Estádio Moisés Lucarelli

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Moisés Lucarelli (Majestoso)
Estádio Moisés Lucarelli
Sisbrace: Star full.svg Star full.svg Star empty.svg Star empty.svg Star empty.svg


Fachada do Estádio Moisés Lucarelli.JPG
Fachada do estádio.

Nomes
Nome Estádio Moisés Lucarelli
Apelido Majestoso
Características
Local Campinas, SP, Brasil
Gramado Grama natural (105 x 68 m)
Capacidade 17.728[1]
Construção
Data 1947
Inauguração
Data 12 de setembro de 1948 (67 anos)
Partida inaugural Ponte Preta 0x3 XV de Piracicaba
Primeiro gol (Sato) XV de Piracicaba
Recordes
Público recorde 37.274 (34.985 pagantes)
Data recorde 1º de fevereiro de 1978
Partida com mais público Ponte Preta 1x3 São Paulo
Outras informações
Remodelado 2005
Proprietário AA Ponte Preta
Administrador AA Ponte Preta
Mandante AA Ponte Preta
Red Bull Brasil

O Estádio Moisés Lucarelli é o estádio pertencente à Associação Atlética Ponte Preta. Localiza-se na cidade de Campinas, no interior do estado de São Paulo, Brasil, tendo sido inaugurado em 12 de setembro de 1948 com capacidade para 35 mil espectadores, construído com doações de material feitas por aficionados do clube em seis anos.[2]

Atualmente teve a capacidade diminuída para 19.728 pessoas no CNEF de 2016 a fim de proporcionar maior conforto e obedecer às novas determinações legais. Apesar da capacidade de mais de 19 mil pessoas o estádio está liberado para apenas 17.728[3]. Além da Ponte Preta, outro clube de Campinas, o Red Bull Brasil também manda seus jogos do Paulistão no estádio.

É possível que o seu recorde de público tenha sido no jogo entre Ponte Preta e Santos, em 16 de agosto de 1970, quando 33.500 espectadores pagaram ingressos para ver a vitória dos visitantes por 1 a 0. Porém, segundo historiadores, havia cerca de 40 mil torcedores dentro do estádio e mais quatro mil pessoas do lado de fora, sem conseguir entrar. No final desse campeonato paulista, a Ponte Preta conquistou o vice-campeonato.

Oficialmente, o maior público é da derrota por 3 a 1 da Ponte Preta para o São Paulo, em 1.º de fevereiro de 1978: 37.274 torcedores, sendo 34.985 pagantes.[4]

É conhecido pelos torcedores do clube como "Majestoso", porque sua capacidade quando da inauguração em 1948 era na época a terceira maior do Brasil, perdendo apenas para o Pacaembu, em São Paulo e São Januário, no Rio de Janeiro.

O Moisés Lucarelli é um dos poucos estádios do Brasil construídos por seus próprios torcedores e homenageia Moysés Lucarelli (1900-1978), sócio do clube por muitos anos e idealizador do estádio, que angariou fundos entre associados e pessoas da comunidade. Lucarelli não queria ser o patrono do estádio, mas a diretoria aproveitou-se de uma viagem dele à Argentina para colocar seu nome e teve de acatar a homenagem — apesar de o nome do ex-presidente ser grafado com Y, o nome oficial do estádio é grafado com I.[5]

Está localizado à Praça Dr. Francisco Ursaia, 1900 (número escolhido por ser o ano de fundação do clube), em Campinas.


História de Moysés na Ponte Preta[editar | editar código-fonte]

Busto de Moysés, localizado na entrada do estádio. Foi inaugurado dia 11 de agosto de 1960 e feito pelo escultor Lelio Coluccini.[6]

O sonho ponte-pretano de construir seu próprio estádio de futebol começou a ser perpetuado pelas mãos de um dos principais dirigentes da história do clube: Moysés Lucarelli (ou Moisés), o homem que uniu toda uma cidade em torno do objetivo de construir o Majestoso, hoje um dos maiores palcos do esporte da bola em todo o Brasil. Nascido em Limeira, dia 18 de Junho de 1898, Moysés Lucarelli mostrava-se dinâmico e acima de tudo um apaixonado pelo clube, ao aceitar o desafio de erguer o estádio. Conseguiu, depois de muitas dificuldades com as irrisórias contribuições provenientes da venda de títulos de sócios. Na época o futebol não apresentava ainda características empresariais.[7][8]

Para que os trabalhos fossem acelerados e executados ao seu gosto, Lucarelli insistia em fiscalizar os operários no próprio local das obras. Durante a construção, desrespeitando as recomendações médicas, chegava a permanecer dez horas por dia sob o sol, o que eliminou em pouco tempo cerca de 40 por cento da sua capacidade visual, através de úlcera nas córneas. Moysés Lucarelli, que jamais negou seu amor pela cidade e pela Ponte Preta, aos 17 anos iniciava sua história no clube, um time de apenas "11 camisas", como era chamada pejorativamente a equipe campineira por não ter um estádio próprio para jogar. Logo assumiu o cargo de cobrador da associação que possuía cerca de 40 sócios. Aos poucos fez esse número crescer para que a Ponte pudesse se manter em pé.

Uma das reportagens dando detalhes da obra e falando sobre o projeto da construção do Estádio Moisés Lucarelli, que seria o 3° maior do País na época.

Em 1922 assumiu a secretaria e em 1930 tornou-se o homem mais importante do clube: foi um diretor sem pasta, mas sempre disposto a trabalhar e jamais deixou de alimentar o seu maior sonho, o de construir um estádio, a chamada casa da Ponte Preta. Ele nunca chegou ao cargo de presidente, porém marcou a história como nenhum outro que tenha ostentado a "faixa" no peito.

Moysés jamais escondeu um outro orgulho como dirigente de futebol: junto com Roberto Gomes Pedroza e Gerolamo Ometo, entre poucos outros, foi criador da Lei de Acesso no futebol paulista, em 1947, medida pioneira no futebol brasileiro e que foi implantada a partir de 1948.

Em 1960 mesmo percebendo que a Ponte estava descendo para uma divisão inferior, ele pregou com sua autenticidade a manutenção das regras. Aos amigos no clube, disse que no dia em que a Lei do Acesso terminasse, o futebol do interior iria morrer. Por isso a Ponte desceria de divisão e teria de lutar para retornar ao grupo principal.

Em 11 de setembro de 1975, quando a Ponte completou seu Jubileu de Diamante, o comerciante e industrial aposentado - era proprietário de uma fábrica de fogões - Moysés Lucarelli, concedeu uma de suas ultimas entrevistas ao Correio Popular. Faleceu em 24 de março de 1978 na cidade de Campinas, aos 78 anos, e foi enterrado no Cemitério da Saudade.[9][10][11]

Maiores Públicos[editar | editar código-fonte]

Data Placar Público Competição
01/02/1978 Brasil Ponte Preta 1 x 3 São Paulo Brasil 37.274; Campeonato Paulista
16/08/1970 Brasil Ponte Preta 0 x 1 Santos Brasil 33.500; Campeonato Paulista
27/02/1977 Brasil Ponte Preta 3 x 1 Guarani Brasil 31.970; Campeonato Paulista
27/01/1980 Brasil Ponte Preta 2 x 1 Guarani Brasil 30.000; Campeonato Paulista
21/09/1977 Brasil Ponte Preta 3 x 1 São Paulo Brasil 25.548; Campeonato Paulista
21/11/1999 Brasil Ponte Preta 2 x 1 São Paulo Brasil 25.200; Campeonato Brasileiro
18/07/1999 Brasil Ponte Preta 5 x 0 Mirassol Brasil 25.000; Campeonato Paulista - Série A2
09/08/1970 Brasil Ponte Preta 0 x 0 Palmeiras Brasil 24.637; Campeonato Paulista
05/07/1981 Brasil Ponte Preta 0 x 0 Guarani Brasil 23.470; Campeonato Paulista
18/08/1999 Brasil Ponte Preta 0 x 0 Guarani Brasil 22.609; Campeonato Brasileiro
20/07/1980 Brasil Ponte Preta 3 x 0 Guarani Brasil 22.214; Campeonato Paulista
05/08/1981 Brasil Ponte Preta 3 x 2 Guarani Brasil 22.167; Campeonato Paulista
19/08/1979 Brasil Ponte Preta 1 x 0 Guarani Brasil 22.047; Campeonato Paulista
24/11/1999 Brasil Ponte Preta 2 x 3 São Paulo Brasil 21.588; Campeonato Brasileiro
07/03/1976 Brasil Ponte Preta 2 x 1 Guarani Brasil 21.511; Campeonato Paulista

Partidas Memoráveis[editar | editar código-fonte]

  • Ponte 0 x 3 XV de Piracicaba - Partida inaugural do estádio

Pela primeira partida oficial realizada no novo estádio, a Ponte foi surpreendida e derrotada pelo XV de Piracicaba por 3 a 0 em um amistoso no dia 12 de outubro de 1948. Era a inauguração daquele que era o 3° maior estádio do Brasil na época.[12]

  • Ponte 5 x 1 Taubaté - A primeira vitória

O primeiro triunfo da "Macaca" no Majestoso aconteceu em 24 de Outubro de 1948, em partida contra o E.C. Taubaté, onde a Ponte goleou o visitante por 5 a 1, com gols de Gaspar (3), Armandinho e Vicente.

  • Ponte 2 x 0 Estudiantes - A primeira vitória internacional

A primeira vitória contra um time estrangeiro aconteceu frente ao Estudiantes, um grande e respeitado clube da Argentina, em um jogo amistoso no dia 17 de fevereiro de 1952.

  • Ponte 2 x 1 Guarani - Campeonato Paulista de 79

Em 1980, Ponte e Guarani decidiriam vaga para final do Campeonato Paulista do ano anterior. Com trinta mil ponte-pretanos no Majestoso, a Macaca venceu a partida de ida por 2 a 1. No jogo de volta, nova vitória da Ponte, por 1 a 0, com direito a invasão de gramado por parte da torcida da Ponte. A Macaca iria para a sua terceira final de Paulista, enquanto o rival teria que esperar mais 7 anos para chegar a uma final estadual, pela primeira vez.

  • Ponte Preta 3 x 2 Guarani - O maior e mais importante derby de todos os tempos

Segundo a crônica esportiva e estudiosos do futebol o mais importante Derby campineiro aconteceu em 5 de agosto de 1981, decisão do Primeiro Turno do Campeonato Paulista de Futebol de 1981, o vencedor já garantia sua participação na final do Paulistão, além de conquistar o titulo do primeiro turno.
Estádio: Moisés Lucarelli
Árbitro: José de Assis Aragão
Público: 21.948 pagantes, 219 não pagantes
Ponte Preta: Carlos, Toninho Oliveira, Juninho, Nenê, Odirley, Zé Mário, Humberto (Marco Aurélio), Dicá, Osvaldo, Chicão (Jorge Campos) e Serginho .
Técnico: Jair Picerni
Gols da Ponte Preta: Osvaldo , Serginho e Odirley.

  • Ponte 2 x 0 Grasshoper - Despedida do "Mestre Dicá"

No dia 26 de Janeiro de 1986 o maior ídolo da história da Macaca, Dicá, se despedia da torcida em uma partida amistosa no Majestoso contra o Grasshoper da Suíça.

  • Ponte 1 x 1 Náutico - O retorno a elite nacional

Vice-campeã do Campeonato Brasileiro Série B, a Ponte voltaria à elite depois de 11 temporadas, após um empate com o Náutico por 1 a 1, com um publico de 21.070 pessoas no Majestoso. O acesso se tornou a volta por cima do clube, depois de 10 anos de uma grande crise financeira e temporadas irregulares dentro de campo.[13]

  • Ponte 5 x 0 Mirassol - Campeonato Paulista de 1999

A Ponte voltava a Série A1 do Campeonato Paulista líder absoluta de seu grupo com 42 pontos. O jogo de encerramento aconteceu com um publico de 25 mil pessoas no Majestoso: a Ponte goleou o adversário e retornava à elite estadual depois de 4 anos.[14]

  • Ponte 3 x 2 Atlético-MG - O gol do meio campo

Dia 8 de agosto de 2000 pela Copa João Havelange. A Ponte enfrentava um forte adversário e venceu pelo placar de 3 a 2, sobrando em campo com boas atuações de Washington, Macedo e Adrianinho. Mas quem se destacou naquele jogo foi "Jacozinho", que fez um lindo gol do meio campo, deixando a sua torcida enlouquecida no Majestoso.[15]

  • Ponte Preta 2 x 0 Fortaleza - Brasileirão 2003

A Ponte brigava contra o rebaixamento naquele ano e precisava de uma vitória para escapar. Com mais de 18 mil pessoas no estádio, o time de Campinas se garantiu na elite do futebol e rebaixou a equipe cearense para a Série B.[16]

  • Ponte 2 x 0 Deportivo Pasto - A Ponte para a América do Sul

Na 1ª fase da Copa Sul-Americana de 2013 a Ponte já havia despachado o Criciúma Esporte Clube com uma vitória fora de casa e um empate magro em Campinas. Mas foi contra o time colombiano Deportivo Pasto que a Ponte conquistou sua primeira vitória por uma competição oficial da Conmebol, diante de mais de 15 mil ponte-pretanos.[17]

Imagens[editar | editar código-fonte]

Vista geral do estádio
Escudo na entrada principal
Refletores
Arquibancadas sociais
Antes do início de uma partida

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre estádios de futebol do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.