Daniel Martins

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura pelo atleta paralímpico, veja Daniel Martins (atleta).
Daniel Martins
Informações pessoais
Nome completo Daniel Sabino Martins
Data de nasc. 8 de maio de 1972 (45 anos)
Local de nasc. Vitória, ES,  Brasil
Nacionalidade brasileiro / Guiné Equatorial guinéu-equatoriano
Altura 1,73 m
Direito
Informações profissionais
Clube atual Aposentado
Posição Lateral-direito
Clubes de juventude
Espírito Santo (estado) Vitória
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
1988–1998
1994
1997
1999-2000
2000
2000
2001-2004
2002
2010
Espírito Santo (estado) Desportiva
Bahia Catuense (emp.)
Espírito Santo (estado) São Mateus (emp.)
São Paulo Ponte Preta
São Paulo Corinthians
São Paulo Ponte Preta
São Paulo Palmeiras
São Paulo Ponte Preta (emp.)
São Paulo Credi Estiva (society)
 ? (?)
? (?)
? (?)
? (?)
30 (1)
? (?)
51 (2)
? (?)
? (?)
Seleção nacional
2006 Guiné Equatorial Guiné Equatorial 1 (0)

Daniel Sabino Martins (Vitória, 8 de maio de 1972), mais conhecido por Daniel ou Daniel Martins, é um ex-futebolista brasileiro naturalizado guinéu-equatoriano, que jogava como lateral-direito.

Possui em seu currículo o Mundial de Clubes da FIFA em 2000 e a Copa da CEMAC de 2006 com a seleção da Guiné Equatorial, na cidade de Bata.[1][2]

Carreira em clubes[editar | editar código-fonte]

Daniel ingressou na Desportiva em 1988, então com tenros 16 anos. O jogador continuou no clube até 1993, quando passou por um ano de empréstimo na Catuense em 1994. Em seguida, o lateral voltou a atuar pela Desportiva até 1997, quando passou a maior parte do ano no São Mateus.

Saiu da Desportiva em 1998, após a campanha que quase levou a equipe grená à elite do Campeonato Brasileiro, onde perdeu o acesso para o Botafogo de Ribeirão Preto. Em 1999, atraiu interesse de equipes da Série A, sendo contratado pela Ponte Preta, onde foi titular durante o ano todo.

No início de 2000, o Corinthians contrata o lateral para a disputa do Mundial de Clubes, mas ficou durante muito tempo na reserva. Insatisfeito com tal situação, Daniel voltou à Ponte Preta pouco tempo depois.

Em 2001, o lateral retorna à cidade de São Paulo, agora para defender o Palmeiras. Reserva no início da temporada, Daniel disputou apenas 6 jogos no ano.

Apesar de ainda continuar vinculado ao elenco palmeirense para 2002, Daniel voltou pela terceira vez à Ponte, desta vez por empréstimo. Não esteve entre os atletas escalados no jogo que selou o destino do Palmeiras, que acabaria rebaixado para a Série B após derrota para o Vitória. Na terceira passagem pela Ponte, Daniel teve atuações discretíssimas.

Já na Série B, Daniel retornou ao Verdão, tendo feito parte do elenco que regressou à Série A e chegou a fazer algumas partidas no início do Brasileirão de 2004. Fora dos planos do Palmeiras para a temporada seguinte, o lateral foi dispensado ao final de seu contrato.

Em 2005, Daniel ficou à espera de propostas, mas não teve sucesso em nenhuma delas. Apesar de ter seu nome ligado a uma provável contratação pelo Atlético Mineiro para a disputar o Campeonato Brasileiro de 2006, resolveu abandonar o futebol de forma prematura, com apenas 33 anos.

Após quatro anos parado, o lateral resolveu voltar a atuar, desta vez no futebol society (modalidade futebolística onde atuam sete atletas), pelo Credi Estiva, passando a ser meio-campista.

Seleção Guinéu-Equatoriana[editar | editar código-fonte]

Mesmo aposentado, o lateral-direito foi convocado para disputar a Copa da CEMAC de 2006 pela Guiné Equatorial, uma vez que possuía antepassados ligados ao país africano.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Bandeira de Guiné EquatorialSoccer icon Este artigo sobre futebolistas guinéu-equatorianos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.