Hernán Crespo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Hernán Crespo
Hernán Crespo
Crespo em 2018
Informações pessoais
Nome completo Hernán Jorge Crespo
Data de nasc. 5 de julho de 1975 (46 anos)
Local de nasc. Florida Este, Argentina
Nacionalidade argentino
Altura 1,84 m
destro
Informações profissionais
Equipa atual sem clube
Posição ex-centroavante
Função treinador
Clubes profissionais
Anos Clubes
1993–1996
1996–2000
2000–2002
2002–2003
2003–2008
2004–2005
2006–2008
2008–2009
2009–2010
2010–2012
River Plate
Parma
Lazio
Internazionale
Chelsea
Milan (emp.)
Internazionale (emp.)
Internazionale
Genoa
Parma
Seleção nacional
1996
1995–2007
Argentina Sub-23
Argentina
Times/Equipas que treinou
2015–2016
2018–2019
2020–2021
2021
Modena
Banfield
Defensa y Justicia
São Paulo
Medalhas
Jogos Olímpicos
Prata Atlanta 1996 Equipe
Jogos Pan-Americanos
Ouro Mar del Plata 1995 Equipe

Hernán Jorge Crespo (Florida Este, 5 de julho de 1975) é um treinador e ex-futebolista argentino que atuava como centroavante. Atualmente está sem clube.

Quando jogador, tinha como principais características a presença de área, a finalização precisa e o bom cabeceio. Dentro da área era capaz de fazer gols de todos os tipos, desde gols de cabeça, bicicleta, gols com a perna direita ou esquerda até gols de calcanhar. Entre os anos 1999 e 2002 foi eleito por muitos como o centroavante mais perigoso do planeta, porém nunca ganhou a Bola de Ouro da FIFA, tendo sua melhor colocação como 20º na temporada 2000–01. Nesta mesma temporada foi o segundo maior goleador do planeta, ficando só atrás do sueco Henrik Larsson (à época atuando no Celtic, da Escócia) por conta de 0,5 ponto.

Estreou pela Seleção Argentina no dia 14 de fevereiro de 1995, numa partida contra a Bulgária. Sete anos depois, na Copa do Mundo FIFA de 2002, foi reserva quando vivia a melhor fase de sua carreira; o treinador Marcelo Bielsa optou por Gabriel Batistuta e Claudio López como titulares.[1] Ao término do mundial, López fez duras críticas ao treinador e alguns dos atletas presentes no mundial, principalmente Batistuta.[2] Crespo é o nono maior goleador argentino de todos os tempos, estando atrás de nomes como Batistuta, Mario Kempes, Diego Maradona, Ángel Labruna, Lionel Messi e Alfredo Di Stéfano.

Saiu do Parma para a Lazio na temporada 2000–01 por uma verba de 51,5 milhões de euros, na época a segunda transferência mais cara da história.[3] Na Copa do Mundo FIFA de 2006 fez três gols: um contra a Costa do Marfim, um contra Sérvia e Montenegro e um contra o México. No dia 22 de setembro de 2010, Crespo chegou a marca de 200 gols na Serie A.[4]

Carreira como jogador[editar | editar código-fonte]

River Plate[editar | editar código-fonte]

Em 1988, estreou nas divisões inferiores do River Plate, de onde finalmente se converteria em um grande ídolo, aos 18 anos e em novembro de 1993 estreou profissionalmente com o River Plate, enfrentando ao Newell's Old Boys. Ganhou os títulos da Liga na temporada 1993–94 e 1994–95.[5]

Em 1996, conquistou a Copa Libertadores da América com o River Plate, onde nas oitavas-de-final converteu um dos mais bonitos gols que se recorda no dito torneio "de lavada" contra o Sporting Cristal do Peru e, além disso, anotou os dois gols de sua equipe na final contra o América de Cali, em Buenos Aires.

Parma[editar | editar código-fonte]

Em agosto desse ano foi transferido ao Parma, onde estreou em outubro. Em 1999 conquistou a Copa da Itália e uma Copa da UEFA, marcando um gol na final. Crespo é o maior goleador da história do Parma, com 72 gols em 158 partidas. Somando campeonatos europeus e nacionais, são 202 jogos e 95 gols pelo clube.[6]

Lazio[editar | editar código-fonte]

No dia 12 de julho de 2000, teve seu passe vendido à Lazio pela quantidade recorde de 55 milhões de dólares.[3] Foi o artilheiro da Serie A na temporada 2000–01, com 26 gols marcados.

Internazionale[editar | editar código-fonte]

Em 2002 foi vendido a Internazionale por 40 milhões de euros. Sua contratação foi a terceira mais cara da temporada 2002–03, atrás de Ronaldo (que trocou a própria Inter pelo Real Madrid) e Rio Ferdinand (saiu do Leeds United para o Manchester United).

Tinha tudo para brilhar na equipe Nerazzurri, mas um lesão no musculo adutor o afastou dos gramados por um período de quatro meses. Apesar disso teve um bom desempenho, marcando 16 gols em 30 jogos.

Chelsea[editar | editar código-fonte]

No ano seguinte, 2003, foi vendido ao Chelsea por 28 milhões de euros. Marcou 12 gols em 31 partidas e terminou como vice artilheiro da equipe, atrás apenas do romeno Adrian Mutu. Nesta temporada, devido à constantes lesões, Crespo pensou seriamente em terminar sua carreira. Acabou não se firmando no clube inglês e foi preterido pelo marfinense Didier Drogba.[7]

Milan[editar | editar código-fonte]

No dia 14 de julho de 2004 foi emprestado ao Milan.[8] Novamente sob o comando do técnico Carlo Ancelotti, Crespo teve um bom desempenho. Na Liga dos Campeões, o Rossonero chegou a final e enfrentou o Liverpool. Incrivelmente, terminaram o primeiro tempo ganhando por 3 a 0 (Crespo marcou dois gols), tendo o Liverpool empatado nos primeiros 7 minutos do segundo tempo. O jogo terminou 3 a 3 e os Reds conquistaram o título após vencerem nos pênaltis.[9] No total, Crespo atuou em 40 jogos e marcou 17 gols.

Retorno ao Chelsea[editar | editar código-fonte]

Retornou ao Chelsea na temporada 2005–06.[10] Sob o comando de José Mourinho, Crespo marcou 10 gols em 30 partidas e conquistou a Premier League.

Retorno a Internazionale[editar | editar código-fonte]

No dia 7 de agosto de 2006 foi cedido a Internazionale por dois anos.[11] Reencontrou seu bom futebol com o técnico Roberto Mancini, conquistando o título da Serie A na temporada 2006–07, marcando 14 gols e sendo o artilheiro da equipe com 20 gols, somando todas as competições. Fez uma boa dupla de ataque com Zlatan Ibrahimović, e nas duas temporadas seguintes foi reserva devido às varias lesões que o atrapalharam, tendo marcado somente nove gols nas temporadas 2007–08 e 2008–09. Em março de 2008, anotou seu gol nº 300 contra a Lazio, em uma partida que terminou 1 a 1.

Em novembro de 2008 foi especulado como substituto de Ruud van Nistelrooy no Real Madrid, ao qual uma lesão o afastou dos gramados até o início da próxima temporada.[12] O clube madrileno propôs um contrato de seis meses, mas Crespo não chegou a um acordo.[13]

Genoa e Parma[editar | editar código-fonte]

Para a temporada 2009–10 recebeu ofertas da Fiorentina e do Columbus Crew, dos Estados Unidos, mas acabou acertando com o Genoa.[14][15] Disputou apenas 21 partidas pelos Rossoblu, marcando seis gols.

No dia 30 de janeiro de 2010, acertou seu retorno ao Parma.[16] Após duas temporadas e meia, deixou o clube no dia 2 de fevereiro de 2012. Na ocasião, aos 37 anos, o atacante deu uma entrevista emocionado e não conseguiu segurar as lágrimas.[17]

Seleção Nacional[editar | editar código-fonte]

Pela Seleção Argentina, Crespo disputou os Jogos Olímpicos de Verão de 1996, onde conseguiu a medalha de prata e foi goleador do torneio, com seis gols. Também disputou as Copas do Mundo FIFA de 1998, 2002 e 2006. Nas eliminatórias para a Copa do Mundo de 1998, marcou três gols em 10 partidas; nas eliminatórias para a Copa de 2002, anotou nove gols em 12 partidas; e nas eliminatórias para a Copa do Mundo de 2006, sete gols em 11 partidas.

Participações na Copa do Mundo[editar | editar código-fonte]

Hernán Crespo marcou gols em três das quatro partidas que jogou no Mundial da Alemanha; o primeiro destes foi na estreia da Argentina contra a Costa do Marfim (vitória de 2 a 1).[18] Em seguida, na goleada por 6 a 0 sobre a Sérvia e Montenegro, marcou seu segundo gol após receber assistência de Lionel Messi.[19] Voltou a marcar nas oitavas de final, na vitória de 2 a 1 contra o México.[20] A participação da Albiceleste no mundial terminaria com a eliminação sofrida contra a Alemanha nas quartas de final; após empatarem em 1 a 1 nos 120 minutos regulamentares, os alemães venceram nos pênaltis.[21] Crespo não se aposentou da Seleção, tendo recebido sua última convocação em 2008, quando ficou na reserva em um jogo pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2010, onde a Argentina perdeu de 2 a 1 pra Colômbia. Disputou sua última partida pela Seleção Argentina em 2007.

Carreira como treinador[editar | editar código-fonte]

Início[editar | editar código-fonte]

Em julho de 2014 retornou ao Parma, dessa vez como treinador das categorias de base.[22] Em 2015 acertou com o Modena.[23][24]

Defensa y Justicia[editar | editar código-fonte]

No dia 20 de janeiro de 2020, assinou com o Defensa y Justicia.[25] Conquistou seu primeiro título como treinador em janeiro de 2021, ao vencer o Lanús por 3 a 0 na final da Copa Sul-Americana.[26] No dia 7 de fevereiro de 2021, anunciou sua saída do clube argentino pelas redes sociais.[27]

São Paulo[editar | editar código-fonte]

Após diversas especulações, foi anunciado como novo técnico do São Paulo no 12 de fevereiro de 2021, assinando contrato até o fim de 2022.[28] Durante sua apresentação, afirmou que almeja um “futebol protagonista, que busca o gol adversário”.[29]

Em seus dez primeiros jogos, somou oito vitórias, um empate e uma derrota. O aproveitamento de 83,33% fez o argentino igualar a campanha de Cuca, que em 2004 também atingiu o mesmo retrospecto na primeira passagem pelo clube tricolor, tendo o melhor início de trabalho no clube no século XXI.[30] Três meses após a sua chegada ao Morumbi, conquistou o Campeonato Paulista após bater o Palmeiras por 2 a 0 no segundo jogo da final[31], ajudando o São Paulo a quebrar o jejum de oito temporadas sem títulos.[32]

No dia 8 de junho, sob o comando de Crespo, o Tricolor do Morumbi goleou o 4 de Julho por 9 a 1 na terceira fase da Copa do Brasil, alcançando marcas altas, como a de 4ª maior vitória da história da Copa do Brasil[33], a de 2ª maior vitória da equipe paulista na história da competição e dentro de sua casa - o Estádio do Morumbi - atrás apenas de uma vitória por 10 a 0 sobre o Botafogo da Paraíba em 2001, e a 8ª maior goleada na história do clube.[34]

Em 13 de outubro, Crespo e São Paulo decidiram em comum acordo pela saída do técnico.[35] Os resultados ruins recentes e a queda de desempenho no Campeonato Brasileiro foram determinantes para o argentino deixar a equipe.[36]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Campeonatos Nacionais[editar | editar código-fonte]

Temporada
Clube País Liga Partidas Gols
1993–94 River Plate Argentina Primera División 25 13
1994–95 River Plate Argentina Primera División 18 6
1995–96 River Plate Argentina Primera División 19 5
1996–97 Parma Itália Serie A 27 12
1997–98 Parma Itália Serie A 25 12
1998–99 Parma Itália Serie A 30 16
1999–00 Parma Itália Serie A 34 22
2000–01 Lazio Itália Serie A 32 26
2001–02 Lazio Itália Serie A 22 13
2002–03 Internazionale Itália Serie A 16 7
2003–04 Chelsea Inglaterra Premier League 19 10
2004–05 Milan Itália Serie A 28 11
2005–06 Chelsea Inglaterra Premier League 30 10
2006–07 Internazionale Itália Serie A 30 14
2007–08 Internazionale Itália Serie A 18 4
2008–09 Internazionale Itália Serie A 13 2
2009–10 Genoa Itália Serie A 16 5
2009–10 Parma Itália Serie A 13 1
2010–11 Parma Itália Serie A 29 9
Total 444 199

Copas Nacionais[editar | editar código-fonte]

Temporada
Clube País Liga Partidas Gols
1993 River Plate Argentina Copa Centenario 3 0
1996–97 Parma Itália Copa da Itália 1 0
1997–98 Parma Itália Copa da Itália 2 0
1998–99 Parma Itália Copa da Itália 7 6
1999–00 Parma Itália Copa da Itália 2 2
2000–01 Lazio Itália Copa da Itália 1 0
2001–02 Lazio Itália Copa da Itália 4 4
2003–04 Chelsea Inglaterra Copa da Inglaterra 10 2
2006–07 Internazionale Itália Copa da Itália 4 4
2006–07 Internazionale Itália Supercopa da Itália 1 1
2007–08 Internazionale Itália Copa da Itália 5 3
2008–09 Internazionale Itália Copa da Itália 3 0
2009–10 Parma Itália Copa da Itália
2010–11 Parma Itália Copa da Itália 2 2
2011–12 Parma Itália Copa da Itália 1 2
Total 46 24

Copas Internacionais[editar | editar código-fonte]

Temporada
Clube País Liga Partidas Gols
1994 River Plate Argentina Supercopa Argentina 4 2
1996 River Plate Argentina Copa Libertadores da América 13 10
1997–98 Parma Itália Copa da UEFA 8 2
1998–99 Parma Itália Copa da UEFA 8 6
1999–00 Parma Itália Copa da UEFA 5 3
2000–01 Lazio Itália Liga dos Campeões da UEFA 6 2
2001–02 Lazio Itália Liga dos Campeões da UEFA 7 3
2002–03 Internazionale Itália Liga dos Campeões da UEFA 12 9
2003–04 Internazionale Itália Liga dos Campeões da UEFA 10 2
2004–05 Milan Itália Liga dos Campeões da UEFA 10 6
2005–06 Chelsea Inglaterra Liga dos Campeões da UEFA 5 2
2006–07 Internazionale Itália Liga dos Campeões da UEFA 6 1
2007–08 Internazionale Itália Liga dos Campeões da UEFA 5 1
2009–10 Genoa Itália Liga Europa da UEFA 4 2
Total 103 51

Seleção Argentina[editar | editar código-fonte]

Torneio
Ano Partidas Gols
Copa do Mundo FIFA 1998, 2002 e 2006 8 4
Eliminatórias para a Copa do Mundo 1998, 2002 e 2006 33 19
Copa América 2007 2 3
Amistosos 1996–2007 21 9
Seleção Argentina Sub-23 1996 4 5
Jogos Olímpicos 1996 6 6
Total 74 46

Resumo estatístico[editar | editar código-fonte]

Torneio
Partidas Gols Média
Primera División 444 199 0,44
Copas Nacionais 45 24 0,50
Copas Internacionais 103 51 0,495
Seleção Argentina 74 46 0,60
Seleção Argentina Sub-23 15 15 1,00
Total 681 335 0,490

Estatísticas como treinador[editar | editar código-fonte]

Atualizadas até 11 de outubro de 2021

Clube Jogos Vitórias Empates Derrotas Aproveitamento
Modena 35 11 5 19 36.19%
Banfield 18 4 6 8 33.33%
Defensa Y Justicia 32 13 10 9 51.04%
São Paulo 57 24 21 12 54.39%

Títulos como jogador[editar | editar código-fonte]

River Plate
Parma
Lazio
Milan
Chelsea
Internazionale
Seleção Argentina

Prêmios individuais[editar | editar código-fonte]

Títulos como treinador[editar | editar código-fonte]

Defensa y Justicia
São Paulo

Prêmios individuais[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Bielsa confirma Batistuta para estréia contra a Nigéria». Folha de S.Paulo. 1 de junho de 2002. Consultado em 23 de setembro de 2021 
  2. «López vai pedir desculpas a Batistuta». UOL. 11 de julho de 2002. Consultado em 23 de setembro de 2021 
  3. a b «Lazio compra Crespo do Parma por US$ 54 mi, maior valor da história». Folha de S.Paulo. 12 de julho de 2000. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  4. «Em time pequeno e já veterano, Crespo mantém fama de artilheiro na Itália». UOL. 11 de dezembro de 2010. Consultado em 6 de fevereiro de 2021 
  5. Verônica Jensen (23 de agosto de 2018). «Raio-X: Hernán Crespo». Blog De Bate e Pronto. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  6. Pedro Spiacci (6 de outubro de 2014). «O caso de amor de Hernán Crespo com a Itália começou e continua no Parma». Calciopédia. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  7. «Como Drogba impactou as passagens frustradas de Crespo e Felipão no Chelsea». UOL. 14 de agosto de 2021. Consultado em 23 de setembro de 2021 
  8. «Chelsea empresta Hernán Crespo ao Milan». UOL. 14 de julho de 2004. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  9. «Com reviravolta, Liverpool bate o Milan e conquista a Europa». UOL. 25 de maio de 2005. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  10. «Chelsea anuncia o retorno do atacante argentino Crespo». Folha de S.Paulo. 6 de julho de 2005. Consultado em 20 de fevereiro de 2021 
  11. «Atacante Crespo volta para a Internazionale». UOL. 7 de agosto de 2006. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  12. «Crespo pode deixar a Inter para substituir Nistelrooy no Real Madrid». UOL. 19 de novembro de 2008. Consultado em 6 de fevereiro de 2021 
  13. «De plano B para Ronaldo a superado por Zidane: Crespo revela três vezes em que esteve perto de fechar com o Real». ESPN.com.br. 9 de março de 2020. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  14. «Genoa anuncia a contratação de Crespo». GloboEsporte.com. 30 de maio de 2009. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  15. «Presidente do Genoa anuncia contratação de Crespo». Trivela. 29 de maio de 2009. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  16. «Crespo volta ao Parma». Consultado em 30 de janeiro de 2010. Arquivado do original em 8 de fevereiro de 2010 
  17. «Hernán Crespo se despede do Parma com choro em entrevista coletiva». GloboEsporte.com. 2 de fevereiro de 2012. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  18. «Costa do Marfim pressiona, mas perde na estréia por 2 a 1». UOL. 10 de junho de 2006. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  19. «Argentina bate Sérvia em grande estilo». UOL. 16 de junho de 2006. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  20. «Argentina vence na prorrogação e reencontra quartas e Alemanha». UOL. 24 de junho de 2006. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  21. «Alemanha bate Argentina nos pênaltis e vai às semifinais». UOL. 30 de junho de 2006. Consultado em 23 de setembro de 2021 
  22. «Parma: Hérnan Crespo volta «a casa» como treinador». Maisfutebol. 16 de julho de 2014. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  23. «Modena anuncia Hernan Crespo como novo técnico para a Serie B». GloboEsporte.com. 30 de junho de 2015. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  24. «Oficializado no Modena, Crespo vê desafio como técnico com "honra"». Terra. 1 de julho de 2015. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  25. «Hernán Crespo assume função de técnico do Defensa y Justicia na Argentina». UOL. 27 de janeiro de 2020. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  26. «Defensa y Justicia de Crespo vence o Lanús e é campeão inédito da Copa Sul-Americana». GloboEsporte.com. 23 de janeiro de 2021. Consultado em 23 de setembro de 2021 
  27. «Na mira de clubes brasileiros, técnico Hernán Crespo anuncia saída do Defensa y Justicia». ESPN.com.br. 7 de fevereiro de 2021. Consultado em 20 de fevereiro de 2021 
  28. Érico Leonan (12 de fevereiro de 2021). «Hernán Crespo é o novo técnico do São Paulo». Site oficial do São Paulo. Consultado em 23 de setembro de 2021 
  29. «Crespo promete São Paulo competitivo, avisa que terá poucos reforços e pede paciência». GloboEsporte.com. 17 de fevereiro de 2021. Consultado em 23 de setembro de 2021 
  30. «Crespo tem melhor início de trabalho do século no São Paulo». GloboEsporte.com. 24 de abril de 2021. Consultado em 23 de setembro de 2021 
  31. «São Paulo bate Palmeiras no Morumbi, encerra jejum e é campeão do Paulistão». UOL. 23 de maio de 2021. Consultado em 23 de setembro de 2021 
  32. «Crespo transforma São Paulo após fracasso em 2020 e leva taça em três meses». UOL. 24 de maio de 2021. Consultado em 23 de setembro de 2021 
  33. «São Paulo alcança quarta maior goleada da história da Copa do Brasil: veja o top 5 - Gazeta Esportiva». Gazeta Esportiva. 9 de junho de 2021. Consultado em 23 de setembro de 2021 
  34. «Goleada do São Paulo por 9 a 1 é a segunda maior da história do clube no Morumbi; veja lista». GloboEsporte.com. 8 de junho de 2021. Consultado em 23 de setembro de 2021 
  35. «Nota Oficial: Em comum acordo, Hernán Crespo deixa o comando do São Paulo». Site oficial do São Paulo. 13 de outubro de 2021 
  36. «Hernán Crespo deixa o comando do São Paulo». GloboEsporte.com. 13 de outubro de 2021 
  37. «Elenco River'96». Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  38. «Lista de craques de Pelé para Fifa tem maioria brasileira». BBC Brasil. 4 de março de 2004. Consultado em 23 de setembro de 2021 
  39. «SPFC domina seleção do Paulista com Crespo e 6 atletas; Benítez é o craque». UOL. 24 de maio de 2021. Consultado em 23 de setembro de 2021 
  40. Érico Leonan (25 de maio de 2021). «Tricolor domina premiação do Paulistão 2021». Site oficial do São Paulo. Consultado em 23 de setembro de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Fernando Diniz
Treinador do São Paulo
2021
Sucedido por
Rogério Ceni