Carlos Roa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Carlos Roa
Informações pessoais
Nome completo Carlos Ángel Roa
Data de nasc. 15 de agosto de 1969 (48 anos)
Local de nasc. Santa Fé,  Argentina
Altura 1,90 m
Apelido Lechuga
Informações profissionais
Clube atual Aposentado
Posição Goleiro
Clubes de juventude
Argentina Gimnasia de Ciudadela
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
1988–1993
1994–1997
1997–2002
2002–2004
2005–2006
Total
Argentina Racing
Argentina Lanús
Espanha Mallorca
Espanha Albacete
Argentina Olimpo
0109 0000(0)
0107 0000(0)
0075 0000(0)
0053 0000(0)
0027 0000(0)
0371 0000(0)
Seleção nacional
1997–1999 Flag of Argentina.svg Argentina 16 (0)

Carlos Ángel Roa (Santa Fé, 15 de agosto de 1969) é um ex-futebolista argentino. Atualmente exerce a função de treinador de goleiros no River Plate.

Destacou-se na década de 1990, atuando em seu país natal e na Espanha. Pelo Mallorca, conquistou o Trofeo Zamora em 1999, destinado ao goleiro menos vazado de La Liga.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Na Argentina[editar | editar código-fonte]

Roa começou a carreira no Racing Club, conquistando o primeiro título de sua carreira: a Supercopa Libertadores de 1988. Fez sua estreia em novembro do mesmo ano, substituindo o veterano Ubaldo Fillol, contra o River Plate. Durante uma excursão da equipe na África, contraiu malária e ficou fora de alguns jogos. Permaneceu no time de Avellaneda até 1994, quando se transferiu para o Lanús.

Pelos Granates, atuou por três temporadas (1994-1997), tendo obtido um título (Copa Conmebol de 1996). Em 1997, foi para a Espanha, onde defenderia o Mallorca.

Mallorca[editar | editar código-fonte]

Ajudou o time das Ilhas Baleares a conquistar a terceira posição na temporada 1998-99, tornando-se o goleiro menos vazado da competição. Depois de tirar um ano sabático, trabalhando como membro da Igreja Adventista do Sétimo Dia (que o impedia de jogar durante os sábados), Lechuga (apelido que em espanhol significa "alface" e que o goleiro recebeu por ser vegetariano), voltou a jogar em 2000.

Por questões religiosas, o goleiro recusou uma proposta de 22 milhões de euros do Manchester United, e voltou a defender o Mallorca meses depois. Porém, fora de forma, perdeu a vaga de titular para seu compatriota Leo Franco.

Luta contra câncer testicular, volta à Argentina e final de carreira[editar | editar código-fonte]

Sem contrato com o Mallorca, Roa assinou com o Albacete, time da Segunda Divisão espanhola, onde voltou a ser titular. Porém, descobriu um câncer testicular e afastou-se pela segunda vez do futebol para tratar a doença. Recuperado, passou um período de testes em 2 equipes do arquipélago das Baleares (Constancia de Inca e Atlético Baleares) para recuperar a forma. Em 2005, regressou à Argentina para defender o Olimpo. Após 27 jogos, Lechuga aposentou-se dos gramados no ano seguinte.

Seleção[editar | editar código-fonte]

Roa foi o goleiro titular da Seleção Argentina na Copa de 1998, disputada na França. Não levou gol nos jogos da fase de grupos, e se tornado herói da Albiceleste na decisão de pênaltis com a Inglaterra, defendendo as cobranças de Paul Ince e David Batty. O goleiro, no entanto, não evitou o revés para a Holanda por 2 a 1, com um belo gol de Dennis Bergkamp.

A outra competição que Roa disputou com a Seleção Argentina foi a Copa América de 1997.[1]

Referências

  1. «Elenco ARG'97». Consultado em 20 de janeiro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]