Olympique Lyonnais

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Lyon
Olympique lyonnais.png
Nome Olympique Lyonnais
Alcunhas OL
Les Gones
Fundação 3 de agosto de 1950 (67 anos)
Estádio Parc Olympique Lyonnais
Capacidade 59 000
Localização Lyon, França
Presidente França Jean-Michel Aulas
Treinador França Bruno Génésio
Patrocinador Coreia do Sul Hyundai
França Veolia
Material (d)esportivo Alemanha Adidas
Competição França Ligue 1
França Copa da França
União Europeia Liga Europa
L1 2016–17
LE 2016–17
4º colocado
Semifinal
Website olweb.fr
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Temporada atual
editar

O Olympique Lyonnais, conhecido como Lyon, é um clube de futebol francês da cidade de Lyon.

O clube faz parte da primeira divisão francesa, a Ligue 1. O Lyon ficou mais conhecido mundialmente por ter dominado a Ligue 1 durante a primeira década do século XXI, ganhando o campeonato nacional por sete vezes consecutivas.

História[editar | editar código-fonte]

Em 1899[editar | editar código-fonte]

O Olympique Lyonnais surgiu após um desacordo entre as secções de rugby e de futebol do clube multidesportos Lyon Olympique, que existia desde 1899. A seleção de futebol francesa dividiu-se do resto do clube e escolheu um novo nome: Olympique Lyonnais. É por isto mesmo que os adeptos do Olympique Lyonnais alegam que o clube foi fundado em 1899.

Antes de 1966, o clube teve algum sucesso; depois de ter sido eclipsado pelo FC Lyon em 1908 e 1909, o clube venceu o Campeonato Francês de Futebol em 1910. Em 1920, o clube foi para um novo estádio, Stade de Gerland, um estádio desenhado por Tony Garnier, um arquitecto local.

Aí, o clube mudou o nome para Lyon Olympique Universitaire, e voltou a juntar-se ao futebol profissional em 1942, e venceu a pool Sul do campeonato do final da guerra, com mais 2 pontos do que o Bordeaux. A final nacional foi contra o Rouen, e o Lyon venceu por 4-0. Estes sucessos culminaram na Ligue 1 no início da época de 1945-46, mas presidido por Félix Louot, o clube foi despromovido à Ligue 2 na época seguinte.

O clube iria ter que esperar 10 anos até vencer a Ligue 2, o 1º troféu estabelecido, em 1951. Contudo, o Lyon foi novamente despromovido para a Ligue 2, depois de uma temporada na Ligue 1. Depois de gerido por Julien Darui que reconstruiu o plantel, o clube foi novamente promovido à Ligue 1, pela 2ª vez em 5 anos.

O Olympique Lyonnais teve triunfos atrás de triunfos nas décadas de 60 e 70, ganhando 3 Coupes de France, e um Trophée des Champions; é de referir que 5 treinadores juntaram-se e deixaram o clube durante esta era do Olympique Lyonnais. Contudo, o clube teve sem triunfos durante um grande período, e foi despromovido à Ligue 2 em 1983.

Aspirações europeias[editar | editar código-fonte]

Jean-Michel Aulas tomou o controlo do clube em 1987. Aulas investiu no clube com o objectivo de o transformar em um Lyon estável na Ligue 1 e também para desenvolver o clube a nível europeu. Jean-Michel Aulas pretendia fazer o Lyon um grande clube da Europa em 15 anos. Assim, Denis Marcel Le Borgne, o clube foi promovido duas vezes para iniciar um período de triunfos, mas nessas duas ocasiões foi despromivido novamente na época seguinte.

Raymond Domenech, que nasceu em Lyon, foi nomeado como seu sucessor e alcançou a promoção à Ligue 1. O Lyon foi coroados campeões da Liga 2, pela terceira vez.

Na 1ª temporada com Raymond Domenech, o Lyon terminou a Ligue 1 em 8º, não sendo despromovido. Domenech levou o clube ao 5º lugar na sua segunda temporada, o que garantiu ao Lyon um lugar na Taça UEFA. A qualificação europeia foi alcançada após apenas dois anos na Ligue 1, e apenas quatro anos depois Aulas ter assumido o controle.

Domenech decidiu sair após o final da temporada 1992/93, depois de ter sido apontado como novo seleccionador francês. A primeira escolha para substituir Domenech foi o antigo internacional francês Jean Tigana. Ele fez parte do célebre "Magic Diamond", juntamente com Michel Platini, Alain Giresse e Luis Fernandez. Tigana desenvolveu o Lyon, e o clube tornou-se um verdadeiro candidato ao título da Ligue 1, com o aparecimento de novos jogadores, como Abedi Pelé. Tigana foi forçado a deixar o clube em 1995, após uma grave pressão mediática.

Guy Stéphan tomou a cargo em 1995 após a saída de Tigana, e ajudou a garantir um lugar nas competições europeias, uma vez mais através da Taça Intertoto. Stéphan foi demitido no início da temporada seguinte, e Bernard Lacombe foi nomeado treinador. Logo nessa temporada garantiu um lugar na Taça UEFA, onde foi eliminado na 2ª Ronda pelo Inter de Milão, que iriam vencer o troféu nesse ano. Na Ligue 1, o clube continuou a progredir no final do século XX, sendo sexto em 1998 e terceiro em 1999 e 2000.

Era Juninho Pernambucano[editar | editar código-fonte]

Juninho Pernambucano é um dos maiores ídolos da história do clube.

Nos primeiros anos do século XXI, o Olympique Lyonnais dominou a Ligue 1 francesa. Após o segundo lugar em 2001, o Lyon, liderado pelo brasileiro Juninho Pernambucano conquistou sete títulos consecutivos na Ligue 1 (entre 2002 e 2008), tornando-se no primeiro clube francês na História a fazê-lo. Tornou-se uma verdadeira máquina de vencer no futebol francês, naquela que seria o melhor momento de sua história. Contudo, as ambições europeias do Lyon não têm resultado em títulos, com a semi final da Liga dos Campeões a ser o melhor resultado do clube a nível europeu.

Jacques Santini foi nomeado treinador em 2000, após deixar o seu cargo no FC Sochaux. Santini restabeleceu rapidamente a equipa e, em 2001, o Lyon venceu a Coupe de la Liga (Taça da Liga), que curiosamente foi o primeiro grande troféu do clube desde a vitória na Coupe de France em 1973. Santini também levou o clube ao topo na Ligue 1: o Lyon terminou em 2º na Ligue 1 em 2001 e, portanto, qualificou-se para a Liga dos Campeões da UEFA. Santini não foi popular entre os fãs pela sua abordagem defensiva ao jogo.

Em 2002, Santini foi melhor e levou o Lyon ao seu primeiro título na Ligue 1, após uma vitória contra o RC Lens. Contudo, Santini ainda não conseguira convencer a maioria dos adeptos do Olympique Lyonnais de que ele era o homem certo, depois de sofrer uma eliminação precoce na Liga dos Campeões, e 15 dias depois da conquista do campeonato, Santini anunciou a sua demissão como treinador do Lyon. Ele optou pela equipa nacional de futebol da França. Paul Le Guen substituiu Santini, e o novo treinador foi responsável pela conquista de três títulos consecutivos da Ligue 1 para o Lyon.

Pós-Juninho[editar | editar código-fonte]

Após a saída de Juninho para o Al-Gharafa Sports Club, o Lyon não conseguiu mais repetir os anos vitoriosos do século XXI e voltou a ser uma equipe coadjuvante no cenário francês. O time alternou boas e más campanhas no campeonato francês e tinha em seu maior desejo uma Liga dos Campeões. O mais perto de concretizar este desejo ocorreu na temporada 2009-2010, onde o Lyon acabou sendo eliminado nas semifinais pelo Bayern de Munique. Até a temporada 2012, o Lyon conquistou apenas 1 título oficial, a Copa da França.

Em 2012, o time foi o primeiro a lançar um uniforme em 3D.[1][2][3][4] O Lyon conquistou logo no início da temporada 2012-2013, a Supercopa da França em cima do Montpellier, conquistando assim o seu oitavo título na competição.

Em 2017, mais uma vez sonhou com a primeira classificação para uma final europeia, mas faltou um gol para levar o duelo válido pelas semifinais da Liga Europa da UEFA para a prorrogação, pois após ter feito 4 a 1 na partida de ida, na Holanda, o Ajax avançou para a decisão mesmo tendo perdido por 3 a 1 para o Lyon, na França.

Estádio[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Stade de Gerland

O Stade de Gerland é um estádio de futebol localizado em Lyon, no sudeste da França. É a casa do time francês Olympique Lyonnais, atual heptacampeão francês.

Começou a ser construído em 1913, mas com a Primeira Guerra Mundial foi interrompido. Voltou a ser construído em 1919 com a ajuda de prisioneiros de guerra alemães. Em 1920 foi inaugurado, com uma pista de ciclismo e uma de atletismo em volta do gramado.

Em 1960 a pista de ciclismo foi destruída em prol da ampliação da capacidade para 50.000 lugares. Em 1984, com a Eurocopa, o estádio foi ampliado para 51.680 lugares.

Foi totalmente reformado para a Copa do Mundo de 1998, sendo removida a pista de atletismo e colocadas cadeiras para todos os torcedores. A capacidade máxima ficou em 42.000 torcedores.

O recorde de público no Campeonato Francês de Futebol é de 48.552 num jogo entre Olympique Lyonnais e AS Saint-Étienne em 9 de Setembro de 1980.

Recebeu 6 partidas da Copa, entre elas o "jogo da paz" entre Estados Unidos e Irã e as quartas de final, entre Alemanha e Croácia.

No jogo Camarões e Colômbia, pela Copa das Confederações de 2003, o meio-campo camaronês Marc-Vivien Foé teve um colapso em campo e morreu antes de chegar ao hospital.

O estádio foi uma das sedes da Copa do Mundo de Rugby de 2007.

Em 2012 começou a construção do Parc Olympique Lyonnais com capacidade para 61.000 espectadores que foi utilizado na Eurocopa 2016.

Recordes[editar | editar código-fonte]

Recordistas de jogos[editar | editar código-fonte]

# País Nome Período Jogos
1 MarrocosFrança Serge Chiesa 1969-1983 541
2 França Grégory Coupet 1997-2008 518
3 França Fleury Di Nallo 1960–1974 489
4 França Yves Chauveau 1966–1975 e 1978-1982 438
5 França Sidney Govou 2000-2010 412
6 França Anthony Réveillère 2003-2013 402
7 França Aimé Mignot 1955–1966 400
8 Brasil Juninho Pernambucano 2001-2009 344
9 França Maxime Gonalons 2009-2017 333
10 França Ángel Rambert 1960-1970 316

Maiores artilheiros[editar | editar código-fonte]

# País Nome Período Gols
1 França Fleury Di Nallo 1960-1974 182
2 MarrocosFrança Serge Chiesa 1969–1983 134
3 França Alexandre Lacazette 2010–2017 129
4 França Bernard Lacombe 1969–1978 128
5 Brasil Juninho Pernambucano 2001-2009 100
6 França Bafétimbi Gomis 2009-2014 95
7 Brasil Sonny Anderson 1999-2003 91
8 Argentina Lisandro López 2009-2013 82
9 França Nestor Combin 1959–1964 78
10 França Sidney Govou 1999–2010 77

Uniformes[editar | editar código-fonte]

Uniformes atuais[editar | editar código-fonte]

Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Terceiro Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Quarto Uniforme

Uniformes dos goleiros[editar | editar código-fonte]

  • Camisa vermelha, calção e meias vermelhas;
  • Camisa azul, calção e meias azuis;
  • Camisa amarela, calção e meias amarelas.
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'

Uniformes anteriores[editar | editar código-fonte]

  • 2015-16
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Terceiro
  • 2014-15
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Terceiro
  • 2013-14
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Terceiro
  • 2012-13
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Terceiro
  • 2011-12
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Terceiro
  • 2010-11
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Terceiro
  • 2009-10
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Terceiro
  • 2008-09
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Terceiro

Títulos[editar | editar código-fonte]

Continentais
Competição Títulos Temporadas
UEFA Intertoto Cup.png Copa Intertoto 1 1997
Nacionais
Competição Títulos Temporadas
Ligue1 trophy.svg
Campeonato Francês 7 2001-02, 2002-03, 2003-04, 2004-05, 2005-06, 2006-07, 2007-08
França Copa da França 5 1963-64, 1966-67, 1972-73, 2007-08 e 2011-12
Copa de la Liga de Francia.png
Copa da Liga Francesa 1 2000-01
Trophée des Champions.svg
Supercopa da França 8 1973, 2002, 2003, 2004, 2005, 2006, 2007, 2012

Outras Conquistas

Elenco atual[editar | editar código-fonte]

Atualizado em 31 de fevereiro de 2017.

  • Capitão Capitão
  • Lesionado Jogador lesionado


Goleiros
Jogador
1 Portugal Anthony Lopes
16 França Lucas Mocio
30 França Mathieu Gorgelin
Defensores
Jogador Pos.
2 França Mapou Yanga-Mbiwa Z
5 França Mouctar Diakhaby Z
6 Brasil Marcelo Z
15 França Jérémy Morel Z
4 Brasil Rafael LD
23 Países Baixos Kenny Tete LD
20 Brasil Marçal LE
22 França Ferland Mendy LE
Meio-campistas
Jogador Pos.
12 França Jordan Ferri V
24 Espanha Pape Cheikh V
25 Luxemburgo Christopher Martins Pereira V
28 França Tanguy NDombèlé V
29 França Lucas Tousart V
7 França Clément Grenier M
8 França Houssem Aouar M
18 França Nabil Fekir Capitão M
Atacantes
Jogador
9 República Dominicana Mariano
10 Burkina Faso Bertrand Traoré
11 Países Baixos Memphis Depay
17 França Myziane Maolida
19 França Amine Gouiri
27 Costa do Marfim Maxwel Cornet
Comissão técnica
Nome Pos.
França Bruno Génésio T
França Gérald Baticle AS
Brasil Cláudio Caçapa AS
França Dimitri Farbos PF
França Antonio da Fonseca PF
França Joël Bats TG

Transferências para 2017–18[editar | editar código-fonte]

  • Emprestado: Emprestado
  • Vindo de Empréstimo: Retornando de empréstimo

Números aposentados[editar | editar código-fonte]

16França em reconhecimento ao goleiro Luc Borrelli. Borrelli morreu em um acidente de carro, em Fevereiro de 1999. Voltou a ser utilizado pelo suíço Jeremy Frick.

17Camarões em reconhecimento ao meio-campista Marc-Vivien Foé. Foé morreu jogando pela Seleção Camaronesa na Copa das Confederações de 2003 no Stade de Gerland, em Lyon. O número 17 voltou a ser utilizado em 2008, pelo também camaronês Jean Makoun.

Treinadores[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]