Sport Club Corinthians Paulista (futebol feminino)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Corinthians
Sport Club Corinthians Paulista
Nome Sport Club Corinthians Paulista (futebol feminino)
Alcunhas
Torcedor/Adepto corintiano[nota 1]
fiel
Mascote Mosqueteiro
Principal rival Palmeiras
São Paulo
Santos
Ferroviária
Fundação 08 de novembro de 1997 (23 anos) (Seção de Futebol Feminino)

27 de janeiro de 2016 (5 anos) (Reabertura do Departamento de Futebol Feminino)

Estádio Estádio Alfredo Schürig

Neo Química Arena

Capacidade 18 500[2]

49 250[3]

Localização São Paulo, Brasil
Presidente Duílio Monteiro Alves[4]
Treinador Arthur Elias[5]
Patrocinador Banco BMG[6]
Material (d)esportivo Nike
Competição Campeonato Paulista
Copa Libertadores
Campeonato Brasileiro
Ranking nacional Aumento 3.º lugar, 9 424 pontos[7]
Website corinthians.com.br
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
editar

O Corinthians Feminino é a equipe de futebol feminino do Corinthians, clube multiesportivo localizado na cidade de São Paulo. A equipe, iniciada em 1997 e desativada por alguns anos, foi restabelecida em 2016 numa parceria com o Audax e passou a ter gestão própria em 2018. A maior parte dos jogos é realizada no Estádio Alfredo Schürig, mais conhecido como "Fazendinha", sendo considerada a casa do futebol feminino do Corinthians. O time é o atual campeão do Paulista Feminino[8] e do Brasileiro Feminino.[9]

História[editar | editar código-fonte]

Primórdios e parceria[editar | editar código-fonte]

Fundada em 1997, a equipe de futebol feminino do Sport Club Corinthians Paulista é uma das mais bem sucedidas da América latina da atualidade. Porém, ela passou por diversos períodos de instabilidade, operando de forma irregular, e sendo desativada no biênio 2008-09. Uma das principais jogadoras do período inicial da equipe foi a Milene Domingues, conhecida como a rainha das embaixadinhas, que ficou no clube de 1997 até 2001, quando se transferiu para o futebol europeu. A modalidade ficou paralisada por sete anos até 2016, e durante esse período outras equipes dos futebol paulista como o Santos e o São José se mantiveram competitivas e bem sucedidas com títulos nacionais e internacionais. Com o sucesso dos rivais e o potencial da modalidade a ser explorado, o Corinthians anunciou o retorno à categoria no dia 27 de janeiro de 2016, através de uma parceria com o Grêmio Osasco Audax.[10][11] A parceria durou dois anos e estabeleceu as primeiras grandes conquistas do time. Em 2016, a equipe foi campeã da Copa do Brasil pela primeira vez[12][13] e garantiu a classificação para a Copa Libertadores de 2017, na qual foi campeã de forma invicta ao vencer o Colo-Colo nos pênaltis, com grande atuação da goleira Lelê.[14][15] Com o título, o Corinthians igualou o Santos ao ser campeão tanto da Libertadores Masculina como da Feminina.[16] No fim do mesmo ano, a parceria com o Audax se encerra e o time feminino do Corinthians passou a ter gestão própria.[17]

Gestão própria[editar | editar código-fonte]

Após o fim da parceria em 2017, a gestão da equipe a partir de 2018 ficou a cargo da diretora Cris Gambaré, ex-conselheira do clube, assumindo a responsabilidade continuar a evolução da modalidade. Logo no início do ano, Cris deixou o cargo de conselheira para se dedicar ao cargo de diretora do futebol feminino. Em entrevista ao ESPN, Cris comenta que "“foi pedido para mim em 2015 a formatação do contexto do futebol e aí nós fizemos a parceria com o Audax. Mas como gestão própria, eu sai do conselho para assumir 100%”.[18] O Corinthians perdeu o direito de disputar a Copa Libertadores de 2018, cuja vaga ficou com o Audax.[19] Todavia, a comissão técnica comandada por Arthur Elias e boa parte do elenco foram mantidos, incluindo jogadoras de destaque na campanha do ano anterior como Pardal, Grazi, Gabi Nunes e Lelê. O time se reforçou com as chegadas de Gabi Zanotti, Adriana, Érika e Diany. Outra novidade foi o retorno da ex-jogadora Milene Domingues, agora como embaixadora do futebol feminino do clube. Os reforços aumentaram a competitividade do time e foram primordiais na conquista do Campeonato Brasileiro de 2018, batendo o Rio Preto nas finais com placar agregado de 4 à 0.[20][21][22] O futebol ofensivo do time foi um dos pontos fortes da equipe. Ao todo, foram 15 vitórias, 4 empates e apenas 1 derrota no torneio.[23][24] A equipe também chegou a final do estadual de 2018, mas perdeu a final para o Santos.[25] No fim da temporada, o Corinthians inaugurou o memorial destinado ao futebol feminino no Parque São Jorge, para expor as conquistas da modalidade.[26]

Para a temporada de 2019, o time manteve a maior parte do elenco, mas perdeu a meio-campista Ana Vitória e a lateral-esquerda Yasmim. A fim de fortalecer o elenco, o Corinthians contratou mais jogadoras. O clube trouxe a lateral-esquerda Tamires, a zagueira Mônica, a atacante Giovanna Crivelari, e as meias Maiara e Victoria Albuquerque. Contudo, a equipe teve baixas importantes, perdendo Gabi Nunes, Diany e Adriana em função de lesões. A zagueira Mônica, contratada junto aos demais reforços no começo do ano, rescindiu o contrato e deixou o Corinthians após quatro meses de contrato.[27][28][29][30] Ao longo da temporada, o time conseguiu uma sequência de 34 vitórias seguidas, feito nunca antes alcançado no futebol (masculino ou feminino), chegando assim nas finais do campeonato brasileiro feminino,[31] do paulista feminino[32] e da Libertadores[33]. No nacional, o time ficou com o vice campeonato, após perder o título para a Ferroviária, nos pênaltis, após dois empates.[34][35] Por outro lado, na competição continental, o Corinthians se sagrou bicampeão da Libertadores, ao bater a mesma Ferroviária, pelo placar de 2 à 0.[36] No estadual, o time bateu o São Paulo pelo placar agregado de 4 à 0, e conquistou o título pela primeira vez em sua história[37]. No segundo jogo da final, realizado na Arena Corinthians, foi batido o recorde de público de um jogo de futebol feminino no Brasil: 28.609.[37]

Em 2020, o Corinthians anunciou que todas as jogadoras do seu time feminino teriam seus contratos profissionalizados[38][39][40][41], sendo o primeiro clube da América do Sul a fazer tal feito. Segundo o diretor jurídico do clube, Fábio Trubilhano, o Corinthians busca trazer "padronização e equidade no tratamento jurídico e contratual do futebol profissional feminino e masculino".[41] Com o possível fortalecimento no ano, o Corinthians não mediu esforços para manter o time de 2019 e trazer mais reforços para continuar competitivo na modalidade. O grande destaque foi a contratação de Andressinha, meia que estava no Portland Thorns FC dos Estados Unidos.[42] O clube também trouxe a lateral da seleção brasileira Poliana, que estava no São José[43], as atacantes Gabi Portilho e Pamela, que estavam no 3B da Amazônia e Yunnan Hengjun Belian respectivamente.[44][45] Apesar dos esforços para manter o elenco, o clube perdeu a atacante Millene para o Wuhan Xinjiyuan, da China. Ela chegou a retornar ao clube paulista durante a pandemia de Covid-19 através de empréstimo, mas como os campeonatos nacionais permaneceram paralisados e o clube chinês solicitou o retorno da jogadora no dia 16 de junho, a atleta não teve tempo para jogar novamente pelo Corinthians.[46][47] Após o jogo contra o São Paulo pelo Campeonato Brasileiro, o clube pararilisou as atividades no dia 17 de março em função do alto número de casos de Covid-19, adiando assim o jogo contra a Ferroviária na fazendinha.[48] As atividades permaneceram suspensas até o fim de julho, retornando a partir do dia 29 com testes em todo o elenco e comissão técnica.[49] Após uma temporada no Benfica, a lateral Yasmim retorna ao clube no dia 10 de agosto.[50] Desfalques durante boa parte do ano anterior em virtude de lesões, a volante Diany e as atacantes Adriana e Gabi Nunes reforçam a equipe nesta temporada. Assim como em 2019, a equipe volta a fazer uma ótima campanha na primeira fase do Campeonato Brasileiro, com 14 vitórias e apenas uma derrota. No decorrer da competição, o Corinthians deixou para trás Grêmio e Palmeiras para enfrentar o Avaí/Kindermann na final, empatando o primeiro jogo em 0 à 0 e vencendo o segundo por 4 à 2, tornando-se, ao lado da Ferroviária, bicampeão da competição. O título também foi celebrado por ser o primeiro conquistado na Neo Química Arena, antiga Arena Corinthians.[9] Em dezembro, a equipe conquistou o inédito bicampeonato estadual, ao bater a Ferroviária na final por 8 à 1 no agregado.[8]

Recordes[editar | editar código-fonte]

Em 18 de Setembro de 2019, a equipe alcançou o feito de 34 vitórias consecutivas, um recorde mundial, entre times masculinos e femininos. Antes, o recorde mundial pertencia ao time masculino The New Saints, do País de Gales, com 27 vitórias consecutivas. No futebol brasileiro, o recorde pertencia anteriormente ao time masculino do Coritiba, foram 24 resultados positivos em 2011.[51][52]

O feito foi reconhecido momentaneamente pelo Guinness World Records.[53][54] No entanto, uma sequência anterior da equipe feminina do Olympique Lyonnais, com 48 vitórias consecutivas não havia sido reconhecida.[53] O clube francês detém o atual recorde do Guinnees.[55] Apesar da sequência de vitórias ter sido interrompida, o clube permaneceu 48 jogos sem perder; contudo, a invencibilidade da equipe terminou após um revés para o São Paulo em 29 de fevereiro de 2020.[56]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Participações em 2020
Competição Temporadas Melhor campanha Anos disputados
São Paulo Campeonato Paulista Feminino 8 Campeão (2019 e 2020) 1997, 2001, 2008-2009, 2016-2020
Brasil Série A1 5 Campeão (2018 e 2020) 2016-2020
Copa do Brasil Feminina 2 Campeão (2016) 2008, 2016
Flags of the Union of South American Nations.gif Copa Libertadores da América de Futebol Feminino 3 Campeão (2017 e 2019) 2017, 2019-2020

Títulos[editar | editar código-fonte]

CONTINENTAIS
Competição Títulos Temporadas
CONMEBOL orthographic projection Mapa CONMEBOL.png
Copa Libertadores da América 2 2017Cscr-featured.png e 2019Cscr-featured.png
NACIONAIS
Competição Títulos Temporadas
Brasileiro Feminino A1 Troféu (2016-).png
Campeonato Brasileiro 2 2018 e 2020
Troféu Copa do Brasil Feminina.png Copa do Brasil 1 2016
ESTADUAIS
Competição Títulos Temporadas
0-esp.png
Campeonato Paulista 2 2019Cscr-featured.png e 2020

Categorias de Base[editar | editar código-fonte]

NACIONAIS
Competição Títulos Temporadas
Brasil Campeonato Brasileiro Sub-16 1 2021Cscr-featured.png

Outras conquistas[editar | editar código-fonte]

  • Argentina Rosario Cup: 2018

Cscr-featured.png Título invicto

Desempenho no Campeonato Brasileiro[editar | editar código-fonte]

Temporada Equipes Classificação na

Temporada Regular

Playoffs Classificação

Final

2016 20 Qualificado para os Playoffs
2017 16 Qualificado para os Playoffs
2018 16 Qualificado para os Playoffs
2019 16 Qualificado para os Playoffs
2020 16 Qualificado para os Playoffs

Elenco atual[editar | editar código-fonte]

Soccerball current event.svg Última atualização: 12 de setembro de 2021


Goleiras
N.º Jogadora
1 Brasil Tainá Borges
12 Brasil Kemelli
23 Brasil Paty
62 Brasil Isa Cruz
97 Brasil Suíça Natascha
Defensoras
N.º Jogadora Pos.
3 Brasil Pardal Z
4 Brasil Giovanna Campiolo Z
14 Brasil Tarciane Z
22 Brasil Poliana Z
99 Brasil Érika Z
2 Brasil Katiuscia LD
37 Brasil Tamires LE
71 Brasil Yasmim LE
Meio-campistas
N.º Jogadora Pos.
5 Brasil Ingryd V
7 Brasil Grazi V
8 Brasil Diany V
20 Brasil Andressinha V
6 Brasil Juliete M
10 Brasil Gabi Zanotti M
17 Brasil Victória Albuquerque M
Atacantes
N.º Jogadora
9 Brasil Jheniffer
13 Brasil Cacau
15 Brasil Miriã
16 Brasil Adriana
18 Brasil Gabi Portilho
77 Brasil Bianca Gomes
Comissão técnica
Nome Pos.
Brasil Arthur Elias T

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Desde 2006, a diretoria do Corinthians resolveu adotar a alcunha "corinthiano", com a letra "h". No entanto, a forma vai contra a Reforma Ortográfica de 1943, que eliminou a letra "h" de uma série de palavras, como exemplo, "Christo", "triumpho", "pharmácia", "Nitheroy", "athético". Uma exceção foi "Bahia", que não mudou para preservar a tradição, embora o adjetivo (que não é nome próprio) não goza da mesma prerrogativa e teve que seguir o padrão da nova norma culta da língua, ou seja, quem nasce na "Bahia" é "baiano(a)", sem h. O mesmo princípio vale para o gentílico do clube de futebol Corinthians, ou seja, "corintiano(a)", sem "h". Embora não exista "th" na língua portuguesa, é permitido o seu uso em nomes próprios (como "Thiago", "Thomaz", "Theresa", etc), bem como o nome próprio "Corinthians" é válido, porém, qualquer palavra derivada dele - corintiano, corintianismo etc - deve seguir a norma culta, ou seja, sem a letra "h". Os meios de comunicação e a comunidade acadêmica adotam a norma culta e a Reforma Ortográfica de 1943.


Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Esportes Terra. «Dados gerais sobre o Corinthians». Google. Consultado em 6 de fevereiro de 2009 
  2. CDN.CBF.com.br. «CNEF-Cadastro Nacional de Estádios de Futebol» (PDF). Consultado em 13 de julho de 2015 
  3. CDN.CBF.com.br. «CNEF-Cadastro Nacional de Estádios de Futebol» (PDF). Consultado em 17 de novembro de 2020 
  4. «Duílio toma posse como novo presidente do Corinthians». 21 de janeiro de 2020. Consultado em 6 de fevereiro de 2020 
  5. «Como Arthur Elias levou o futebol feminino do Corinthians ao topo». esportes.yahoo.com. Consultado em 6 de novembro de 2019 
  6. «Banco BMG acerta patrocínio com time feminino do Corinthians». Futebol Interior. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  7. CBF (4 de fevereiro de 2020). «RNC/FF - RANKING NACIONAL DE CLUBES - 2020» (PDF). Cópia arquivada (PDF) em 4 de dezembro de 2017 
  8. a b «Corinthians goleia a Ferroviária e é bicampeão paulista». 20 de dezembro de 2020. Consultado em 21 de dezembro de 2020 
  9. a b «Corinthians vence Avaí em final de seis gols e é bicampeão do Brasileiro Feminino». 6 de dezembro de 2020. Consultado em 7 de dezembro de 2020 
  10. «Futebol feminino no Corinthians». web.archive.org. 30 de setembro de 2017. Consultado em 2 de julho de 2019 
  11. «História do futebol feminino do Corinthians». Rede NINJA. Consultado em 3 de julho de 2019 
  12. «VÍDEO: Corinthians/Audax conquista título inédito da Copa do Brasil Feminina». Lance!. Lance!. 28 de outubro de 2016. Consultado em 17 de junho de 2019 
  13. «Corinthians - Futebol Feminino Vencemos a Copa do Brasil». Instagram. Sport Club Coritnhians. Consultado em 17 de junho de 2019 
  14. «Corinthians/Audax bate Colo-Colo nos pênaltis e fatura Libertadores feminina». Gazeta Esportiva. Gazeta Esportiva. 22 de outubro de 2017. Consultado em 17 de junho de 2019 
  15. «Corinthians é campeão da Libertadores feminina de 2017». www.radioesportesnet.com.br. Consultado em 17 de junho de 2019 
  16. «Lelê brilha nos pênaltis, e Corinthians/Audax conquista a Libertadores feminina». Globoesporte. Consultado em 2 de julho de 2019 
  17. «Corinthians - Futebol Feminino no Instagram: "Comunicado: O Sport Club Corinthians Paulista confirma o fim da parceria no futebol feminino com o Grêmio Osasco Audax e, assim, terá…"». Instagram. Consultado em 2 de julho de 2019 
  18. «Conheça a grande mulher responsável por elevar o nível do time feminino do Corinthians». 8 de março de 2020. Consultado em 17 de agosto de 2020 
  19. «Corinthians perde o direito de disputar a Libertadores feminina de 2018». 17 de novembro de 2018. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  20. «Corinthians goleia o Rio Preto e é campeão do Brasileirão Feminino A-1». Confederação Brasileira de Futebol. 26 de outubro de 2018. Consultado em 17 de junho de 2019 
  21. «Corinthians - Futebol Feminino no Instagram: "Bom dia, Fiel! Para começar o sabadão, vamos acompanhar os gols que garantiram o título brasileiro feminino de 2018. Eles foram marcados…"». Instagram. Sport Club Corinthians. 27 de outubro de 2018. Consultado em 17 de junho de 2019 
  22. «Corinthians campeão brasileiro feminino: veja fotos e vídeos da festa do título». Torcedores.com. 27 de outubro de 2018. Consultado em 17 de junho de 2019 
  23. «Tabela do Brasileirão Feminino 2018». Confederação Brasileira de Futebol. Consultado em 17 de junho de 2019 
  24. Barlem, Cintia (15 de março de 2019). «Atual campeão, Corinthians não abre mão de estilo ofensivo para o Brasileiro feminino; técnico fala sobre Seleção». Globoesporte. Consultado em 17 de junho de 2019 
  25. «Santos marca no fim e fatura o título do paulista 2018». 6 de outubro de 2018. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  26. «Corinthians inaugura espaço para o memorial feminino». 5 de dezembro de 2018. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  27. «Zagueira da seleção, Mônica, deixa o Corinthians». 18 de agosto de 2019. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  28. «Adriana tem lesão confirmada». 17 de maio de 2019. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  29. «Gabi Nunes sofre lesão no joelho pela terceira vez». 15 de julho de 2019. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  30. «Volante Diany rompe ligamento do joelho». 30 de julho de 2019. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  31. Magri, Diogo (17 de setembro de 2019). «Corinthians e Ferroviária, o duelo da final do Brasileirão feminino». EL PAÍS. Consultado em 5 de outubro de 2019 
  32. «Corinthians elimina a Ferroviária e pega o São Paulo na final do Paulista feminino». Terra. Consultado em 5 de outubro de 2019 
  33. «Ao vivo Corinthians x Ferroviária na final da Libertadores feminina». Olimpíada Todo Dia. 29 de outubro de 2019. Consultado em 29 de outubro de 2019 
  34. «Corinthians 0 x 0 Ferroviária - Campeonato Brasileiro Feminino 2019 Final - Tempo Real - Globo Esporte». globoesporte.com. Consultado em 5 de outubro de 2019 
  35. «Nos pênaltis, Ferroviária bate Corinthians e fatura o Brasileirão feminino». VEJA.com. Consultado em 5 de outubro de 2019 
  36. «Ferroviária 0 x 2 Corinthians - Taça Libertadores Feminina 2019 Final - Tempo Real - Globo Esporte». globoesporte.com. Consultado em 29 de outubro de 2019 
  37. a b «Corinthians 3 x 0 São Paulo - Campeonato Paulista de Futebol Feminino 2019 Final - Tempo Real - Globo Esporte». globoesporte.com. Consultado em 16 de novembro de 2019 
  38. «Corinthians escolhe por profissionalização de atletas do time feminino». Torcedores.com. 17 de janeiro de 2020. Consultado em 25 de janeiro de 2020 
  39. «Corinthians profissionaliza elenco de futebol feminino». Esporte Interativo. Consultado em 25 de janeiro de 2020 
  40. «Futebol feminino: Corinthians opta por profissionalizar vínculo de todas as suas atletas; entenda». Globoesporte. Consultado em 25 de janeiro de 2020 
  41. a b «Corinthians garante profissionalização integral de elenco do futebol feminino». Sport Club Corinthians Paulista. Consultado em 25 de janeiro de 2020 
  42. «Corinthians contrata Andressinha, volante da seleção brasileira». 9 de janeiro de 2020. Consultado em 17 de agosto de 2020 
  43. «São José anuncia a saída da lateral Poliana». 7 de janeiro de 2020. Consultado em 17 de agosto de 2020 
  44. «Corinthians anuncia a contratação da atacante Gabi Portilho». 13 de janeiro de 2020. Consultado em 17 de agosto de 2020 
  45. «Corinthians fez a "maior" contratação do mercado». 12 de janeiro de 2020. Consultado em 17 de agosto de 2020 
  46. «Após curta passagem na China, Millene retorna ao Corinthians». 21 de fevereiro de 2020. Consultado em 17 de agosto de 2020 
  47. «Clube chinês solicita o retorno da atacante Millene». 16 de junho de 2020. Consultado em 17 de agosto de 2020 
  48. «Corinthians feminino suspende por completo as atividades». 17 de março de 2020. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  49. «Futebol feminino do Corinthians anuncia programação para o retorno das atividades». 22 de julho de 2020. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  50. «A lateral Yasmim está de volta ao Corinthians». 10 de agosto de 2020. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  51. «Corinthians feminino empata e põe fim à série histórica de 34 vitórias seguidas». Terra. Consultado em 28 de setembro de 2019 
  52. FIFA.com. «Welcome to FIFA.com News - Corinthians women set new world record - FIFA.com». www.fifa.com (em inglês). Consultado em 6 de novembro de 2019 
  53. a b Ana Canhedo (21 de agosto de 2019). «Corinthians alcança façanha mundial e aguarda aval do Guinness: "Não caiu a ficha ainda"». GloboEsporte.com. Consultado em 2 de março de 2020. Cópia arquivada em 2 de março de 2020 
  54. «Auxiliar do Timão exalta recorde no Guinness: 'Construído passo a passo'». Lance!. 23 de agosto de 2019. Consultado em 2 de março de 2020. Cópia arquivada em 23 de agosto de 2019 
  55. «Most consecutive association football victories (all competitions) - Women's football» (em inglês). guinnessworldrecords.com.br. Consultado em 2 de março de 2020 
  56. «São Paulo encerra invencibilidade do time feminino do Corinthians». Folha de S.Paulo. 29 de fevereiro de 2020. Consultado em 2 de março de 2020. Cópia arquivada em 1 de março de 2020