Alessandro Mori Nunes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Alessandro
Alessandro
Alessandro em jogo do Mundial de Clubes da FIFA
contra o Chelsea, no Estádio Internacional de Yokohama.
Informações pessoais
Nome completo Alessandro Mori Nunes
Data de nasc. 10 de janeiro de 1979 (42 anos)
Local de nasc. Assis Chateaubriand (PR), Brasil
Altura 1,79 m
destro
Apelido Guerreiro
Capitão América
Alessandro Balboa
Jason Statham
Informações profissionais
Equipa atual Corinthians
Posição Ex-lateral-direito
Função Gerente de futebol
Clubes de juventude
1996–1997 Flamengo
Clubes profissionais2
Anos Clubes
1997–2003
2003
2003–2007
2004–2005
2005–2007
2007
2008–2013
Flamengo
Palmeiras (emp.)
Dínamo de Kiev
Cruzeiro (emp.)
Grêmio (emp.)
Santos
Corinthians
Times/Equipas que treinou
2014–2018
2021–
Corinthians (coordenador técnico)
Corinthians (gerente de futebol)

Alessandro Mori Nunes, mais conhecido como Alessandro Nunes ou apenas Alessandro (Assis Chateaubriand, 10 de janeiro de 1979), é um dirigente e ex-futebolista brasileiro que atuava como lateral-direito. Atualmente é gerente de futebol do Corinthians.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Início no Flamengo[editar | editar código-fonte]

Revelado nas divisões de base do Assis Chateaubriand PR, e posteriormente transferido para o Flamengo, acostumou-se a jogar na posição de volante quando solicitado, o que lhe valeu um enorme aperfeiçoamento na qualidade defensiva e um crédito absurdo com todos os técnicos que o comandaram, não só no Flamengo como nos demais times.

O jogador estreou bastante cedo pelo Flamengo, e assumiu a responsabilidade de tomar conta de uma posição historicamente dominada pelo clube, a lateral-direita, que já havia passado por nomes como Leandro e Jorginho. No entanto, disposto e irredutível de mostrar seu talento, Alessandro não só assumiu o desafio, como não tardou a se firmar na posição. Suas fortes características técnicas, é bem verdade, ajudaram na sua manutenção, pois, apesar de atuar de forma exímia na defesa, Alessandro tornou-se figurinha carimbada nas escalações do Fla, em virtude da sua técnica apurada no que diz respeito ao apoio de ataque.

Trabalhou com diversos técnicos no Flamengo, no entanto, foi sob o comando do velho lobo Zagallo, que o lateral viveu o seu auge. Tricampeão carioca entre 1999 e 2001, Alessandro também faturou a Copa dos Campeões e se tornou essencial para o time, que então, era formado por estrelas do calibre de Dejan Petković e Edílson.

Uma das imagens mais presentes do jogador para a torcida rubro-negra, foi justamente aquela em que Alessandro reza sentado ao banco, e aguarda pela cobrança de falta do sérvio Petković que resultaria no tri de 2001.[1]

Palmeiras, Dínamo de Kiev e Cruzeiro[editar | editar código-fonte]

Em 2003, período conturbado para o Fla, Alessandro teve de abandonar a Gávea e seguiu por empréstimo para o Palmeiras. Sua passagem pelo Palestra Itália, entretanto, durou pouco mais de três meses, e logo em seguida, o jogador teve seus direitos econômicos adquiridos pelo Dínamo de Kiev, da Ucrânia. Sua passagem pelo clube não foi das melhores e sua estadia no Dínamo durou pouco tempo; em agosto de 2004 foi emprestado ao Cruzeiro.[2]

Grêmio e Santos[editar | editar código-fonte]

Com contrato na Toca da Raposa até dezembro de 2005, Alessandro preferiu não cumprir, e a pedido do próprio e também do então técnico do Grêmio, Mano Menezes, seguiu para o clube gaúcho que vivia um momento difícil, na disputa da Série B do Campeonato Brasileiro. Foi no Rio Grande do Sul que o lateral voltou a apresentar um bom futebol, sendo considerado um dos heróis do acesso do Grêmio. Do Tricolor, Alessandro rumou em 2007 para o badalado Santos, que vinha em uma crescente de boas campanhas, e logo no início da sua passagem, faturou o primeiro Campeonato Paulista da carreira. Apesar disso, as atuações do atleta não foram muito além, e já em 2008, tornou-se peça dispensável do elenco santista.

Corinthians[editar | editar código-fonte]

A pedido de Mano Menezes, foi contratado pelo Corinthians no dia 9 de janeiro de 2008.[3][4] A missão era a mesma dos tempos de Grêmio, conquistar a Série B do Campeonato Brasileiro e voltar a elite do futebol. Alessandro foi um dos principais jogadores do elenco no ano; o Corinthians conquistou 85 pontos em 38 rodadas, e naquele mesmo ano, foi vice-campeão da Copa do Brasil. Em 2009 veio a sua afirmação no alvinegro: com a contratação de Ronaldo, o Corinthians conquistou o Campeonato Paulista de 2009 e coroou a boa fase sendo finalmente campeão da Copa do Brasil.[5]

Em 2010, ano em que o Corinthians celebrou o centenário, Alessandro completou seu centésimo jogo pelo clube. Naquele ano, disputou ainda o Campeonato Paulista e a Copa Libertadores, na qual o time foi eliminado nas oitavas-de-final da competição diante do Flamengo.[6] Alessandro foi muito criticado pela torcida após a eliminação no torneio continental, mas continuou no elenco para o Campeonato Brasileiro, do qual o clube fez uma boa campanha, terminando em 3° colocado, conquistando uma vaga na Pré-Libertadores.

Em 2011, Alessandro disputou o Campeonato Paulista e foi vice-campeão. No mesmo ano, o lateral ganhou a braçadeira de capitão após divergências entre o zagueiro Chicão e o treinador Tite.[7] No dia 4 de dezembro, conquistou o Campeonato Brasileiro após o empate do Corinthians com o Palmeiras.[8]

Ainda capitão do Corinthians, no dia 4 de julho de 2012 Alessandro sagrou-se campeão da Copa Libertadores da América. Na final contra o Boca Juniors, o Corinthians venceu por 2 a 0 e Alessandro levantou o troféu da competição continental.[9][10] Pouco mais de cinco meses depois, a equipe conquistou o Mundial de Clubes da FIFA após vitórias contra Al-Ahly e Chelsea, com Alessandro entrando de vez para a história do Timão.[11][12]

No dia 19 de maio de 2013, sagrou-se campeão do Campeonato Paulista.[13]

Aposentadoria[editar | editar código-fonte]

No dia 28 de novembro de 2013, anunciou sua aposentadoria.[14]

Carreira como dirigente[editar | editar código-fonte]

Início[editar | editar código-fonte]

Foi anunciado em janeiro de 2014 como coordenador técnico do Timão[15], cargo que ocupou até 3 de janeiro de 2018.

Estudos[editar | editar código-fonte]

Após a sua saída do Corinthians em 2019[16], Alessandro recusou propostas de outros clubes para o cargo de dirigente, pois queria dedicar seu tempo para fazer um curso da CBF focado em gestão e governança. O ex-jogador também voltou para a sua terra natal para dedicar um tempo a sua família.[17]

Retorno ao Corinthians[editar | editar código-fonte]

Em dezembro de 2020, foi revelada a volta de Alessandro a gerência do departamento de futebol do Corinthians a partir de janeiro de 2021.[18]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Clubes[editar | editar código-fonte]

Atualizadas até 7 de dezembro de 2013.

Clube Temporada Campeonato
nacional[a]
Copa
nacional[b]
Competições
continentais[c]
Outros
torneios[d]
Total
Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols
Flamengo 1997 2 0 0 0 0 0 0 0 2 0
1998 3 0 0 0 0 0 6 3 9 3
1999 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
2000 12 0 0 0 1 0 4 0 17 0
2001 24 1 10 1 8 0 18 1 60 3
2002 14 1 5 1 0 0 19 0 38 2
2003 1 0 2 0 0 0 13 1 16 1
Total 56 2 17 2 9 0 60 5 142 9
Palmeiras 2003 9 0 0 0 0 0 0 0 9 0
Total 9 0 0 0 0 0 0 0 9 0
Dínamo de Kiev 2003–04 0 0 0 0 0 0 0 0
Total 0 0 0 0 0 0 0 0
Cruzeiro 2004 16 0 0 0 0 0 16 0
Total 16 0 0 0 0 0 16 0
Grêmio 2005 9 0 4 0 5 0 18 0
2006 19 3 2 0 5 0 26 3
Total 28 3 6 0 10 0 44 3
Santos 2007 23 1 4 0 0 0 27 1
Total 23 1 4 0 0 0 27 1
Corinthians 2008 25 2 4 0 11 0 40 2
2009 17 0 8 0 16 0 41 0
2010 31 0 2 0 14 0 47 0
2011 22 0 2 0 14 1 38 1
2012 26 0 9 0 12 1 47 1
2013 21 0 3 0 8 0 13 0 45 0
Total 142 2 15 0 21 0 80 2 258 4
Total na carreira 274 8 38 2 34 0 150 7 496 16

Títulos[editar | editar código-fonte]

Como jogador[editar | editar código-fonte]

Flamengo
Dínamo de Kiev
Grêmio
Santos
Corinthians

Prêmios individuais[editar | editar código-fonte]

Como dirigente[editar | editar código-fonte]

Corinthians

Referências

  1. Thiago de Lima (27 de maio de 2011). «Locutores lembram curiosidades envolvendo o gol de Petkovic». GloboEsporte.com. Consultado em 6 de janeiro de 2021 
  2. «Alessandro - Que fim levou?». Terceiro Tempo. Consultado em 6 de janeiro de 2021 
  3. Alexandre Sinato (9 de janeiro de 2008). «Corinthians acerta com o lateral Alessandro, ex-Santos». UOL. Consultado em 6 de janeiro de 2021 
  4. Diego Garcia e Vladimir Bianchini (22 de novembro de 2015). «'Me chamaram de maluco quando troquei o Santos pelo Corinthians', diz Alessandro». ESPN.com.br. Consultado em 6 de janeiro de 2021 
  5. «Corinthians empata com o Inter e conquista a Copa do Brasil». Estadão. 1 de julho de 2009. Consultado em 6 de janeiro de 2021 
  6. Alexandre Sinato, Renan Prates e Thales Calipo (5 de maio de 2010). «Fla consegue "derrota útil", elimina o Corinthians e vai às quartas da Libertadores». UOL. Consultado em 6 de janeiro de 2021 
  7. Wagner Eufrosino (4 de novembro de 2011). «Chicão volta, ganha elogios de Tite, mas não a tarja de capitão do Timão». GloboEsporte.com. Consultado em 6 de janeiro de 2021 
  8. Carlos Augusto Ferrari e Leandro Canônico (4 de dezembro de 2011). «Um bando em êxtase: Timão empata clássico e conquista o título brasileiro». GloboEsporte.com. Consultado em 6 de janeiro de 2021 
  9. Alexandre Lozetti (4 de julho de 2012). «Vai, Corinthians! Sheik decide contra o Boca, e a Libertadores é alvinegra». GloboEsporte.com. Consultado em 6 de janeiro de 2021 
  10. «Alessandro espera que conquista marque a vida dos corintianos». Tribuna do Norte. 5 de julho de 2012. Consultado em 6 de janeiro de 2021 
  11. «O mundo é alvinegro! Corinthians vence Chelsea e conquista o Mundial de Clubes». GloboEsporte.com. 16 de dezembro de 2012. Consultado em 6 de janeiro de 2021 
  12. «Alessandro, Ídolo do Corinthians». Meu Timão (site apoiador do Corinthians). Consultado em 21 de abril de 2019 
  13. Leandro Canônico (19 de maio de 2013). «Timão impede tetra do Santos e volta a ser Todo Poderoso do Paulistão». GloboEsporte.com. Consultado em 6 de janeiro de 2021 
  14. «Em coletiva, Alessandro anuncia sua aposentadoria». Site oficial do Corinthians. 28 de novembro de 2013. Consultado em 6 de janeiro de 2021 
  15. Gustavo Franceschini (16 de janeiro de 2014). «Recém-aposentado, Alessandro vira coordenador-técnico do Corinthians». UOL. Consultado em 6 de janeiro de 2021 
  16. Guilherme Amaro e Marcio Porto (3 de janeiro de 2019). «Em anúncio emocionado, Alessandro se despede, e Corinthians confirma Sheik e Vilson como dirigentes». LANCE!. Consultado em 6 de janeiro de 2021 
  17. Marcelo Braga (19 de fevereiro de 2019). «Fora do Corinthians, Alessandro Nunes recusa propostas e opta por estudos em ano sabático». GloboEsporte.com. Consultado em 6 de janeiro de 2021 
  18. Ana Canhedo e Marcelo Braga (5 de janeiro de 2021). «Alessandro e Roberto de Andrade são apresentados no Corinthians e falam sobre reforços». GloboEsporte.com 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]