Ronald Koeman

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ronald Koeman
Ronald Koeman
Informações pessoais
Nome completo Ronald Koeman
Data de nasc. 21 de março de 1963 (54 anos)
Local de nasc. Zaandam, Países Baixos
Nacionalidade neerlandês
Altura 1,83 m
Informações profissionais
Equipa atual Inglaterra Everton
Posição (ex-zagueiro)
Função Treinador
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1980–1983
1983–1986
1986–1989
1989–1995
1995–1997
Países Baixos Groningen
Países Baixos Ajax
Países Baixos PSV Eindhoven
Espanha Barcelona
Países Baixos Feyenoord
0098 000(35)
0114 000(30)
0130 000(63)
0264 000(88)
0079 000(25)
Seleção nacional
1981–1983
1983–1994
Países Baixos Países Baixos Sub-21
Países Baixos Países Baixos
0008 0000(2)
0078 000(14)
Times/Equipas que treinou
2000–2001
2001–2005
2005–2006
2006–2007
2007–2008
2008–2009
2011–2014
2014–2016
2016–
Países Baixos Vitesse Arnhem
Países Baixos Ajax
Portugal Benfica
Países Baixos PSV Eindhoven
Espanha Valencia
Países Baixos AZ Alkmaar
Países Baixos Feyenoord
Inglaterra Southampton
Inglaterra Everton

Ronald Koeman (Zaandam, 21 de março de 1963) é um ex-futebolista que atuou como zagueiro) e atualmente treinador de futebol neerlandês. É o treinador do Everton.

Koeman é um dos poucos a ter jogado nos três grandes e rivais clubes de seu país: Ajax, PSV Eindhoven e Feyenoord, mas o clube com o qual é mais identificado mundialmente é o Barcelona, da Espanha, equipe em que também passou mais tempo: seis anos.

Koeman é o zagueiro que mais fez gols na história do futebol[1] com 207 gols em 581 jogos.

Futebolista[editar | editar código-fonte]

Koeman começou no pequeno Groningen, um ano após seu irmão mais velho, Erwin, debutar no mesmo clube. Após três anos, foi contratado pelo maior time do país, o Ajax. Ficou na equipe de Amsterdã por três temporadas, conquistando o campeonato neerlandês em 1985 e a Copa dos Países Baixos em 1986. Nesse interím, solidificou sua presença na Seleção Neerlandesa.

Em 1986, transferiu-se para o PSV Eindhoven, então a terceira equipe do país em títulos. No PSV viveria seus melhores momentos no futebol nacional, conseguindo um tricampeonato na Eredivisie iniciado logo em sua primeira temporada. Conseguiu também um bi na Copa dos Países Baixos em 1988 e 1989 e o mais importante, o primeiro (e único) título da equipe da Philips na Copa dos Campeões da UEFA, em 1988. O clube finalmente juntava-se aos rivais Ajax e Feyenoord, que já possuíam títulos no mais importante torneio europeu de clubes.

Barcelona[editar | editar código-fonte]

Seu excelente desempenho no PSV chamou a atenção de seu compatriota Johan Cruijff, que treinava o Barcelona. Cruijff chamou-o para o clube catalão em 1989. Koeman e Cruijff participariam ativamente do renascimento do time, que vivia em decadência havia décadas: desde 1960, os blaugranas só haviam conquistado o campeonato espanhol duas vezes e perderam como favoritos duas finais de Copa dos Campeões - uma delas na Espanha. As conquistas em série ainda demorariam dois anos, começando com o Espanhol de 1991.

O Barça conseguiria um tetracampeonato seguido em 1994. As conquistas, com transmissões cada vez mais longínquas, aumentariam o número de adeptos da equipe pelo mundo. Koeman foi um dos pilares do chamado Dream Team. Apesar de jogar como defesa central, conseguiu a incrível marca de 67 gols em 192 jogos pelo clube apenas no Espanhol. O mais importante de seus gols foi o que deu ao time seu primeiro título na Copa dos Campeões: de falta, na prorrogação, marcou o único tento na decisão contra a Sampdoria.

Aposentadoria[editar | editar código-fonte]

O encanto acabaria dois anos depois, em nova final europeia, em que a equipe, semanas após o tetracampeonato, perderia de 0-4 para o Milan. Koeman deixou o Barcelona no ano seguinte, contratado pelo Feyenoord. Veterano, foi bem individualmente, mas não conquistou troféus - o clube de Roterdã já vivia a decadência que terminaria por fazê-lo perder o lugar de segundo maior clube do país para o PSV. Aposentou-se em 1997.

Seleção Neerlandesa[editar | editar código-fonte]

Koeman estreou pelos Países Baixos em 1983. A Oranje vinha em crise, com a aposentadoria da geração bivice-campeã mundial na década anterior. Ao lado de seu irmão Erwin Koeman, foi à Eurocopa 1988 e à Copa do Mundo de 1990, onde obtiveram resultados antagônicos: no primeiro, os neerlandeses conseguiram seu primeiro (e único) título em um torneio importante de futebol; no segundo, a mesma equipe-base decepcionou e terminou a competição sem vitórias, eliminada nas oitavas-de-final.

Já sem o irmão, Koeman participaria ainda da Eurocopa 1992 e da Copa do Mundo de 1994, sendo um dos remanescentes do título de 1988 no mundial dos Estados Unidos.

Treinador[editar | editar código-fonte]

Feyenoord Staff 2011.jpg

Como treinador, conquistou três campeonatos neerlandeses (dois pelo Ajax - 2001/2002; 2003/2004 - e um pelo PSV - 2006/2007), uma taça dos Países Baixos pelo Ajax, e a Supertaça Cândido de Oliveira pelo Sport Lisboa e Benfica em Portugal, na época de sua estreia no país luso no Verão de 2005, e uma Copa do Rei pelo Valencia.

Ao comando dos "encarnados", na época 2005-06, acabou em terceiro lugar no Campeonato Português e conseguiu levar o Benfica até às quartas-de-final da Liga dos Campeões. Na Taça de Portugal ficou nas quartas-de-final.

A partir de 16 de junho de 2014 foi treinador do Southampton Football Club, por três anos de contrato.[2]

Transferiu-se ao Everton em 14 de junho de 2016 firmando por três temporadas.[3]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Como jogador[editar | editar código-fonte]

Ajax
PSV
Barcelona
Países Baixos

Como treinador[editar | editar código-fonte]

Ajax
Benfica
PSV
Valencia
AZ

Referências

  1. "Qual foi o zagueiro com o maior número de gols na carreira na história do futebol?", Placar número 1328, março de 2009, Editora Abril, pág. 9
  2. «Statement: Koeman appointed First Team Manager» (em inglês). Sítio oficial Southampton Football Club. 16 de junho de 2014 
  3. «Ronald Koeman confirmed as Everton manager after leaving Southampton» (em inglês). The Guardian. 14 de junho de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]