Emerson Sheik

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emerson Sheik
Emerson Sheik
Emerson Sheik em 2012 atuando pelo Corinthians.
Informações pessoais
Nome completo Marcio Passos de Albuquerque
Data de nasc. 6 de setembro de 1978 (37 anos)
Local de nasc. Nova Iguaçu (RJ), Brasil
Nacionalidade  brasileira
 catariana
Altura 1,71 m[1]
Destro
Apelido Sheik
Informações profissionais
Clube atual Brasil Flamengo
Número 11
Posição Atacante
Clubes de juventude
1996–1998 Brasil São Paulo
Clubes profissionais2
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
1998–1999
2000
2001
2001–2005
2005–2009
2007–2008
2009
2009–2010
2010–2011
2011–2015
2014
2015–
Brasil São Paulo
Japão Consadole Sapporo
Japão Kawasaki Frontale
Japão Urawa Red Diamonds
Catar Al-Sadd
França Rennes (emp.)
Brasil Flamengo
=Emirados Árabes Unidos Al Ain
Brasil Fluminense
Brasil Corinthians
Brasil Botafogo (emp.)
Brasil Flamengo
0011 000000(2)
0034 00000(31)
0018 00000(19)
0100 00000(71)
0049 00000(28)
0003 000000(0)
0026 00000(11)
0014 000000(9)
0020 000000(9)
0157 00000(49)
0018 000000(6)
0047 00000(11)
Seleção nacional3
1999
2008
Brasil Brasil Sub-20
Flag of Qatar.svg Qatar
0006 000000(0)
0003 000000(0)


2 Partidas e gols totais pelo
clube, atualizados até 26 de junho de 2016.
3 Partidas e gols da seleção nacional estão atualizados
até 26 de março de 2008.

Marcio Passos de Albuquerque,[NI] mais conhecido como Emerson Sheik, ou simplesmente Emerson ou Sheik, (Nova Iguaçu, 6 de setembro de 1978),[NI] é um futebolista brasileiro naturalizado qatariano que atua como atacante. Atualmente joga no Flamengo.[2]

Em 2008, quando atuava no Qatar, naturalizou-se qatariano e jogou as eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010 pela seleção local.

A equipe mundial de editores e especialistas do site Goal.com elegeu os 50 melhores jogadores em 2012, levando em consideração suas conquistas e suas atuações ao longo da temporada. Em 32º lugar, o atacante Emerson Sheik, então no Corinthians, superou Neymar (36º) e foi o atleta mais bem colocado do ano dentre os que atuam no futebol brasileiro.[3]

Sheik é o único jogador na história do futebol brasileiro, a conquistar três títulos do Campeonato Brasileiro de Futebol em três times diferentes, em três anos consecutivos. Integrou o elenco do Flamengo no Brasileirão 2009. Peça importante na conquista do título do Brasileirão 2010 na equipe do Fluminense. E um dos protagonistas na conquista do Brasileirão 2011 pelo Corinthians. Fez também os dois gols da final da Libertadores 2012, título inédito e desejado por anos pela torcida do Corinthians, tornando-se um dos maiores ídolos da história do clube.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Início[editar | editar código-fonte]

Em 1996, com 18 anos, Emerson já não acreditava que pudesse vingar no futebol por conta da idade. Foi então que sua mãe, Carmem Lúcia, adulterou sua certidão de nascimento. Marcio Passos de Albuquerque, nascido em 6 de setembro de 1978, virou Marcio Emerson Passos, nascido em 6 de dezembro de 1981.[4]

Na época, a família de Emerson morava num bairro pobre de Nova Iguaçu, Rio de Janeiro, e ele trabalhava como ajudante de pedreiro.[5]

São Paulo[editar | editar código-fonte]

Com três anos a menos na certidão de nascimento, o garoto viu a carreira decolar. Levado ao São Paulo pelo ex-lateral-direito Cláudio Guadagno, foi rapidamente aceito pelo clube após passar pela avaliação de Milton Cruz, ex-técnico da equipe sub-20.[4]

Em clara vantagem física e técnica sobre os outros meninos, virou uma estrela das categorias de base do Tricolor. O ótimo futebol chamou a atenção da diretoria do clube, que passou a enxergá-lo como uma joia pela cúpula do clube, alguém que traria milhões de dólares aos cofres em pouco tempo. A expectativa era tanta que o colocavam acima até mesmo de Kaká na projeção feita pela direção sobre quem vingaria no futebol.[4]

No dia 26 de setembro de 1998, aos 20 anos, ele estreou pelo time profissional do São Paulo ao entrar no lugar do centroavante Dodô no empate por 0 a 0 contra o Flamengo, no Morumbi, pelo Campeonato Brasileiro.[4] [6]

No ano seguinte, já com Paulo César Carpegiani no comando da equipe, o treinador decidiu promovê-lo de vez ao grupo principal, mas para atuar como lateral-direito, função na qual nunca conseguiu se adaptar.[4]

Como atacante, marcou dois gols pelo Tricolor: um na goleada por 5 a 1 sobre o Atlético-MG, no Morumbi, em 25 de julho de 1999, e outro na derrota por 3 a 2 para o Santos, na Vila Belmiro, três dias depois.

Por conta do Caso Sandro Hiroshi (o clube perdeu os três pontos de uma vitória sobre o Botafogo depois que ficou comprovada a falsificação nos documentos do atacante Sandro Hiroshi), e com o temor de receber outra punição, já que havia a desconfiança da adulteração de documentos do atleta, a diretoria Tricolor decidiu negociar Emerson com o Consadole Sapporo, do Japão, mesmo sem ter a certeza da falsificação nos documentos.[4]

Assim, em 2000, Emerson deixou o Brasil rumo ao futebol japonês. Ele se despediu do São Paulo com 19 jogos e dois gols marcados (sete vitórias, três empates e nove derrotas).[4]

Futebol Japonês[editar | editar código-fonte]

Emerson chegou ao Oriente como desconhecido, mas rapidamente virou um dos destaques do futebol no país. Permaneceu durante cinco anos no Japão, e atuou por Consadole Sapporo, Kawasaki Frontale e Urawa Red Diamonds, respectivamente.

Pelo Consadole Sapporo, da 2a divisão japonesa, Emerson fez 33 gols em 30 jogos, e foi campeão, artilheiro e melhor jogador da segunda divisão japonesa em 2000.[5] No ano seguinte, jogou no Kawasaki Frontale, ainda na segunda divisão. Foram 19 gols em 18 jogos.[5]

Em 2002, foi contratado pelo Urawa Red Diamonds, da 1a divisão japonesa, clube pelo qual logo virou ídolo. Ele ficou quatro anos no time e diz que, para sair de casa sem ser reconhecido, tinha que usar uma peruca.[5]

Com a camisa do Urawa Red Diamonds, ele foi artilheiro do Campeonato Japonês de 2004, eleito por 3 vezes o Melhor segundo-atacante do Campeonato Japonês (2002, 2003, 2004), e Futebolista do Ano no Japão (2003).[5]

Sua passagem pelo futebol nipônico terminou em 2005, após o xeque Jassim bin Hamad bin Khalifa Al Thani, um dos 24 filhos do rei, ver um jogo de Emerson na televisão. Ele comprou os direitos econômicos do brasileiro e o colocou para jogar no Al-Sadd.[5]

Al-Sadd[editar | editar código-fonte]

Em 2005 deixou o Japão e foi para o Qatar, onde passou a defender a equipe do Al-Sadd. Além de um contrato milionário, o atacante ganhava carros e relógios Rolex a cada boa partida.[5]

Rennes[editar | editar código-fonte]

Em 2007, foi emprestado ao Rennes, da França. A negociação girou em torno de 4 e 5 milhões de euros.[8] O acordo de Emerson com o xeque era que ele poderia voltar ao Qatar quando quisesse.

A expectativa sobre a ida de Emerson para o Rennes era gigante. Apesar de se tratar de um atleta de um campeonato asiático, os diretores do clube ressaltavam os ótimos números que ele teve no Qatar e no Japão. Na época, a imprensa francesa noticiava, inclusive, que times como Lyon, Lille e Saint-Étienne estavam de olho nele.[8]

Emerson estreou pelo Rennes em outubro de 2007, contra o Lokomotiv Sofia, na Copa da UEFA. Foram pouco mais de 12 minutos em campo e nada de muito relevante, a não ser a vitória do time da França por 3×1.[8]

No Campeonato Francês, o debute foi diante do Paris Saint-Germain, no Parque dos Príncipes, na 10ª rodada. Ele entrou em campo aos 43 minutos do segundo tempo na vaga de Sylvain Wiltord. Com pouco mais de quatro minutos para atuar (contando os acréscimos), o brasileiro pouco fez.

Emerson somou ainda mais quatro apresentações, duas no Campeonato Francês e duas na Copa da UEFA.[8]

Ao todo, Sheik acumulou 101 minutos em campo pelo clube bretão, deixando a França - e o futebol Europeu - sem ter marcado nenhum gol, e tendo recebido 2 cartões amarelos.[8]

Por não ter conseguido se firmar na Europa, Emerson retornou ao Oriente Médio. Apesar do retorno baixo em campo, o clube francês conseguiu vendê-lo por um valor maior do que comprou: 7 milhões de euros foi o que o Al-Sadd gastou para trazê-lo de volta.[8]

Retorno ao Al-Sadd[editar | editar código-fonte]

Emerson retornou ainda em 2007 ao Al-Sadd, e permaneceu por lá por pouco mais de um ano.

Forçou sua saída do clube após discutir com o presidente do Al-Sadd, que o afastou do time.

Considerado no Oriente Médio como um dos melhores atacantes que já passaram por lá, Emerson fez fama e fortuna enquanto esteve no Qatar. Porém, após passar nove anos fora, Emerson decidiu rescindir contrato com seu clube e retornar ao Brasil.

Flamengo[editar | editar código-fonte]

Desconhecido no Brasil, Sheik passou a defender o Flamengo, no início de 2009. Apesar de desconhecido, ele era sonho de consumo do então vice de futebol do clube, Kleber Leite, há pelo menos três anos.[9]

Emerson abriu mão de ofertas milionárias, tanto do futebol japonês como do futebol qatariano, e, sem ter pago nenhum valor de transferência por Emerson, que pagou do próprio bolso a multa de rescisão com o Al-Sadd, o Flamengo recebeu seu novo atacante com muita expectativa.[10]

Emerson foi bem recebido pelo grupo rubro-negro, que em sintonia com a torcida, o batizou carinhosamente de Sheik. Assim, em pouco tempo o jogador estava apto a estrear com a camisa rubro-negra. Em um treino na Gávea, ele disse que era rubro-negro de coração.

Em sua estreia pelo Flamengo, em uma partida contra o Fluminense, já na reta final da Taça Rio, Emerson marcou seu primeiro gol. Recuperando sua melhor forma física e destacando-se nos treinos, Emerson acabou conquistando a vaga de titular nas finais do Carioca de 2009.[carece de fontes?]

Por volta da 18ª rodada do Campeonato Brasileiro, porém, Emerson recebeu uma proposta irrecusável do Al Ain dos Emirados Árabes, e já tendia a sair do Flamengo, que também não via com maus olhos a sua negociação em virtude da multa empreendida.

No dia 17 de agosto a diretoria do Flamengo anunciou sua ida para o Al Ain pelo valor de dois milhões de euros (cerca de 5,2 milhões de reais). No entanto, logo no dia seguinte a diretoria do Flamengo anunciou oficialmente a recusa da proposta do clube dos Emirados Árabes. O departamento de futebol do clube entendeu que o valor oferecido não satisfazia os interesses do clube.

Em 27 de agosto, porém, Emerson não compareceu ao treino na Gávea.[carece de fontes?] O jogador já havia se reunido com diretoria rubro-negra pedindo para ser liberado horas antes da partida contra o Fluminense no dia anterior, pela Copa Sul-Americana, onde o Flamengo foi eliminado após empate por 1 a 1. O "Sheik" acerta sua saída para o Al Ain, se transferindo antes do término do Campeonato Brasileiro. Apesar disso, é considerado pelo próprio Flamengo como um dos campeões do Brasileirão daquele ano, sendo o 3º artilheiro do time da competição com sete gols marcados.[11] [12]

Al Ain[editar | editar código-fonte]

Na sua estreia no Al Ain Emerson marcou dois gols e o time venceu nos pênaltis por 5–4 o time do Al-Ahli e conquistou o título da Supercopa dos Emirados Árabes.[13]

Fluminense[editar | editar código-fonte]

No meio da temporada de 2010 Emerson acertou o seu retorno ao Brasil, dessa vez pelo Fluminense.[14] Logo na sua estreia marcou um gol no empate no clássico contra o Botafogo.[15] Além disso, em seus oito primeiros jogos com a camisa tricolor, marcou sete gols.[5]

Emerson fazia grande campeonato brasileiro até se lesionar. Entretanto, voltou no final do campeonato e fez o gol que viria a dar o título do Campeonato Brasileiro para o Fluminense, contra o Guarani.[16]

Porém, na noite do dia 20 de abril de 2011, Emerson foi afastado do clube pelo próprio presidente que se irritou com o jogador que cantou um funk do maior rival, o Flamengo, no ônibus do Fluminense a caminho de uma decisão contra o Argentinos Juniors pela Libertadores.[17]

Depois de anunciada sua dispensa, o elenco do time (que estava concentrado na Argentina para enfrentar o Argentino Juniors, pela Copa Sul-Americana) foi ao seu quarto de hotel para prestar solidariedade - menos o atacante Fred e o goleiro Ricardo Berna.[5]

Emerson teve de sair pela cozinha do hotel e pegar um táxi para o aeroporto sozinho.[5]

Corinthians[editar | editar código-fonte]

Em 18 de maio de 2011 acertou sua ida para o Corinthians, sendo apresentado oficialmente alguns dias depois.[19] Em 4 de dezembro de 2011 conquista o tricampeonato brasileiro em três anos seguidos por três clubes diferentes, feito inédito no futebol brasileiro.[20]

Emerson iniciou o ano de 2012 muito bem técnica e fisicamente. Foi considerado o destaque do primeiro jogo das semifinais da Libertadores 2012 entre Corinthians e Santos. Fez um golaço em plena Vila Belmiro, batendo cruzado no ângulo da entrada da área, e garantiu a vitória corintiana pelo placar mínimo. Apesar do gol e da grande participação, Sheik acabou expulso.[21] [22]

No primeiro jogo da final, no estádio da Bombonera, em Buenos Aires, Emerson deu o passe para Romarinho fazer o gol de empate nos minutos finais do segundo tempo. No último jogo da final, no Pacaembu, entra para a história do clube marcando os dois gols da vitória corintiana sobre o Boca Juniors e do título inédito para o jogador e para o clube (onde se tornou um dos maiores ídolos). O primeiro gol foi marcado no início da segunda etapa, após Emerson receber passe de calcanhar de Danilo. No meio do segundo tempo Emerson rouba a bola da zaga do Boca Juniors, vence o zagueiro Caruzzo na corrida e toca na saída do goleiro. Depois da conquista, Emerson diria as seguintes palavras:

Em 16 de dezembro de 2012, vence a Copa do Mundo de Clubes da FIFA de 2012, sendo o bicampeonato do Corinthians, além de seu maior título como jogador profissional.

Foi um ano com atribulações extra campo para o jogador: após uma partida em 19 de agosto postou em seu perfil numa rede social beijando outro homem.[24] Diante da repercussão negativa junto a parte da torcida, desculpou-se pela polêmica.[25] Também foi denunciado pelo Ministério Público Federal por contrabando de veículo, no caso uma BMW X6.[26]

Em campo passou a atuar cada vez menos como titular.[27]

Em 2014, já com Mano Menezes como treinador, Emerson era pouco aproveitado, no qual resultou em sua saída da equipe em uma negociação com o Botafogo, a equipe carioca negociou um empréstimo de uma temporada.

Numa entrevista ao programa Esporte Espetacular, da Rede Globo, Emerson expôs certa mágoa com o treinador Mano Menezes, dizendo que, com tal profissional, "Não [quer] trabalhar nunca mais na [...] vida". Além do mais, para o atacante: "[o Mano é] um treinador muito limitado, não vi nada de especial nele, não acho que vai melhorar, porque é um cara que parece que não tem humildade de perguntar, de pedir ajuda."[28]

Botafogo[editar | editar código-fonte]

Em abril de 2014, foi emprestado, até o final do ano, para o Botafogo.[29] [30]

Com apenas um mês no clube, Sheik virou a referência do time. Vestindo a camisa sete, ele se mostrou um líder dentro do grupo e apresentou uma média de gols mais que o dobro maior que a dos outros três principais atacantes (Ferreyra, Wallyson e Zeballos) do elenco alvinegro.[31]

No dia 25 de maio, cerca de 30 torcedores do Botafogo invadiram o local onde a equipe treinava (no estádio Eustáquio Marques) por uma porta lateral e foram para a arquibancada protestar contra o time e a diretoria, depois do empate com o Vitória por 1 a 1, no dia anterior, que manteve a equipe na zona de rebaixamento. Apenas Emerson Sheik e o lateral Edilson foram elogiados.[32]

No dia 17 de Setembro, na partida em que o Botafogo perdeu para o Bahia por 3x2, no Maracanã, Emerson levou um cartão vermelho dado pelo árbitro Igor Junio Benevenuto, aos 14 minutos do segundo tempo, após cometer uma falta no zagueiro Uelliton (ele foi o terceiro jogador do Botafogo que foi expulso neste jogo). Ao deixar o gramado do Maracanã, Emerson olhou para uma das câmeras, fez um sinal com o braço para o cameraman como quem diz "vem cá", e mostrou a sua irritação ao dizer, em alto e bom som, e olhando para a camera: “CBF, você é uma vergonha! Vergonha! Vergonha! Vergonha!”. Até então, ele era o destaque da equipe, já que tinha marcado os dois gols botafoguenses na partida: um de pênalti e um de cabeça.[33] O árbitro da partida registrou na súmula que teria sofrido ofensas do jogador botafoguense.[34]

Segundo o site "Uol", a má relação de Emerson com a CBF é antiga. O atacante se considera perseguido pela CBF, que usa o STJD para o atingir com punições. A escolha de árbitros jovens para comandar jogos do Botafogo também foi alvo de insatisfação.[35]

Um fato que comprova isso aconteceu poucos dias antes desta partida contra o Bahia. Após a histórica vitória e classificação do Botafogo sobre o Ceará, por 4 a 3, nas oitavas de final da Copa do Brasil, o camisa 7 já tinha criticado a CBF e pedido "vergonha na cara" por parte da entidade. Na ocasião, Emerson havia sido punido com um cartão amarelo e discutiu bastante com o árbitro daquele jogo.[36]

Por conta do episódio que aconteceu no jogo contra o Bahia, ele foi indiciado pelo STJD, e poderia pegar até 18 jogos de gancho. Emerson foi denunciado por "ofender a honra de alguém por fato relacionado ao desporto e agir de forma contrária à ética desportiva", segundo consta no Código Brasileiro de Justiça Desportiva.[37] Em depoimento dado na audiência, Emerson alegou que não teve intenção de ofender a CBF ou o árbitro. Ele definiu sua atitude como um desabafo de descontentamento com a arbitragem brasileira.[34] Sheik foi absolvido pelas críticas que fez contra a CBF, mas acabou punido com quatro jogos de suspensão por ofensas ao árbitro. O auditor relator Felipe Bevilacqua advertiu o jogador pelas críticas à CBF, mas destacou que foram realizadas em local inadequado.[34]

No dia 3 de outubro de 2014 teve seu contrato rescindido com o Botafogo devido divergências com a diretoria.[38]

Retorno ao Corinthians[editar | editar código-fonte]

Após ser dispensado do time do Rio, a diretoria corinthiana decidiu reintegrar Emerson para o time em 2015, e Emerson voltou sendo importante ao marcar um gol aos 30 segundos de jogo contra o Once Caldas, em jogo valido pela fase prévia da Taça Libertadores da América 2015. Em julho, não terá seu contrato renovado.

O último dia de Emerson Sheik no Corinthians(13/06/2015) foi discreto, mas marcado por homenagens à sua passagem de quase quatro anos pelo clube alvinegro. Antes do jogo entre Corinthians e Internacional , Emerson recebeu uma placa de agradecimento pelos serviços prestados ao clube e foi reverenciado pela torcida e companheiros de elenco[39] .

Retorno ao Flamengo[editar | editar código-fonte]

Em 8 de junho de 2015, o Flamengo acertou com o atleta.[40] Onde ira fazer dupla com Paolo Guerrero, seu ex-companheiro de Corinthians.

Em 1 de julho, marcou seu primeiro gol no retorno ao clube, que venceu o Joinville por 1–0 e deixou a zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro.[41] Por conta de sua atuação nesta partida, ele ficou com a 2a colocação do Prêmio O Cara da Rodada, dada pelo diário esportivo Lance!.[42]

Sheik vem tendo boas atuações pelo clube, tanto que, até a 23a rodada do Brasileirão, ele figurava na Seleção do Campeonato, eleita pelo jornal O Lance! (com notas que computavam todos os jogos até então).[43]

Até a 29ª rodada do Brasileirão, Sheik era o líder de dribles certos no Campeonato Brasileiro. De acordo com o “Footstats”, ele tinha dado nada menos do que 21 “entortadas” nos rivais, até então.[44] Além disso, segundo dados do " Espião Estatístico" do Globo Esporte, também até a 29a rodada do Brasileirão, Sheik era o segundo maior causador de cartões para adversários, com 17 cartões (16 amarelos e 1 vermelho). Se considerada a média de cartões puxados por partida, Emerson era o líder, com 1,06 por partida.[45]

Seleção Brasileira[editar | editar código-fonte]

Emerson defendeu a Seleção Brasileira em 6 partidas do Sul-Americano sub-20 de 1999, disputado na Argentina.[47] Como nasceu em 1978, ele defendeu a Seleção com idade adulterada.[48]

Seleção Qatariana[editar | editar código-fonte]

Ainda desconhecido no Brasil, Sheik atendeu ao pedido dos cartolas e se naturalizou catariano em 2008. Fez 2 partidas amistosas, e uma oficial, realizada no dia 26 de março, enfrentando o Iraque pelas Eliminatórias da Copa do Mundo da África do Sul.[49] Emerson foi titular e camisa 10 da seleção.[50]

Apesar do bom desempenho na vitória por 2 a 0, Emerson nunca mais foi convocado. Os adversários reclamaram que ele já havia disputado uma partida com a seleção sub-20 do Brasil. Na ocasião, a Fifa entendeu que o jogador não poderia, de fato, atuar pelo Catar. Contudo, em situação semelhante, Thiago Motta defendeu uma seleção de base brasileira e, mesmo assim, entrou em campo pela Itália em vários jogos.[49]

Por supostamente ter sido escalado em situação irregular, já que Emerson teria infringido a regra que proíbe um jogador que já defendeu uma seleção, mesmo em categorias inferiores, de jogar por outra, a Seleção Qatariana quase "perdeu" este jogo. É que o artigo 55 das regras da Fifa afirma que qualquer equipe considerada culpada de escalar um jogador inelegível deve ser considerada perdedora da partida e a vitória e os três pontos devem ser transferidos para o time adversário.[51]

O Catar acabou sendo absolvido da acusação por ter recebido informações falsas (já que Emerson atuou pelo Brasil com o nome de Marcio Emerson Passos), e o Qatar acabou sendo considerado como o vencedor da partida, avançando para a fase final das eliminatórias. Mas o jogador foi banido dos quadros da Fifa.[51] Ele foi proibido de defender a seleção do Qatar depois de descoberto documento falso e que tinha a defendido a seleção brasileira sub-20 com outro nome.[52]

Polêmicas[editar | editar código-fonte]

Em 2012, o periódico argentino "Canchallena" dissecou a vida do Sheik e se mostrou impressionado com o histórico de falsificações de documentos e outros problemas extracampo envolvendo o jogador. Intitulado de “A incrível história de Emerson”, o texto listou a vida atribulada do jogador.[52] Algumas das polêmicas encontram-se abaixo:

Falsidade Ideológica[editar | editar código-fonte]

No dia 20 de janeiro de 2006, Emerson foi detido por agentes da Polícia Federal no Aeroporto Internacional Tom Jobim na Ilha do Governador, no Rio de Janeiro, quando tentava embarcar para os Emirados Árabes. Sua certidão de nascimento falsa, que foi usada para emitir o seu passaporte, diz que ele nasceu em 6 de dezembro de 1981, em Nova Iguaçu, com o nome Márcio Emerson Passos, mas sua certidão de nascimento original diz que ele nasceu em 6 de setembro de 1978, com o nome Márcio Passos de Albuquerque.

Para não ser preso, ele teve que desembolsar R$ 70 mil em multa, além de prestar serviços comunitários pelo período de 18 meses. O serviço comunitário escolhido por ele foi ajudar crianças carentes.

Macaca "Cuta"[editar | editar código-fonte]

Em 2011, Sheik foi investigado pelo Ibama após comprar uma macaca-prego apelidada de Cuta e tratada como filha por ele. O jogador comprovou que a compra foi legalizada.[54]

Processo por contrabando de veículos[editar | editar código-fonte]

Um carro importado deu uma dor de cabeça tremenda para o jogador. O Ministério Público apontou o jogador como integrante de uma rede de contrabando e lavagem de dinheiro.[55] Este esquema de compra de carros foi montado para para os compradores driblarem o fisco. Os carros eram apontados como 0 km, mas na verdade eram semi-novos e os valores recolhidos por impostos eram subfaturados. Posteriormente, os veículos eram colocados em nomes de laranjas.[56]

Sua BMW foi apreendida durante a Operação Black Ops, da Polícia Federal, em outubro de 2011. Por conta disso, segundo o MPF, ele não poderão sair do país sem avisar a Justiça Federal.[57]

A Justiça o inocentou no caso, mas o Ministério Público recorreu da decisão.[54] [58]

Rivalidades[editar | editar código-fonte]

Em 16 de setembro de 2012, dia da vitória corintiana sobre o rival Palmeiras por 2 a 0, pelo Brasileirão, que mantinha o alviverde na zona de rebaixamento da competição, Emerson, via twitter, escreveria a seguintes palavras: "Que dó, que dó, que dó da formiguinha". Por fim, o atacante ainda ironizaria a condição do rival ao questionar qual seria o dia seguinte da semana, uma segunda-feira, referência indireta à Série B, também conhecida como Segunda Divisão.[59]

Já em dezembro seguinte, durante as comemorações pela conquista do Mundial de Clubes, Sheik se envolveria em mais duas polêmicas, agora com outros dois rivais do Corinthians: São Paulo e Santos. Com relação ao primeiro, o atacante faria graça com a vitória tricolor na Copa Sul-Americana, quando a equipe venceu o Tigre, da Argentina, por W.o. e ficou com o título. Para Emerson: "Nós ganhamos! Ninguém saiu no intervalo, não".[60] Com os santistas, o corintiano fez questão de rebater o comentário do lateral Léo, que havia disparado contra as confusões ocorridas no Aeroporto de Guarulhos no dia do embarque do alvinegro paulistano ao Japão, e ofendeu diretamente o colega de profissão durante os festejos.[61]

Selinho no amigo[editar | editar código-fonte]

Para defender a causa homossexual, em agosto de 2013, Sheik postou uma foto em seu instagram dando selinho no seu amigo Izac. Os dois são sócios nos restaurantes “Paris 6”, de São Paulo e do Rio de Janeiro. Em seu perfil no Instagram, Sheik postou uma imagem do beijo e ressaltou sua coragem ao fazer isso, mas depois enfrentou uma polêmica muito grande. Torcedores do Timão chegaram a protestar no CT do clube. A atitude dividiu opiniões.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Emerson namorou a atriz Antônia Fontenelle entre 2013 e 2014.[62] [63]

Namorou por pouco tempo com a integrante do Pânico na Band, Nicole Bahls, terminaram após Emerson ter se encontrado e dado carona para a modelo Andressa Quintanilha, Nicole afirmou que era "mulher de um homem só".[64]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Até 26 de junho de 2016.

Clubes[editar | editar código-fonte]

[65]

Clube Temporada Campeonato
nacional
Copa
nacional[a]
Competições
continentais[b]
Outros
torneios[c]
Total
Jogos Gols Assist. Jogos Gols Assist. Jogos Gols Assist. Jogos Gols Assist. Jogos Gols Assist.
São Paulo 1998 3 0 0 0 0 0 3 0 0
1999 8 2 0 0 0 0 8 2 0
Total 11 2 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 11 2 0
Consadole Sapporo 2000 34 31 0 1 0 0 0 0 0 35 31 0
Total 34 31 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 35 31 0
Kawasaki Frontale 2001 18 19 0 1 1 0 0 0 0 19 20 0
Total 18 19 0 1 1 0 0 0 0 0 0 0 19 20 0
Urawa Red Diamonds 2001 13 7 0 1 0 0 0 0 0 14 7 0
2002 24 15 0 6 6 0 0 0 0 30 21 0
2003 25 18 0 9 8 0 0 0 0 34 26 0
2004 26 27 0 6 4 0 0 0 0 32 31 0
2005 12 4 0 5 5 0 0 0 0 17 9 0
Total 100 71 0 27 23 0 0 0 0 0 0 0 127 94 0
Al-Sadd 2005–06 7 6 0 4 2 0 1 1 0 0 0 0 12 9 0
2006–07 25 18 0 11 7 0 2 2 0 0 0 0 38 27 0
Total 32 24 0 15 9 0 3 3 0 0 0 0 50 36 0
Rennes 2007–08 3 0 0 3 0 0 6 0 0
Total 3 0 0 0 0 0 3 0 0 0 0 0 6 0 0
Al-Sadd 2007–08 2 0 0 5 4 0 4 2 0 0 0 0 11 6 0
2008–09 0 0 0 4 8 0 0 0 0 0 0 0 4 8 0
Total 2 0 0 9 12 0 4 2 0 0 0 0 15 14 0
Flamengo 2009 14 7 0 5 3 0 2 0 0 5 1 1 26 11 1
Total 14 7 0 5 3 0 2 0 0 5 1 1 26 11 1
Al Ain 2009–10 14 9 0 5 4 0 3 1 0 22 14 0
Total 14 9 0 5 4 0 3 1 0 0 0 0 22 14 0
Fluminense 2010 12 8 1 12 8 1
2011 2 0 0 7 1 0 9 1 0
Total 12 8 1 0 0 0 2 0 0 7 1 0 21 9 1
Corinthians 2011 28 6 5 28 6 5
2012 14 4 0 13 5 4 14 3 0 41 12 4
2013 30 2 3 3 0 0 8 0 3 18 3 9 59 5 15
2014 9 0 1 9 0 1
Total 72 12 8 3 0 0 21 5 7 41 6 10 137 23 25
Botafogo 2014 15 6 1 3 0 0 18 6 1
Total 15 6 1 3 0 0 0 0 0 0 0 0 18 6 1
Corinthians 2015 3 0 0 7 1 2 10 2 0 20 3 2
Total 3 0 0 0 0 0 7 1 2 10 2 0 20 3 2
Flamengo 2015 22 5 1 3 0 0 1 1 0 26 6 1
2016 4 0 0 2 0 0 0 0 0 15 5 1 21 5 1
Total 26 5 1 5 0 0 0 0 0 16 6 1 47 11 2
Total 356 194 11 74 52 0 45 12 9 79 16 12 554 276 32

Seleção Brasileira[editar | editar código-fonte]

Abaixo estão listados todos jogos e gols do futebolista pela Seleção Brasileira, desde as categorias de base. Abaixo da tabela, clique em expandir para ver a lista detalhada dos jogos de acordo com a categoria selecionada.

Sub-20

Ano
Jogos Gols Assist. Média
1999 6 0 0 0
Total 6 0 0 0

Seleção Qatariana[editar | editar código-fonte]

Abaixo estão listados todos jogos e gols do futebolista pela Seleção Qatariana. Abaixo da tabela, clique em expandir para ver a lista detalhada dos jogos de acordo com a categoria selecionada.

Seleção principal

Ano
Jogos Gols Assist. Média
2008 3 0 0 0
Total 3 0 0 0

Títulos[editar | editar código-fonte]

Consadole Sapporo
Urawa Red Diamonds
Al-Sadd
  • Qatar Stars League: 2006, 2007
  • Qatar Crown Prince Cup: 2006, 2007 e 2008
  • Emir of Qatar Cup: 2005 e 2007
  • Copa do Xeque Jassem: 2007
Flamengo
Al-Ain
  • UAE Super Cup: 2009
Fluminense
Corinthians

Prêmios individuais[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  • NI. ^ Nascido em 6 de dezembro de 1978 , Marcio Passos de Albuquerque, em 1996 com 17 anos, mudou o nome para Marcio Emerson Passos e o nascimento para 6 de setembro de 1981. O objetivo da mudança era facilitar a entrada, como se tivesse 14 anos — chamado, no futebol, de "gato" —, nas categorias de base do São Paulo, já que tinha estatura pequena para a idade.[66]

Referências

  1. «Perfil > Emerson». Corinthians.com.br. Consultado em 8 de novembro de 2012. 
  2. Flamengo acerta a contratação do atacante Emerson Sheik
  3. «Emerson Sheik: para sempre no coração da fiel». Goal.com. 11 de agosto de 2012. Consultado em 11 de agosto de 2012. 
  4. a b c d e f g h i globoesporte.globo.com/ Sheik no São Paulo: melhor que Kaká, cobiçado por Zico e até lateral-direito
  5. a b c d e f g h i j k l m placar.abril.com.br/ Sheik está com a macaca: ele entrou para história do Corinthians após título da Libertadores
  6. «Revelado no São Paulo, Emerson Sheik se tornou herói no time do Corinthians». Estadao.com.br. 28 de novembro de 2012. Consultado em 20 de agosto de 2013. 
  7. jconline.ne10.uol.com.br/ Emerson Sheik, o brasileiro de alma japonesa
  8. a b c d e f doentesporfutebol.com.br/ Você lembra? Emerson Sheik no Rennes
  9. a b espn.uol.com.br/ Gols, falsidade ideológica e pedido para sair: a primeira passagem de Sheik pelo Fla
  10. extra.globo.com/ Fla acerta com Emerson _ o outro!
  11. Flamengo não resiste e libera Emerson para os árabes, ESPN.com.br, 27/08/2009
  12. Márcio Passos de Albuquerque, flamengo.com.br, 18/08/2009
  13. Emerson brilha na estreia, marca duas vezes e Al-Ain é campeão nos Emirados, GloboEsporte.com, 23/09/2009
  14. Agora é oficial!Emerson é tricolor!, Lancenet.com.br, 14/06/2010
  15. Botafogo x Fluminense - Campeonato Brasileiro 2010, globoesporte.com.br, 25/07/2010
  16. [1]
  17. Flu diz que Emerson cantou "Bonde do Mengão Sem Freio"
  18. a b globoesporte.globo.com/ Pressão no Sheik: Emerson se irrita com perguntas sobre "gato" e Flu
  19. Ansioso para jogar, Emerson Sheik é apresentado: 'Sou pé quente', garante, GloboEsporte.com, 24 de maio de 2011
  20. Com direito a cordão especial, Sheik leva o tri pelo terceiro clube diferente, GloboEsporte.com, 04 de dezembro de 2011
  21. «Com Emerson como herói e vilão, Corinthians fica a um empate de inédita fina». Veja. 14 de junho de 2012. Consultado em 14 de junho de 2012. 
  22. Padeiro, Carlos (14 de junho de 2012). «Corinthians faz seu primeiro gol fora no mata-mata, mas perde Sheik para jogo de volta». Universo Online. Consultado em 14 de junho de 2012. 
  23. [2]
  24. «Após vitória, Emerson Sheik comemora dando 'selinho' em amigo». Gazeta Esportiva. 19 de agosto de 2013. 
  25. «Sheik se reúne com torcedores e pede desculpa por polêmica». 23 de agosto de 2013. 
  26. «BMW pode levar corintiano Sheik para a cadeia». autoetecnica.band.uol. 17 de novembro de 2013. 
  27. «Atrito em campo pesou na saída de Emerson do time titular, diz Tite». Bol. 28 de agosto de 2013. 
  28. Sheik para Mano: "Mudaria o lado da rua para não ter que passar perto dele"
  29. «Emerson Sheik não aparece nem entre os reservas em treino tático do Corinthians». Superesportes. 28 de março de 2014. 
  30. «Clubes fecham últimos detalhes, e Emerson Sheik acerta com o Botafogo». abril 12, 2014. 
  31. a b espn.uol.com.br/ Há 1 mês no Botafogo, Sheik vira referência e tem o dobro da eficiência dos outros atacantes
  32. globoesporte.globo.com/ Clima tenso: torcedores invadem treino e hostilizam jogadores do Bota
  33. globoesporte.globo.com/ Após expulsão, Sheik reclama da CBF: "Você é uma vergonha!"
  34. a b c piauinoticias.com/ Emerson Sheik é suspenso por 4 jogos e desfalca o Botafogo
  35. esporte.uol.com.br/ Entenda os motivos para Sheik sentir vergonha da CBF. História é antiga
  36. zh.clicrbs.com.br/ Após expulsão, Emerson Sheik dispara: "CBF, você é uma vergonha"
  37. tribunahoje.com/ Atacante Emerson Sheik pode pegar até 18 jogos de gancho
  38. «Crise aumenta: Bota rescinde com Sheik, Bolívar, Julio Cesar e Edílson». 
  39. http://globoesporte.globo.com/futebol/times/corinthians/noticia/2015/06/emerson-se-despede-do-timao-com-placa-e-festa-flamengo-e-o-destino.html?utm_source=Facebook&utm_medium=Social&utm_content=Esporte&utm_campaign=globoesportecom
  40. «Flamengo acerta a contratação do atacante Emerson Sheik». Yahoo. 8 de junho de 2015. Consultado em 8 de junho de 2015. 
  41. «Com o primeiro de Sheik na volta à Gávea, Fla vence JEC e deixa o Z-4». Globoesporte.com. 1 de julho de 2015. Consultado em 2 de julho de 2015. 
  42. lancenet.com.br/ Boa fase premiada: Egídio é eleito o Cara da Rodada mais uma vez
  43. lancenet.com.br/ Timão e Galo dominam seleção do campeonato do LANCE!
  44. esporteinterativo.com.br/ Faz chover! Emerson Sheik é líder de dribles certos no Campeonato Brasileiro
  45. globoesporte.globo.com/ Lucas Lima lidera ranking dos maiores causadores de cartões para rivais
  46. espn.uol.com.br/ Mesmo com atuação pelo Catar, Emerson Sheik diz que pode defender seleção brasileira
  47. blogs.lancenet.com.br/ Shake, Emerson Sheik
  48. esportes.r7.com/ Os loucos anos de Emerson/Márcio no Parque São Jorge. Valeu a pena o Corinthians ter contratado esse alucinado ser humano. Agora, tem o direito de beijar a camisa que ama: a do Flamengo…
  49. a b c d redebomdia.com.br/ Sheik não descarta defender seleção do Catar
  50. esportes.r7.com/ Fifa impede Emerson Sheik de defender a seleção brasileira
  51. a b c bbc.com/ Decisão da Fifa sobre "brasileiro" causa revolta no Iraque
  52. a b noticias.bol.uol.com.br/ Site argentino disseca vida de Emerson Sheik e se impressiona com "ficha suja"
  53. canchallena.lanacion.com.ar/ La increíble historia de Emerson, el jugador brasileño que le hizo frente a Riquelme
  54. a b extra.globo.com/ Emerson Sheik: uma carreira marcada por polêmicas como nome falso, contrabando e selinho em amigo
  55. esporte.uol.com.br/ Justiça acata denúncia contra Sheik e Diguinho por contrabando e lavagem de dinheiro
  56. otempo.com.br/ Denunciados por contrabando, Emerson Sheik e Diguinho podem perder jogos da Libertadores
  57. veja.abril.com.br/ Emerson Sheik e Diguinho são denunciados por contrabando
  58. globoesporte.globo.com/ Emerson Sheik é absolvido de processo de contrabando de veículos
  59. Emerson Sheik provoca derrotado Palmeiras: "amanhã é que dia?"
  60. Sheik ironiza o São Paulo: "Ninguém saiu no intervalo, não"
  61. De microfone na mão, Emerson Sheik comanda festa e manda: "Chupa, Léo"
  62. «Antonia Fontenelle diz que namorado Emerson Sheik escolheu foto para capa de revista: ‘Entende muito de moda’». Extra Globo. 20 de janeiro de 2014. 
  63. «Sheik sobre término com Fontenelle: ‘Não precisa pedir desculpas’». Ego. 17 de fevereiro de 2014. 
  64. «NICOLE BAHLS TERMINA ROMANCE COM EMERSON SHEIK APÓS DESCOBRIR QUE JOGADOR SAIU COM ANDRESSA QUINTANILHA: ‘ACABOU’». Extra. 17 de setembro de 2014. 
  65. «Emerson Sheik» (em inglês). FootballDatabase.eu. Consultado em 16 de julho de 2015. 
  66. «Do nome falso ao selinho: lista reúne onze polêmicas de Emerson Sheik». Globoesporte.com. 20 de agosto de 2013. Consultado em 2 de julho de 2015. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]