Campeonato Colombiano de Futebol

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Campeonato Colombiano de Futebol
Liga Águila
Dados gerais
Organização Colfútbol
Edições 85
Local de disputa  Colômbia
Número de equipes 20
Sistema Apertura e Finalización
Soccerball current event.svg Edição atual
editar

O Campeonato Colombiano de Futebol é oficialmente conhecido como Categoría Primera A ou Liga Aguila. A primeira edição aconteceu em 1948, tendo como campeão o Santa Fe.

Desde o seu profissionalismo em 1948, o torneio foi disputado por 69 anos (incluindo a temporada cancelada em 1989) e 53 títulos foram premiados em torneios longos e 32 em torneios curtos, para um total de 85 títulos oficiais, sendo o Atlético Nacional de Medellín o time mais vencedor na primeira divisão da Colômbia, obtendo 16 títulos, o segundo maior vencedor é Millonarios de Bogotá, que registra 15 títulos, seguido do América de Cali, que conquistou 13 títulos.

De acordo com o ranking de 2017 da IFFHS, a primeira categoria A é a 6ª liga profissional mais forte do mundo. Enquanto isso, é classificada como a terceira melhor na América no século 21, apenas atrás do Campeonato Brasileiro da Serie A e da Primeira Divisão da Argentina, respectivamente, de acordo com a mesma entidade.

História[editar | editar código-fonte]

Antecedentes e amadorismo[editar | editar código-fonte]

Equipe de 1922 do Medellín Foot Ball Club que conquistou 2 campeonatos nacionais em 1918 e 1920.

Não se sabe com certeza como o futebol chegou ao país, embora o primeiro jogo oficial tenha acontecido em 6 de março de 1908, uma partida organizada e arbitrada na cidade costeira de Barranquilla. Naquela cidade, eles começaram a fazer campeonatos entre equipes formadas por bairros. Bogotá também foi pioneira com a organização de pequenos campeonatos.

Em 1912, o Cali Football Club nasceu no departamento do Valle del Cauca; Em 1913, o Medellín Football Club nasceu no departamento de Antioquia; Mais tarde, mais equipas seriam fundadas, mas um fato notável dessa época é a criação da Associação Colombiana de Futebol sob o nome de Liga de Fútbol que foi reconhecido pela FIFA, mas, a Associação não era organizada e falhou na tentativa de criar o futebol profissional.

1948: futebol profissional[editar | editar código-fonte]

O nascimento do futebol profissional colombiano está diretamente relacionado à criação da Divisão Maior do Futebol Colombiano, que foi fundada em 27 de junho de 1948 em Barranquilla, precisamente com o objetivo de organizar um torneio de futebol profissional no país. Nessa reunião, a data de início do campeonato foi aprovada em 15 de agosto do mesmo ano. A partida inaugural da primeira temporada, foi entre o Atlético Municipal de Medellín e a Universidade Nacional de Bogotá com um resultado final de 2-0, o primeiro gol do campeonato e do futebol profissional colombiano, foi feito por Rafael Serna. Naquele primeiro torneio, o campeão foi o Independiente Santa Fe e o vice-campeão foi o Atlético Junior.

El Dorado[editar | editar código-fonte]

Os argentinos José Manuel Moreno, Alfredo Di Stefano e o brasileiro Garrincha foram três dos mais importantes jogadores estrangeiros que jogaram no futebol colombiano.

Los argentinos José Manuel Moreno, Alfredo Di Stefano, y el brasileño Garrincha fueron tres de los jugadores extranjeros más importantes que jugaron en el fútbol colombiano.

Na temporada de 1949, devido a uma greve no futebol argentino, começou a era do El Dorado, período em que muitas estrelas foram levados para jogar na Colômbia. Alfredo Di Stéfano e Adolfo Pedernera foram contratados pelo Millonarios de Bogotá, Valeriano Lopez e outros peruanos foram contratados pelo Deportivo Cali, onde formaram o sensacional Black Roller. o Independiente Medellin contratou Roberto Tito Drago e Titina Castillo, apelidado de "La Danza del Sol" pelo seu futebol.

Nessa temporada, o Millonarios de Bogotá obteve sua primeira conquista.

1950-1959[editar | editar código-fonte]

Em 1950, o Deportes Caldas (equipe que depois se fundiu com o Once Deportivo e formou o Once Caldas) foram a surpresa e foi campeão pela primeira vez em sua história. Nos anos seguintes, o Millionarios conseguiriam o tricampeonato em 1951, 1952 e 1953, aproveitando ao máximo as figuras do El Dorado.

Em 1954, o Atlético Nacional venceu o seu primeiro campeonato, num torneio que foi marcado pela crise económica devido ao fim do El Dorado, que obrigou várias equipas a encerrarem suas atividades. Em 1955, o Independiente Medellín venceu seu primeiro campeonato. Em 1956, o Deportes Quindío foi coroado campeão pela primeira e até agora, a única vez em sua história.

O torneio de 1957 foi um dos mais longos e confusos na história do futebol colombiano; A primeira fase foi feita em ida e volta, os 8 classificados iriam para uma fase octogonal, a qual apenas jogou 3 jogos pois as equipes eliminadas protestaram, principalmente pela importância dos eliminados: o Atlético Nacional, América de Cali, Atlético Bucaramanga e Millonarios. O torneio foi conquistado pelo Independiente Medellín, sendo o último campeonato que ganhou em 45 anos. No ano seguinte, o Independiente Medellín, se aposentaria devido a problemas econômicos.

Em 1958, o Independiente Santa Fe voltou a ganhar o campeonato depois de 10 anos ocupando posições intermediárias. No penúltimo jogo, Santa Fe e Millonarios foram a 46 pontos. Na última rodada, o Millonarios visitou o Cúcuta Deportivo e empatou por 2-2, enquanto o Santa Fe venceu por 2-0 o Atlético de Manizales. Nesse ano, o Boca Juniors de Cali anunciou a aposentadoria definitiva do campeonato.

Em 1959, com a criação da Copa Libertadores de América pela Confederação Sul-Americana de Futebol, pela primeira vez na história, uma equipe colombiana participaria de um torneio internacional oficial. O campeão foi o Milionários de Bogotá, alcançando seu quinto título. Esta equipe representaria a Colômbia na Copa Libertadores de 1960, onde chegaria às semifinais.

1960-1969[editar | editar código-fonte]

O torneio de 1960 foi jogado com as mesmas 12 equipes da temporada anterior, o que aconteceu pela primeira vez desde que o futebol profissional colombiano foi criado em 1948. O campeão desta edição foi o Independiente Santa Fe, alcançando sua terceira conquista. O vice-campeão foi o América de Cali.

Os próximos quatro anos seriam um despertar azul, com Millonarios de Julio Cozzi e depois de Gabriel Ochoa Uribe ganhando os campeonatos de 1961, 1962 e 1963. Em 1964, os Milionários se tornaram o primeiro time a ganhar um tetracampeonato, desta vez dirigido pelo brasileiro João Avelino, que mais tarde devido a problemas de saúde, se aposentou em meados do ano, sendo substituído por seu assistente, Efraín Sánchez.

Em 1965, o Deportivo Cali ganhou seu primeiro título, em uma temporada marcada pelo famoso Cisma do futebol colombiano, o que fez a Colômbia não participar da Copa Libertadores de América em 1965 e 1966. Em 1966, o Independiente Santa Fe volta a ganhar o campeonato sendo dirigido por Gabriel Ochoa Uribe. Em 1967, o Deportivo Cali ganhou seu segundo campeonato. Mas em 1968, o União Magdalena foi a surpresa e conquistou o seu primeiro e único título da sua história. Em 1969, o Deportivo Cali ganhou o título novamente.

1970-1979[editar | editar código-fonte]

Em 1970, o Deportivo Cali ganhou o seu quarto título e o que é até agora o seu único bicampeonato na história. Em 1971, o campeão foi o Independiente Santa Fe, obtendo assim seu quinto título do campeonato.

Em 1972 e depois de 8 anos, o Millonarios ganhou seu décimo título depois de ganhar um triangular final contra Deportivo Cali e Junior de Barranquilla. Em 1973, o Atlético Nacional venceu o seu segundo título depois de 19 anos, depois de vencer o Millonarios e novamente o Deportivo Cali. Em 1974, o Deportivo Cali ganhou seu quinto título depois de terminar em primeiro no hexágono final; Este seria o seu último títulos em 22 anos.

Em 1975, o Independiente Santa Fe sendo comandado pelo chileno Francisco Hormázabal obteve seu sexto título e o último em 37 anos.

O torneio de 1976 foi novamente disputado por Millonarios, Atlético Nacional e Deportivo Cali, e, como aconteceu em 1973, o Atlético Nacional venceu no hexágono final, ganhando assim seu terceiro título. Em 1977, o Atlético Junior ganhou seu primeiro título no hexágono final. O treinador do time de Barranquilla foi Juan Ramón Verón.

Em 1978, o Millonarios conquistou seu décimo primeiro títulos depois de ganhar o quadrangular final. A nível internacional, o Deportivo Cali chegou a final da Copa Libertadores perdendo para o Boca Juniors. Desta forma, o Deportivo Cali tornou-se a primeira equipe colombiana a chegar a uma final internacional.

Em 1979 e depois de 31 anos em branco, o América de Cali alcançou seu primeiro título profissional sendo comandado por Gabriel Ochoa Uribe.

1980-1989[editar | editar código-fonte]

Em 1980, o Atlético Junior e o Deportivo Cali foram novamente protagonistas do futebol colombiano. O Junior de Barranquilla ganhou o quadrangular final, conseguindo assim sua segunda estrela. Em 1981, nas mãos de Osvaldo Zubeldía, o Atlético Nacional ganhou o seu quarto título contra o surpreendente Deportes Tolima.

Os anos seguintes foram o melhor momento do América de Cali, porque alcançaria o que até hoje é o maior recorde de campeonatos consecutivos, o clube conseguiu o pentacampeonato conquistando os campeonatos de 1982, 1983, 1984, 1985 e 1986. Todos os títulos foram conquistados no comando de Gabriel Ochoa Uribe. Da mesma forma, o América alcançaria três finais consecutivas da Copa Libertadores, perdendo para o Argentinos Juniors (1985), para o River Plate (1986) e para o Peñarol (1987).

Em 1987, no comando de Luis Augusto García, o Millonarios venceu o campeonato e estabeleceu 22 jogos sem perder. Em 1988, o clube conseguiu o bicampeonato e seu 13 título.

Em 1989, o Milionários e o Junior foram os únicos dois times que já tinham sido classificados para o quadrangular final, mas quando o torneio estava se aproximando desse quadrangular, o Cartel de Medellin assassinou em Medellín, o árbitro de Barranquilla, Álvaro Ortega, após o jogo entre Independiente Medellín e América de Cali. Isso causou o cancelamento do torneio daquele ano.

O único título concedido nesse ano foi a Copa da Colômbia conquistada pelo Independiente Santa Fe. No entanto, o destaque do ano foi o título do Atlético Nacional na Copa Libertadores depois de vencer o Olimpia nos pênaltis, sendo o primeiro time colombiano a vencer o troféu.

1990-1999[editar | editar código-fonte]

Em 1990 e após o cancelamento do torneio anterior, o América de Cali alcançaria seu sétimo título no comando de Gabriel Ochoa Uribe, sendo este o último para o técnico de Antioquia. No entanto, em 1991 e sob o comando de Hernán Darío Gómez, o Atlético Nacional ganharia seu quinto campeonato. Nesse mesmo ano, a primeira categoria B foi criada.

Em 1992, o América de Cali sendo comandado por Francisco Maturana obtéve seu oitavo título, derrotando o Deportivo Cali em seu último jogo.

Em 1993, parecia que o Independiente Medellín ganharia seu primeiro título desde 1957. Eles ganharam seu jogo por 1-0 e, nesse ponto, o Junior empatava com o América por 2-2 em Barranquilla, mas Oswaldo Mackenzie fez um gol nos segundos finais e a equipe de Barranquilla foi campeão após 13 anos de espera.

Em 1994, o Atlético Nacional venceu o campeonato, alcançando assim o seu sexto título. Foi um título emocionante, já que Andrés Escobar foi assassinado meses atrás, depois de marcar um gol contra na Copa do Mundo de 1994 nos Estados Unidos, fato que gerou a eliminação da Seleção colombiana na Copa do Mundo.

Em 1995, um torneio seria jogado que duraria um único semestre, já que no próximo, o calendario se adaptaria ao formato europeu. Nesta edição, o Junior de Barranquilla foi campeão depois de uma disputa intensa com o América de Cali que foi vice-campeão. Neste ano, o Atlético Nacional chegou à final da Copa Libertadores pela segunda vez, desta vez perdendo para o Grêmio.

No torneio de 1995/96, o Deportivo Cali voltou a se tornar campeão após 22 anos depois de empatar em 0-0 contra o América de Cali. A invasão dos torcedores no campo quando o jogo terminou impediu que os jogadores de Fernando "El Pecoso" Castro pudessem dar uma volta olímpica. Nesse mesmo ano, o América de Cali retornaria à final da Copa Libertadores, voltando a perder desta vez para o River Plate, como aconteceu há 10 anos.

O torneio de 1996/97 foi o mais longo, já que durou 16 meses. Na primeira fase, o América de Cali venceu e no torneio Adecuación foi disputada uma final sem precedentes entre Atlético Bucaramanga e Deportes Quindío. A final foi vencida pela equipe canariana que passou a disputar o título contra o América de Cali. O título foi conquistado pela pintura escarlate, sendo seu nono título em sua história.

Em 1998, o Once Caldas liderou o torneio durante todo o ano estabelecendo um recorde de pontos. Mas o Deportivo Cali acabou ganhando o campeonato pela sétima vez ganhando por 4-0 na final.

Em 1999, o Atlético Nacional venceu seu sétimo título em uma disputa por pênaltis em cima do América de Cali na primeira final definida nos pênaltis. Naquele ano, o Deportivo Cali chegou à final da Copa Libertadores, perdendo para o Palmeiras nos pênaltis.

2000-2009[editar | editar código-fonte]

Nos anos de 2000 e 2001, o América de Cali alcançou o bicampeonato no comando de Jaime de la Pava, esses seriam os últimos torneios ganhos pelo treinador.

Para 2002, a Assembléia Geral dos Clubes aprovou que o torneio profissional seria jogado por 18 equipes. Além disso, o campeonato de 2002 foi dividido em dois (Abertura e Clausura), de acordo com os líderes, para chamar mais atenção dos fãs e fazer com que eles fiquem mais interessados no campeonato. Assim, o sistema quadrangular semifinal foi implementado, onde as oito melhores equipes do semestre avançaram para um estágio semifinal de dois grupos: "A" e "B". O primeiro de cada grupo, se qualifica para a final para definir o campeão. No Apertura, a América de Cali conquistou o tricampeonato depois de vencer o Atlético Nacional nas duas finais. No Torneio Final de 2002, o campeão seria o Independiente Medellín após 45 anos, depois de vencer o surpreendente Deportivo Pasto.

No Apertura de 2003, outra equipe seria campeã depois de um longo período de tempo. Desta vez, seria o Once Caldas, que venceu o Junior de Barranquilla na final. Desta forma, a equipe branca ganharia seu segundo título depois de 53 anos. No clausura, o surpreendente Deportes Tolima venceu nos pênaltis contra o favorito Deportivo Cali.

No Apertura de 2004, o Independiente Medellín venceu seu quarto campeonato depois de vencer o Atlético Nacional na final. No clausura, o Atletico Nacional chegou na final novamente, mas foi vencido pelo Júnior de Barranquilla nos pênaltis por 5-3. Esta temporada ficou marcada pelo título do Once Caldas na Copa Libertadores sobre o Boca Juniors nas pênaltis. O Boca Juniors desperdiçou as 4 penalidades com uma ótima performance de Juan Carlos Henao, fazendo com que o Once Caldas ganhe a segunda Libertadores para a Colômbia.

Encontro disputado entre Deportivo Cali e Independiente Santa Fe.

No Apertura 2005, o Atletico Nacional ganhou seu oitavo campeonato depois de vencer o Independiente Santa Fe na final. No clausura, o Deportivo Cali ganhou o seu oitavo título depois de vencer o surpreendente Real Cartagena que havia sido recentemente promovido a primeira divisão.

Desde 2006, a última equipe na tabela de médias de pontos (um cálculo baseado nas performances em pontos dos últimos três torneios na Primeira Divisão) é rebaixada para a categoria primeiro B sendo substituído pelo campeão desse torneio, enquanto o segundo colocado do primeiro B deve enfrentar um duelo de ida e volta contra o segundo pior nas médias de pontos.

Nesta temporada, duas equipes ganharam títulos pela primeira vez em sua história. No Apertura, o Deportivo Pasto foi dirigido por Oscar Quintabani, que após se classificar em oitavo chegou à final onde venceu o Deportivo Cali. No clausura, o campeão foi o Cúcuta Deportivo que tinha subido de divisão naquela temporada após 9 anos na Segunda Divisão. Na final, eles venceram o Deportes Tolima.

O ano de 2007 será lembrado pelos fãs do Atlético Nacional, pois o clube conseguiu ganhar os dois campeonatos. Em ambas as finais, o Atlético Nacional venceu equipes que nunca tinham chegado a final. No Apertura venceu o Atlético Huila e no Clausura venceu o La Equidad, a equipe estreou na primeira divisão naquele ano. Ambos os torneios foram conquistados sob o comando de Oscar Quintabani.

Em 2008, outra equipe dos chamados pequenos conquistou seu primeiro título. O apertura foi conquistado pelo Boyacá Chicó, comandado por Alberto Gamero, que venceria o final do Apertura nos pênaltis sobre o América de Cali. No entanto, a equipe "escarlate" se vingou no Clausura e, depois de 6 anos, ganhou um título ao vencer o Independiente Medellín na final. Desta forma, aqueles dirigidos por Diego Edison Umaña se equivaleram ao Millonarios em campeonatos ganhos (13 títulos).

No Apertura de 2009, o Once Caldas conquistou o seu terceiro título sobre o Junior de Barranquilla por 5-2 no agregado. No clausura, o Independiente Medellín venceu na final o Atlético Huila conquistando seu 5º título da liga. Além disso, no campeonato desse ano, Jackson Martinez quebraria o recorde de Leider Preciado de mais golos em um curto torneio (18 gols) com 19 golos.

2010-2014 - A Liga Postobón[editar | editar código-fonte]

Troféu que foi dado ao campeão da Liga de 2010 a 2014.

Para o Torneio Apertura de 2010, a Postobón começou a patrocinar o futebol profissional colombiano. Os grupos foram substituídos por uma semifinal nas quais se classificaram apenas as 4 primeiras equipas (1x4 e 2x3), devido à Copa do Mundo realizada na África do Sul. Sob este formato, o Junior alcançou sua sexta conquista enfrentando o La Equidad na final. Já no clausura, o sistema de grupos volta e o Once Caldas alcançou sua quarta conquista em uma final inédita contra o Deportes Tolima.

Na temporada de 2011, o sistema quadrangular semifinal foi modificado devido à Copa do Mundo sub-20 realizada na Colômbia e a Copa América que foi jogada na Argentina. Nisto, as oito equipes classificadas se enfrentaram por sorteio nas quartas de final, onde os vencedores foram para as semifinais e depois para a grande final.

Sob este formato, no Apertura 2011, o Atlético Nacional venceu seu décimo primeiro campeonato sobre o La Equidad nos pênaltis. No clausura, o Junior de Barranquilla venceu a final contra o Once Caldas e conquistou assim o seu sétimo título e se vingando da final de 2009.

Nessa temporada, o América de Cali, uma das maiores equipes da Colômbia, caiu para o primeiro B pela primeira vez em sua história depois de perder nos pênaltis contra o Patriotas Boyacá, tornando-se assim a primeira grande equipe a descer para segunda categoria da Colômbia.

Em 2012, após a Copa do Mundo sub-20 realizada na Colômbia, o antigo sistema de semifinais foi implementado. Os vencedores de 2012 foram os dois times tradicionais de Bogotá, Independente Santa Fe e Millonarios que foram coroados depois de 37 e 24 anos sem conquistar o título, respectivamente. No Apertura, o Independente Santa Fé venceu o Deportivo Pasto na final e obteve assim seu 7º título. No Clausura, os Milionários venceram o Independiente Medellin nos pênaltis e se tornou novamente a maior equipe campeã da Colômbia, superando por um título o América de Cali (14 a 13).

Na temporada de 2013, os torneios foram realizados com o tradicional sistema de jogo quadrangular semifinal. O Torneio Apertura de 2013 foi conquistada pelo Atlético Nacional, que venceu a final contra o Deportes Tolima e conquistou o seu 12ª título no Futebol Colombiano. No Clausura, O Atlético Nacional conseguiu obter o seu segundo bicampeonato (após o alcançado em 2007) e o título de número 13 (atingindo o número de títulos do América de Cali) sendo comandado por Juan Carlos Osorio, impondo um estilo de jogo de posse de futebol. O Atlético Nacional ganhou a final contra o Deportivo Cali.

No Torneio Apertura de 2014, o Atlético Nacional venceu mais uma vez, dessa vez vencendo nos pênaltis o Junior graças ao goleiro argentino Franco Armani. Assim, o Atlético Nacional obteve sua 14ª conquista e, consequentemente, empatou com os Millionarios no número de títulos. No Clausura de 2014, o Independiente Santa Fe obteve o seu 8º título batendo o Independiente Medellín na final.

2015 - A era Águila[editar | editar código-fonte]

Euforia 2.0, a bola de futebol oficial da Colômbia em 2017.

Em 2014, Dimayor, em uma assembléia realizada em outubro, chegou a um consenso sobre uma mudança de formato para a temporada de 2015: o número de equipes participantes subiu de dezoito para vinte equipes.

No Torneio Apertura de 2015, o campeão foi o Deportivo Cali que ganhou a final do Independiente Medellín. A equipe "açúcar" foi campeão depois de 9 anos e meio com uma equipe que era tinha apenas 22,3 anos de idade média. No Clausura, o campeão foi o Atlético Nacional que vencer o Junior na final.

No Torneio Apertura de 2016, o Independente de Medellin voltou a ser campeão depois de sete anos. O clube ganhou a final contra a equipe do Atlético Huila e obteve assim seu sexto título no torneio nacional. No Clausura de 2016, o campeão seria o Independente Santa Fe vencendo na final o Deportes Tolima, impondo um jogo de estilo uruguaio e terminando 15 jogos invicto na liga.

No Apertura de 2017, o Atlético Nacional ganhou seu décimo sexto título ganhando do Deportivo Cali na final. No Clausura de 2017, o Millonarios venceu seu 15ª campeonato em uma final inédita contra o Santa Fe.

Sistema do Campeonato[editar | editar código-fonte]

O torneio de um ano é dividido em duas fases: abertura (de fevereiro a junho) e clausura (de julho a dezembro).

As fases durante cada torneio são:

  • Todos contra todos: a partir de 2015, são jogadas 20 jogos para cada equipe.
  • Quartas de final: as oito melhores equipes do campeonato são classificadas de acordo com a classificação da primeira fase e são divididas: as 4 primeiras equipas em uma chave e as 4 últimas equipes em outra chave.
  • Semifinal: As 4 equipes vencedoras disputam as semifinais da liga.
  • Final: os dois times vencedores se enfrentam para definir o campeão, que obterá o título de campeão do futebol colombiano, o segundo jogo é jogado no campo da equipe com a melhor classificação.

Classificação para a Copa Libertadores[editar | editar código-fonte]

A Colômbia tem dois lugares diretos para a fase de grupos da Copa Conmebol Libertadores e dois para a primeira fase em um total de quatro lugares. Os campeões dos torneios são inscritos na fase de grupos. No caso de o mesmo time ganhar os dois torneios do ano, uma cota direta será aberta para a equipe que obtém o melhor resultado na soma do ano.

A equipe com a melhor pontuação total dos torneios Apertura e clausura, e que não ganhou nenhum dos torneios em disputa, obtém o terceiro lugar na Copa Libertadores. A quarta equipe é o campeão da Copa da Colômbia.

Classificação para a Copa Sulamericana[editar | editar código-fonte]

Para a Copa Conmebol Sulamericana, a Colômbia tem quatro lugares diretos para a primeira fase. Estes lugares são ganhos pelo melhor colocado dentro da tabela de pontuação acumulativa do ano, não classificado na Copa Conmebol Libertadores.

Descida para o primeiro B[editar | editar código-fonte]

A tabela média para a descida é o que determina as equipes que descerão para a primeira categoria B por temporada. Essa tabela é a soma total de pontos nas fases, todos contra todos os dois últimos anos do campeonato e o novo ano em que o torneio é jogado. Exemplo: todas as fases de todos os torneios 2011-I, 2011-II, 2012-I, 2012-II, 2013-I e 2013-II são levadas em consideração para a descida na temporada 2013.

Para obter a média, o total de pontos obtidos é adicionado e dividido no número de jogos jogados.

Troféus[editar | editar código-fonte]

O troféu atribuído ao campeão da Primeira Divisão tem mais de 60 anos. É feito pela joalharia Solórzano Silverware, feita em prata alemã, pesa cerca de 5 quilos e mede aproximadamente 90 centímetros. A forma do troféu sempre foi a mesma, apenas seu tamanho mudou; Seu valor aproximado é de 5 milhões de pesos. O original tem a figura da vitória alada de Samotraça, que representa o triunfo esportivo.

A partir da chegada de Postobón como patrocinador do campeonato, dois troféus são premiados. O tradicional do Dimayor e um dos patrocinadores, quando, em 2010, o concurso de mudança de patrocinador foi feito para escolher o novo troféu, o design vencedor foi o de um grupo de alunos da Universidade Nacional de Palmira, Valle del Cauca.

O troféu original está nos escritórios do Dimayor, então cada time que é campeão consagrado recebe uma réplica exata que pode ser mantida em sua sede.

Equipes Participantes de 2018[editar | editar código-fonte]

Equipe Treinador Município Estádio
Colômbia Alianza Petrolera Argentina Juan Cruz Real Barrancabermeja Daniel Villa Zapata
Colômbia América de Cali Uruguai Jorge da Silva Cali Olímpico Pascual Guerrero
Colômbia Atlético Bucaramanga Argentina Diego Cagna Bucaramanga Alfonso López
Colômbia Atlético Huila Argentina Néstor Craviotto Neiva Guillermo Plazas Alcid
Colômbia Atlético Nacional Argentina Jorge Almirón Medellín Atanasio Girardot
Colômbia Boyacá Chicó Colômbia John Jairo Gómez Tunja La Independencia
Colômbia Deportes Tolima Colômbia Alberto Gamero Ibagué Manuel Murillo Toro
Colômbia Deportivo Cali Uruguai Gerardo Pelusso Cali Deportivo Cali
Colômbia Deportivo Pasto Colômbia Flabio Torres Pasto Departamental Libertad
Colômbia Envigado Colômbia Rubén Bedoya Envigado Polideportivo Sur
Colômbia Independiente Medellín Espanha Ismael Rescalvo Medellín Atanasio Girardot
Colômbia Itagüí Leones Colômbia Juan Carlos Álvarez Itagüi Metropolitano Ciudad de Itagüí
Colômbia Jaguares Colômbia José Manuel Rodríguez Montería Jaraguay
Colômbia Junior Colômbia Alexis Mendoza Barranquilla Metropolitano Roberto Meléndez
Colômbia La Equidad Colômbia Luis Fernando Suárez Bogotá Metropolitano de Techo
Colômbia Millonarios Argentina Miguel Ángel Russo Bogotá El Campín
Colômbia Once Caldas Colômbia Hubert Bodhert Manizales Palogrande
Colômbia Patriotas Boyacá Colômbia Diego Corredor Tunja La Independencia
Colômbia Rionegro Águilas Colômbia Hernán Torres Rionegro Alberto Grisales
Colômbia Santa Fe Uruguai Gregorio Pérez Bogotá El Campín

Títulos[editar | editar código-fonte]

No total, 14 equipes foram coroadas em pelo menos uma oportunidade como campeão colombiano de futebol. O clube com mais títulos é Atlético Nacional de Medellín com 16 títulos. A cidade com mais títulos é Bogotá com um total de 24 conquistas, seguidas por Medellín e Cali com 22.

Deve-se notar que, na Colômbia, os títulos de propriedade não são entregues, apenas as réplicas do troféu. Também não tem um prêmio econômico ao campeão, o dinheiro do prêmio que os jogadores campeões recebem vem diretamente do orçamento dos clubes.

Sob o atual sistema do campeonato, o campeão, além de obter uma nova estrela em seu escudo, obtém classificação direta para a Copa Libertadores de América.

Ano Campeão Resultados

final

Vice-Campeão Treinador Campeão Clubes Participantes
Campeonato colombiano / Categoría Primera A
1948 Santa Fe Todos contra todos Junior Peru Carlos Carrillo Nalda 10
1949 Millonarios Todos contra todos Deportivo Cali Argentina Adolfo Pedernera 14
1950 Deportes Caldas Todos contra todos Millonarios Argentina Alfredo Cuezzo 16
1951 Millonarios Todos contra todos Boca Juniors de Cali Argentina Adolfo Pedernera 18
1952 Millonarios Todos contra todos Boca Juniors de Cali Argentina Adolfo Pedernera 15
1953 Millonarios Todos contra todos Deportes Quindío Argentina Adolfo Pedernera 12
1954 Atlético Nacional Todos contra todos Deportes Quindío Argentina Fernando Paternoster 10
1955 Independiente Medellín Todos contra todos Atlético Nacional Paraguai Delfín Benítez Cáceres 10
1956 Deportes Quindío Todos contra todos Millonarios Argentina Francisco Lombardo 13
1957 Independiente Medellín Final vs. Cúcuta Deportivo Deportes Tolima Argentina René Seghini 12
1958 Santa Fe Todos contra todos Millonarios Argentina Julio Tocker 12
1959 Millonarios Todos contra todos Independiente Medellín Colômbia Gabriel Ochoa Uribe 12
1960 Santa Fe Todos contra todos América de Cali Argentina Julio Tocker 12
1961 Millonarios Todos contra todos Independiente Medellín Colômbia Gabriel Ochoa Uribe 12
1962 Millonarios Todos contra todos Deportivo Cali Colômbia Gabriel Ochoa Uribe 12
1963 Millonarios Todos contra todos Santa Fe Colômbia Gabriel Ochoa Uribe 13
1964 Millonarios Todos contra todos Cúcuta Deportivo Colômbia Efraín Sánchez 13
1965 Deportivo Cali Todos contra todos Atlético Nacional Argentina Francisco Villegas 13
1966 Santa Fe Todos contra todos Independiente Medellín Colômbia Gabriel Ochoa Uribe 14
1967 Deportivo Cali Todos contra todos Millonarios Argentina Francisco Villegas 14
1968 Unión Magdalena 1:0-2:2 Deportivo Cali Colômbia Antonio Julio de la Hoz 14
1969 Deportivo Cali Triangular final América de Cali Argentina Francisco Villegas 14
1970 Deportivo Cali Quadrangular final Junior Argentina Roberto Reskín 14
1971 Santa Fe 0:0-0:0-3:2[1] Atlético Nacional Sérvia Vladimir Popović 14
1972 Millonarios Triangular final Deportivo Cali Colômbia Gabriel Ochoa Uribe 14
1973 Atlético Nacional Triangular final Millonarios Paraguai César López Fretes 14
1974 Deportivo Cali Hexagonal final Atlético Nacional Sérvia Vladimir Popović 14
1975 Santa Fe Hexagonal final Millonarios Chile Francisco Hormazábal 14
1976 Atlético Nacional Hexagonal final Deportivo Cali Argentina Osvaldo Zubeldía 14
1977 Junior Hexagonal final Deportivo Cali Argentina Juan Ramón Verón 14
1978 Millonarios Quadrangular final Deportivo Cali Argentina Pedro Dellacha 14
1979 América de Cali Quadrangular final Santa Fe Colômbia Gabriel Ochoa Uribe 14
1980 Junior Quadrangular final Deportivo Cali Argentina Jose Varacka 14
1981 Atlético Nacional Quadrangular final Deportes Tolima Argentina Osvaldo Zubeldía 14
1982 América de Cali Octagonal final Deportes Tolima Colômbia Gabriel Ochoa Uribe 14
1983 América de Cali Octagonal final Junior Colômbia Gabriel Ochoa Uribe 14
1984 América de Cali Octagonal final Millonarios Colômbia Gabriel Ochoa Uribe 14
1985 América de Cali Octagonal final Deportivo Cali Colômbia Gabriel Ochoa Uribe 14
1986 América de Cali Octagonal final Deportivo Cali Colômbia Gabriel Ochoa Uribe 14
1987 Millonarios Octagonal final América de Cali Colômbia Luis Augusto García 14
1988 Millonarios Octagonal final Atlético Nacional Colômbia Luis Augusto García 15
1989
Campeonato cancelado devidos ao assassinato de um arbitro
Copa Mustang
1990 América de Cali Quadrangular final Atlético Nacional Colômbia Gabriel Ochoa Uribe 15
1991 Atlético Nacional Quadrangular final América de Cali Colômbia Hernán Darío Gómez 15
1992 América de Cali Quadrangular final Atlético Nacional Colômbia Francisco Maturana 16
1993 Junior Quadrangular final Independiente Medellín Uruguai Julio Avelino Comesaña 16
1994 Atlético Nacional Quadrangular final Millonarios Colômbia Juan José Peláez 16
1995 Junior Todos contra todos América de Cali Colômbia Carlos Restrepo 16
1995-96 Deportivo Cali Quadrangular final Millonarios Colômbia Fernando Castro 16
1996-97 América de Cali 1:0-2:0 Atlético Bucaramanga Colômbia Luis Augusto García 16
1998 Deportivo Cali 4:0-0:0 Once Caldas Colômbia José Eugenio Hernández 16
1999 Atlético Nacional 1:1-0:0 (4:2 pen.) América de Cali Colômbia Luis Fernando Suárez 16
2000 América de Cali Quadrangular final Junior Colômbia Jaime de la Pava 16
2001 América de Cali 1:0-2:0 Independiente Medellín Colômbia Jaime de la Pava 16
Torneo Apertura (I) - Torneo Finalización (II)
2002-I América de Cali 2:1-1:0 Atlético Nacional Colômbia Jaime de la Pava 18
2002-II Independiente Medellín 2:0-1:1 Deportivo Pasto Colômbia Víctor Luna 18
2003-I Once Caldas 0:0-1:0 Junior Colômbia Luis Fernando Montoya 18
2003-II Deportes Tolima 2:0-1:3 (4:2 pen.) Deportivo Cali Colômbia Luis Augusto García 18
2004-I Independiente Medellín 2:1-0:0 Atlético Nacional Colômbia Pedro Sarmiento 18
2004-II Junior 3:0-2:5 (5:4 pen.) Atlético Nacional Argentina Miguel Ángel López 18
2005-I Atlético Nacional 0:0-2:0 Santa Fe Colômbia Santiago Escobar 18
2005-II Deportivo Cali 2:0-1:0 Real Cartagena Colômbia Pedro Sarmiento 18
2006-I Deportivo Pasto 1:0-1:1 Deportivo Cali Argentina Óscar Héctor Quintabani 18
2006-II Cúcuta Deportivo 1:0-1:1 Deportes Tolima Colômbia Jorge Luis Pinto 18
2007-I Atlético Nacional 1:0-2:1 Atlético Huila Argentina Óscar Héctor Quintabani 18
2007-II Atlético Nacional 3:0-0:0 La Equidad Argentina Óscar Héctor Quintabani 18
2008-I Boyacá Chicó 1:1-1:1 (4:2 pen.) América de Cali Colômbia Alberto Gamero 18
2008-II América de Cali 1:0-3:1 Independiente Medellín Colômbia Diego Edison Umaña 18
2009-I Once Caldas 2:1-3:1 Junior Colômbia Javier Álvarez 18
2009-II Independiente Medellín 1:0-2:2 Atlético Huila Colômbia Leonel Álvarez 18
Liga Postobón
2010-I Junior 0:1-3:1 La Equidad Colômbia Diego Edison Umaña 18
2010-II Once Caldas 1:2-3:1 Deportes Tolima Colômbia Juan Carlos Osorio 18
2011-I Atlético Nacional 1:2-2:1 (3:2 pen.) La Equidad Colômbia Santiago Escobar 18
2011-II Junior 3:2-1:2 (4:2 pen.) Once Caldas Colômbia José Eugenio Hernández 18
2012-I Santa Fe 1:1-1:0 Deportivo Pasto Colômbia Wilson Gutiérrez 18
2012-II Millonarios 0:0-1:1 (5:4 pen.) Independiente Medellín Colômbia Hernán Torres 18
2013-I Atlético Nacional 0:0-2:0 Santa Fe Colômbia Juan Carlos Osorio 18
2013-II Atlético Nacional 0:0-2:0 Deportivo Cali Colômbia Juan Carlos Osorio 18
2014-I Atlético Nacional 0:1-2:1 (4:2 pen.) Junior Colômbia Juan Carlos Osorio 18
2014-II Santa Fe 2:1-1:1 Independiente Medellín Argentina Gustavo Costas 18
Liga Águila
2015-I Deportivo Cali 1:0-1:1 Independiente Medellín Colômbia Fernando Castro 20
2015-II Atlético Nacional 1:2-1:0 (3:2 pen.) Junior Colômbia Reinaldo Rueda 20
2016-I Independiente Medellín 1:1-2:0 Junior Colômbia Leonel Álvarez 20
2016-II Santa Fe 0:0-1:0 Deportes Tolima Argentina Gustavo Costas 20
2017-I Atlético Nacional 0:2-5:1 Deportivo Cali Colômbia Reinaldo Rueda 20
2017-II Millonarios 1:0-2:2 Santa Fe Argentina Miguel Ángel Russo 20
2018-I Deportes Tolima 0:1-2:1 (4:2 pen.) Atlético Nacional Colômbia Alberto Gamero 20

Títulos por equipe[editar | editar código-fonte]

Clubes Títulos Vice-Campeões Anos campeões Anos vice-campeões
Atlético Nacional
16
11
1954, 1973, 1976, 1981, 1991, 1994, 1999, 2005-I, 2007-I, 2007-II, 2011-I, 2013-I, 2013-II, 2014-I, 2015-II e 2017-I. 1955, 1965, 1971, 1974, 1988, 1990, 1992, 2002-I, 2004-I, 2004-II e 2018-I
Millonarios
15
9
1949, 1951, 1952, 1953, 1959, 1961, 1962, 1963, 1964, 1972, 1978, 1987, 1988, 2012-II e 2017-II. 1950, 1956, 1958, 1967, 1973, 1975, 1984, 1994 e 1995/96.
América de Cali
13
7
1979, 1982, 1983, 1984, 1985, 1986, 1990, 1992, 1996/97, 2000, 2001, 2002-I e 2008-II. 1960, 1969, 1987, 1991, 1995, 1999 e 2008-I.
Deportivo Cali
9
14
1965, 1967, 1969, 1970, 1974, 1995/96, 1998, 2005-II e 2015-I. 1949, 1962, 1968, 1972, 1976, 1977, 1978, 1980, 1985, 1986, 2003-II, 2006-I, 2013-II y 2017-I.
Santa Fe
9
5
1948, 1958, 1960, 1966, 1971, 1975, 2012-I, 2014-II e 2016-II. 1963, 1979, 2005-I, 2013-I e 2017-II
Junior
7
9
1977, 1980, 1993, 1995, 2004-II, 2010-I e 2011-II. 1948, 1970, 1983, 2000, 2003-I, 2009-I, 2014-I, 2015-II e 2016-I.
Independiente Medellín
6
9
1955, 1957, 2002-II, 2004-I, 2009-II e 2016-I. 1959, 1961, 1966, 1993, 2001, 2008-II, 2012-II, 2014-II e 2015-I.
Once Caldas
4
2
1950, 2003-I, 2009-I e 2010-II. 1998 e 2011-II.
Deportes Tolima
2
6
2003-II e 2018-I 1957, 1981, 1982, 2006-II, 2010-II e 2016-II.
Deportes Quindío
1
2
1956. 1953 e 1954.
Deportivo Pasto
1
2
2006-I. 2002-II e 2012-I.
Cúcuta Deportivo
1
1
2006-II. 1964.
Unión Magdalena
1
0
1968.
Boyacá Chicó
1
0
2008-I.
La Equidad
0
3
2007-II, 2010-I e 2011-I.
Boca Juniors de Cali
0
2
1951 e 1952.
Atlético Huila
0
2
2007-I e 2009-II.
Atlético Bucaramanga
0
1
1996/97.
Real Cartagena
0
1
2005-II.

Artilheiros[editar | editar código-fonte]

Pos. Nome Temporada Gols
1 Argentina Sergio Galván Rey 1996 - 2011 224[2]
2 Colômbia Iván René Valenciano 1988 - 2009 217[3]
3 Argentina Hugo Horacio Lóndero 1969 - 1981 211[3]
4 Argentina Oswaldo Marcial Palavecino 1975 - 1985 204[3]
5 Colômbia Jorge Ramírez Gallego 1962 - 1975 201[3]
6 Argentina Omar Lorenzo Devanni 1963 - 1971 198[3]
7 Colômbia Víctor Hugo Aristizábal 1989 - 2008 187[3]
8 Colômbia Arnoldo Iguarán 1977 - 1997 186[3]
9 Colômbia Willington Ortiz 1972 - 1988 184[3]
10 Uruguai José Omar Verdún 1962 - 1971 184[3]

Referencias[editar | editar código-fonte]

  1. Se jugó un partido de desempate en cancha neutral, en Cali, tras el empate en los duelos anteriores..
  2. «El Rey del gol». elespectador.com. Consultado em 19 de marzo de 2012.. Cópia arquivada em |arquivourl= requer |arquivodata= (ajuda) 🔗  Parâmetro desconhecido |fechaarchivo= ignorado (|arquivodata=) sugerido (ajuda); Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  3. a b c d e f g h i «¿MARCA INALCANZABLE?». ligapostobon.com. Consultado em 19 de marzo de 2012.. Cópia arquivada em |arquivourl= requer |arquivodata= (ajuda) 🔗  Parâmetro desconhecido |fechaarchivo= ignorado (|arquivodata=) sugerido (ajuda); Verifique data em: |acessodata= (ajuda)