Laboratório Nacional de Luz Síncrotron

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Logo-header.svg
Fotografia panorâmica do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron
Fundação 1997
Tipo Instituição científica
Sede Campinas
 Brasil
Sítio oficial www.lnls.br

O Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS) é uma instituição de pesquisa em física, biologia estrutural e nanotecnologia desenvolvendo projetos nas áreas de Física, Química, Engenharia, Meio Ambiente e Ciências da Vida. O laboratório projetado em 1983 entrou em funcionamento em 1997 e está localizado no Distrito de Barão Geraldo da cidade de Campinas, no interior do estado de São Paulo, Brasil.[1]

O LNLS integra o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM) com outros três laboratórios nacionais: o Laboratório Nacional de Biociências (LNBio), o Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia de Bioetanol (CTBE), e o Laboratório Nacional de Nanotecnologia (LNNano). [2]

Aceleradores de partículas[editar | editar código-fonte]

UVX[editar | editar código-fonte]

Acelerador UVX.

O LNLS possui um acelerador de partículas (um síncrotron), o UVX, usado como fonte de luz que é o pioneiro desse gênero no Hemisfério Sul e foi projetado e construído no Brasil. O projeto do UVX, também localizado em Campinas começou em 1985, por iniciativa dos físicos Ricardo Lago e Ricardo Rodrigues. Foi inaugurado em 1997 com a presença do então presidente Fernando Henrique Cardoso.[3]

O LNLS é uma instalação com tecnologia avançada no Brasil aberta para ser usada por pesquisadores de qualquer universidade ou empresa do país e do mundo. Era um equipamento único em toda a América Latina e raro no mundo inteiro.[3]

Sirius[editar | editar código-fonte]

Maquete do Sirius.

No começo dos anos 2000, a tecnologia avançara e o UVX ficara obsoleto em comparação a outros síncrotrons espalhados pelo mundo. Em 2008, José Antônio Brum, diretor do LNLS entre 2001 e 2008, pediu à equipe do laboratório que desenhasse um pré-projeto do novo acelerador. A proposta foi entregue ao então ministro da Ciência, o físico Sérgio Rezende, durante uma visita ao laboratório.[3]

O Novo laboratório de luz síncrotron 4G, será construído no mesmo local com inauguração prevista para 2019.[4] Nele ficará Sirius, o novo acelerador de partículas com 235 metros de diâmetro e com emitância de 0,27 nanômetros-radianos.[5]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM). «LNLS: uma história de sucesso». Consultado em 9 de abril de 2011 
  2. Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM). «CNPEM Acesso a Informação». Consultado em 15 de maio de 2017 
  3. a b c Rafael Ciscati (12 de janeiro de 2017). Revista Época, ed. «O acelerador de partículas de R$ 1,5 bilhão». Consultado em 15 de agosto de 2017 
  4. Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM). «Novo laboratório de luz síncrotron deve começar a operar em 2019». Consultado em 4 de setembro de 2014 
  5. «Novo acelerador de partículas será inaugurado em 2018, em Campinas». Folha de S.Paulo. 19 de janeiro de 2015. Consultado em 19 de janeiro de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Laboratório Nacional de Luz Síncrotron
Ícone de esboço Este artigo sobre física é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.