Néstor Combin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Nestor Combin)
Ir para: navegação, pesquisa
Néstor Combin
Néstor Combin
Combin en Juventus, c 1964–65
Informações pessoais
Nome completo Néstor Combin
Data de nasc. 29 de dezembro de 1940 (76 anos)
Local de nasc. Las Rosas,  Argentina
Nacionalidade Argentino e francês
Apelido La Foudre, Il Selvaggio
Informações profissionais
Clube atual Aposentado
Posição Atacante
Clubes de juventude

1950–1959
Argentina Colón de San Lorenzo
França Lyon
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
1959–1964
1964–1965
1965–1966
1966–1968
1968–1970
1970–1973
1973–1975
1975–1976
França Lyon
Itália Juventus
Itália Varese
Itália Torino
Itália Milan
França Metz
França Red Star
França Hyéres
131 (78)
24 (7)
16 (2)
82 (27)
50 (11)
59 (34)
64 (39)
Seleção nacional
1964–1968 Bandeira da França França 8 (4)

Néstor Combin (Las Rosas, 29 de dezembro de 1940) é um ex-futebolista argentino naturalizado francês.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Início no Lyon[editar | editar código-fonte]

Sem ter jogado profissionalmente em seu país de origem, Combin mudou-se para a França aos 17 anos, onde fez carreira no futebol. Ingressou nas categorias de base do Lyon, sendo promovido ao time principal em 1959. Durante o período em que vestiu a camisa dos Gones, o atacante fez uma prolífica dupla com Fleury Di Nallo, e eles ajudaram o Lyon à 5ª posição no Campeonato Francês - melhor posição do clube até então - além de ter chegado à final da Copa da França de 1962-63. Combin, que ganhou o apelido de "La Foudre" ("O Raio", em português), devido à sua velocidade, deixou o Lyon em 1964.

Passagem no futebol italiano[editar | editar código-fonte]

Suas atuações pelo Lyon renderam-lhe uma transferência para a Juventus, que vivia um período de reformulação após a saída do galês John Charles e a aposentadoria de Giampiero Boniperti. Combin jogou apenas uma temporada na Vecchia Signora, conquistando apenas uma Copa da Itália, em 1965. Passou ainda por Varese, Torino e Milan, sendo que no Rossonero o atacante foi protagonista nos 2 jogos da Copa Intercontinental de 1969, contra os argentinos do Estudiantes. Na primeira partida, o Milan venceu por 3 a 0 (com 2 gols do ítalo-brasileiro Angelo Sormani e outro de Combin, após driblar o goleiro Alberto Poletti). Porém, na segunda partida, em Buenos Aires, um cenário hostil aguardava o Milan e Combin.

O "Massacre da Bombonera"[editar | editar código-fonte]

Combin após agressão na partida entre Milan e Estudiantes, válida pela Copa Intercontinental de 1969.

Em La Bombonera, Estudiantes e Milan fizeram o jogo decisivo pela Copa Intercontinental. Mais de 45 mil espectadores apoiavam os Pincharratas, porém Combin foi o responsável pela abertura do placar, dando o passe que resultou no gol de Gianni Rivera. O Estudiantes virou o placar para 2 a 1, mas não conseguiu ampliar o placar depois que o técnico do Milan, Nereo Rocco, optasse pelo Catenaccio para neutralizar as jogadas do time argentino.

Nervosos, os Pincharratas não aguentaram e apostaram na intimidação - segundo o meia Giovanni Moretti, a torcida argentina recebeu os jogadores do Milan com jatos de café quente e durante a foto oficial, chegaram a chutar bolas contra os atletas rubro-negros, como forma de provocação. E durante o jogo, os jogadores do Estudiantes "perderam a cabeça" e apelaram para faltas violentas. O ápice foi a cotovelada desleal de Ramón Aguirre Suárez em Combin, tachado de "traidor" pelos argentinos por jogar na França. A violência da agressão foi tamanha que o malar e o nariz do atacante foram quebrados. Suárez e Combin não deixaram o campo, porém o argentino e o lateral-direito Eduardo Manera foram expulsos após continuarem apelando para entradas fortes. Ambos receberam uma longa suspensão, juntamente com o goleiro Poletti, e chegaram inclusive a serem detidos temporariamente, por decisão do então presidente Juan Carlos Onganía.

Para Combín, o martírio continuava: ele teve que se tratar em um hospital militar, acusado de deserção do Exército argentino. Porém, ele foi liberado após oficiais de baixa patente terem descoberto que, apesar de haver um mandado de prisão desde 1963, o atacante já prestava serviço para as Forças Armadas da França, além de um tratado de cooperação entre os 2 países.

Volta à França e final de carreira[editar | editar código-fonte]

Em 1970, Combin deixou o Milan para voltar a jogar no país que o acolheu, agora defendendo o Metz. Jogou ainda no Red Star e no Hyéres, encerrando a carreira em 1977, aos 36 anos.

Seleção Francesa[editar | editar código-fonte]

Embora seja argentino de nascimento, Combin optou em jogar pela Seleção Francesa, pela qual fez sua estreia em 1964. Disputou a Copa de 1966, sediada na Inglaterra, na qual os Bleus terminaram na 13º colocação dentre os 16 participantes.[1][2]

Além dele, outro franco-argentino, Héctor de Bourgoing (este, ao contrário de Combin, jogou também pela Seleção Argentina), integrou o elenco de 22 jogadores. Pela Seleção, La Foudre disputou 8 partidas e marcou 4 gols.

Referências

  1. «Seleção Francesa na Copa do Mundo FIFA de 1966». Fifa.com. Consultado em 13 de setembro de 2010 
  2. «Jogos da Copa de 1966 - Classificação». Universo Online. Consultado em 13 de setembro de 2010 
Bandeira de FrançaSoccer icon Este artigo sobre futebolistas franceses é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.