Centro de Treinamento George Helal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde agosto de 2012). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Centro de Treinamento George Helal
Nomes
Nome Centro de Treinamento Presidente George Helal
Apelido Ninho do Urubu
CT da Vargem Grande
Características
Local Rio de Janeiro (RJ),  Brasil
Construção
Data 2014 - 2016 - Primeiro módulo.

2016 - 2018 - Segundo módulo.

Custo R$ 15 Milhões - Módulo das categorias de base.

R$ 26 Milhões - Módulo do futebol Profissional.

Inauguração
Outras informações
Proprietário Clube de Regatas do Flamengo
Administrador Clube de Regatas do Flamengo
Arquiteto Wagner Barroso

O Centro de treinamento presidente George Helal, popularmente conhecido com Ninho do Urubu, ou ainda CT da Vargem Grande, é um centro de treinamento que é utilizado pela equipe de futebol profissional do Flamengo e por suas categorias de base. O local, que é um dos patrimônios do Clube de Regatas do Flamengo, fica localizado no bairro de Vargem Grande, no Rio de Janeiro, e conta com um módulo profissional, dois campos, campo de treinamento para goleiros, além de outras estruturas[1]. Em 2018, ano de inauguração do novo módulo profissional, a estrutura pré existente foi deixada para as categorias de base e, para o futebol profissional, foi disponibilizada um novo módulo, com novos alojamentos, um moderno parque aquático, academia, mais um campo de futebol (totalizando cinco), além de outras estruturas inovadoras para a realidade brasileira, gerando assim o mais moderno Centro de Treinamento da América Latina, e um dos maiores do mundo.[2]

História[editar | editar código-fonte]

George Helal, em 1970.

O terreno foi adquirido no dia 30 de agosto de 1984 pelo presidente George Helal, mas por muitos anos o projeto não saiu do papel. Na época o terreno foi comprado por 300 milhões de cruzeiros, com a valorização imobiliária o terreno valia em 2011 R$ 350 milhões (uma valorização de 6.900%).

Na primeira década em posse do Flamengo, o Ninho ficou praticamente esquecido. O único avanço significativo aconteceu na gestão do presidente Gilberto Cardoso Filho, em 1990, com o aterramento do terreno, que era cortado por dois rios. "Quando chovia, inundava tudo. Fiz uma obra lá que durou um ano e meio, e todo o terreno foi aterrado. Deixei quatro campos prontos, só faltando botar a grama, dois, inclusive, já tinha drenagem. Isso foi em 1990 e a grama só foi posta mais dez anos depois, em 2004", disse o ex-presidente Gilberto Cardoso Filho, em entrevista[3].

Em 1997, o então presidente do clube, Kléber Leite fechou um contrato de aluguel de um outro centro de treinamento, que ficou conhecido como Fla-Barra. 3 anos depois, porém, a equipe foi despejada do Fla-Barra por conta de uma inadimplência de 6 meses[4].

Em abril de 2004, o presidente Márcio Braga lança a campanha "Eu Amo o Fla" para arrecadar fundos para o terreno em Vargem Grande finalmente se transformar em centro de treinamento. Meses depois, no aniversário de 109 anos do clube, dois campos foram inaugurados[5].

Em julho de 2005, o Flamengo inicia uma nova campanha, lançando pulseiras que viraram febre na época, em uma campanha feita pelo Orkut: "Craque o Flamengo faz em casa, CT quem faz é você". O produto continha uma pulseira vermelha e outra preta entrelaçadas, inspiradas na campanha feita contra o racismo[6]. No fim da temporada, o time chega a fazer alguns treinamentos no local.

Nas vésperas da final da Copa do Brasil de 2006 (em que o Flamengo sagrou-se campeão), o então treinador da equipe, Ney Franco, surpreendeu ao levar o time para um treino secreto no Ninho – que sequer tinha estrutura de vestiário para os jogadores[7].

No dia 10 de outubro de 2007, o a camisa de número 12 foi aposentada e o projeto "Camisa 12" foi criado para ajudar na construção do CT com venda de camisas[3].

Até 2010, porém, a equipe de futebol fazia seus treinamentos na sede da Gávea. Até então, no terreno onde seria construído o CT George Helal, só havia duas bicicletas ergométricas enferrujadas na sala de musculação. Em 2010, na gestão Patrícia Amorim, Vanderlei Luxemburgo, enquanto técnico do rubro-negro, tomou a decisão de que o futebol não teria mais a Gávea como sede. A exposição dos atletas à vida social do clube e a impossibilidade de realizar treinos fechados fez com que Luxemburgo cobrasse uma nova sede de treinamento para a equipe de futebol[8]. À época, ele disse:

A sede da Gávea acabou para o Flamengo. Só treinaremos lá por absoluta necessidade. Retorno com muita vontade ao clube. Essa coisa de ser longe não existe mais. Os jogadores têm BMW, Mercedes… Aqui é a minha casa. Precisamos construir o CT, o hotel, e fiz questão de colocar isso em meu contrato. Se não fosse assim, não teria aceitado o convite. Acho que posso ajudar o clube nessa questão com a minha experiência e por tudo o que já passei na carreira. Hoje, estamos neste local, mas daqui um tempo, esperamos ter um CT em boas condições de trabalho. A idéia é que os jogadores cheguem aqui de manhã e só saiam à noite. Para isso precisamos de um hotel, mesmo que seja provisório, como no caso da Fórmula 1”.[8]

Patrícia Amorim, então, inicia a campanha dos tijolinhos, numa das ações mais bem sucedidas de sua gestão, que arrecadou quase R$ 2 milhões para as obras do centro de treinamento (mais de sete mil foram comprados por torcedores, que pagaram R$ 250 por cada um.)[9].

Em setembro de 2012, ainda na gestão Patrícia Amorim, o Flamengo inaugurou o muro dos tijolinhos e o campo 5, que será utilizado pelos profissionais e foi financiado pela parceria com a Ambev[3].

Com o começo da reestruturação econômica iniciada na gestão Bandeira de Mello, o Flamengo começou a ter sucessivos superávits, com isso houve a retomada financeira do clube. Com a melhoria da situação financeira, o modelo de reestruturação e modernização do CT foi posto em prática. De inicio, ficou acordado que iria se ter a construção de um módulo para o futebol profissional e posteriormente para as categorias de base, tiveram inicio, assim, em 2014 as obras de modernização do Ninho do Urubu. Por fim, no ano de 2016, com a investimento de todo o dinheiro vindo com a venda da Mansão Fadel Fadel[10], foram concluídas as obras do primeiro módulo profissional do Centro de Treinamento George Helal, a partir dali, o Flamengo tinha um dos mais modernos Centro de Treinamento do Brasil, tendo as obras um custo estimado de R$ 15 milhões.[11]

No entanto, os então dirigentes do clube ainda queriam algo mais. Decidiram então fazer uma alteração na proposta inicial: O módulo recém inaugurado ficaria para as categorias de base e o futuro módulo a ser construído seria para o futebol profissional. Assim, começou a fase de planejamento do futuro módulo, segundo Alexandre Wrobel (Então vice-presidente de patrimônio), a obra é inspirada em Centros de treinamento de clubes europeus, como Chelsea, Manchester United e Seleção Inglesa de Futebol.[12] As obras do novo módulo profissional tiveram um custo total de cerca de R$ 26 milhões de reais, verba proveniente do sinal da venda do Edifício Hilton Santos a empresa Cyrela engenharia.[13]

Incêndio[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Incêndio no Ninho do Urubu
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção é sobre um evento atual. A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (editado pela última vez em 16 de março de 2019)

Um incêndio de grandes proporções atingiu o alojamento das categorias de base do Flamengo, no começo da manhã de 8 de fevereiro de 2019. O incêndio deixou 10 jogadores da base com idade entre 14 e 16 anos, mortos — além de outros três feridos, um em estado grave.[14]

Rio-2016[editar | editar código-fonte]

Durante o Rio-2016 o CT foi utilizado para treinamento de seleções olímpicas de futebol. O acordo para que utilizasse o espaço foi firmado pelo Flamengo com o Comitê Organizador Rio-2016.

Módulo profissional[editar | editar código-fonte]

Estrutura[editar | editar código-fonte]

[15]

  • Dois módulos - Um para o futebol profissional e outro para a base
  • Cinco campos de treino, sendo prevista a construção de mais um para 2019
  • Campo de treinamento para goleiros
  • Campo de futebol society
  • Praça da bandeira construída em homenagens às embaixadas

Futebol de base[editar | editar código-fonte]

  • Auditório.
  • Sala de reunião.
  • Sala do treinador.
  • Biblioteca.
  • Refeitório.
  • Sala de musculação.
  • Salas de fisiologiaa e nutrição.
  • Parque aquático.
  • Cozinha industrial.
  • Área de convivência.
  • Sala de jogos.
  • Alojamento. [16]

Futebol Profissional[editar | editar código-fonte]

  • Academia de 720 metros quadrados.
  • Vestiário para 39 atletas.
  • Restaurante.
  • Alojamento com 42 suítes, sendo 36 individuais.
  • Sala de jogos.
  • Dois auditórios.
  • Sala do treinador.
  • Sala de reunião.
  • Sala e antessala de imprensa.
  • Sala de patrocinadores.
  • Áreas de fisioterapia, fisiologia e nutrição.
  • Área de hidroterapia com 14 jacuzzis e uma piscina.
  • Departamento odontológico.
  • Sauna.
  • Área de lazer com churrasqueira.

Referências

  1. «Flamengo inaugura grande estrutura em seu centro de treinamentos». Lance!. Consultado em 26 de novembro de 2018 
  2. «Da "chacota à referência", Wrobel quer estádio do Flamengo: "Impaciência de todos é a minha"». Globoesporte 
  3. a b c globoesporte.globo.com/ Ninho 30 anos: histórias de um sonho transformado em garantia bancária
  4. globoesporte.globo.com/ Baú do Esporte: Em 2000, despejado do Fla-Barra, Flamengo volta a treinar na Gávea
  5. flamengo.com.br/ Retrospectiva anos 2000: 2004 - Um ano para levantar poeira
  6. esportes.terra.com.br/ Flamengo vende pulseiras para construir CT
  7. espn.com.br/ Pioneiro do Ninho, Ney Franco mostra orgulho em ver CT utilizado
  8. a b globoesporte.globo.com/ Luxemburgo aposenta Gávea e quer ‘choque de ordem’ no CT
  9. globoesporte.globo.com/ Manchados, tijolinhos estão esquecidos no CT do Flamengo
  10. globoesporte.globo.com/ Em votação, Deliberativo aprova venda da mansão de S. Conrado por R$ 7 mi
  11. «Flamengo inaugura novo módulo profissional no Ninho do Urubu». Terra 
  12. «Em que pé andam as obras do CT do Flamengo? Veja novas imagens do projeto». Globoesporte 
  13. «Em que pé andam as obras do CT do Flamengo? Veja novas imagens do projeto». Globoesporte 
  14. Ana Carolina Torres (8 de fevereiro de 2019). «Incêndio deixa dez mortos no Ninho do Urubu, centro de treinamento do Flamengo». Extra. Consultado em 8 de fevereiro de 2019 
  15. «Flamengo inaugura grande estrutura em seu centro de treinamentos». Lance.com.br 
  16. «Flamengo inaugura novos módulos do CT nesta terça-feira». ESPN 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]