Luís Figo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Luís Figo
L. Figo 2017.jpg
Informações pessoais
Nome completo Luís Filipe Madeira Caeiro Figo
Data de nasc. 4 de novembro de 1972 (46 anos)
Local de nasc. Lisboa, Portugal
Nacionalidade português
Altura 1,80 m
destro
Apelido Figo
Informações profissionais
Período em atividade 1989–2009 (20 anos)
Clube atual Aposentado
Posição Médio e extremo
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
1989–1995
1995–2000
2000–2005
2005–2009
Total
Sporting
Barcelona
Real Madrid
Internazionale
00169 000(40)
00249 000(45)
00239 000(57)
00132 000(31)
00789 00(173)
Seleção nacional
1991–2006 Portugal 00127 00(32)
Figo em 2010.

Luís Filipe Madeira Caeiro Figo OIH (Lisboa, 4 de novembro de 1972) é um ex-futebolista português que atuava como médio ou extremo. Figo venceu o Ballon d'Or em 2000, foi o Melhor Jogador do Mundo pela FIFA em 2001 e está incluído no FIFA 100.

Com uma carreira profissional de mais de 20 anos em clubes de Portugal, Espanha e Itália, reformou-se a 31 de maio de 2009. Representou a Seleção Portuguesa por 127 vezes, fazendo dele o segundo jogador português com maior número de jogos pela seleção, ficando apenas atrás de Cristiano Ronaldo.

Figo é um dos poucos futebolistas a ter jogado pelos dois rivais espanhóis, Barcelona e Real Madrid. Ganhou diversos títulos individuais e coletivos, como uma Taça de Portugal, quatro Campeonatos Espanhóis, uma Liga dos Campeões da UEFA, uma Taça das Taças, uma Supercopa Europeia, uma Copa Intercontinental, quatro Campeonatos Italianos, uma Copa da Itália e três Supercopas Italianas.

A 28 de Janeiro de 2015, Figo anunciou a sua intenção de se candidatar à posição de presidente da FIFA.[1]

Luís Figo é desde 2003 o Presidente da Fundação Luís Figo, que dispõe de várias academias de futebol em Portugal e por outros países no mundo e que faz um importante trabalho a nível social junto de crianças necessitadas.

Luís Figo ocupa também o cargo de Presidente do "Conselho das Quinas de Ouro" pertencente à Federação Portuguesa de Futebol, organismo que nomeia e premia os portugueses com melhor desempenho no futebol, futsal e futebol de areia.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Começou a dar os seus primeiros pontapés na bola no União Futebol Clube "Os Pastilhas", um clube de bairro da freguesia da Cova da Piedade, antes de ser transferido para o Sporting Clube de Portugal. Morou então em Almada, na freguesia do Laranjeiro.

Clubes[editar | editar código-fonte]

Sporting[editar | editar código-fonte]

Luís Figo começou a sua carreira sénior no Sporting Clube de Portugal. Ganhou uma Taça de Portugal ao serviço dos leões, onde passou seis dos 20 anos da sua carreira, de 1989 até 1995, até ser transferido para o Barcelona.

Barcelona[editar | editar código-fonte]

Em 1995, anunciava-se a sua transferência para um gigante europeu, mas uma disputa entre dois clubes Italianos, a Juventus e o Parma, depois de Figo assinar contrato pelos dois clubes, resultou em que Figo fosse proibido de se transferir para um clube italiano por um período de 2 anos. A situação acabaria por ser resolvida, depois da sua transferência para o clube espanhol Barcelona.

Figo viria a ser transferido para outro clube, o Real Madrid.[3]

Real Madrid[editar | editar código-fonte]

No dia 1 de julho de 2000 transferiu-se com muita controvérsia para o Real Madrid, principal rival do Barcelona, por 60 milhões de euros, um valor então recordista.[4] Muitos fãs do Barcelona sentiram-se traídos pela sua transferência, mesmo depois de Figo ser o seu favorito ao longo dos anos. Três temporadas depois, numa partida frente ao Barcelona, em 2003, Figo obteve uma recepção muito hostil do público, sendo-lhe atirados objetos (como celulares, bolas de golfe e até cabeças assadas de um galo e de um porco) quando este efetuava pontapés-de-canto e lançamentos. Como resultado, a FIFA acabaria por impor uma multa ao Barcelona.

Inter de Milão[editar | editar código-fonte]

Figo deixou o Real Madrid para se juntar ao Inter de Milão em 2005, aonde viria a usar a camisola 7, depois do seu contrato com os Merengues ter expirado.[5][6] No verão de 2008, o seu compatriota José Mourinho, foi anunciado como o novo treinador do Inter fazendo com que Figo terminasse a sua carreira ao lado de colegas portugueses.

No dia 16 de maio de 2009, Figo anunciou o final da sua carreira, no mesmo dia que a Inter se tornou campeã italiano da Serie A na época 2008–09 e viria mais tarde reconfirmar o mesmo do dia 30 de maio. O seu último jogo foi a 31 de maio de 2009, foi frente ao Atalanta no estádio San Siro, jogo em que Javier Zanetti entregou a Figo a braçadeira de capitão. O seu golo mais memorável pelo Inter foi sem dúvida o livre marcado frente à Roma, num jogo a contar para a Supercopa Italiana.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Chegou a ser anunciada a sua ligação à equipa portuguesa da A1 Grand Prix juntamente com o bem conhecido ex-adjunto do Manchester United, Carlos Queiroz.

É embaixador da UNICEF.

EM 5 de julho de 2004 foi feito Oficial da Ordem do Infante D. Henrique.[7]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Luís Figo é casado, desde 2001, com a modelo sueca Helen Svedin. O casal tem três filhas: Daniela (29 de março de 1999), Martina (23 de fevereiro de 2002) e Stella (9 de dezembro de 2004).

No dia 16 de maio de 2009, no mesmo dia em que a Inter de Milão conquistou mais um campeonato italiano, Figo anunciou o fim da sua carreira como jogador profissional de futebol.[8]

Em 2015, Luís Figo candidatou-se para a presidência da FIFA.

É ainda presidente e criador da fundação Luís Figo.

Seleção Nacional[editar | editar código-fonte]

Figo com a Seleção Portuguesa em 2005.

Figo ganhou o Campeonato de Sub-20 pela Seleção Portuguesa em 1991 juntamente com Rui Costa e João Vieira Pinto, ano em também que se estreou pela Seleção frente ao Luxemburgo, num amigável que terminou empatado 1 a 1. Representou a Seleção das Quinas na Euro 1996, na Euro 2000, no Campeonato do Mundo de 2002, na Euro 2004 e no Campeonato do Mundo de 2006. Figo inicialmente anunciou o fim da sua carreira internacional depois da derrota frente à Grécia na final do Euro 2004 por 1 - 0, com 117 internacionalizações e 31 golos, mas em junho de 2005 reverteu a sua decisão e voltou ao serviço da Seleção para os jogos de qualificação para o Mundial da FIFA de 2006, frente às Seleções da Eslováquia e da Estónia.

Figo foi o capitão de Portugal no Campeonato do Mundo de 2006, levando as Quinas às semifinais, jogo que Portugal foi derrotado pela França por 1 a 0. Figo conseguiu assim levar Portugal às semifinais de um Mundial da FIFA, um feito que Portugal não alcançava desde 1966. No jogo para definir o terceiro lugar, frente à Alemanha, Figo não foi incluído no onze inicial de Luiz Felipe Scolari, facto que levou à surpresa de muitos, ficando Pauleta nomeado capitão. Viria a entrar no jogo aos 77 minutos substituindo Pauleta, sendo-lhe devolvida a capitania. A Alemanha ainda conseguiu marcar pela terceira vez logo depois da sua entrada, mas Figo aos 88 minutos terminou a sua carreira internacional em grande, depois de cruzar para Nuno Gomes, que cabeceou para o fundo das redes de Oliver Kahn, terminado o jogo em 3 a 1.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Bola de Ouro recebida por Figo em 2000.
Sporting
Barcelona
Real Madrid
Internazionale
Portugal
Prêmios Individuais

Ordens e outros destaques[editar | editar código-fonte]

Figo em Madrid em 2009.
  • Luís Figo ficou em 30º lugar na lista dos 100 maiores portugueses de sempre, no programa "Os Grandes Portugueses".
  • Teve uma participação especial como actor no filme português Second Life, de Miguel Gaudêncio e Alexandre Valente.
  • Oficial da Ordem do Infante D. Henrique (5 de julho de 2004)[10]

Referências

  1. João Ruela (28 de janeiro de 2015). «Vídeo: as motivações de Luís Figo para suceder a Blatter». Diário de Noticias. Consultado em 28 de janeiro de 2015 
  2. «Luís Figo vai presidir o 'Conselho das Quinas'». SAPO Desporto 
  3. «Figo: "Fui para o Real Madrid para melhorar economicamente, em prestígio e em títulos"». Trivela. 28 de março de 2019. Consultado em 3 de outubro de 2019 
  4. «Luís Figo assina por seis anos com o Real Madrid». Jornal Record. 24 de julho de 2000. Consultado em 3 de outubro de 2019 
  5. «Figo deixa o Real Madrid e acerta com a Inter por dois anos». UOL Esporte. 3 de agosto de 2005. Consultado em 3 de outubro de 2019 
  6. «Figo explica saída do Real em 2005: 'Quando se passa dos 30 na Espanha, te olham como um velho'». ESPN.com.br. 9 de fevereiro de 2011. Consultado em 3 de outubro de 2019 
  7. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de Luís Filipe Madeira Caeiro Figo". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 7 de julho de 2014 
  8. Jornal Record (16 de Maio de 2009). «Figo anuncia final da carreira». Consultado em 17 de maio de 2009. Arquivado do original em 18 de maio de 2009 
  9. World Soccer
  10. http://www.ordens.presidencia.pt/

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Zidane
França
2000
Melhor Jogador do Mundo
Luís Figo
Portugal

2001
Sucedido por
Ronaldo
Brasil
2002
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Luís Figo