Campeonato Venezuelano de Futebol

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Campeonato Venezuelano de Futebol
Primera División de Venezuela
Dados gerais
Organização FVF
Edições 96
Local de disputa  Venezuela
Número de equipes 18
Sistema Apertura e Clausura
Divisões
Primera División de VenezuelaSegunda División de VenezuelaTercera División de Venezuela
Soccerball current event.svg Edição atual
editar

O Campeonato Venezuelano de Futebol é a principal competição nacional de clubes de futebol da Venezuela, realizada pela Federación Venezolana de Fútbol.

A primeira edição da competição foi realizada no ano de 1921, ainda em formato amador. A partir de 1957, o campeonato foi profissionalizado.

A Primeira Divisão venezuelana conta atualmente com a participação de 18 clubes e é disputado em sistema de dois torneios: Torneo Apertura (disputado na segunda metade do ano) e Torneo Clausura (disputado na primeira metade do ano seguinte).

Os campeões dos dois torneios se enfrentam em uma final de ida-e-volta para definir o campeão nacional.

A classificação para a Copa Libertadores da América é obtida pelos campeões do Torneio Apertura e Clausura e pelo melhor colocado na tabela acumulada. A vaga na Copa Sul-americana fica com o 4º melhor colocado na tabela acumulada e com o campeão da Copa Venezuela. São rebaixados os dois últimos colocados na classificação geral.

Suas temporadas seguem o modelo semelhante ao do brasileiro, ou seja, começando num ano e terminando no mesmo, até 1986. A partir desse ano, suas temporadas passaram a seguir o calendário europeu, começando num ano e terminando no outro. Assim, o que seria o Campeonato Venezuelano de 1987 passou a ser o Campeonato Venezuelano de Futebol de 1986/1987.

História[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

16 de julho de 1876 é a data do primeiro registro de um jogo de futebol na Venezuela, organizado pelo professor galês A.W. Simpson: os britânicos, corsos e trinadianos participaram e a partida foi realizada em El Caratal, perto da cidade de El Callao.

No início de 1900, formaram-se associações urbanas formadas por crioulos e europeus que viviam em Caracas. No San Bernardino Sport Club, a partir de 1903, as equipes efêmeras foram agrupadas como Arizona, Cidade Nacional, Filadélfia, Nova Orleans, Olimpíadas e América. Criando em 1923 o "Tribunal Superior de Futebol", eles tinham pequenos campos, o mais notável era aquele que estava por trás da Igreja de Sabana Grande que se chamava "O Tâmisa".

Em 31 de janeiro de 1926, se formou a Federação Nacional de Futebol, no tribunal de Sarría's Brooklyn, com outras equipes como Venzóleo, Centro Atlético, Caracas Sport, Barcelona, ​​Campeador, Venezuela, Nueva Esparta, Aliança e o conseqüente Loyola. O Union Sport Club e o Dos Caminos Sport Club vieram mais tarde.

Esta primeira Federação Nacional de Futebol foi dissolvida em 1932 e substituída pela Liga venezuelana de Futebol até 1938 e depois a Associação Venezuelana de Futebol, que mais tarde se tornou a Federação Venezuelana de Futebol em 1951.

Era amadora[editar | editar código-fonte]

Neste estágio amador, entre 1921 e 1956, oficialmente reconhecido pela Federação Venezuelana de Futebol, o Union Sport Club foi campeão 7 vezes; Dos Caminos Sport Club com 6 títulos e o Litoral Sport Club com 5 títulos. Outras equipes como La Salle Football Club, o Banco Obrero, Deportivo Vasco da Universidade Central, Venzóleo, América Football Club, Athletic Center Sport Club, Loyola Sport Club Deportivo Venezuela também foram campeões neste curso de tempo.

Por volta de 1936, o então presidente Eleazar López Contreras ordenou a construção do Estádio Nacional do Paraíso em Caracas, onde o primeiro clássico do país entre o Loyola Sport Club e o Dos Caminos Sport Club foi jogado entre outros jogos. Neste estádio, foi jogado muito do nosso futebol "amador". A fachada do antigo Estádio Paraíso ainda é preservada, embora esteja escondida na entrada de um colégio nesta área da cidade.

Campeões da Era Amadora[editar | editar código-fonte]

Ano Campeão Vice-Campeão
1921 América FC Centro Atlético
1922 Centro Atlético Las América
1923 América FC Centro Atlético
1924 Loyola Vargas
1925 Centro Atlético Venzóleo
1926 Centro Atlético Venzóleo
1927 Venzóleo Centro Atlético
1928 Deportivo Venezuela Centro Atlético
1929 Deportivo Venezuela Unión
1930 Centro Atlético Unión
1931 Deportivo Venezuela Centro Atlético
1932 Unión Dos Caminos
1933 Deportivo Venezuela Dos Caminos
1934 Unión Dos Caminos
1935 Unión Dos Caminos
1936 Dos Caminos Centro Atlético
1937 Dos Caminos Litoral
1938 Dos Caminos Litoral
1939 Unión Litoral
1940 Unión Dos Caminos
1941 Litoral Dos Caminos
1942 Dos Caminos Loyola
1943 Loyola Litoral
1944 Loyola Dos Caminos
1945 Dos Caminos Loyola
1946 Deportivo Español Centro Atlético
1947 Unión Universidad Central
1948 Loyola Unión
1949 Dos Caminos Universidad Central
1950 Unión La Salle
1951 Universidad Central Loyola
1952 La Salle Loyola
1953 Universidad Central La Salle
1954 Deportivo Vasco Loyola
1955 La Salle Deportivo Español
1956 Banco Obrero La Salle

Futebol de colônias[editar | editar código-fonte]

Em 1951, inaugurou-se o Estádio Olímpico da Universidade Central da Venezuela, sede que estava ao serviço do futebol das colônias na Venezuela; Este campo viu o futebol amador virou futebol profissional, a transição foi estabelecida e em 1957 foi criada a Liga Mayor de Fútbol. A Seleção Venezuelana de Futebol fez seu primeiro jogo em 1938 com uma camisa Vinotinto e bermuda cinza, mas a seleção foi limitada a jogar torneios sem muita importancia, como pré-olímpico, Jogos Bolivarianos e Jogos Pan-americanos.

Esquadrão campeão do Deportivo Italia na temporada de 1961.

A Universidade Central ganhou o primeiro torneio profissional da Venezuela.

Sport Club Português, Espanhol Sport Club, Deportivo Vasco, Deportivo Italia, Catalunha, União Deportiva Canarias, Deportivo Celta, eram nomes das equipes mais consistentes nesta temporada, Deportivo Italia e Deportivo Português marcaria uma rivalidade que se estenderia ao longo de várias décadas. Nos próximos anos, esse protagonismo seria enfraquecido pela qualidade do futebol dessas equepe e uma por uma deixariam de protagonizar.

O Deportivo Portugués participou ininterruptamente de 1958 a 1982, nessas 24 temporadas foram campeões 4 vezes. O Deportivo Galicia seria interrompido de 1963 a 1982, depois reapareceu esporadicamente em 1987 e 1989, para finalmente desaparecer em 2001. Deportivo Italia foi o último a se separar. Desde 1959, o Deportivo Italia participou do futebol nacional até 1996, se juntou com o Município de Chacao e mudou seu nome para Deportivo Italchacao em 1999 e caiu para a Segunda Divisão em 2005. O clube volta a ser chamado de Deportivo Italia em 2008. Em 2010, o clube mudou seu nome e começou a se chamar Deportivo Petare e em 2015 mudou seu nome para Petare Fútbol Club.

Da Capital à Província[editar | editar código-fonte]

Na época, todas as equipes que participaram da liga eram de Caracas, a partir dos anos sessenta, as equipes das províncias começaram a jogar o campeonato. Isso deveu-se, em grande parte, aos problemas econômicos do país, já que não era mais uma "atração" para os empresários estrangeiros contratar nomes estrangeiros. Assim, equipes como Tiquire Flores de La Victoria, Lara FC e Valencia FC foram os primeiros exemplos.

O Valencia FC (1965) ganharia o seu único campeonato na temporada de 1971.

O Lara FC venceu o campeonato em 1965, essa foi a primeira equipe provincial a ganhar um torneio local e participar da Copa Libertadores da América. Era uma equipe composta em sua maioria por estrangeiros, sua equipe incluiu nomes como: apenas Argenis Tortolero e Rafael Naranjo eram venezuelanos.

Outros nomes como Mineros de Guayana apareceram em Puerto Ordaz e se tornou forte na década de 90, fazendo grandes campanhas com seu rival Minervén.

Equipes de San Cristóbal como Atlético San Cristóbal, Táchira Nacional e Deportivo Táchira também surgiram nessa época. Este último é considerado um dos grandes do futebol venezuelano e com uma fanática torcida distribuída por todo o país.

Perto de lá, surgiu o Estudantes de Mérida, um clube hoje com uma ótima tradição e botou a cidade de Mérida no mapa.

O "futebol moderno" nasceu e também a incompetência de seus gerentes. Em 1973, a Venezuela foi desfiliada da FIFA por uma divisão da Federação Venezuelana de Futebol pelos adversários que procuram o controle, impedindo a participação das equipes venezuelanas na Copa Libertadores naquele ano.

O Portuguesa Fútbol Club tornou-se uma potência, nascida no centro da planície, dominou a liga na década de 70 ganhando 5 títulos nacionais, sendo o primeiro (e até esse momento o único) cinco vezes campeão do país, este time chegou às semifinais da Copa Libertadores.

Mais tarde, outros representantes da capital apareceriam, o maior exemplo é o Caracas Fútbol Club , que nasceu em 1967, mas não funcionaria até a década de 80; Depois que a Organização Cocodrilos assumiu, seria um exemplo a seguir, uma vez que é a única equipe que consolidou o título de "clube", com sede própria e seu próprio estádio.

Consolidação da liga e crise[editar | editar código-fonte]

O futebol foi organizado no final da década de 1980, com representantes de quase todos os cantos do país. Com Marítimo, Mineros de Guayana, Minervén, Portuguesa, Estudantes de Mérida, Universidade de Los Andes, de tempos em tempos, Caracas e outros convidados fizeram o torneio muito agradável mas os bons desempenhos nacionais e internacionais foram prejudicados por algum problema econômico, gerencial ou simplesmente federativo.

O caso mais embaraçoso foi o do Marítimo. Em 1995, o Marítimo anunciou à liga que jogaria em um estádio de Guarenas, que o clube tinha remodelado e expandido atender às demandas; A Federação Venezuelana de Futebol monitorou o estádio e decidiu que ninguém poderia jogar lá. Em um ato desesperado da diretoria do Maritimo, conseguiram o empréstimo do Estádio Brígido Iriarte, que já os havia recebido em outras ocasiões, mas a federação não aprovou a mudança. O Maritimo decidiu então ir a um tribunal para resolver o caso, mas a FIFA é bastante clara e não permitiu que isso acontecesse, então a equipe lusitana não teve escolha senão sair.

Esse tipo de problema, acrescentando ao fato de que a federação mudava o formato da competição em quase todos os anos nos anos 90, a desordem tornou-se parte do futebol, afastando empresários e torcida.

No entanto, os clubes tiveram desempenhos notáveis, como o Estudiantes de Mérida na Copa Libertadores de 1999, chegando às quartas de final no comando de Richard Páez. Ato que lhe deu o mérito necessário para depois assumir a Seleção Venezuelana, onde ele faria um bom trabalho. O Deportivo Táchira também conseguiu atingir as quartas de final da Copa Libertadores de 2004 de forma invicta, mas depois foram derrotados pelo São Paulo. O Caracas também chegou às quartas de final na Copa Libertadores de 2009, sendo o campeão do seu grupo mas foi eliminada pelo Grêmio pelo gol fora de casa, o Caracas também conseguiu as semifinais da Copa Merconorte de 1999 mas perdeu para o Santa Fe nos pênaltis.

Anos recentes[editar | editar código-fonte]

Em 1986, a Conmebol começaria a realizar um sistema de rotação da sede para o seu evento máximo, a Copa América, para que todos os membros desse grupo pudessem organizar o torneio. A primeira foi na Argentina em 1987; Todos os membros da América do Sul passaram um por um; No início da nova década, coube à Venezuela organizar a Copa América. O resultado foi estádios renovados e outros totalmente novos, um novo Centro de Alto Desempenho para a seleção poderia se encontrar lá para preparar seus jogos, entre outros.

No início de maio de 2007, a Federação Venezuelana de Futebol, por recomendação da CONMEBOL, decidiu expandir o número de equipas participantes na Primeira Divisão, com o objetivo de aumentar o crescimento do futebol venezuelano e aumentar a qualidade da liga. para aproveitar a infra-estrutura deixada pela Copa América.

Sistema de competição[editar | editar código-fonte]

O campeonato da Primeira Divisão consiste em dois torneios: apertura e clausura; e cada uma com uma fase final. Os Torneios serão jogados em um único grupo de 18 equipes, todos contra todos em rodada única, com uma tabela de classificação independente. os 8 melhores em cada torneio se classificam para definir o campeão.

No final da temporada, as duas equipas localizadas nas duas últimas posições da tabela acumulada descem para a Segunda Divisão.

Se o Torneio Apertura e Clausura houver o mesmo vencedor, ele será automaticamente declarado campeão da Primeira Divisão e o vice-campeão seria aquele que obteve a segunda posição de uma Tabela Acumulada feita com a soma dos pontos obtidos em ambos os torneios. Por sua vez, o campeão terá o direito de jogar a Supercopa de Venezuela.

Série dos Campeões[editar | editar código-fonte]

A Série de Campeões, é disputada pelo Campeão do Torneio Apertura e do Clausura em jogos de ida e volta, essa série determinará o Campeão da Primeira Divisão e o classificado para a Supercopa.

Classificação para torneios internacionais[editar | editar código-fonte]

Classificação para a Copa Libertadores

  • Os campeões do Apertura e do Clausura se qualificam diretamente para a fase de grupos da Copa Libertadores. A posição Venezuela 1 vai cair no campeão absoluto, e Venezuela 2, será para o segundo lugar da temporada.
  • As quotas para as fases anteriores (Venezuela 3 e Venezuela 4) caem nas duas melhores pontuações da tabela acumulada da estação correspondente.
  • Se o mesmo clube for Campeão de ambos os torneios, ele terá o primeiro lugar. O clube que obtiver mais pontos na Tabela Acumulada ocupará o segundo lugar (Venezuela 2) e os seguintes que acumulam mais pontos na tabela acima mencionada participarão da fase eliminatória antes da Copa Libertadores (Venezuela 3 e Venezuela 4).

Classificação para a Copa Sul-Americana[editar | editar código-fonte]

  • O campeão da Copa da Venezuela se classifica a Copa Sulamericana como "Venezuela 1".
  • os vice-campeões do Apertura e do Clausura se classificam a Copa Sulamericana como Venezuela 3 e Venezuela 2, respectivamente.
  • A quota de (Venezuela 4) cai na melhor pontuação da tabela acumulada do ano correspondente que não se qualificou para torneios internacionais.

Descida para Segunda Divisão[editar | editar código-fonte]

  • Ao final da temporada, as duas equipas localizadas nas últimas duas posições da tabela acumulada descem para a Segunda Divisão.

Participantes de 2018[editar | editar código-fonte]

Equipe Cidade Estádio Capacidade
Academia Puerto Cabello Puerto Cabello La Bombonerita 7.000
Aragua Maracay Estadio Olímpico Hermanos Ghersi Páez 16.000
Atlético Venezuela Caracas Brígido Iriarte 10.000
Carabobo Valencia Estadio Misael Delgado 10.400
Caracas Caracas Estádio Olímpico de la Universidad Central de Venezuela 24.900
Deportivo Anzoátegui Barcelona Estádio José Antonio Anzoátegui 40.000
Deportivo Lara Barquisimeto Estádio Metropolitano de Fútbol de Lara 47.900
Deportivo La Guaira Caracas Estádio Olímpico de la Universidad Central de Venezuela 24.900
Deportivo Táchira San Cristóbal Estádio Polideportivo de Pueblo Nuevo 38.755
Estudiantes de Caracas Caracas Brígido Iriarte 10.000
Estudiantes de Mérida Mérida Estádio Metropolitano de Mérida 42.200
Metropolitanos Caracas Brígido Iriarte 10.000
Mineros de Guayana Ciudad Guayana CTE Cachamay 41.600
Monagas Maturín Estádio Monumental de Maturín 51.796
Portuguesa Araure Estadio General José Antonio Paez 18.000
Trujillanos Valera Estadio José Alberto Pérez 26.000
Zamora Barinas Estádio Agustín Tovar 24.396
Zulia F.C. Maracaibo Estádio José Encarnación Romero 45.000

Lista dos Campeões da Era Profissional[editar | editar código-fonte]

A Primeira Divisão se tornou profissional no dia 21 de Fevereiro de 1957.[1]

Ano Campeão Vice-Campeão Artilheiro(s)
1957 Universidad Central La Salle Brasil Tonho (Universidad Central, 12 gols)
1958 Portugués Español Venezuela René Irazque (Portugués, 6 gols)
1959 Español Portugués Espanha Abel Benítez (Español, 15 gols)
1960 Portugués Español Espanha José Luis Iglesias (Portugués, 9 gols)
1961 Deportivo Italia Banco Agrícola y Pecuario Venezuela Antonio Ravelo (Banco Agrícola y Pecuario, 11 gols)
1962 Portugués Universidad Central Brasil Jaime da Silva (Universidad Central, 16)
1963 Deportivo Italia Portugués Brasil Nino (Portugués, 15 gols)
1964 Galicia Tiquire Flores Brasil Helio Rodrigues (Tiquire Flores, 12 gols)
1965 Lara Deportivo Italia Argentina Mario Mateo (Lara, 16 gols)
1966 Deportivo Italia Portugués Brasil Ratto (Portugués, 20 gols)
1967 Portugués Galicia Brasil Joao Ramos (Portugués, 28 gols)
1968 Canarias Deportivo Italia Brasil Raimundinho (Portugués, 21 gols)
1969 Galicia Valencia Brasil Eustaquio Batista (Deportivo Italia, 19 gols)
Brasil Lelo (Valencia, 19 gols)
1970 Galicia Deportivo Italia Uruguai Roland Langon (Galicia, 13 gols)
1971 Valencia Deportivo Italia Brasil Agostinho Sabara (Tiquire Flores Aragua, 20 gols)
1972 Deportivo Italia Galicia Venezuela Francisco Rodriguez (Anzoátegui, 18 gols)
1973 Portuguesa Valencia Uruguai Jose Chiazzaro (Estudiantes, 14 gols)
1974 Galicia Portuguesa Uruguai Jose Chiazzaro (Estudiantes, 15 gols)
Uruguai Sergio Hugo Castillo (Anzoátegui Fútbol Club, 15 gols)
1975 Portuguesa Estudiantes Paraguai Pedro Pascual Peralta (Portuguesa, 20 gols)
1976 Portuguesa Estudiantes Paraguai Pedro Pascual Peralta (Portuguesa, 25 gols)
1977 Portuguesa Estudiantes Brasil Jairzinho (Portuguesa, 20 gols)
Brasil Juan Cesar Silva (Portuguesa, 20 gols)
1978 Portuguesa Galicia Brasil Andrade (ULA Mérida, 23 gols)
1979 Deportivo Táchira Galicia Uruguai Omar Ferrari (Deportivo Táchira, 15 gols)
1980 Estudiantes Portuguesa Brasil Wilfrido Campos (Portuguesa, 12 gols)
1981 Deportivo Táchira Estudiantes Colômbia Rafael Angulo (Deportivo Táchira, 14 gols)
1982 San Cristóbal Deportivo Táchira Uruguai German Montero (Estudiantes, 21 gols)
1983 Universidad de Los Andes Portuguesa Venezuela Johnny Castellanos (Atlético Zamora, 13 gols)
1984 Deportivo Táchira Deportivo Italia Brasil Sergio Meckler (Zamora, 15 gols)
1985 Estudiantes Deportivo Táchira Brasil Sergio Meckler (Deportivo Táchira, 17 gols)
1986 Deportivo Táchira Estudiantes Venezuela Wilton Arreaza (Caracas, 8 gols)
1986/87 Marítimo Unión Atlético Táchira Venezuela Johnny Castellanos (Portuguesa, 16 gols)
1987/88 Marítimo Unión Atlético Táchira Argentina Miguel González (Unión Atlético Táchira, 22 gols)
1988/89 Mineros Pepeganga Margarita Venezuela Johnny Castellanos (Mineros, 24 gols)
1989/90 Marítimo Unión Atlético Táchira Venezuela Herbert Márquez (Marítimo, 19 gols)
1990/91 Universidad de Los Andes Marítimo Venezuela Alexander Bottini (Monagas, 15 gols)
1991/92 Caracas Minervén Alemanha Andreas Vogler (Caracas, 25 gols)
1992/93 Marítimo Minervén Venezuela Herbert Márquez (Marítimo, 21 gols)
1993/94 Caracas Trujillanos Colômbia Rodrigo Soto (Trujillanos, 20 gols)
1994/95 Caracas Minervén Brasil Rogeiro da Silva (Mineros, 30 gols)
1995/96 Minervén Mineros Venezuela Jose Luis Dolgetta (Caracas, 24 gols)
1996/97 Caracas Atlético Zulia Venezuela Rafael Castellín (Caracas, 19 gols)
1997/98 Atlético Zulia Estudiantes Venezuela Jose Luis Dolgetta (Estudiantes/Carabobo, 22 gols)
1998/98 Deportivo Italchacao Unión Atlético Táchira Colômbia Gustavo Fonseca (Internacional Lara, 24 gols)
1999/00 Deportivo Táchira Deportivo Italchacao Venezuela Juan Enrique García (Caracas, 24 gols)
2000/01 Caracas Trujillanos Argentina Martín Brignani (Estudiantes, 12 gols)
2001/02 Nacional Táchira Estudiantes Venezuela Juan Enrique García (Nacional Táchira, 34 gols)
2002/03 Caracas Maracaibo Venezuela Juan Enrique García (Monagas/Mineros, 19 gols)
2003/04 Caracas Deportivo Táchira Venezuela Juan Enrique García (Mineros, 18 gols)
2004/05 Maracaibo Caracas Argentina Daniel Delfino (Carabobo, 19 gols)
2005/06 Caracas Maracaibo Venezuela Juan Enrique García (Deportivo Táchira, 21 gols)
2006/07 Caracas Maracaibo Colômbia Robinson Rentería (Trujillanos, 19 gols)
2007/08 Deportivo Táchira Caracas Venezuela Alexander Rondon (Deportivo Anzoátegui, 19 gols)
2008/09 Caracas Deportivo Italia Venezuela Daniel Arismendi (Maracaibo/Deportivo Táchira, 17 gols)
Venezuela Heatklif Castillo (Aragua, 17 gols)
2009/10 Caracas Deportivo Táchira Colômbia Norman Cabrera (Atlético El Vigía, 20 gols)
2010/11 Deportivo Táchira Zamora Venezuela Daniel Arismendi (Deportivo Anzoátegui, 20 gols)
2011/12 Deportivo Lara Caracas Venezuela Rafael Castellín (Deportivo Lara, 21 gols)
2012/13 Zamora Deportivo Anzoátegui Panamá Gabriel Torres (Zamora, 19 gols)
2013/14 Zamora Mineros Venezuela Juan Falcón (Zamora, 19 gols)
2014/15 Deportivo Táchira Trujillanos Panamá Edwin Aguilar (Deportivo Táchira, 23 gols)
2015 Zamora Deportivo La Guaira Venezuela Manuel Arteaga (Zulia, 17 gols)
2016 Zamora Zulia Flag of Panama.svg Gabriel Torres (Zamora, 24 gols)
2017 Monagas Deportivo Lara Venezuela Anthony Blondell (Monagas, 19 gols)

Títulos por clube[editar | editar código-fonte]

Clube Cidade Títulos Vices
Caracas Caracas 11 (1991/92, 1993/94, 1994/95, 1996/97, 2000/01, 2002/03, 2003/04, 2005/06, 2006/07, 2008/09 e 2009/10) 3 (2004/05,2007/08 e 2011/12)
Deportivo Táchira San Cristóbal 8 (1979, 1981, 1984, 1986, 1999/00, 2007/ 08, 2010/11 e 2014/15 ) 4 (1982, 1985, 2003/04 e 2009/10)
Unión Caracas 7 (1932, 1934, 1935, 1939, 1940, 1947 e 1950) 3 (1929, 1930 e 1948)
Dos Caminos Caracas 6 (1936, 1937, 1938, 1942, 1945 e 1949) 7 (1932, 1933, 1934, 1935, 1940, 1941 e 1993/94)
Deportivo Petare (Antigo Deportivo Italia e Italchacao) Caracas 5 (1961, 1963, 1966, 1972 e 1998/99) 7 (1965, 1968, 1970, 1971, 1984, 1999/98 e 2008/09)
Portuguesa Acarigua 5 (1973, 1975, 1976, 1977 e 1978) 3 (1974, 1980 e 1983)
Marítimo Caracas 4 (1986/87, 1987/88, 1989/90 e 1992/93) 1 (1990/91)
Zamora Barinas 4 (2012/13, 2013/14, 2015 e 2016) 1 (2010/11)
Deportivo Galicia Caracas 4 (1964, [969, 1970 e 1974) 6 (1966, 1967, 1972, 1975, 1978 e 1979)
Loyola Caracas 4 (1924, 1943, 1944 e 1948) 5 (1942, 1945, 1951, 1952 e 1954)
Centro Atlético - 4 (1922, 1925, 1926 e 1930) 7 (1921, 1923, 1927, 1928, 1931, 1936 e 1946)
Deportivo Portugués Caracas 4 (1958, 1960, 1962 e 1967) 2 (1959 e 1963)
Deportivo Venezuela - 4 (1928, 1929, 1931 e 1933) 0
Universidad Central Caracas 3 (1951, 1953 e 1957) 3 (1947, 1949 e 1962)
Estudiantes de Mérida Mérida 2 (1980 e 1985) 6 (1976, 1977, 1981, 1986, 1997/98 e 2001/02)
Universidad de Los Andes Mérida 2 (1983 e 1990/91) 0
La Salle Caracas 2 (1952 e 1955) 4 (1950, 1953, 1956 e 1957)
Deportivo Español Caracas 2 (1946 e 1959) 3 (1955, 1958 e 1960)
América FC - 2 (1921 e 1923) 1 (1922)
Litoral - 1 (1941) 4 (1937, 1938, 1939 e 1943)
Minervén Puerto Ordaz 1 (1995/96) 3 (1991/92, 1992/93 e 1994/95)
Atlético Zulia Maracaibo 1 (1997/98) 1 (1996/97)
Unión Táchira San Cristóbal 1 (1985/86) 4 (1986/87, 1987/88, 1989/90 e 1998/99)
Maracaibo Maracaibo 1 (2004/05) 3 (2002/03, 2005/06 e 2006/07)
Valencia Valencia 1 (1971) 2 (1969 e 1973)
Venzóleo - 1 (1927) 2 (1925 e 1926)
Mineros de Guayana Ciudad Guayana 1 (1988/89) 1 (1995/96)
Atlético San Cristobal San Cristóbal 1 (1982) 0
Banco Obrero - 1 (1956) 0
Deportivo Canarias Caracas 1 (1968) 0
Deportivo Vasco - 1 (1954) 0
Lara Barquisimeto 1 (1965) 0
Deportivo Lara Barquisimeto 1 (2011/12) 0
Nacional Táchira San Cristóbal 1 (2001/02) 0
Trujillanos Valera 0 2 (1993/94 e 2000/01)
Monagas Maturín 1
Pepeganga Margarita Porlamar 0 1 (1988/89)
Tiquire Flores Maracay 0 1 (1964)
Vargas La Guaira 0 1 (1924)
Zulia Maracaibo 0 1 (2016)
Banco Agricola y Pecuario 0 1 (1961)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  1. «Se cumplen 54 años del primer partido de fútbol profesional en Venezuela» (em Spanish). avn.info.ve. 21 de fevereiro de 2011. Consultado em 17 de junho de 2014