Futebol de São Paulo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Futebol em São Paulo é considerado o melhor, e um dos mais tradicionais do Brasil.

Entre todos os campeonatos estaduais, o Campeonato Paulista é o mais antigo, além de ser o que possui mais participantes e divisões, sendo estas a Primeira Divisão (subdividida nas séries A1, A2 e A3) e a Segunda Divisão.[1]

Além disso, no Futebol Paulista, encontram-se 3 das 4 maiores torcidas do Brasil: Corinthians, São Paulo e Palmeiras.

O Futebol Paulista é o que conta com o maior número de times campeões do Campeonato Brasileiro, 5 times, são eles São Paulo, Palmeiras, Corinthians, Santos e Guarani, além de ser o que mais detém títulos, 30, sendo 9 do Palmeiras, 8 do Santos, 6 do São Paulo, 6 do Corinthians, e 1 do Guarani.

Conta com dois dos cinco times que jamais foram rebaixados da Série A do Brasileirão, Santos e São Paulo. É também o estado da federação com o futebol do interior mais forte e competitivo, sendo o único estado com quatro clubes campeões nacionais que não são da capital, o Santos, pelo Campeonato Brasileiro de 1961 a 1965, de 1968, de 2002 e 2004 e pela Copa do Brasil de 2010, o Guarani, pelo Campeonato Brasileiro de 1978, o Santo André pela Copa do Brasil de 2004 e o Paulista pela Copa do Brasil de 2005.

O Campeonato Paulista de Futebol - Série A2, fatura mais que qualquer outro campeonato estadual do país.

O Futebol Paulista detém 8 Copas Libertadores, sendo 3 do São Paulo, 3 do Santos, 1 do Palmeiras e 1 do Corinthians, apenas uma a menos do que todos os times dos restantes estados brasileiros juntos, que somam 9 Libertadores. O Futebol Paulista detém também 1 Copa Rio Internacional conquistada pelo Palmeiras, 4 Copas Intercontinentais, 2 do Santos e 2 do São Paulo e 3 Copas do Mundo de Clubes da FIFA, 2 do Corinthians e 1 do São Paulo. Os outros estados unidos somam 1 Copa Rio Internacional vencida pelo Fluminense , 2 Copas Intercontinentais vencidas por Flamengo e Grêmio e 1 Copa do Mundo de Clubes da FIFA conquistada pelo Internacional, tendo assim o futebol paulista 8 títulos intercontinentais oficiais contra apenas 4 dos outros estados juntos.

Os dois maiores campeões da história dos campeonatos nacionais (Taça Brasil, Roberto Gomes Pedrosa e Campeonato Brasileiro) são paulistas (Palmeiras com 9 e Santos com 8 títulos). O maior campeão na soma de todo e qualquer título nacional é o Palmeiras (12 títulos). Os clube com mais títulos do Campeonato Brasileiro moderno também são paulistas, são o Sport Club Corinthians Paulista e o São Paulo Futebol Clube (com 6 títulos cada). Os dois maiores campeões continentais brasileiros são paulistas, São Paulo e Santos, ambos com 3 Libertadores. O maior campeão intercontinental entre times brasileiros é o São Paulo com 3 títulos (sendo 2 Copas Intercontinentais e 1 Copa do Mundo de Clubes da FIFA), e o maior campeão da Copa do Mundo de Clubes da FIFA é o Sport Club Corinthians Paulista.

O maior jogador de todos os tempos, Pelé, fez sua carreira no Futebol Paulista, jogando pelo Santos, e o melhor jogador brasileiro da atualidade também é paulista, Neymar, sendo este também formado pelo Santos. Rogério Ceni, o goleiro-artilheiro, embora tenha nascido em Pato Branco, no Paraná, ele jogou toda a carreira no futebol paulista, mais especificamente no São Paulo FC, onde se tornou o jogador com mais partidas por um clube, mais vezes capitão e o goleiro com o maior número de gols na história.

Divisões[editar | editar código-fonte]

Já houve muitas formas e várias nominações de divisões no campeonato paulista em todo esse tempo em que o mesmo vem sendo disputado. Atualmente com o enorme número de equipes a solução foi uma estratificação do torneio e sendo assim surgiram diversas divisões, conforme a época e a entidade que organizava o torneio, houve entre duas e seis divisões de disputa do Campeonato Paulista, muito embora hoje exista o argumento de que são apenas "duas divisões divididas em séries", na verdade a chamada "Primeira Divisão Série A" com suas três "séries" Série A1, Série A2 e Série A3, que correspondem a três divisões distintas e a "Segunda Divisão Série B" já chegou a ter três séries B1, B2 e B3, sendo na prática da primeira à sexta divisões, segundo os critérios da FPF, hoje, a Primeira divisão do Campeonato Paulista recebe o nome de "Série A", Série A1, Série A2 e Série A3, que como foi dito são apresentadas as três como "primeira divisão" mas em termos práticos são respectivamente primeira, segunda e terceira; havendo inclusive acesso e descenso entre elas, onde hoje, as quatro primeiras colocadas da "Série A2" tomam o lugar das últimas colocadas da "Série A1", e assim sucessivamente. Já a "Série B" antes tida como "segunda divisão" foi unificada em apenas uma e recebe hoje o nome de Segunda divisão do Campeonato Paulista ou de "Série B", Segunda divisão embora na realidade seja a quarta divisão. A quinta divisão é a Taça Paulista.

Série A1[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Campeonato Paulista de Futebol

O Campeonato Paulista da Série A1 equivale ao primeiro nível do futebol do estado. É a divisão principal, que reúne os principais clubes de São Paulo.

O Paulistão, no formato atual, é composto por 16 times, que são divididos em 4 grupos. Cada participante joga contra todos, exceto os participantes do seu grupo. Após as 11 rodadas, os 2 melhores de cada grupo se enfrentam, dando início ao mata-mata. Os dois piores times, na classificação geral, e, segundo os critérios de desempate, são rebaixados para a série A2 do ano seguinte.

Os dois mais bem colocados estarão automaticamente qualificados para a Copa do Brasil do ano seguinte, exceto quando conquistam vagas também para a Taça Libertadores da América. Caso isto aconteça, as vagas vão para os mais bem colocados subsequentes.

Os dois mais bem classificados que não possuem vagas asseguradas nas Séries A, B e C do Campeonato Brasileiro de Futebol asseguram vagas para a disputa da Série D do mesmo ano.

O atual Campeão Paulista é o Corinthians.

Campeão do Interior[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Campeão do Interior

Do 5º ao 8º colocados, é realizado um "playoff" para definir o Campeão Paulista do Interior, sendo que deste torneio não podem fazer parte (por força do regulamento) os times da cidade de São Paulo, como Corinthians, Palmeiras, Portuguesa e São Paulo, além do Santos, que é uma equipe do litoral.

No ano de 2014 não houve o "playoff". O Penapolense sagrou-se Campeão do Interior pelo critério da melhor campanha dentre os times interioranos no torneio principal, lembrando-se que o Ituano foi o Campeão Paulista.[2]

Série A2[editar | editar código-fonte]

O Campeonato Paulista da Série A2 equivale ao segundo nível do futebol do estado. Acima desta divisão, está somente a Série principal, a A1, que reúne os principais clubes de São Paulo.

Na Série A2, todos os times jogam contra todos em turno único. Ao final das dezenove rodadas, as quatro melhores equipes conseguem o acesso para a Série A1, e o melhor time no campeonato consegue o título de Campeão Paulista da Série A2. Os seis piores times, segundo os critérios de desempate, são rebaixados para a série A3 do ano seguinte.

A Série A2 é mais popularmente conhecida como "Segunda Divisão", justamente por representar o segundo nível dos clubes. O torneio recebeu a denominação de A2 em 1994.

O atual campeão da Série A2 é o Capivariano F.C. [3]

Série A3[editar | editar código-fonte]

O Campeonato Paulista da Série A3 equivale ao terceiro nível do futebol do estado. Acima desta divisão, estão as Séries A1 e A2.

Seguindo o mesmo sistema dos dois torneios já citados, neste campeonato todos os times jogam contra todos em turno único. Ao final das dezenove rodadas, as oito melhores equipes disputam a segunda fase, que equivale as quartas de final em jogos de ida e volta divididos em quatro grupos de dois times. Os vencedores dos confrontos se classificam para a terceira fase (semifinal), também em jogos de ida e volta. Os dois vencedores se classificam automaticamente para a Série A2, e fazem a final, valendo o título de Campeão Paulista da Série A3. Os seis piores times, segundo os critérios de desempate, são rebaixados para a Série B do ano seguinte.

A Série A3 é mais popularmente conhecida como "Terceira Divisão", justamente por representar o terceiro nível dos clubes. O torneio recebeu a denominação de A3 em 1994.

O atual campeão da Série A3 é o Nacional, de São Paulo.

Segunda Divisão[editar | editar código-fonte]

O Campeonato Paulista de Futebol (Segunda Divisão (ou Série B)), equivale ao quarto nível do futebol do estado. Acima desta divisão, está a divisão principal (Série A1), além das séries A2 e A3.

Os times são divididos em quatro grupos jogam em turno e returno dentro do seu grupo. Ao final das rodadas, as quatro melhores equipes de cada grupo se classificam para a segunda fase e são divididas em quatro grupos de quatro times. Esses times jogam em turno e returno, dentro do grupo, sendo que os dois primeiros de cada grupo se classificam para uma terceira fase que é equivalente as quartas de final em jogos de ida e volta. Depois há semifinais, no mesmo sistema eliminatório de ida e volta. Os dois classificados fazem a final, e a disputa do título de Campeão Paulista da Série B e estão automaticamente classificados para a Série A3. Não há rebaixamento na Segunda Divisão.

A Segunda Divisão é mais popularmente conhecida como "Quarta Divisão", justamente por representar o quarto nível dos clubes. O torneio recebeu a denominação de Segunda divisão em 1994.

O atual campeão da Segunda Divisão é o time da Portuguesa Santista, da cidade de Santos.

A força do interior[editar | editar código-fonte]

Nenhum outro estado da federação tem nas cidades do interior times tão fortes, tradicionais e competitivos, até mesmo em nível nacional.

A princípio, o Campeonato Paulista era, na prática, um campeonato paulistano, municipal da capital. Em 1904 houve a possibilidade de que um time do litoral, o Internacional de Santos disputasse o torneio, mas ele não se classificou. Em 1907, dois times do litoral, o Americano de Santos e o Internacional de Santos, passam a disputar o torneio, tornando-o estadual.

Em 1910 o Sport Club Savóia de Sorocaba tem a chance de se tornar o primeiro time do interior a disputar o torneio mas não se classifica. Finalmente, em 1914, o Hydecroft Foot-Ball Club de Jundiaí é o primeiro time do interior do estado a disputar a Primeira Divisão.

Depois disso, apenas em 1926, com a cisão do futebol paulista entre APEA e LAF outro time do interior volta a disputar a Primeira Divisão Estadual: é o Paulista Futebol Clube também de Jundiaí, na LAF. A proximidade da capital e o trem como transporte são vitais para essas participações devido às distâncias, pouca estrutura de transporte e amadorismo. Neste ano, outro clube do litoral participava da primeira divisão, o Clube Atlético Santista, de Santos, além do próprio Santos FC.

Em 1927 a APEA convida o Guarani de Campinas e o Comercial de Ribeirão Preto para sua 1ª Divisão. O Bugre Campineiro participou do quadrangular final. Ainda em 1927 o Paulista de Jundiaí termina o Paulista da LAF na 3ª colocação, e em 1929 a Ponte Preta é vice-campeã na LAF.

Com o estabelecimento definitivo das Divisões inferiores e seu ascenso à Divisão de Elite Paulista, os clubes do interior ganharam o torneio ideal para seu crescimento. Para que um dos grandes da Capital ganhasse o Paulistão era decisivo ir bem nos difíceis jogos no interior.

Apenas em 1970 o interior voltou a disputar pra valer a taça, com a Ponte Preta novamente vice-campeã. Em 1976 foi a vez do XV de Piracicaba acabar vice-campeão, com o Guarani em 3º e Botafogo de Ribeirão Preto em 4º. A Ponte Preta ainda voltou a ser vice-campeã paulista em 1977, 1979, 1981 e 2008. O Guarani foi vice-campeão em 1988 e 2012.

Porém o grande feito do interior no Paulistão veio em 1986, quando a Internacional de Limeira conquistou o Campeonato Paulista em cima do Palmeiras, num Morumbi pintado de verde.

Em 1990, após o vice-campeonato do São José Esporte Clube em 1989, o futebol interiorano se superou e colocou dois times na chamada "Final Caipira" com o Bragantino campeão e o Novorizontino vice. O Bragantino ainda chegaria à final do Brasileirão do ano seguinte, terminando vice-campeão nacional de 1991, perdendo para o S. Paulo FC.

Em 2001 o Botafogo de Ribeirão Preto foi vice-campeão paulista e em 2002 o Ituano voltou a dar um título ao interior, mas nessa edição os grandes da capital não participaram do torneio, pois disputavam o Torneio Rio-São Paulo no mesmo período.

Em 2004 o São Caetano acaba campeão paulista, vencendo na final o Paulista de Jundiaí, que no ano seguinte, sagrar-se-ia campeão da Copa do Brasil após eliminar Fluminense e o Internacional de Porto Alegre, indo disputar a Copa Libertadores de 2006, quando chegou a derrotar por 2 a 1 o River Plate da Argentina em Jundiaí.

O Ituano tornou-se novamente campeão paulista no ano de 2014. O time da cidade de Itu venceu o Santos em disputa de pênaltis.

Mas a maior façanha do futebol caipira foi o Campeonato Brasileiro conquistado pelo Guarani Futebol Clube de Campinas em 1978, após eliminar Sport, Vasco da Gama e Palmeiras. O Guarani é, até o momento, o único clube do interior do Brasil a já ter ganho o título máximo nacional. E ainda foi vice brasileiro em 1986 e 1987, com três participações na Libertadores da América.

Principais títulos do futebol paulista[editar | editar código-fonte]

Intercontinentais e Mundiais[editar | editar código-fonte]

Continentais[editar | editar código-fonte]

Nacionais[editar | editar código-fonte]

Regionais[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o
Portal de São Paulo

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]