Neto (comentarista)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de José Ferreira Neto)
Neto
Neto
Neto em 2021
Informações pessoais
Nome completo José Ferreira Neto
Data de nasc. 9 de setembro de 1966 (56 anos)
Local de nasc. Santo Antônio de Posse,
São Paulo, Brasil
Nacionalidade brasileiro
Altura 1,74 m
canhoto
Apelido Craque Neto, Neto
Informações profissionais
Posição ex-meio-campista
Clubes de juventude
1979–1980
1980–1982
Ponte Preta
Guarani
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
1984–1986
1986
1987
1988
1988
1989–1993
1993
1993
1994
1994
1995
1995
1996–1997
1997
1998
1998–1999
Guarani
Bangu
São Paulo
Guarani
Palmeiras
Corinthians
Millonarios
Atlético Mineiro
Santos
Matsubara
Guarani
Araçatuba
Corinthians
Osan Indaiatuba
Paulista
Deportivo Italia
0058 000(26)
0016 0000(1)
0030 0000(4)
0019 0000(7)
0025 0000(3)
0192 000(78)
0010 0000(3)
0017 0000(2)
0018 0000(3)
0028 000(10)
0013 0000(1)
0002 0000(2)
0020 0000(1)
0022 0000(5)
0011 0000(6)
0005 0000(1)
Seleção nacional
1988–1993 Brasil 0026 0000(7)
Medalhas
Jogos Olímpicos
Prata Seul 1988 Futebol

José Ferreira Neto (Santo Antônio de Posse, 9 de setembro de 1966),[1] mais conhecido como Craque Neto ou apenas Neto, é um comentarista esportivo e ex-futebolista brasileiro que atuava como meio-campista. Atualmente é apresentador dos programas Baita Amigos e Os Donos da Bola, do Grupo Bandeirantes. Também é dono da Rádio Craque Neto no YouTube.

Como jogador, conquistou em 1988 nas Olímpiadas de Seul, ao lado de Bebeto, Careca, Romário e Taffarel, entre outros, a segunda medalha de prata olímpica do futebol masculino brasileiro.[2] Tornou-se ídolo do Corinthians, sendo considerado, inclusive, o principal jogador do clube no seu primeiro título brasileiro, em 1990.

Carreira

Jogador

É um dos maiores ídolos da história do Corinthians, tendo recebido o apelido de xodó da fiel, sendo o principal condutor do clube ao seu primeiro título brasileiro, em 1990. Ficou conhecido por seu espírito de liderança, ótimos lançamentos e por ser um exímio cobrador de faltas (foi considerado o melhor do Brasil em sua época).[3] Ao longo de sua carreira disputou 470 jogos, tendo marcado 184 gols.[4] Pela Seleção Brasileira, jogou 26 vezes e marcou 7 gols, de 1988 a 1993.[4]

Começou a carreira no infantil da Ponte Preta, mas ainda amador se transferiu para as categorias de base do Guarani. Talentoso, o meio-campista despertou a atenção da opinião pública tão logo estreou como profissional, aos dezessete anos. Despertou interesse de grandes equipes do Brasil, chegando a ser visto por alguns como um novo Maradona. Apesar disso, passou o segundo semestre de 1986 no Bangu.[carece de fontes?]

Foi contratado pelo São Paulo em 1987, mas teve participação discreta, pois sofreu um acidente automobilístico, que o deixou afastado durante um tempo. Foram 33 partidas (doze vitórias, treze empates, oito derrotas) e cinco gols marcados, conquistando o título paulista daquele ano.[carece de fontes?]

Voltou para o Guarani e foi vice-campeão paulista de 1988. No time de Campinas voltou a brilhar. Num dos grandes lances de sua carreira, marcou um gol de bicicleta antológico sobre o Corinthians, no primeiro jogo da final do Campeonato Paulista de 1988. O golaço rendeu a capa da revista Placar com a manchete: "Golpe de Mestre". O jogo terminou 1–1, com o gol de empate corintiano sendo marcado pelo lateral Édson Boaro. Pelo bom desempenho em 1988, foi contratado pelo Palmeiras no ano seguinte. De novo não foi bem. Escalado sucessivamente na ponta-esquerda pelo técnico Emerson Leão, brilhou pouco. O time fez um bela campanha no Paulista daquele ano, perdendo apenas um jogo, nas semifinais, para o Bragantino, sendo eliminado.[carece de fontes?]

No mesmo ano, transferiu-se para o Corinthians junto com o lateral-esquerdo Denys. O time alvinegro mandou para o rival o lateral-esquerdo Dida e o meia Ribamar. Ao chegar ao Parque São Jorge, porém, a carreira de Neto finalmente deslanchou.[carece de fontes?]

Durante a carreira marcaria outros gols memoráveis, principalmente com a camisa do Corinthians, valendo destacar: contra a Ponte Preta, em 1990, quando driblou vários adversários (parecido com o de Maradona contra a Inglaterra na Copa de 1986); três em mesmo jogo contra o Cruzeiro, em 1991; de falta contra o Flamengo, em 1991, no Maracanã (em uma cobrança quase do meio do campo);[4] bicicleta contra o Guarani, em 1992.[5] Pelo São Paulo, em 1987, fez o único gol olímpico do clube em Libertadores, contra o Colo-Colo, que possuía Roberto Rojas na baliza.[6][7]

Campeonato Brasileiro de 1990

Neto foi o principal jogador do Corinthians na conquista do primeiro título brasileiro de clube. Os destaques, além de Neto, eram o goleiro Ronaldo e o zagueiro Marcelo Djian (dois pratas-da-casa).

Depois de uma campanha irregular na primeira fase, o time ficou com a penúltima vaga para as quartas-de-final.

Pelas quartas, o Atlético-MG saiu na frente (gol de Gérson), mas Neto, aos 30 e aos 40 minutos, sacramentou a virada: 2–1. No Mineirão, o time segurou o empate por 0–0, classificando-se.

Na semifinal, o rival era o Bahia, campeão de 1988, que abriu o marcador, mas o Corinthians conseguiu o empate com um gol contra e, aos 25 minutos do 2º tempo, Neto, de falta,[4] fez o gol da virada. No jogo de volta, em Salvador, 0–0.

A final foi contra o então vice-campeão brasileiro, São Paulo, treinado por Telê Santana. Em casa, logo aos 4 minutos do primeiro jogo, Neto cobrou uma falta e deixou Wilson Mano livre para fazer 1–0. No jogo de volta, com Neto novamente titular, foi sacramentado o título: 1–0, gol de Tupãzinho.

Em 1991, conquistou pelo Corinthians a segunda edição da Supercopa do Brasil (desafio entre o campeão brasileiro e o da Copa do Brasil do ano anterior), perante o Flamengo, fazendo o único tento da partida.

No final do ano, foi eleito para a seleção do Campeonato Brasileiro de 1991, ganhando a Bola de Prata.[8]

Defendeu o Corinthians em dois períodos: entre 1989 e 1993 e entre 1996 e 97. Em um total de 227 partidas (104 vitórias, 74 empates, 49 derrotas), Neto anotou 80 gols e conquistou 3 títulos oficiais.[9][10]

Dirigente esportivo

Já foi gerente de futebol do Guarani, de Campinas,[11] e coordenador de futebol do Rio Claro, da cidade homônima.[carece de fontes?]

Comentarista esportivo

Após o término de sua carreira como jogador, Neto ficou inativo por algum tempo. Fez participações como comentarista esportivo na Record e na RedeTV!, até ser contratado em definitivo pela Rede Bandeirantes, em 1999, para exercer a mesma função. Está trabalhando na emissora até hoje e também em outras empresas do grupo, como o BandSports e a Rádio Bandeirantes.

Controvérsias

Com estilo polêmico e falastrão, teve diversos problemas durante a carreira de futebol e depois dela.

Em 1989, Neto entrou em atrito com o então técnico do clube, Emerson Leão, que não aceitava a falta de forma física do meia e o colocou para treinar em separado, ao lado de outros jogadores fora de forma. A atitude revoltou Neto.[12]

Em 1990, apesar da expectativa de sua convocação para a Copa do Mundo da Itália, o então técnico Sebastião Lazaroni decidiu não convocá-lo. O fato é ironizado pelo ex-atleta até hoje.[13][14] A campanha brasileira nesta edição foi considerada a pior desde 1966.

O fato que mais marcou negativamente sua carreira foi o cuspe que deu na face do árbitro José Aparecido de Oliveira, em derrota do Corinthians para o Palmeiras (Campeonato Paulista), no Morumbi, em 13 de outubro de 1991. Em razão do ato, Neto foi suspenso por quatro meses.[15] Mais de uma vez pediu desculpas pelo que ocorreu, afirmando forte arrependimento.[16]

No início de 2010, teve um desentendimento com o comentarista Benjamin Back no programa Jogo Aberto da Rede Bandeirantes. Após a discussão ao vivo, Benjamin pediu demissão da emissora.[carece de fontes?]

Em maio de 2013, ao entrevistar Mano Brown, rapper vocalista dos Racionais MC's, perguntou se foi o pai do cantor o responsável por influenciá-lo a torcer para o Santos. Contudo, de maneira desconcertante, Brown replicou que não conheceu seu genitor. Tentando corrigir a gafe, o apresentador ainda diria: "Também não fez muita falta, né?"[17]

Títulos

São Paulo
Corinthians
Matsubara
  • Citadino de Londrina: 1995
  • Campeonato do Interior Paranaense: 1995
Deportivo Italia
Artilharia
Prêmios individuais

Seleção da Bola de Prata da Revista Placar: 1991

Campanhas de destaque

Seleção Brasileira
Guarani
Corinthians

Homenagens

Neto foi homenageado por uma canção de Tom Zé, chamada Neto, o Craque da Copa, feita em 1990, em alusão à sua não convocação para a Copa do Mundo daquele ano.[18]

Recebeu os títulos de Cidadão Cotiano, em 2015,[19] e Cidadão Pedreirense, em 2022.[20]

Referências

  1. «Neto - José Ferreira Neto». sambafoot.com. 11 de junho de 2009. Consultado em 23 de abril de 2017 
  2. Valle, Emmanuel do (22 de julho de 2012). «Futebol olímpico: Quando chegamos bem perto do ouro – Parte 2». Lance!. Consultado em 23 de setembro de 2016 
  3. «Sport Club Corinthians». esporte.ig.com.br. iG Esporte. Consultado em 23 de abril de 2017 
  4. a b c d e «Neto ou Deyverson? Veja quem foi maior no futebol em oito quesitos - LANCE!». LANCE!. Consultado em 28 de setembro de 2022 
  5. Bosio, Fabrício (6 de novembro de 2011). «Que Fim Levou? Neto - Ex-meia do Corinthians e Guarani». IG. Consultado em 23 de abril de 2017 
  6. «Você Sabia? Neto marcou o único gol olímpico do São Paulo na Libertadores - Gazeta Esportiva». www.gazetaesportiva.com. Consultado em 27 de setembro de 2022 
  7. «Neto no São Paulo: passagem teve gol olímpico e frango de Zetti». ge. Consultado em 27 de setembro de 2022 
  8. «Bola de Prata de 1991». Vejaabril. 20 de fevereiro de 2017 
  9. Abbade, Nathalia (19 de fevereiro de 2021). «Craque Neto revela que quase foi para o Flamengo aos 17 anos: "Teria sido uma honra"». Bolavip. Consultado em 10 de junho de 2021 
  10. Cristaldo, Isabelly (21 de maio de 2021). «Neto revela qual foi o gol mais bonito de sua carreira e afirma: "Nenhum jogador da história do Maracanã conseguiu fazer"». Sportbuzz. Consultado em 10 de junho de 2021 
  11. «Folha de S.Paulo - Futebol: Em crise, Guarani contrata Neto para gerenciar o futebol - 21/08/2001». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 27 de setembro de 2022 
  12. «Neto recorda passagem por Palmeiras e briga com Leão: "Sem arrependimentos"». www.bol.uol.com.br. Consultado em 27 de setembro de 2022 
  13. «Neto diz que técnico da Copa de 90 fez 'um bem danado' ao não convocá-lo». www.uol.com.br. Consultado em 27 de setembro de 2022 
  14. «Neto revela mágoa por não ter disputado Copa de 1990: 'Absurdo'». R7.com. 26 de outubro de 2020. Consultado em 27 de setembro de 2022 
  15. «Douglas Costa e mais 10 jogadores que arrumaram confusão com cusparadas». UOL Esporte. Consultado em 27 de setembro de 2022 
  16. «Neto reencontra juiz em que cuspiu, diz que ato foi nojento, reforça perdão e emociona; assista». ESPN. 23 de junho de 2017. Consultado em 27 de setembro de 2022 
  17. Stycer, Mauricio (31 de maio de 2013). «Neto se atrapalha em entrevista com Mano Brown». UOL. Consultado em 23 de abril de 2017 
  18. «Tom Zé e Neto no canal livre». www.uol.com.br. Consultado em 27 de setembro de 2022 
  19. Câmara Municipal de Cotia. «Decreto Legislativo Nº 2/2015». legislacaodigital 
  20. Nº 09/2022, Câmara Municipal de Pedreira-DECRETO LEGISLATIVO. «Câmara Municipal de Pedreira - DECRETO LEGISLATIVO Nº 09/2022». www.camarapedreira.sp.gov.br. Consultado em 27 de setembro de 2022 

Ligações externas