Colégio Técnico de Campinas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde julho de 2016). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde julho de 2016). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


Colégio Técnico de Campinas
COTUCA
Informação
Tipo de instituição Público
Fundação 1967 (51 anos)
Diretor(a) Alan Cesar Ikuo Yamamoto
Reitor(a) Marcelo Knobel
Número de estudantes 296 [1]
Cursos técnicos Alimentos, Eletroeletrônica, Enfermagem, Informática, Mecatrônica
Cores      Vermelho
     Cinza
Página oficial http://cotuca.unicamp.br/

O Colégio Técnico de Campinas (também COTUCA ou Cotuca) é um colégio técnico estadual subordinado à Unicamp localizado na rua Jorge Figueiredo de Correa, no bairro do Taquaral, Próximo ao Parque Portugal também conhecido como Lagoa do Taquaral Campinas, São Paulo, Brasil.

Era, inicialmente, chamado de COTUCA devido à abreviação de Colégio Técnico da Universidade de Campinas (ou "Colégio Técnico da Unicamp"), mas, posteriormente, o nome oficial se tornou "Colégio Técnico de Campinas", que é seu nome atual.

Além dos cursos técnicos semestrais, o colégio também oferece o Ensino Médio comum e cursos de extensão. Ele é, nacionalmente, conhecido por sua qualidade e por possuir um vestibular (popularmente chamado de vestibulinho) com grande concorrência, superando a relação candidato/vaga de muitos cursos do ensino superior da rede pública. É considerado, pelo mercado de trabalho e pelo meio acadêmico, como um dos melhores colégios técnicos do Brasil e do mundo.

Localização[editar | editar código-fonte]

Antigo prédio da colégio, localizado no centro de Campinas

O prédio do COTUCA é um patrimônio histórico da cidade de Campinas. Sua construção se deu no ano de 1918, por Bento Quirino, num projeto do arquiteto Ramos de Azevedo. A Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - começou seu funcionamento nesse prédio, em 1967, com os cursos de Química, Engenharia de Alimentos e Medicina. No mesmo ano o COTUCA começou a funcionar, com os cursos de Eletrotécnica, Mecânica e Alimentos. As instalações possuem 6500 metros quadrados e, por ser um patrimônio histórico, são mantidas e conservadas de acordo com suas características originais.

Transferência para o campus em Barão Geraldo[editar | editar código-fonte]

Em consequência da longa estiagem no início de 2014, que agravou o estado do prédio, no dia 12 de fevereiro, as aulas foram suspensas e, no dia 13, foi anunciado que as aulas seriam provisoriamente transferidas para os prédios do Ciclo Básico I e II, no campus da Unicamp em Barão Geraldo, até que a reitoria conseguisse providenciar a locação de um novo prédio para o colégio[2][3]. As obras de restauração histórica e estrutural no prédio antigo teriam, a princípio, a duração prevista de, no mínimo, 2 anos, e deveriam começar em meados de 2014[4] . Entretanto, meses após a transferência provisória para o Campus, foi realizada uma nova vistoria da qual se apurou que o restauro histórico ao qual o prédio deveria ser submetido poderia levar de 8 a 12 anos para ser concluído. A reitoria providenciou a locação do prédio onde já se hospedou o antigo Anglo Campinas, Unidade Taquaral. A ideia da estadia temporária deveria se estender por um período de 2 a 3 anos de modo que se pudesse construir uma nova estrutura exclusiva do colégio dentro do território da Universidade de Campinas. Atualmente, com um certo embargo nas obras do novo COTUCA, o período de passagem do Colégio pelas dependências da estrutura provisória acabou por ficar com tempo indeterminado.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]