Fernando Diniz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o treinador de futebol. Para o ex-deputado, veja Fernando Diniz (político).
Fernando Diniz
Informações pessoais
Nome completo Fernando Diniz Silva
Data de nasc. 27 de março de 1974 (48 anos)
Local de nasc. Patos de Minas, Minas Gerais, Brasil
Nacionalidade brasileiro
Altura 1,83 m
destro
Apelido Pirulito
Informações profissionais
Clube atual Fluminense
Posição ex-meio-campista
Função treinador
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1993–1996
1996
1996
1997–1998
1998–2000
2000–2003
2003
2004
2004
2005
2006–2007
2007
2008
2008
Juventus-SP
Guarani (emp.)
Palmeiras
Corinthians
Paraná
Fluminense
Flamengo
Juventude
Cruzeiro
Santos
Paulista
Santo André
Juventus-SP
Gama
000
0018 0000(3)
0018 0000(1)
0050 0000(2)
0039 0000(2)
0102 0000(7)
0012 0000(1)
000
0008 0000(0)
0005 0000(0)
0016 0000(3)
0016 0000(1)
0014 0000(0)
0001 0000(0)
Times/clubes que treinou
2009–2010
2010–2011
2011
2011–2012
2013–2014
2014
2015
2015
2016
2016
2017
2018
2019
2019–2020
2021
2021
2022–
Votoraty
Paulista
Botafogo-SP
Atlético Sorocaba
Audax
Guaratinguetá
Audax
Paraná
Audax
Oeste
Audax
Atlético Paranaense
Fluminense
São Paulo
Santos
Vasco da Gama
Fluminense
Última atualização: 30 de abril de 2022

Fernando Diniz Silva (Patos de Minas, 27 de março de 1974) é um treinador e ex-futebolista brasileiro que atuava como meio-campista.[1] Atualmente comanda o Fluminense.[2]

É também psicólogo, formado pela tradicional Universidade São Marcos.

Carreira como jogador[editar | editar código-fonte]

Início[editar | editar código-fonte]

Iniciou sua carreira em 1993 no Juventus da Mooca, onde jogou até 1996, quando se transferiu para o Guarani.[3]

Palmeiras[editar | editar código-fonte]

No mesmo ano, o atleta acertou sua ida para o Palmeiras, clube pelo qual passou por uma situação no mínimo curiosa: ele estava concentrado com o grupo que iria enfrentar o Atlético-MG, pelo Campeonato Brasileiro, mas foi obrigado a ser liberado para ser mesário no segundo turno das eleições municipais de 1996.[4]

Corinthians e Fluminense[editar | editar código-fonte]

No ano seguinte, foi defender as cores do Corinthians de 1997 a 1998, onde conquistou o Campeonato Paulista de 1997. Em 1999 transferiu-se para o Paraná. As boas atuações no tricolor paranaense chamaram a atenção do Fluminense, que contratou o jogador em 2000. Lá, conquistou o Campeonato Carioca de 2002. Ficou nas Laranjeiras até meados de 2003.

Flamengo[editar | editar código-fonte]

No segundo semestre de 2003, Fernando Diniz foi cedido até o final do ano ao Flamengo, em uma negociação que envolveu uma troca com Lopes Tigrão. Na Gávea, porém, Diniz não conseguiu repetir as mesmas atuações dos tempos de Flu. Sofreu com algumas lesões e fez apenas 12 jogos e marcou um gol, no empate em 1 a 1 contra o São Caetano, no Estádio Anacleto Campanella, em jogo válido pelo Brasileirão daquele ano.[5]

Outros clubes[editar | editar código-fonte]

Em 2004 acabou sendo negociado com o Juventude. Posteriormente, viria a jogar no Cruzeiro em 2004, Santos em 2005[6], Paulista de 2006 a 2007, Santo André em 2007, retornou ao Juventus-SP (em 2008) e encerrou sua carreira no Gama em 2008.

Carreira como treinador[editar | editar código-fonte]

Votoraty[editar | editar código-fonte]

Começou a carreira no Votoraty em 2009, conseguindo já em seu primeiro ano como técnico os títulos da Campeonato Paulista Série A3 e Copa Paulista.[1] No ano seguinte levou o clube a segunda fase da Copa do Brasil de 2010, sendo eliminado pelo semifinalista daquela edição, o Grêmio.[7] Este foi o último jogo do técnico pelo clube, pois os donos da equipe resolveram extinguir o clube em seguida.[8][9]

Paulista[editar | editar código-fonte]

Pelo prestígio obtido inicialmente, o treinador foi contratado para dirigir o Paulista[10], equipe com a qual sagrou-se bicampeão da Copa Paulista em 2010.[1]

Botafogo de Ribeirão Preto[editar | editar código-fonte]

Em 2011, teve uma breve passagem pelo Botafogo de Ribeirão Preto, sendo demitido após disputar quatro jogos.[11]

Atlético Sorocaba[editar | editar código-fonte]

No final de 2011, Fernando assumiu o comando do Atlético Sorocaba, com o qual atingiu a terceira colocação na Série A2 de 2012, conseguindo o acesso à primeira divisão do futebol paulista em 2013. Foi demitido no segundo semestre de 2012, após eliminação da Copa Paulista.

Paraná[editar | editar código-fonte]

Em 2015, Diniz comandou boa parte do segundo semestre a equipe do Paraná Clube e, em 17 partidas, obteve sete vitórias, três empates e sete derrotas.

Audax[editar | editar código-fonte]

Após ser demitido da equipe paranaense, no final de 2015 Fernando Diniz assumiu o comando do então recém fundado Grêmio Osasco Audax. No dia 20 de março de 2016, alcançou sua primeira vitória contra um dos times do Trio de Ferro ao ganhar por 2 a 1 do Palmeiras.[12]

Deixou o comando da equipe no dia 2 de junho de 2017.[13]

Atlético Paranaense[editar | editar código-fonte]

Foi anunciado como novo coordenador técnico geral e treinador da equipe principal do Atlético Paranaense em 3 de janeiro de 2018.[14] Diniz, no entanto, não treinou o time campeão paranaense em 2018[15], mas acompanhou de perto do trabalho do técnico Tiago Nunes. Com isso, teve tempo para implementar seu estilo de jogo[16] à equipe principal do Atlético Paranaense para a disputa da Copa do Brasil, da Copa Sul-Americana e do Campeonato Brasileiro.

Em 25 de junho, foi demitido do Atlético Paranaense após péssimos resultados.[17]

Fluminense[editar | editar código-fonte]

No dia 19 de dezembro de 2018, Fernando Diniz foi anunciado como o novo treinador do Fluminense.[18]

A primeira competição disputada pelo clube com Diniz no comando foi o Campeonato Carioca de 2019. Não abrindo mão de seu estilo característico, mesmo sob críticas de boa parte da imprensa por conta dos resultados de seu trabalho anterior, o técnico rapidamente modificou o padrão de jogo do tricolor, que surpreendeu com a melhoria significativa de suas exibições, passando a valorizar a posse de bola e o futebol bonito. Por conta disso, Fernando Diniz recebeu o prêmio de Melhor Treinador no final do campeonato.[19]

Em 19 de agosto de 2019, foi demitido do Flu após deixar a equipe na 18.ª colocação do Campeonato Brasileiro. No total, somou três vitórias, três empates e nove derrotas na competição.[20]

São Paulo[editar | editar código-fonte]

No dia 26 de setembro de 2019, foi anunciado como novo treinador do São Paulo.[21]

Em 26 de setembro de 2020, Diniz completou um ano no comando da equipe paulista. Com 44 jogos, sendo 20 vitórias, 11 empates e 13 derrotas (53,8% de aproveitamento).[22] A marca fez com que o treinador se tornasse o técnico com maior permanência no tricolor paulista desde a terceira passagem de Muricy Ramalho. No período, o São Paulo encerrou o Brasileirão na 6ª posição e foi eliminado pelo Mirassol no Campeonato de 2020, nas quartas de final, pelo placar de 3 a 2 para o clube do interior.[23]

Foi anunciado sua saída do clube em 1 de fevereiro de 2021, após um ano e quatro meses no cargo, tendo 34 vitórias, 20 empates e 20 derrotas.[24]

Santos[editar | editar código-fonte]

Em 7 de maio de 2021 foi anunciado oficialmente como novo treinador do Santos, assinando por um ano com opção de prorrogar por mais um, sem multa rescisória.[25] Estreou no dia 11 de maio, na Vila Belmiro, com uma vitória por 1 a 0 sobre o Boca Juniors pela Copa Libertadores. Diniz, porém, foi expulso por reclamação no segundo tempo.[26]

Foi demitido em 5 de setembro, após sequência de maus resultados.[27]

Vasco da Gama[editar | editar código-fonte]

Em 8 de setembro de 2021, foi anunciado como novo treinador do Vasco da Gama para os jogos restantes do Campeonato Brasileiro Série B 2021.[28] Recebeu o clube em 10° colocado na 23° rodada. Com a meta de levar o Vasco da Gama à Série A de 2022, Diniz não obteve êxito em seu objetivo, na qual foi confirmado na derrota por 3x0 contra o Vitória, em São Januário, restando 3 rodadas para o término da competição.[29]

Em 11 de novembro, acabou deixando o clube.[30]

Retorno ao Fluminense[editar | editar código-fonte]

No dia 30 de abril de 2022, foi anunciado como novo treinador da equipe para o restante da temporada, após a saída de Abel Braga.[31] É a sua segunda passagem com a camisa tricolor sendo treinador.[32]

Em 26 de maio de 2022, o Fluminense comandado por Fernando Diniz, aplicou a maior goleada da história da Copa Sul-Americana, sendo o placar de 10 a 1 sobre o Oriente Petrolero, na Bolívia, Porém, apesar da goleada, o Fluminense não foi classificado para a próxima fase.[33]

Estilo de jogo[editar | editar código-fonte]

Os times treinados por Fernando Diniz preservam o toque de bola acima de tudo e não apelam para chutões nem em momentos de alta pressão dos adversários.[34] Além disso, há uma constante troca de posições.[35] Em seus times, o goleiro é mais um a participar deste constante toque de bola. Na filosofia do treinador, o goleiro precisa "jogar na linha, usar os pés e participar do jogo."[36]

Fernando Diniz explica que seu estilo de jogo, apesar de ser comparado ao tiki-taka, tem algumas diferenças. "A gente usa muito mais o goleiro na saída de bola, se arrisca mais. A rotatividade dos nossos jogadores é maior." Por isso, a imprensa paulista apelidou seu estilo de jogo de tiki-taka à paulista[36] ou Dinizismo.[37]

Estatísticas como treinador[editar | editar código-fonte]

Atualizadas até 18 de maio de 2022

Clube Jogos Vitórias Empates Derrotas Aproveitamento
Guaratinguetá 18 6 7 5 46.3%
Votoraty 76 38 17 21 59.21%
Botafogo-SP 4 1 0 3 25%
Paulista 32 14 9 9 53.13%
Atlético Sorocaba 45 24 8 13 59.26%
Paraná Clube 17 7 3 7 47.06%
Audax 112 50 31 31 53.87%
Oeste 37 9 16 12 38.74%
Atlético Paranaense 21 5 7 9 34.92%
Fluminense 90 45 20 25 57.41%
São Paulo 75 34 20 21 54.22%
Santos 31 11 8 12 44.09%
Vasco da Gama 12 4 3 5 41.67%

Títulos[editar | editar código-fonte]

Como jogador[editar | editar código-fonte]

Palmeiras
Corinthians
Fluminense
Cruzeiro

Como treinador[editar | editar código-fonte]

Votoraty
Paulista

Prêmios individuais[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c «Jovem e campeão, Fernando Diniz quer aumentar sua coleção de títulos». Federação Paulista de Futebol. Consultado em 16 de outubro de 2012 
  2. «Fluminense oficializa retorno de Fernando Diniz como técnico». iG. 30 de abril de 2022. Consultado em 2 de janeiro de 2023 
  3. Túlio Nassif. «Fernando Diniz - Que fim levou?». Terceiro Tempo. Consultado em 17 de dezembro de 2020 
  4. Eduardo Rodrigues (27 de novembro de 2019). «São Paulo x Vasco: a história do dia em que Fernando Diniz desfalcou o time de Luxa para ser mesário». GloboEsporte.com. Consultado em 17 de dezembro de 2020 
  5. Vladimir Bianchini (22 de março de 2019). «Fernando Diniz no Flamengo: 1 gol, lesões, salários atrasados e 'fora, Waldemar!'». ESPN.com.br. Consultado em 17 de dezembro de 2020 
  6. «Santos contrata o meia-atacante Fernando Diniz». Folha de S.Paulo. 12 de janeiro de 2005. Consultado em 7 de maio de 2021 
  7. O Globo. «Grêmio vence Votoraty e está nas oitavas de final». Consultado em 18 de outubro de 2012 
  8. Estadão. «Votoraty muda de cidade e vira Ribeirão Futebol Clube». Consultado em 18 de outubro de 2012 
  9. Jornal Cruzeiro do Sul. «Saída à francesa» (PDF). Consultado em 18 de outubro de 2012. Arquivado do original (PDF) em 4 de março de 2016 
  10. Folha de S. Paulo. «Botafogo troca Fonseca por Fernando Diniz». Consultado em 16 de outubro de 2012 
  11. «Fernando Diniz é demitido após Botafogo-SP ser goleado». Estadão. 5 de março de 2011. Consultado em 21 de janeiro de 2021 
  12. «Audax domina, Palmeiras joga mal e perde a segunda com Cuca». GloboEsporte.com. 20 de março de 2016. Consultado em 17 de dezembro de 2020 
  13. «Após cinco anos, Fernando Diniz deixa comando do Audax-SP». LANCE!. 2 de junho de 2017. Consultado em 17 de dezembro de 2020 
  14. «Sem acerto com Seedorf, Atlético-PR anuncia Fernando Diniz como novo técnico». GloboEsporte.com. 3 de janeiro de 2018. Consultado em 17 de dezembro de 2020 
  15. Napoleão de Almeida (8 de janeiro de 2018). «Com conceito dos "aspirantes", Atlético-PR aumenta valorização do Estadual». UOL. Consultado em 17 de dezembro de 2020 
  16. Ricardo Brejinski (1 de fevereiro de 2018). «Fernando Diniz já impõe metodologia no Atlético, que ainda precisa ser aprimorado». Tribuna PR. Consultado em 17 de dezembro de 2020 
  17. «Atlético-PR demite o técnico Fernando Diniz, que sai com 34% de aproveitamento». GloboEsporte.com. 25 de junho de 2018. Consultado em 17 de dezembro de 2020 
  18. Felipe Siqueira (19 de dezembro de 2018). «Fluminense anuncia Fernando Diniz como novo técnico». GloboEsporte.com. Consultado em 17 de dezembro de 2020 
  19. a b «Com seis jogadores, Flamengo domina seleção do Campeonato Carioca». GloboEsporte.com. 21 de abril de 2019. Consultado em 17 de dezembro de 2020 
  20. «Fernando Diniz não é mais técnico do Fluminense». GloboEsporte.com. 19 de agosto de 2019. Consultado em 17 de dezembro de 2020 
  21. «Fernando Diniz é o novo técnico do São Paulo». Site oficial do São Paulo. 27 de setembro de 2019. Consultado em 17 de dezembro de 2020 
  22. Murilo Borges (26 de setembro de 2020). «Indicação dos jogadores, amor e ódio com torcida e recorde na era Leco: Diniz completa um ano de São Paulo». ESPN Brasil. Consultado em 17 de dezembro de 2020 
  23. «Vexame no Morumbi: São Paulo perde para o Mirassol e está fora do Paulistão». GloboEsporte.com. 29 de julho de 2020. Consultado em 21 de janeiro de 2021 
  24. «Nota oficial». Site oficial do São Paulo. 1 de fevereiro de 2021. Consultado em 21 de janeiro de 2021 
  25. «Santos anuncia a contratação do técnico Fernando Diniz». GloboEsporte.com. 7 de maio de 2021. Consultado em 2 de janeiro de 2023 
  26. «Santos vence o Boca Juniors na estreia de Diniz (expulso) e renasce na Libertadores». GloboEsporte.com. 11 de maio de 2021. Consultado em 2 de janeiro de 2023 
  27. «Fernando Diniz não é mais técnico do Santos». GloboEsporte.com. 5 de setembro de 2021. Consultado em 2 de janeiro de 2023 
  28. «Fernando Diniz é o novo treinador do Vasco». GloboEsporte.com. 9 de setembro de 2021. Consultado em 2 de janeiro de 2023 
  29. «Vasco perde para o Vitória e ficam sem chances de acesso à Série A». www.uol.com.br. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  30. «Primeira mudanças: Alexandre Pássaro e Fernando Diniz não ficam no Vasco em 2022». globoesporte. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  31. «Fluminense anuncia a contratação do técnico Fernando Diniz». ge. Consultado em 1 de maio de 2022 
  32. «Fluminense acerta o retorno do técnico Fernando Diniz». Extra Online. Consultado em 1 de maio de 2022 
  33. «Fluminense atropela o Oriente Petrolero e aplica maior goleada da história da Sul-Americana». ge. Consultado em 27 de maio de 2022 
  34. «Para o gasto: Corinthians encurrala o "suicida" Audax para vencer; análise». GloboEsporte.com. 5 de fevereiro de 2016. Consultado em 21 de janeiro de 2021 
  35. Allan Brito (22 de janeiro de 2014). «Apelidado de "carrossel", Audax joga bonito e sai exaltado do Pacaembu». Terra. Consultado em 21 de janeiro de 2021 
  36. a b Danilo Sardinha e Silas Pereira (10 de setembro de 2014). «Goleiro-linha e tiki-taka: a estratégia de Fernando Diniz no "Garcelona"». GloboEsporte.com. Consultado em 21 de janeiro de 2021 
  37. «Dinizmo ou Dinizismo? São Paulo encerra polêmica nas redes sociais». GloboEsporte.com. 26 de março de 2020. Consultado em 17 de dezembro de 2020 
  38. «Santos domina seleção do Paulistão; Audax emplaca dois e mais o técnico». GloboEsporte.com. 9 de maio de 2016. Consultado em 2 de janeiro de 2023 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Antônio Carlos Zago
Treinador do Audax
2013–2017
Sucedido por
Maércio Zeferino
Precedido por
Lisca
Treinador do Guarani
2018
Sucedido por
Umberto Louzer
Precedido por
Fabiano Soares
Treinador do Athletico Paranaense
2018
Sucedido por
Tiago Nunes
Precedido por
Fábio Moreno (interino)
Marcão (interino)
Treinador do Fluminense
2019
2022–
Sucedido por
Marcão (interino)
Precedido por
Cuca
Treinador do São Paulo
2019–2021
Sucedido por
Hernán Crespo
Precedido por
Marcelo Fernandes
Treinador do Santos
2021
Sucedido por
Fábio Carille
Precedido por
Lisca
Treinador do Vasco
2021
Sucedido por
Fábio Cortez (interino)