Fla-Barra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Fla-Barra foi o nome de um local de 35 mil metros quadrados, pertencente a empresa Silas Andrade, localizado no bairro da Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, que durante muito tempo foi alugado pelo Clube de Regatas do Flamengo para ser utilizado como centro de treinamento de sua equipe de futebol profissional[1][2].

História[editar | editar código-fonte]

Em 1997, para levar a equipe profissional do Flamengo, que à época treinava na Sede social do Clube, na Gávea, para um local menos agitado, o então presidente do Flamengo, Kléber Leite, fechou o contrato de aluguel com a empresa Silas Andrade, e nomeou o centro de treinamento de Fla-Barra. A mudança de local foi planejada pela diretoria por conta da exposição dos atletas à vida social do clube e a impossibilidade de realizar treinos fechados. Segundo a revista Placar, porém, a mudança de local de treinos para o Fla-Barra fez com que os jogadores perdessem a identidade com o clube[3].

O local possuía uma sede ampla que tinha 2 campos oficiais – um deles com arquibancada – sala de musculação, sala de imprensa e bons vestiários para os atletas[4]. Além disso, a estrutura contava com um ginásio coberto, piscinas, bar e quadras de tênis[4].

Em agosto de 2000, o Flamengo foi despejado do local, após ficar 6 meses em inadimplência[1][5]. Como a comissão técnica da equipe não queria voltar a treinar na Sede social do Clube, na Gávea[1], a solução encontrada pela diretoria foi realizar os treinamentos no Centro de Futebol Zico (CFZ).

Seis meses depois, o Flamengo chegou a ganhar na Justiça uma liminar que anulava o despejo. No entanto, desistiu da ação. À época, o diretor jurídico do Flamengo, Júlio Gomes Filho, deu a seguinte explicação: "Ganhamos a liminar mas abandonamos o caso porque Silas foi uma pessoa de difícil diálogo. Pelas irregularidades do terreno, seria preciso fazer obras para recuar o muro lateral por uns cinco metros"[6].

Em 2002, em um gesto considerado por muitos como provocação, o Vasco da Gama, à época presidido por Eurico Miranda, arrendou o local[7], e o renomeou de Vasco-Barra[8]. Em outubro de 2009, porém, com uma dívida milionária, o Vasco também recebeu ordem de despejo do local[9].

Em 2011, o terreno foi vendido para uma construtora, e virou um condomínio de alto padrão, com 324 apartamentos em nove edifícios[4].

Referências

  1. a b c globoesporte.globo.com/ Baú do Esporte: Em 2000, despejado do Fla-Barra, Flamengo volta a treinar na Gávea
  2. record.pt/ Flamengo recusa voltar ao Fla-Barra
  3. Placar Magazine abr. 1998
  4. a b c netvasco.com.br/ Área ocupada pelo antigo Vasco-Barra será condomínio de luxo
  5. folha.uol.com.br/ Flamengo perde seu centro de treinamento
  6. terra.com.br/ Abandonado, Fla-Barra vê o mato crescer
  7. esportes.estadao.com.br/ Vasco arrenda Fla-Barra para treinos
  8. dgabc.com.br/ Vasco tenta comprar o CT do despejado Flamengo
  9. rocinha.org/ CT já foi utilizado por Flamengo e Vasco