista ao lado de Corinthians e Palmeiras), 22 Campeonatos Paulistas e a Copa Paulista de 2004.[184] Na somatória de títulos oficiais de abrangência internacional e nacional,[185] o clube possui 17 conquistas. Ao todo, somando competições oficiais, amistosas e outras taças, o clube possui 305 títulos.[186][187] O Santos, junto com Palmeiras, Cruzeiro e Internacional, foi um dos únicos a vencer o Campeonato Brasileiro de forma invicta, em 1963, 1964 e 1965.[carece de fontes?]

O Santos[188][189] foi eleito pela FIFA em 2000 o quinto maior clube de futebol do Século XX,[190] sendo o melhor clube das Américas na lista.[191] O Santos também é um dos três clubes do chamado G-12 que nunca foram rebaixados para a segunda divisão no Campeonato Brasileiro,[192][193] além de ser o clube brasileiro que mais enfrentou estrangeiros na história.[194] É também o único clube brasileiro a ser campeão estadual, nacional, continental e mundial no mesmo ano, em 1962.[195] Outro feito único do clube é ser o que mais marcou gols na história do futebol mundial.

São Paulo[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: São Paulo Futebol Clube
Telê Santana, técnico campeão nacional, bicampeão estadual, bicampeão continental e bicampeão mundial pela equipe tricolor.

O São Paulo Futebol Clube é um clube poliesportivo brasileiro da cidade de São Paulo, capital do estado homônimo. Foi fundado em 25 de janeiro de 1930, tendo interrompido suas atividades em maio de 1935, e as retomado em dezembro do mesmo ano.[196] Dentre seus principais títulos, destacam-se três Mundiais (recorde absoluto a nível nacional), três Copas Libertadores (recorde nacional compartilhado com Palmeiras, Santos e Grêmio), uma Copa Sul-Americana, seis Campeonatos Brasileiros e vinte e dois Campeonatos Paulistas.[197] Quanto a títulos internacionais, o São Paulo, com 12 conquistas, é o terceiro clube da América do Sul com o maior número de troféus, ficando atrás somente de Boca Juniors e Independiente.[198]

Nos rankings de âmbito nacional, o São Paulo figura em oitavo lugar no Ranking da CBF, que mede apenas o desempenho nos últimos cinco anos. Já pelas classificações da revista Placar[199] e do jornal Folha de S.Paulo,[200] o clube figura em quarto e terceiro, respectivamente. Entre as demais agremiações do mundo, o Tricolor do Morumbi ocupa a oitava colocação de acordo com a Folha de S.Paulo.[201] Já para a IFFHS, órgão de estatística reconhecido pela FIFA[202] e que produz anualmente um ranking de clubes, o Tricolor Paulista é o 44º melhor clube atualmente.[203] A mesma IFFHS elegeu o São Paulo como o melhor time brasileiro da década de 2001–2010, e o segundo na América do Sul, atrás apenas do Boca Juniors, da Argentina.[204] O São Paulo também é um dos três clubes do chamado G-12 que nunca foram rebaixados para a segunda divisão no Campeonato Brasileiro.

Vasco da Gama[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Club de Regatas Vasco da Gama

O Club de Regatas Vasco da Gama é uma entidade brasileira com sede na cidade do Rio de Janeiro, fundada em 21 de agosto de 1898 por um grupo de remadores. Inspirados nas celebrações do quarto centenário da descoberta do caminho marítimo para as Índias, ocorrida em 1498, batizaram a nova agremiação com o nome do navegador português que alcançou tal feito, Vasco da Gama.

O clube foi o primeiro na história dos clubes esportivos do Brasil a ter elegido um presidente "não branco" (em 1904, numa época em que o racismo contra negros era prática comum no esporte, os vascaínos tiveram a honra de conduzir o mulato Cândido José de Araújo ao degrau mais alto do clube).

É o único clube carioca bicampeão em torneios intercontinentais de futebol de grande importância histórica (1953 e 1957). Em 1953, o Vasco venceu o Torneio Octogonal Rivadávia Corrêa Meyer, competição oficial da CBD, organizada com o apoio do dirigente da FIFA, Ottorino Barassi,[205] competição sucessora da Copa Rio (internacional),[carece de fontes?] tratada na Europa como uma edição da Copa Rio[206][207][208][209][210][211] e almejada pelos 4 grandes clubes cariocas.[212][213][214] No Torneio de Paris de 1957, o Vasco entrou para a História como o primeiro e único clube não europeu a derrotar um campeão da Copa dos Campeões da UEFA[215] desde o primeiro título desta competição europeia (vencido pelo Real Madrid em 13 de junho de 1956) até a 1ª disputa da Copa Intercontinental (em 3 de julho de 1960),[216][217][218] com a final do Torneio de Paris de 1957 sendo considerada pela imprensa francesa como a final entre o campeão europeu e a equipe considerada a melhor da América do Sul,[219] em uma apresentação que encantou o público e a imprensa francesa,[220][221] prestigiando o Vasco e o futebol brasileiro frente ao público europeu[215][222] e mundial.

É, juntamente com o Flamengo, os únicos clubes cariocas bicampeões sul-americanos, tendo o Vasco vencendo a única competição reconhecida pela CONMEBOL como precursora da Copa Libertadores da América, o Campeonato Sul-Americano de Campeões de 1948,[223] em status equivalente ao da Libertadores, tendo o Vasco participado em 1997 da Supercopa dos Campeões da Libertadores (competição reservada aos campeões da Libertadores) em função do título de 1948;[224][225] e a Copa Libertadores da América de 1998 (conquistada no ano do centenário). Em títulos sul-americanos, o Vasco venceria ainda a Copa Mercosul em 2000.

Em títulos nacionais, o Vasco conquistou quatro Campeonatos Brasileiros em 1974, 1989, 1997 e 2000, uma Copa do Brasil em 2011, diversos títulos estaduais oficiais (diversos campeonatos Carioca, da Copa Rio, e torneios Municipal, Extra, Início e Relâmpago) e cinco títulos interestaduais oficiais (três Torneio Rio–São Paulo, uma Taça dos Campeões Estaduais Rio–São Paulo e um Torneio João Havelange).[226] Conquistou ainda diversos torneios nacionais e internacionais.

O Vasco da Gama ainda tem, dentre o seu plantel de ídolos, os maiores artilheiros do Campeonato Brasileiro de todos os tempos, tendo como Roberto Dinamite, o maior, com a marca de 190 gols, seguido por Romário e Edmundo, com 154 e 153 gols respectivamente.[227] O primeiro grande ídolo do clube foi o atacante Ademir de Menezes, que liderou o memorável "Expresso da Vitória", tornando-se o maior artilheiro do Vasco com 301 gols marcados, número só superado décadas mais tarde.[228]

Ranqueamentos do Campeonato Brasileiro[editar | editar código-fonte]

Listas de ranqueamentos de desempenho no Campeonato Brasileiro Série A, campeonato no qual os clubes brasileiros se enfrentam regularmente desde 1959.

São Paulo e Santos, os dois maiores pontuadores da história do Campeonato Brasileiro.[229]

Os clubes do G-12 são também os doze primeiros colocados no somatório de pontos do Campeonato Brasileiro, onde os clubes brasileiros medem as suas forças, com alguma folga e o Athletico Paranaense em décimo terceiro:

A partir de 2003, o início da Era dos Pontos Corridos, quando todos jogam contra todos em turno e returno, podendo ser entendida como a realidade desse século, não há grandes mudanças, exceto a inclusão do Athletico Paranaense em décimo primeiro lugar, entre os doze. Entre os vinte mais bem colocados, há a inclusão de Figueirense e Ponte Preta e a exclusão de Guarani e Portuguesa em relação ao período total, mantendo-se os outros clubes, o Goiás, décimo quarto nas duas listas, o Coritiba, décimo quinto nas duas listas, e os nordestinos Bahia, Sport e Vitória, esses três, não necessariamente nessa ordem:

Nas diversas estatísticas de desempenho, para além dos títulos de campeão ou pontuação, igualmente os clubes do G-12 se destacam em relação à quantidade de temporadas entre os quatro primeiros, aos clubes com mais de mil gols, aos clubes com mais de mil partidas e aos clubes com mais de quinhentas vitórias.[230]

Comparação com outros clubes destacados[editar | editar código-fonte]

A validade do conceito de G-12 é frequentemente tema de debate.[231][232][233] Às vezes, é retratado como uma construção rígida que exclui equipes que merecem um lugar nesse grupo e, outras vezes, é uma definição desatualizada que inclui clubes cujo lugar não é merecido atualmente, segundo algumas opiniões.

Comparação com o Bahia[editar | editar código-fonte]

O Esporte Clube Bahia é de Salvador e um dos dois principais clubes do futebol baiano (o outro é o Esporte Clube Vitória). É o único clube não pertencente ao G-12 a ter dois títulos no Brasileirão (empatado com Botafogo, Grêmio e Atlético Mineiro), vencendo o Santos de Pelé na final da edição de 1959. Seus dirigentes e torcedores rivalizam com os do Botafogo, não admitindo menor tratamento[234] e estão à frente de outros dos clubes de fora do G-12 em número de torcedores.[12] É, de fato, um dos membros fundadores do Clube dos 13 ao lado do clubes do G-12. Antes de seu primeiro rebaixamento em 1997, o Bahia era considerado um dos maiores clubes do Brasil. No entanto, suas campanhas no Brasileirão geralmente não são impressionantes desde os anos 1980; o clube passou boa parte dos anos 2000 fora da primeira divisão.

Em alguns rankings de performance histórica, com peso subjetivo para os títulos, o Bahia aparece em décimo segundo lugar, à frente do Botafogo, como acontece no caso do Ranking Placar, o mais antigo do Brasil; já no Ranking Folha é o décimo terceiro, geralmente se colocando nos rankings históricos como clube mais próximo dos doze grandes ou entre eles.[235][236][237] O Bahia é o décimo terceiro clube com mais participações no Campeonato Brasileiro Série A desde 1959, sendo a edição de 2021 a sua 48ª, quatro a menos do que o Vasco, o décimo segundo da lista, e cinco à frente do Athletico Paranaense com 43, o décimo quarto.[238]

O Bahia foi rebaixado em 1997 para o Campeonato Brasileiro Serie B e só voltou ao nível superior do futebol brasileiro em 2000 com uma manobra política, após a retirada da CBF de organizar o campeonato daquele ano por problemas legais e entregá-lo ao Clube dos 13, porque o clube não conseguiu a promoção para a Serie A em 1998 e 1999. O Bahia foi novamente rebaixada para a Série B em 2003 e rebaixada para a Série C em 2005, o ponto mais baixo da história do clube. A agremiação disputou duas temporadas da Série C até alcançar sua primeira promoção na história em 2007 para a Série B, e em 2010 foi promovida pela primeira vez para a Série A. O Bahia foi rebaixado no Campeonato Brasileiro Série A de 2014, mas desta vez só se jogou duas temporadas fora da Série A, retornando na edição de 2017 e mantendo-se nela até a edição de 2021

O clube historicamente ficou atrás dos outros doze clubes em ativos financeiros, tendo por isso menos recursos para investir.[239][240]

Partida entre Athletico-PR e Coritiba em 1972.

Comparação com o Athletico e o Coritiba[editar | editar código-fonte]

De Curitiba, os dois maiores vencedores entre os clubes da cidade e do Estado do Paraná são o Coritiba Foot Ball Club e o Club Athletico Paranaense e a liga nesse estado é o Campeonato Paranaense. O Athletico Paranaense é frequentemente considerado um dos clubes mais bem administrados do Brasil,[241] com uma das melhores estruturas e com resultados financeiros que rivalizam com os do G-12.[242][240] O clube venceu o Brasileirão uma vez, em 2001, e sua melhor campanha na Copa Libertadores, a principal competição continental, foi o vice-campeonato em 2005. No entanto, o clube tem um histórico pouco significante antes da década de 1980 no Brasileirão e sua base de fãs é menor em comparação aos clubes do G-12, apesar de possuir a maior torcida do Paraná.[11]

O Athletico Paranaense também possui títulos da Copa do Brasil, que Botafogo e São Paulo, clubes do G-12, não possuem, e também duas Copa Sudamericana, que o Fluminense FC também não possui um ou outro de seus antecessores. O clube possui mais triunfos na lista de número de títulos conquistados por times brasileiros de futebol, que considera apenas torneios de caráter nacional e internacional, do que o Botafogo (5 a 3), vencendo no número de triunfos internacionais em relação ao mesmo e ao Fluminense (3 a 1, ambos casos).

O Coritiba Foot Ball Club, terceiro clube mais antigo da Região Sul entre os campeões brasileiros, tem um título do Brasileirão, conquistado em 1985, quebrando a hegemonia de equipes de São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Minas Gerais que perdurava desde 1960, foi o primeiro clube do Paraná a participar da Copa Libertadores, em 1986, além do primeiro a ter um título de expressão em seu estado, do qual é o maior vencedor de estaduais e igualmente ser proprietário de um estádio com capacidade com mais de 40.000 lugares e ter uma base com mais de 1 milhão de torcedores, assim como o seu maior rival estadual, segundo pesquisa de 2020.[243]

No Ranking Placar de títulos 2020, Coritiba e Athletico são respectivamente, décimo quinto e décimo sexto colocados no desempenho histórico dos clubes de futebol do Brasil.[244]

Em ranking de valor de marcas de clubes de futebol mais valiosas divulgado em 2021 por consultoria especializada, o Athletico é a sétima marca mais valiosa do Brasil e o Coritiba a décima quinta.[245]

Comparação com outros nove clubes[editar | editar código-fonte]

Assim como o G-12 e Bahia, Coritiba e Athletico Paranaense, as agremiações paulistas Guarani Futebol Clube e Associação Portuguesa de Desportos, além de Goiás Esporte Clube, Sport Clube do Recife e Esporte Clube Vitória também foram membros do Clube dos 13, composto pelos mais importantes e tradicionais clube nesse período, mas passam ou passaram por períodos difíceis depois disso.[246]

O Guarani Futebol Clube, campeão do Campeonato Brasileiro Série A de 1978[247] e o pernambucano Sport Club do Recife, campeão do Campeonato Brasileiro Série A de 1987, são os outros campeões do Campeonato Brasileiro Série A fora do G-12. Ambos lutam contra problemas financeiros, e o Sport tem a pior situação financeira entre todos os clubes que disputam o Campeonato Brasileiro Série A este ano.[248]

Após o "Caso Héverton", que fez com que a equipe fosse rebaixada para a segunda divisão, a Associação Portuguesa de Desportos foi rebaixada mais duas vezes seguidas, e em 2021 compete no Campeonato Brasileiro Série D, tendo competido também no Campeonato Paulista Série A2.[249]

O goiano Goiás Esporte Clube, destaque da Região Centro-Oeste, e o baiano Esporte Clube Vitória, da Região Nordeste, passaram a maior parte das temporadas anteriores na primeira divisão, tendo o Goiás sido 13º no ranking de pontos até 2015 e 13º na antiga versão do ranking da CBF de 2006 a 2012, além de 5º no ranking dos pontos corridos em 2008 e permanecido no Top 10 até 2012. Além disso, é o clube que por mais vezes esteve entre os 10 primeiros colocados do Brasileirão fora o chamado G-12. Já o Vitória permaneceu boa parte da década de 2010 como o clube nordestino de maior pontuação no ranking de pontos, mesmo com ambos obtendo resultados ruins nos últimos anos. O Goiás foi o vice-campeão da Copa Sudamericana de 2010,[250] da Copa do Brasil de 1990 e 3º no Brasileirão de 2005, e Vitória foi o vice-campeão do Campeonato Brasileiro Série A de 1993 e vice-campeão da Copa do Brasil de 2010.[251]

Além do Vitória, décimo oitavo colocado no Ranking Placar, os também clubes nordestinos Ceará e Fortaleza ocupam a décima nona e vigésima colocação nessa classificação de títulos entre clubes brasileiros, estando entre os vinte primeiros colocados, assim como o Santa Cruz, outro representante dessa região, vem logo atrás deles, em vigésimo primeiro lugar.[252]

Além desses, representando a Região Norte, o paraense Paysandu foi o único clube regional a conquistar um título nacional de primeira linha, título disputado contra alguns clubes integrantes do G-12, a Copa dos Campeões de 2002, garantindo vaga para a disputa da Copa Libertadores da América de 2003, na qual chegou até as oitavas de final, fase na qual chegou a vencer o Boca Juniors na temida La Bombonera.[253] A décima colocação na Taça Brasil em 1963 e 1966 foram as suas melhores participações no Campeonato Brasileiro Série A, e após 1971 foi a décima-quarta colocação em 2004.

Comparação com destaques extemporâneos[editar | editar código-fonte]

America em jogo contra o Benfica no Maracanã em 1955.

Os clubes cariocas Bangu e America foram respectivamente, vice-campeão do Campeonato Brasileiro de 1985 e semifinalista de 1960 e de 1986, nas melhores participações de clubes cariocas que não fazem parte do G-12 nessa competição, com o America também ostentando a conquista do Torneio dos Campeões de 1982 em seu cartel, competição disputada também pela quase totalidade dos clubes do G-12.

No início dos anos 2000, a paulista Associação Desportiva São Caetano foi muito comentada na mídia nacional e internacional depois de se tornar finalista da Copa Libertadores de 2002, a competição mais importante da América do Sul, tendo perdido a final para o Olimpia do Paraguai nos pênaltis.

Depois que a Red Bull GmbH assumiu o controle do vice-campeão do Campeonato Brasileiro Série A de 1991, o também paulista Clube Atlético Bragantino, campeão paulista de 1990 e vice-campeão brasileiro de 1991, mudou seu nome para Red Bull Bragantino, com a direção da agremiação afirmando que o clube será detentor de algumas das melhores equipes do Brasil no futuro.[254][255]

Questionamentos de inclusão[editar | editar código-fonte]

Costuma-se argumentar se existe uma diferença grande entre os doze clubes em títulos (tirando os campeonatos estaduais) e o número de torcedores. Pode-se argumentar que o Flamengo e o Corinthians estão em um nível próprio em termos de torcedores, muito acima de terceiro e quarto lugar - respectivamente - São Paulo e Palmeiras, mas essa suposta superioridade não se traduz em campo, com muitas equipes reivindicando mais títulos do que eles no Brasileirão, Copa Brasil, Copa Libertadores e Copa do Mundo de Clubes.

Da mesma forma, às vezes é discutido se Santos, Fluminense e Botafogo estão abaixo de seus rivais regionais (Corinthians, São Paulo Futebol Clube e Palmeiras todos ostentam significativamente mais adeptos que Santos; Flamengo e Vasco da Gama reivindicam mais sucesso internacional do que Fluminense e Botafogo). No entanto, estes três clubes possuem importância para o futebol brasileiro e não podem ser subestimados: Santos de Pelé foi o mais dominante time brasileiro nessa época, vencendo seis Brasileirão e oito Campeonato Paulista títulos na década de 1960; O Botafogo detém o recorde de jogadores convocados para a Seleção Brasileira de Futebol nas edições de Copa do Mundo, sendo Garrincha um dos maiores jogadores em copas do mundo, lembrado até os dias atuais.[256]

O Fluminense introduziu o esporte no Rio de Janeiro, sendo o clube ativo mais antigo do Rio, o mais antigo entre os grandes do Brasil, o que mais disputou estaduais nesse país, com o primeiro jogo da Seleção Brasileira de Futebol ocorrendo em um amistoso contra Exeter City FC em seu estádio, o primeiro, construção de cimento, de futebol do continente americano,[257] no dia de seu aniversário, e sendo a casa da Seleção Brasileira até os anos 1930. Clube com mais títulos estaduais no Rio de Janeiro no Século XX, o oitavo junto com o Vasco com mais títulos nacionais, vice-campeão da principal competição do continente em 2008, perdendo o título na disputa de pênaltis, tendo sido apontado em 1949 pelo presidente da FIFA, Jules Rimet, como a organização esportiva mais perfeita do mundo, com a FIFA reconhecendo o seu gigantismo e pioneirismo, essa última uma característica marcante do clube, ao parabenizar o Fluminense por ocasião de seu aniversário de 112 anos.[258]

Pequenas polêmicas sobre o status de Vasco da Gama nas grandes equipes também surgem durante os anos 2000, devido ao fraco desempenho do clube no Campeonato Brasileiro, que resultou em quatro rebaixamentos para a Série B entre 2008 e 2020, alta frequência de luta contra rebaixamento, maus desempenhos na Série B, aos quais se espera um clube tradicional e de renome no futebol brasileiro (o Vasco da Gama só foi promovido na última rodada nas temporadas de 2014 e 2016, graças a combinações de resultados, quando em ambas as competições o Vasco era o grande favorito dado o desequilíbrio de tradição e poder econômico entre o Vasco da Gama e outras equipes) e, com exceção do ano de 2011 e do primeiro semestre de 2012, a falta de equipes competitivas. No entanto, os cruzmaltinos, apesar da terrível década de 2010, também se posicionam como um dos gigantes do futebol brasileiro nas diversas estatísticas apresentadas acima.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Mudou sua sede para o bairro da Lagoa na primeira metade do século XX.[64][65][66]
  2. A Copa Intercontinental teve o status de competição mundial reconhecido pela FIFA em outubro de 2017.[68]
  3. A equipe campeã da Libertadores e da Intercontinental contava com nomes como Júnior, Adílio, Tita e Zico, considerado o maior ídolo da história do clube, além do técnico Paulo César Carpegiani.[69]
  4. Em 1987, a CBF passava por uma grave crise financeira e anunciou que não poderia organizar o Campeonato Brasileiro nos mesmos moldes dos anos anteriores. Como resultado, os treze grandes clubes do Brasil da época fundaram o Clube dos 13 e organizaram seu próprio campeonato, chamado de Copa União, com apenas 16 equipes. Diante do sucesso do novo torneio e da insatisfação dos demais clubes que ficaram de fora, a CBF decidiu organizar outro torneio com 16 equipes que ficaram de fora da Copa União e passou a se referir aos dois torneios como módulos. O campeão e vice-campeão da Copa União (Troféu João Havelange/Módulo Verde) enfrentaria o campeão e o vice-campeão do Troféu Roberto Gomes Pedrosa (Módulo Amarelo) em um quadrangular. O Clube dos 13 não aceitou o regulamento e não permitiu que Flamengo e Internacional (campeão e vice-campeão da Copa União) jogassem o quadrangular. O Flamengo ganhou a Copa União, que foi disputada pelos maiores clubes do Brasil,[71] sendo reconhecida pelo Clube dos 13 e pelo Conselho Nacional de Desportos (CND), contrariando a resolução do CND e a maioria dos juízes do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) em 1988, que na época eram as maiores instâncias do futebol nacional e mais tarde, em 2011 pela CBF que eventualmente revogou a decisão por uma decisão judicial. Note-se que, para a CBF, o Flamengo é considerado, de forma não oficial, ao lado de Sport, campeão brasileiro de 1987, como demonstrado em 2011, não podendo homologá-lo por conta da decisão final do Supremo Tribunal Federal (STF).[72][73] Em 24 de novembro de 2019, quando o Flamengo ganhou o Campeonato Brasileiro daquele ano, a entidade pôs, em seu site oficial, o título da Copa União na lista de conquistas do clube carioca, mas diferenciando os títulos em "Brasileiro" e "Copa União".[74] No dia seguinte, a CBF informou que acata a decisão do STF de que o Sport é o único campeão brasileiro de 1987 e, por isso, considera oficialmente o Flamengo como hexacampeão brasileiro — e não hepta.[75][76] Mas, em uma nota enviada a imprensa, a entidade informou que, "a título de opinião, sob o ponto de vista esportivo, o Flamengo é merecedor da designação de heptacampeão brasileiro".[77][78] Além disso, quando foi entregar o troféu de Campeão Brasileiro de 2019 ao clube, o presidente da CBF, Rogério Caboclo, ergueu o troféu sete vezes, segundo o Globoesporte.com, ratificando novamente a opinião da CBF sobre a conquista de 1987.[79][80][81] *A baixa definitiva do processo foi em 16/03/2018.[82][83]

Referências

  1. Rocha, Andre (6 de fevereiro de 2021). «Botafogo é rebaixado de novo e desmonta de vez o G-12 no imaginário popular». UOL. Consultado em 6 de fevereiro de 2021 
  2. TARGINO, Maurício (18 de maio de 2012). «O G-12 brasileiro.». Site deprimeira. Consultado em 31 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 27 de outubro de 2016 
  3. «Com quarta queda, Vasco bate recorde de rebaixamentos de clubes do G-12; veja ranking». ge. Consultado em 1 de março de 2021 
  4. Globoesporte.com, Equipe do site (5 de maio de 2020). «Torcedores elegem maiores jogos das histórias de 12 grandes clubes brasileiros; confira o resultado». Globoesporte.com. Consultado em 19 de fevereiro de 2021 
  5. spm365.com, Equipe do site (26 de fevereiro de 2018). «Hoje vamos abordar um assunto bastante interessante: os 12 grandes times do Brasil». spm365.com. Consultado em 19 de fevereiro de 2021 
  6. «História do Campeonato Brasileiro de futebol». Quadro de Medalhas. Consultado em 11 de julho de 2021 
  7. Revista Placar Guia Brasileirão 2020, página 51.
  8. Livro - Os arquivos dos campeonatos brasileiros, Santiago Jr, José Renato Sátiro (2006), ISBN-10 - 8587537938.
  9. «Jornalista faz ranking de clubes com mais rodadas no G4 e Z4 do Brasileiro». supervasco.com. 21 de maio de 2020. Consultado em 20 de fevereiro de 2021 
  10. «História do Campeonato Brasileiro de futebol». Quadro de Medalhas. Consultado em 11 de julho de 2021 
  11. a b «Mapa das curtidas dos times do Brasil no Facebook», globoesporte.com, 10 de maio de 2017, consultado em 28 de fevereiro de 2018 
  12. a b «Última pesquisa LANCE/Ibope mostrou Flamengo na frente, mas vantagem menor para o Timão», LANCE!, 10 de maio de 2017, consultado em 27 de fevereiro de 2018 
  13. «História do Atlético». Consultado em 2 de julho de 2013. Cópia arquivada em 10 de março de 2013  - iG, sem data
  14. «Cruzeiro vence, mas Ronaldinho marca e confirma o título do GALO». Consultado em 2 de julho de 2013. Cópia arquivada em 8 de julho de 2013  - Globoesporte, 19 de maio de 2013
  15. «O clássico: Atlético x Cruzeiro». Consultado em 2 de julho de 2013. Arquivado do original em 12 de novembro de 2013  - FIFA, sem data
  16. «1ª Taça Nacional: Campeão dos Campeões de 1937 (FBF)». Consultado em 22 de junho de 2017. Cópia arquivada em 28 de agosto de 2017  Página visitada em 7 de Novembro de 2013.
  17. «Atlético 1937: 1º e único campeão dos campeões em todo o Brasil». Consultado em 23 de novembro de 2014. Arquivado do original em 23 de setembro de 2015  Página visitada em 5 de Setembro de 2015.
  18. «Copa dos Campeões 1978». Consultado em 31 de julho de 2014. Cópia arquivada em 29 de julho de 2016  Jornal do Brasil, 16 de Agosto de 1978
  19. «Copa dos Campeões 1978». Consultado em 31 de julho de 2014. Cópia arquivada em 2 de julho de 2016  Jornal do Brasil, 20 de Agosto de 1978
  20. «Copa dos Campeões 1978». Consultado em 25 de março de 2014. Cópia arquivada em 6 de outubro de 2015  Jornal do Brasil, 23 de Agosto de 1978
  21. «Símbolos e Marcas / Estrelas Vermelhas». Consultado em 25 de março de 2014. Arquivado do original em 31 de março de 2014  Página visitada em 5 de Setembro de 2015.
  22. «PARA SEMPRE! GALO BATE CRUZEIRO DE NOVO E É CAMPEÃO DA COPA DO BRASIL!». Consultado em 31 de maio de 2015. Cópia arquivada em 14 de fevereiro de 2015  - Globo Esporte, 26 de novembro de 2014
  23. «Blog do Futebol Mineiro: Confira a performance do Galo nas competições internacionais». Consultado em 2 de julho de 2013. Cópia arquivada em 2 de dezembro de 2013  - Globoesporte, 25 de agosto de 2009
  24. «Histórico! Galo bate Olimpia nos pênaltis e é campeão da Libertadores». Consultado em 1 de junho de 2015. Cópia arquivada em 4 de março de 2016  Globo Esporte, 24 de Julho de 2013
  25. «Segundo título do Galo da Copa Conmebol completa 15 anos nesta segunda-feira». Consultado em 2 de julho de 2013. Cópia arquivada em 6 de novembro de 2013  - Superesportes, 17 de dezembro de 2012
  26. Lima, Lohanna; Martins, Victor (15 de dezembro de 2021). «Atlético conquista a Tríplice Coroa: Brasileiro, Copa do Brasil e Mineiro». Uol. Consultado em 19 de fevereiro de 2022 
  27. «História - Botafogo de Futebol e Regatas». Site Oficial do Botafogo. Consultado em 26 de setembro de 2014 
  28. «Fla lidera a lista de maiores torcidas do Brasil, seguido de perto pelo Timão». GloboEsporte.com. 1 de agosto de 2014. Consultado em 19 de março de 2014 
  29. «Ranking das torcidas: Fla se mantém no topo, e Corinthians segue na cola». GloboEsporte.com. 27 de agosto de 2014. Consultado em 19 de março de 2014 
  30. «A rivalidade centenária entre Botafogo e Fluminense». FIFA. Consultado em 3 de dezembro de 2016 
  31. «Adversário não é inimigo. O Vasco sempre foi o maior rival do Botafogo». Jornal do Brasil. 20 de setembro de 2014. Consultado em 27 de setembro de 2014 
  32. «The FIFA Club of the Century» (PDF). FIFA. Consultado em 27 de julho de 2014 
  33. «Santos e Flamengo são os melhores times do século do Brasil». Terra Esportes. 11 de dezembro de 2000. Consultado em 27 de julho de 2014 
  34. «Historia de la Copa Conmebol» (em espanhol). CONMEBOL. Consultado em 27 de setembro de 2014 
  35. «Información sobre la Copa Conmebol» (em espanhol). Sobre Fútbol. Consultado em 27 de setembro de 2014 
  36. «Libertadores 2008 tem novidades 'históricas'». GloboEsporte.com. 10 de dezembro de 2007. Consultado em 27 de setembro de 2014 
  37. «Em 94, Expressinho salvou temporada com precursora da Sul-Americana». Terra Esportes. 5 de dezembro de 2012. Consultado em 27 de setembro de 2014 
  38. «Corinthians não alcançou recorde de invencibilidade. É do Botafogo em 1978». Blog do PVC. 17 de setembro de 2015. Consultado em 18 de novembro de 2015 
  39. «Botafogo 1x0 Flamengo - Jogo da invencibilidade (1979)». Rádio Botafogo. 18 de julho de 2011. Consultado em 27 de julho de 2014 
  40. «Botafogo é recordista de invencibilidade no futebol brasileiro». Fala Glorioso. 17 de setembro de 2014. Consultado em 27 de julho de 2014 
  41. «Atlético tenta repetir recorde de invencibilidade». Bem Paraná. 25 de julho de 2014. Consultado em 27 de julho de 2014 
  42. «Maiores Invictos do Campeonato Brasileiro». Globo Esporte. 14 de janeiro de 2022 
  43. «Copa: Botafogo segue líder entre clubes que mais cederam jogadores à Seleção». GloboEsporte.com. 7 de maio de 2014. Consultado em 7 de maio de 2014 
  44. «Botafogo de Futebol e Regatas - Jogos de Nílton Santos e Garrincha». RSSSF Brasil. Consultado em 28 de fevereiro de 2013 
  45. «Maior goleada da história do futebol brasileiro completa um século». GloboEsporte.com. 25 de maio de 2009. Consultado em 27 de julho de 2014 
  46. «TOP 10 – Os dez clubes de maior destaque na última década» 
  47. «Statistics And Records - FIFA Club World Cup»  - Site oficial da Federação Internacional de Futebol
  48. «Campeões do Campeonato Brasileiro Série A». Consultado em 20 de agosto de 2010. Arquivado do original em 13 de dezembro de 2009  - Sítio oficial da Confederação Brasileira de Futebol
  49. «Campeões da Copa do Brasil»  - Sítio oficial da Confederação Brasileira de Futebol
  50. «Como a Fiel abraçou o Timão na fila»  - Jornal da Tarde, 25 de abril de 2010
  51. «Flamengo e Corinthians seguem na liderança de torcidas»  - Datafolha, 13 de abrilde 2018
  52. Lance!. «Com dados exatos, Fla bate Timão, e Flu supera fácil a Lusa em pesquisa». Consultado em 18 de dezembro de 2012 
  53. «Pesquisa aponta Flamengo como maior torcida do mundo; Corinthians tem a 4ª maior» 
  54. «Rankings - 10 maiores torcidas do mundo | EstadioVip - Futebol brasileiro e mundial». EstadioVip. Consultado em 13 de julho de 2015 
  55. «Ex-Palestra Itália, Cruzeiro festeja os 70 anos da nova identidade»  - Globoesporte, 07 de outubro de 2012
  56. «Cruzeiro tem a maior torcida de Minas Gerais e a sexta maior do Brasil, aponta pesquisa». 25 de setembro de 2021. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  57. «Galo ou Cruzeiro: qual a maior torcida de Minas? Pesquisa DATATEMPO mostra». 18 de outubro de 2021 
  58. «Fla lidera a lista de maiores torcidas do Brasil, seguido de perto pelo Timão». Globo Esporte. 1 de agosto de 2014. Consultado em 19 de março de 2014 
  59. «Ranking das torcidas: Fla se mantém no topo, e Corinthians segue na cola». Globo Esporte. 27 de agosto de 2014. Consultado em 19 de março de 2014 
  60. «O clássico: Atlético x Cruzeiro». Consultado em 18 de julho de 2013. Arquivado do original em 12 de novembro de 2013  - FIFA, sem data
  61. «Tríplice coroa completa cinco anos»  - Globoesporte, 30 de novembro de 2008
  62. https://www.torcedores.com/noticias/2021/01/palmeiras-clube-brasileiro-com-mais-vitorias-libertadores
  63. Ranking histórico: Campeonato Brasileiro
  64. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome fundação
  65. «História do Flamengo». iG. Consultado em 30 de dezembro de 2014 
  66. «Decreto 3 158 de 23 de julho de 1981» (PDF). Governo do Rio de Janeiro. Consultado em 30 de dezembro de 2014 
  67. «A Fundação». Consultado em 14 de novembro de 2016. Arquivado do original em 14 de novembro de 2016 
  68. a b «Fifa reconhece títulos mundiais de Santos, Flamengo, Grêmio e São Paulo». ESPN. Consultado em 1 de novembro de 2017 
  69. «Jogadores memoráveis de futebol». Consultado em 22 de fevereiro de 2011. Arquivado do original em 22 de fevereiro de 2011 
  70. «Raio X da Libertadores». UOL Esporte. Consultado em 7 de julho de 2020 
  71. Ubiratan Leal (7 de novembro de 2007). «Crise, revolução e traição: a história da Copa União de 1987». Trivela. Consultado em 19 de março de 2014 
  72. «CBF volta atrás e reconhece o Flamengo como campeão em 1987». iG. Consultado em 10 de agosto de 2017 
  73. «CBF reconhece Sport como 'único' campeão brasileiro de 1987». iG. Consultado em 10 de agosto de 2017 
  74. «Flamengo é campeão do Brasileirão 2019». CBF. Consultado em 26 de novembro de 2019 
  75. «CBF põe Copa União na lista de títulos, mas acata Justiça e diz que clube é hexacampeão brasileiro». ESPN. Consultado em 26 de novembro de 2019 
  76. «CBF decide respeitar STF e considera Flamengo hexacampeão brasileiro». UOL. Consultado em 26 de novembro de 2019 
  77. «CBF opina: Flamengo merece ser chamado de hepta brasileiro». O Globo. Consultado em 26 de novembro de 2019 
  78. «Após citar Fla como hexa, CBF esclarece: "a título de opinião, é hepta"». UOL. Consultado em 26 de novembro de 2019 
  79. «Presidente da CBF levanta a taça do Brasileirão sete vezes antes de entregá-la ao Flamengo». GloboEsporte.com. 28 de novembro de 2019. Consultado em 5 de dezembro de 2019 
  80. «Brasileirão de 1987 em disputa?». Brasil de fato. Consultado em 1 de janeiro de 2020 
  81. «1987: transitado em julgado (de novo)». Diario de Pernambuco. Consultado em 1 de janeiro de 2020 
  82. http://portal.stf.jus.br/processos/detalhe.asp?incidente=4752875
  83. http://portal.stf.jus.br/processos/downloadPeca.asp?id=313940184&ext=.pdf
  84. «Flamengo deixa Corinthians e Cruzeiro para trás em ranking de títulos nacionais; veja a lista». ESPN. Consultado em 25 de novembro de 2019 
  85. «Fla lidera a lista de maiores torcidas do Brasil, seguido de perto pelo Timão». Globo Esporte. 1 de agosto de 2014. Consultado em 19 de março de 2014 
  86. «Ranking das torcidas: Fla se mantém no topo, e Corinthians segue na cola». Globo Esporte. 27 de agosto de 2014. Consultado em 19 de março de 2014 
  87. «Um em cada cinco brasileiros torcem para o Flamengo». Data Folha. Consultado em 17 de setembro de 2019 
  88. «LANCE!-Ibope: Flamengo lidera no Nordeste, Norte e Centro-Oeste». Globo Esporte. 31 de agosto de 2014. Consultado em 19 de março de 2014 
  89. «Olhar Crônico Esportivo » Flamengo tem a maior torcida do mundo segundo estudo de agência euro-argentina » Arquivo». globoesporte.globo.com. Consultado em 27 de fevereiro de 2017 
  90. a b Stein, Leandro (8 de fevereiro de 2014). «O jogo que eternizou a grandeza do Fla-Flu: 194 mil no Maracanã em 1963». Site Trivela. Consultado em 2 de abril de 2014 
  91. a b «Em foco: A mística do Fla-Flu.». Site do jornal O Globo (foto 3/7). Consultado em 5 de abril de 2015 
  92. a b «Fla-Flu é o clássico de maior público da história do futebol mundial». Site do jornal O DIA. 4 de março de 2017. Consultado em 6 de março de 2018 
  93. TARGINO, Maurício (18 de maio de 2012). «O G-12 brasileiro.». Site deprimeira. Consultado em 31 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 27 de outubro de 2016 
  94. Site ESPN.COM.BR - Os maiores clubes do Brasil no Século XXI, página editada em 17 de março de 2015 e disponível em 31 de dezembro de 2016.
  95. Neves, Marcello (23 de agosto de 2021). «Fred, do Fluminense, iguala Romário e vira o 2º maior artilheiro da história do Brasileiro». O Globo. Consultado em 22 de fevereiro de 2022. (pede subscrição (ajuda)) 
  96. spm365.com, Equipe do site (26 de fevereiro de 2018). «Hoje vamos abordar um assunto bastante interessante: os 12 grandes times do Brasil». spm365.com. Consultado em 19 de fevereiro de 2021 
  97. TARGINO, Maurício (18 de maio de 2012). «O G-12 brasileiro.». Site deprimeira. Consultado em 31 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 27 de outubro de 2016 
  98. Site ESPN.COM.BR - Os maiores clubes do Brasil no Século XXI, página editada em 17 de março de 2015 e disponível em 31 de dezembro de 2016.
  99. «Site da revista PLACAR - Livro sobre camisa dos 12 grandes clubes do Brasil ganha versão atualizada». Consultado em 31 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 3 de agosto de 2018 
  100. Ranking de clubes brasileiros, página editada em 8 de dezembro de 2016 e disponível em 31 de dezembro de 2016.
  101. Site oficial do FLUMINENSE FOOTBALL CLUB - Mundial Interclubes 1952, página disponível em 28 de fevereiro de 2017.
  102. Livro Taça de Prata de 1970: O Campeonato Brasileiro mais difícil de todos os tempos, conquistado pelo Fluminense, por Roberto Sander, Editora Maquinária (2010)
  103. «TORRES, Fagner - Site ESPN - 2016 e o sonho de jogar nas Laranjeiras. Será?». Consultado em 31 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 1 de janeiro de 2017 
  104. 100 anos do Estádio de Laranjeiras (dados de João Cláudio Bolthauser, co-autor de livros do Flumemória), página editada e disponível em 10 de maio de 2019.
  105. Site oficial do FLUMINENSE FOOTBALL CLUB - A fundação do clube, página disponível em 31 de dezembro de 2016.
  106. Jornal "Extra" - Fifa parabeniza o 'gigante e pioneiro' Fluminense pelos 112 anos, página editada em 21 de julho de 2014 e disponível em 23 de março de 2019.
  107. Vavel (21 de novembro de 2017). «Grêmio é primeiro brasileiro a decidir Libertadores em quatro décadas diferentes». VAVEL.com 
  108. «Fifa reconhece títulos mundiais de Flamengo, Grêmio, Santos e São Paulo». Globo. Consultado em 27 de outubro de 2017 
  109. «Grêmio encerra jejum de 15 anos e vira o maior campeão da Copa do Brasil». ESPN. 7 de dezembro de 2016 
  110. «Campeonato Gaúcho». Portal Oficial do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense. Consultado em 25 de fevereiro de 2017 
  111. «Começa a Copa FGF 2007». Portal Oficial do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense. Consultado em 26 de março de 2017 
  112. Zirpoli, Cassio (27 de agosto de 2021). «2021 | Recalculando as pesquisas de torcida a partir da estimativa do IBGE; Brasil, NE, PE...». Cassio Zirpoli. Consultado em 9 de dezembro de 2021 
  113. «Um em cada cinco brasileiros torce para o Flamengo, aponta Datafolha». Folha de S.Paulo. 17 de setembro de 2019. Consultado em 11 de agosto de 2020 
  114. «Dupla Grenal faz região Sul única sem Fla e Corinthians com mais torcida». Folha de S.Paulo. 17 de setembro de 2019. Consultado em 11 de agosto de 2020 
  115. «Pesquisa reforça Flamengo como maior torcida do Brasil; veja os números». Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes. 27 de setembro de 2021. Consultado em 9 de dezembro de 2021 
  116. Peruzzo, Rafael (2 de junho de 2020). «Grêmio vê saídas do quadro social diminuírem e mantém 85 mil sócios ativos». Correio do Povo. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  117. «Com 100 anos de vida, Inter prova ser o "clube do povo"». Terra. 3 de abril de 2009. Consultado em 31 de maio de 2020 
  118. «TOP 10 – Os dez clubes de maior destaque na última década». Máquina do Esporte. 29 de junho de 2015. Consultado em 18 de junho de 2020 
  119. «No século 21, Colorado se torna campeão de tudo e mais um pouco...». Globoesporte.com. 19 de agosto de 2010. Consultado em 18 de junho de 2020 
  120. «Internacional keep Brazilian flag flying» (em inglês). FIFA.com. 11 de dezembro de 2017. Consultado em 26 de setembro de 2021 
  121. «Internacional comemora 14 anos do título mundial sobre o Barcelona». Gazeta Esportiva. 17 de dezembro de 2020. Consultado em 12 de outubro de 2021 
  122. «Copa Libertadores». Confederação Sul-Americana de Futebol (CONMEBOL). Consultado em 18 de junho de 2020 
  123. «Internacional de Porto Alegre, campeão da Sul-Americana 2008». Confederação Sul-Americana de Futebol (CONMEBOL). 3 de dezembro de 2015. Consultado em 18 de junho de 2020 
  124. «Outra vez campeão: Leandro Damião dá bi da Recopa ao Inter». Globoesporte.com. 24 de agosto de 2011. Consultado em 18 de junho de 2020 
  125. «Copa Suruga Bank». Confederação Sul-Americana de Futebol (CONMEBOL). Consultado em 18 de junho de 2020 
  126. «Campeão brasileiro em 1975, 1976 e 1979, o Clube do Povo celebra mais um aniversário». Confederação Brasileira de Futebol (CBF). 4 de abril de 2016. Consultado em 18 de junho de 2020 
  127. Deconto, Eduardo; Herok, Otto (23 de dezembro de 2019). «Da desconfiança ao título inigualável: tri brasileiro invicto do Inter completa 40 anos». ge. Consultado em 11 de maio de 2021 
  128. «Internacional, campeão da Copa do Brasil 1992». Confederação Brasileira de Futebol (CBF). 5 de setembro de 2017. Consultado em 18 de junho de 2020 
  129. «Torneio Heleno Nunes 1984 :: Fase Final:: ogol.com.br». www.ogol.com.br (em bretão). Consultado em 31 de dezembro de 2021 
  130. «Nacional já foi carrasco e motivou piada para o Inter se reerguer». Goal. 24 de julho de 2019. Consultado em 30 de abril de 2021 
  131. «Com 45° título gaúcho, Inter abre maior vantagem da história sobre o Grêmio». GaúchaZH. 9 de maio de 2016. Consultado em 18 de junho de 2020 
  132. «Internacional, octacampeão inédito na década de 70». Confederação Brasileira de Futebol (CBF). 2 de fevereiro de 2016. Consultado em 18 de junho de 2020 
  133. «Inter inicia obras de reforma do estádio Beira-Rio nesta quinta». Jornal do Comércio. Consultado em 29 de abril de 2021 
  134. «Festa de reinauguração do Beira-Rio é marcada por história, teatro, música e emoção». GZH. 5 de abril de 2014. Consultado em 29 de abril de 2021 
  135. «Beira-Rio». Andrade Gutierrez. Consultado em 19 de junho de 2020 
  136. «Pesquisa da Pluri aponta 6 clubes do Nordeste com torcidas acima de 1 milhão». Cassiozirpoli.com. 29 de janeiro de 2020. Consultado em 11 de maio de 2021 
  137. «Consulados». Sport Club Internacional. Consultado em 11 de maio de 2021 
  138. «Pioneiro, Internacional quer evoluir programa de sócio-torcedor para seguir no topo». Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes. 10 de abril de 2015. Consultado em 13 de maio de 2021 
  139. «Ranking: os 15 clubes com mais sócios-torcedores do Brasil | Goal.com». www.goal.com. Consultado em 1 de março de 2021 
  140. «Identidade Visual» (PDF). Palmeiras. Consultado em 23 de agosto de 2014 
  141. «No mundo tomado pela Segunda Guerra, o Palestra Itália teve que mudar de nome». Rádio CBN, 12/8/2014 
  142. "Especial Libertadores 1999", UOL, 16/6/1999
  143. «Palmeiras vence o Santos nos acréscimos e conquista o bicampeonato da Libertadores». Uol. 30 de janeiro de 2021. Consultado em 31 de janeiro de 2021 
  144. «Palmeiras vence Flamengo na prorrogação e é tricampeão da Libertadores». UOL. 27 de novembro de 2021. Consultado em 27 de novembro de 2021 
  145. "Memória «do Plantão: Palmeiras campeão Copa Rio 51", Jovem Pan Online, 24/7/2011» Verifique valor |url= (ajuda) [ligação inativa] 
  146. «Documento diz que Fifa atendeu CBF e reconheceu título do Palmeiras como 'primeira competição mundial'». ESPN Brasil. 4 de fevereiro de 2019 
  147. «Documento Comitê Executivo da FIFA - 07/06/2014» (PDF). Sociedade Esportiva Palmeiras. Consultado em 24 de abril de 2019 
  148. «Green is the colour of envy». instagram.com/fifaworldcup. 22 de julho de 2016 
  149. «'Palmeiras foi o campeão do mundo de clubes', afirma Blatter - O Estado de S. Paulo, 9/8/2014» 
  150. «Blatter diz que Fifa vai reconhecer Palmeiras como campeão mundial - Folha de S.Paulo, 9/8/2014» 
  151. «"FIFA confirma Copa Rio 1951, vencida pelo Palmeiras, como primeiro Mundial de Clubes"»  Ministério do Esporte do Brasil, 21/11/2014
  152. «Exclusivo: Documento da FIFA chamou Palmeiras de primeiro campeão mundial». Fox Sports. Consultado em 10 de novembro de 2017 
  153. «Fifa reconhece títulos mundiais de Santos, Flamengo, Grêmio e São Paulo». ESPN. Consultado em 21 de novembro de 2017 
  154. «FIFA Club World Cup». FIFA. Consultado em 21 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 16 de junho de 2018 
  155. «FIFA Club World Cup archive». FIFA. Consultado em 21 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 26 de junho de 2019 
  156. Revista Placar - Especial 500 Times do Brasil, Edição 1263-A - Outubro de 2003, página 6
  157. «Palmeiras amplia vantagem na ponta do ranking de títulos nacionais após ganhar o Campeonato Brasileiro». ESPN. Consultado em 26 de novembro de 2018 
  158. Enciclopédia do Futebol Brasileiro, Volume 1 - Lance, Rio de Janeiro: Aretê Editorial S/A, 2001, página 217
  159. EuroNews. «NFL: Raiders mudam-se de Oakland para Las Vegas» (em inglês). euronews.com. Consultado em 28 de março de 2017. Cópia arquivada em 7 de março de 2018 
  160. Globo Esporte. «FOTOS: conheça o CT do Caju, que será a casa da Espanha na Copa do Mundo». globoesporte.com.br. Consultado em 20 de maio de 2014. Cópia arquivada em 14 de agosto de 2017 
  161. Uol. «Santos leva vantagem no retrospecto contra o Palmeiras no Campeonato Brasileiro». uol.com.br. Consultado em 5 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2021 
  162. Uol. «Santos leva vantagem sobre Corinthians no século XXI». futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br. Consultado em 4 de março de 2017. Cópia arquivada em 10 de março de 2017 
  163. Acervo Santos FC. «CLÁSSICOS NO SÉCULO XXI». acervosantosfc.com. Consultado em 15 de março de 2020. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2020 
  164. Diário do Peixe. «Santos é o melhor paulista em clássicos no Século XXI». diariodopeixe.com.br. Consultado em 7 de março de 2018. Cópia arquivada em 23 de janeiro de 2021 
  165. FIFA. «Classic Football Santos FC» (em inglês). fifa.com. Consultado em 14 de abril de 2012 
  166. ESPN. «Calendário europeu é necessário para o futebol brasileiro». espn.com.br. Consultado em 26 de março de 2020. Cópia arquivada em 27 de março de 2020 
  167. «Os 10 melhores times da história». Globoesporte.com. 28 de outubro de 2016. Consultado em 6 de novembro de 2016 
  168. FIFA. «Pelé edges Eusebio as Santos defend title» (em inglês). fifa.com. Consultado em 23 de abril de 2007. Cópia arquivada em 1 de abril de 2019 
  169. FIFA. «FIFA Tournaments» (em inglês). fifa.com. Consultado em 23 de outubro de 2017 
  170. FIFA. «BRAZIL Brazilian Football Association» (em inglês). fifa.com. Consultado em 23 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 20 de setembro de 2020 
  171. Soares, Paulo Victor (15 de outubro de 2020). «Rei ameaçado: Messi e Neymar estão próximos de recordes de Pelé». Metrópoles. Consultado em 20 de maio de 2021 
  172. O Fuxico. «Neymar recebe homenagem da Torcida Jovem do Santos». ofuxico.com.br. Consultado em 25 de julho de 2013. Cópia arquivada em 4 de novembro de 2013 
  173. FIFA. «Neymar of Santos» (em inglês). fifa.com. Consultado em 14 de junho de 2011. Cópia arquivada em 29 de janeiro de 2021 
  174. Santos FC. «Centro de Memória e Estatística inaugura seção de artigos relacionados à história do Clube». santosfc.com.br. Consultado em 24 de abril de 2018. Cópia arquivada em 25 de abril de 2018 
  175. Portal Veja. «A história do Santos contra times europeus». veja.abril.com.br. Consultado em 24 de maio de 2017. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2020 
  176. Santos FC. «Há 58 anos a estreia do Santos na Libertadores teve de tudo». santosfc.com.br. Consultado em 2 de março de 2020. Cópia arquivada em 3 de março de 2020 
  177. Conmebol Libertadores. «A COPA DA MINHA VIDA: PEPE RELEMBRA VIRADA DO SANTOS NA BOMBONERA PARA GANHAR A CONMEBOL LIBERTADORES DE 63». conmebollibertadores.com. Consultado em 23 de novembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2021 
  178. CBF. «Campeões da década: a campanha do Santos rumo ao tri da Libertadores». cbf.com.br. Consultado em 30 de março de 2020. Cópia arquivada em 26 de setembro de 2020 
  179. ACERVO HISTÓRICO DO SANTOS FC. «Recopa Mundial – 1968». acervosantosfc.com. Consultado em 20 de maio de 2014. Cópia arquivada em 14 de abril de 2015 
  180. Santos FC. «Yes, Super World Champions!» (em inglês). santosfc.com.br. Consultado em 24 de junho de 2019. Cópia arquivada em 24 de junho de 2019 
  181. Santos FC. «Como o Santos se tornou o único supercampeão mundial». santosfc.com.br. Consultado em 24 de junho de 2020. Cópia arquivada em 26 de junho de 2020 
  182. Globo Esporte. «SANTOS 100 ANOS». globoesporte.com. Consultado em 14 de abril de 2012. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2020 
  183. «CBF iguala Taça Brasil e 'Robertão' a Brasileiro. Santos e Palmeiras viram octas». Globo Esporte. 13 de dezembro de 2010. Consultado em 22 de março de 2015 
  184. «Copa Paulista – 2004». Acervo Santos FC. 16 de novembro de 2015 
  185. MKTEsportivo. «Santos FC leva Escola Licenciada "Meninos da Vila" para Europa». mktesportivo.com. Consultado em 1 de julho de 2020. Cópia arquivada em 19 de fevereiro de 2021 
  186. «Todas as Taças». 14 de abril de 2015. Consultado em 17 de maio de 2015 
  187. Santos FC. «Muito Além Do Futebol». santosfc.com.br. Consultado em 18 de fevereiro de 2018. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2014 
  188. Santos FC. «Santos Futebol Clube - Site Oficial». santosfc.com.br. Consultado em 6 de agosto de 2012. Cópia arquivada em 14 de novembro de 2012 
  189. Santos FC. «Santos FC Classics». santosfc.com.br. Consultado em 11 de junho de 2019. Cópia arquivada em 30 de março de 2020 
  190. FIFA. «FIFA Appeal Committee» (PDF) (em inglês). fifa.com. Consultado em 27 de setembro de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 15 de janeiro de 2021 
  191. «El Santos cumplió 100 años y recibió la condecoración de la FIFA». infobae. Consultado em 1 de outubro de 2015 
  192. FIFA. «SANTOS FC» (em espanhol). fifa.com. Consultado em 14 de abril de 2017. Cópia arquivada em 19 de abril de 2016 
  193. «Com rebaixamento do Cruzeiro, só três clubes nunca caíram para Série B». Folha de S. Paulo. 8 de dezembro de 2016. Consultado em 8 de dezembro de 2019 
  194. Leonardo Devezas (21 de março de 2013). «CONFRONTOS - Clubes Brasileiros com mais Jogos Internacionais». Blog do Leo Devezas. Consultado em 22 de março de 2015 
  195. CBF. «Campeão em 1962, Coutinho completa 75 anos nesta segunda-feira». cbf.com.br. Consultado em 11 de junho de 2018. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2021 
  196. Michael Serra (25 de janeiro de 2014). «1930 e 1935: conheça e entenda a história do Tricolor». Site oficial do São Paulo FC 
  197. «Conquistas». Site oficial do São Paulo FC. Consultado em 1 de agosto de 2021 
  198. «Quais os times com mais títulos internacionais na história?». Goal.com. Consultado em 30 de janeiro de 2021 
  199. Rodolfo Rodrigues (18 de março de 2021). «Flamengo abre vantagem na liderança do ranking PLACAR». Editora Abril. Veja 
  200. «Palmeiras deixa rivais para trás e assume vice-liderança do Ranking Folha» (Requer pagamento). Grupo Folha. Folha de S.Paulo. 12 de março de 2021 
  201. «Bayern iguala Boca, e Tigres sobe 36 posições no Ranking Folha mundial» (Requer pagamento). Grupo Folha. Folha de S.Paulo. 13 de março de 2021 
  202. «IFFHS: o que é a entidade que publica rankings sobre o futebol mundial?». Goal.com. 24 de março de 2021 
  203. «IFFHS CLUB WORLD RANKING 2020» (em inglês). IFFHS. 18 de janeiro de 2021 
  204. «IFFHS HISTORY AWARDS - SOUTH AMERICA'S CLUB OF THE FIRST DECADE (2001 - 2010)» (em inglês). IFFHS. 20 de maio de 2020 
  205. «O jornal O Estado de S. Paulo de 15 de fevereiro de 1953 confirma a autorização da FIFA ao torneio, como visto pela participação do presidente da lo Federação Italiana, secretário-geral e vice-presidente da» FIFA Ottorino Barassi na organização do Torneio Octogonal Rivadávia Correa Meyer de 1953, especificamente no recrutamento dos quadros europeus, função que ele desempenhou em 1951 e 1952 na Copa Rio Internacional. Infelizmente, como já havia ocorrido em 1952, em 1953 Ottorino Barassi também não conseguiu assegurar a presença de um clube italiano na competição organizada pela CBD.
  206. Jornal Última Hora, edição 614, de 15 de junho de 1953, afirmando que o Torneio Rivadávia de 1953 era tratado no Velho Mundo (Europa) como uma edição da Copa Rio.
  207. «Jornal escocês Glasgow Herald, de 22/06/1953, página 04, chamando a Copa Rivadávia de Rio de Janeiro Football [ligação inativa] 
  208. «ABC SEVILLA (Sevilla) - 04/06/1953, p. 19 - ABC.es Hemeroteca». hemeroteca.abc.es 
  209. Jornal espanhol El Mundo Deportivo, 29/04/1953, pag.03. O jornal se refere ao Torneio Octogonal Rivadávia Correa Meyer como "o torneio de futebol do Rio" ("el torneo de fútbol de Río"), sugerindo que o jornal via o torneio de 1953 e as edições da Copa Rio como sendo a mesma competição. A mesma edição do jornal comenta que o adianto da Copa Latina de 1953 em uma semana (para os dias 04 e 07 de junho) possibilitaria ao Reims francês e ao Sporting de Lisboa participar da "Copa de Rio"- ou seja, novamente tratando a Copa Rio e o Torneio Octogonal Rivadávia Correa Meyer como sendo a mesma competição.
  210. Jornal do Brasil, 07/05/1953, página 3 do 2º caderno. Noticiou que o Reims (então campeão francês) foi questionado sobre o Torneio Octogonal e tinha dito "que irá ao Brasil participar do torneio em disputa da Taça Rivadávia Corrêa Meyer (Copa Rio), confirmando sua participação e escrevendo (Copa Rio) logo após a menção da Taça Rivadávia
  211. Jornal Diário Carioca, edição 7609, de 27/05/1953, página 9, reproduzindo texto de notícia da agência de notícias francesa AFP (Agence France Press), que comenta a possibilidade da participação do clube alemão Rot Weiss Essen no Torneio Rivadávia e chama o torneio de Copa Rio.
  212. «Jornal do Brasil - Pesquisa de arquivos de notícias Google». news.google.com 
  213. «Folha de S.Paulo: Notícias, Imagens, Vídeos e Entrevistas». Folha de S.Paulo 
  214. «O Estado de S. Paulo - Acervo Estadão» 
  215. a b «ABC (Madrid) - 18/06/1957, p. 53 - ABC.es Hemeroteca». hemeroteca.abc.es 
  216. «Lista de partidas do time principal do Real Madrid» (em espanhol). Consultado em 7 de setembro de 2011 
  217. Jornal do Brasil, Caderno 3 , Capa, 15 de junho de 1957. ONTEM, EM PARIS: VASCO, 4 X REAL MADRID, 3. O C.R. VASCO DA GAMA GANHOU O TORNEIO INTERNACIONAL DO JUBILEU DO RANCING DE PARIS DERROTANDO O CAMPEÃO DA EUROPA, O REAL MADRID
  218. «Lista de partidas do Real Madrid, no site madridista Leyenda Blanca» (em espanhol). Consultado em 7 de setembro de 2011 
  219. «Narração francesa original da partida Vasco 4 X Real Madrid 3 de 1957, referindo-se ao Vasco como a melhor equipe sul-americana e ao título europeu detido pelo Real Madrid. Site Casaca: "Há 55 anos o Vasco conquistava o I Torneio de Paris".». Consultado em 3 de maio de 2013. Arquivado do original em 1 de agosto de 2013 
  220. «Folha de S.Paulo: Notícias, Imagens, Vídeos e Entrevistas». Folha de S.Paulo 
  221. «O Estado de S. Paulo - Acervo Estadão» 
  222. «Jornal Diário de Lisboa, 17/06/1957, página 18.». Consultado em 2 de abril de 2013. Arquivado do original em 2 de janeiro de 2018 
  223. «História da Copa Libertadores no site da Conmebol. Acesso em 24 de fevereiro de 2013». Consultado em 25 de fevereiro de 2013. Arquivado do original em 27 de fevereiro de 2013 
  224. «Site SuperVasco: Conmebol já reconheceu o Vasco como o primeiro campeão sul-americano. Acesso: 11/02/2013.». Consultado em 30 de dezembro de 2012. Arquivado do original em 25 de setembro de 2013 
  225. «Globo.com reconhece Vasco como primeiro campeão da Libertadores - Vasco pioneiro também em títulos continentais». Consultado em 12 de janeiro de 2012. Arquivado do original em 25 de setembro de 2013 
  226. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo de 18 de agosto de 1993, página 23, o Torneio João Havelange de 1993 foi organizado pela CBF, como comprovado pelo fato do Vasco ter chegado à final após a CBF ter mudado o regulamento do torneio.
  227. «Estatística do Campeonato brasileiro de futebol». Consultado em 7 de agosto de 2011 
  228. «Ademir de Menezes, o Queixada, faria 89 anos nesta terça-feira». Club de Regatas Vasco da Gama. 14 de agosto de 2014. Consultado em 12 de julho de 2018. Cópia arquivada em 12 de julho de 2018 
  229. Rodrigues, Rodolfo (28 de fevereiro de 2021). «São Paulo segue como o líder do ranking de pontos no Brasileirão». Uol. Consultado em 14 de fevereiro de 2022 
  230. Infogram.com - Ranking de pontos (1959 a 2019), página disponível em 1º de maio de 2020.
  231. Grohmann, Gustavo (23 de abril de 2012), «Quais são os times grandes do Brasil?», Terceiro Tempo, consultado em 27 de fevereiro de 2018 
  232. «Jornal faz ranking dos 12 maiores times do Brasil segundo a 'nova ordem'». Esporte Fera. 16 de abril de 2019. Consultado em 4 de agosto de 2020 
  233. Rodrigues Alves, Alexandre (26 de janeiro de 2018), «Não temos apenas 12 times», Revista Acréscimos, consultado em 28 de fevereiro de 2018 
  234. «Presidente do Bahia cobra maior cota de TV: 'Não devemos nada ao Botafogo'». O Globo. 5 de dezembro de 2012. Consultado em 19 de janeiro de 2021 
  235. «Palmeiras deixa rivais para trás e assume a vice-liderança.». 12 de março de 2021. Consultado em 1 de abril de 2021 
  236. Revista Placar nº 1458 de dezembro de 2019, páginas 62 a 66.
  237. Revista Placar nº 1473 de março de 2021, páginas 56 a 61.
  238. Revista Placar Guia Brasileirão 2020, página 51.
  239. Análise Econômico-Financeira dos Clubes de Futebol Brasileiros - 2017 (PDF), Itaú BBA, 22 de junho de 2017 
  240. a b BARROS, Davi (2 de maio de 2017). «Clubes têm receitas recorde em 2016, mas consultor avisa: "2017 será ano da verdade"». globoesporte.com. Consultado em 28 de fevereiro de 2018 
  241. Barros, Davi (8 de janeiro de 2018), «Estudo: Atlético-PR é o clube brasileiro com as melhores finanças», globoesporte.com, consultado em 28 de fevereiro de 2018 
  242. Análise Econômico-Financeira dos Clubes de Futebol Brasileiros - 2017 (PDF), Itaú BBA, 22 de junho de 2017 
  243. «Pesquisa da Pluri aponta 6 clubes do Nordeste com torcidas acima de 1 milhão». Cassiozirpoli.com. 29 de janeiro de 2020. Consultado em 2 de abril de 2020 
  244. Revista Placar nº 1473 de março de 2021.
  245. «Os 30 clubes mais valiosos do Brasil». Site 90min. 22 de março de 2021. Consultado em 20 de novembro de 2021 
  246. «Quatro grandes do Rio anunciam posição conjunta contra Clube dos 13». Globo Esporte. 23 de fevereiro de 2011. Consultado em 23 de fevereiro de 2011 
  247. «Esquadrão Imortal - Guarani 1978». Imortais do Futebol. 11 de dezembro de 2013. Consultado em 4 de agosto de 2020 
  248. «Sport tem pior cenário financeiro dentre os 20 principais clubes do Brasil; veja o ranking das dívidas». Imortais do Futebol. 3 de julho de 2020. Consultado em 4 de agosto de 2020 
  249. Rodrigues, Renan; Paradella, Rodrigo (16 de dezembro de 2013). «STJD pune Portuguesa e mantém Fluminense na Série A; ainda cabe recurso». UOL Esportes. Rio de Janeiro. Consultado em 16 de dezembro de 2013 
  250. «Magnífico sorteo de la Copa Nissan Sudamericana 2010 en Asunción» [Magnificent draw of the 2010 Copa Nissan Sudamericana in Asunción] (em espanhol). CONMEBOL. 28 de abril de 2010. Consultado em 21 de outubro de 2010. Cópia arquivada em 24 de outubro de 2010 
  251. Ranking de clubes da CBF Arquivado 2009-01-17 no Wayback Machine
  252. Revista Placar nº 1473 de março de 2021.
  253. Site BOLA N@ ÁREA - Copa dos Campeões Regionais 2002, página disponível em 26 de fevereiro de 2021.
  254. «Red Bull expands global football empire, takes over at Bragantino». SportBusiness SPONSORSHIP. 28 de março de 2019 
  255. «Bragantino anuncia acordo com o RB Brasil para gestão do time na Série B». Globoesporte.com. 26 de março de 2019 
  256. Marques, Bruno; Gonçalves, Igor; Qhintella, Thiago (7 de maio de 2014), «Copa: Botafogo segue líder entre clubes que mais cederam jogadores à Seleção», globoesporte.com, consultado em 28 de fevereiro de 2018 
  257. Comitê Olímpico Brasileiro (7 de agosto de 2020). «O Fluminense e o início da história Olímpica do Brasil.». Consultado em 31 de dezembro de 2021 
  258. SCHIMIDT, Bruno (7 de abril de 2014), «100 anos da Seleção: 1º rival do Brasil, Exeter se orgulha de lugar na história», globoesporte.com, consultado em 28 de fevereiro de 2018