Campeonato Paulista de Futebol de 1976

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Campeonato Paulista de Futebol de 1976
Campeonato Paulista da Divisão Especial de 1976
Dados
Participantes 18
Organização FPF
Período
Gol(o)s Não disponível
Campeão Palmeiras (18º título)[1]
Vice-campeão XV de Piracicaba
Melhor marcador 15 gols
Sócrates (Botafogo)
◄◄ São Paulo 1975 Soccerball.svg 1977 São Paulo ►►

O Campeonato Paulista de Futebol de 1976 foi a 75.ª edição da competição, promovida pela Federação Paulista de Futebol, e teve como campeão o Palmeiras. O jogo decisivo foi uma vitória sobre o XV de Piracicaba, que terminaria o torneio com o vice-campeonato. Depois dessa conquista, o Palmeiras só voltaria a vencer o campeonato paulista em 1993.

Regulamento[editar | editar código-fonte]

As dezoito equipes foram divididas em três grupos "tecnicamente equilibrados",[2] apenas para efeito de classificação, já que todas jogariam contra todas no primeiro turno. Classificaram-se para o returno os quatro primeiros colocados de cada grupo, todos reunidos num grupo único para jogar entre si. A princípio, apenas os três primeiros colocados de cada grupo teriam direito à vaga,[2] mas o número foi aumentado para quatro por grupo após reunião no dia seguinte.[3] A decisão foi tomada devido à pressão de Romeu Italo Ripoli, presidente do XV de Piracicaba, que ameaçou tirar seu clube da disputa se fosse mantida a fórmula anterior.[3]

O primeiro colocado do segundo turno ficaria com o título. O time com melhor campanha no primeiro turno (Guarani) ganhou um ponto extra no segundo. "Teremos 40% a menos de jogos, mas o sistema de disputa, tenho certeza, possibilitará excelente arrecadações tanto no turno inicial como, e principalmente, na fase decisiva", disse o superintendente da federação, Cláudio Castilho.[2]

A nova fórmula permitiria que vários clubes menores seguissem na disputa do título, e a federação garantia que os clubes eliminados no primeiro turno fariam jogos preliminares no segundo, com direito a participação no borderô.[2] "Ao limitarmos o número de jogos em dezessete [por clube], estamos eliminando 70% das partidas entre 'pequenos', que são altamente deficitárias", explicou José Ferreira Pinto Filho, vice-presidente da entidade.[2]

Não houve rebaixamento, mas o Saad, clube convidado para as edições de 1973, 1974 e 1975, deixou nesse ano de disputar a Divisão Especial e voltou para a Primeira Divisão (segundo nível do futebol do estado), sob protesto.[4] A decisão foi tomada por Alfredo Metidieri, presidente da FPF que havia sido eleito em janeiro: "Esta presidência houve por bem não usar o mesmo critério [convite] adotado nos outros anos, inclusive devido à falta de datas em função dos jogos da seleção brasileira."[2]

Primeiro turno[editar | editar código-fonte]

Cinco times chegaram à última rodada com chances de brigar pelo título to turno e consequente ponto extra: Guarani (24 pontos), São Paulo (23 pontos e nove vitórias), Palmeiras (23 pontos e oito vitórias), Ponte Preta (22 pontos e dez vitórias) e Corinthians (22 pontos e nove vitórias).[5] O Guarani do técnico Diede Lameiro venceu o São Bento por 3 a 0 e não deixou chance para os demais.[6] A torcida bugrina fez uma grande festa pelo título do turno, interditando a Praça do Rosário, a principal da cidade.[7]

A grande surpresa foi a eliminação do Santos. O clube chegou à última rodada dividindo o quarto lugar do Grupo C com o Noroeste — ambos tinham dezesseis pontos, e os santistas tinham uma vitória a mais —, porém o empate sem gols com a já classificada Ferroviária na Vila Belmiro, na última rodada, fez com que ele dependesse de a Portuguesa Santista arrancar pelo menos um ponto do time de Bauru, no dia seguinte. Mas, mesmo jogando no Estádio Ulrico Mursa, o Noroeste venceu por 2 a 0, com dois gols de Picolé, e ficou com a última vaga do grupo.[8]

Grupo A
Pos. Time PG J V E D GP GC SG
1 São Paulo 23 17 9 5 3 24 10 14
2 Portuguesa 20 17 9 2 6 28 21 7
3 XV de Piracicaba 15 17 3 9 5 15 17 -2
4 São Bento 14 17 6 2 9 10 19 -9
5 Comercial 14 17 4 6 7 13 17 -4
6 Paulista 10 17 2 6 9 7 18 -11
Grupo B
Pos. Time PG J V E D GP GC SG
1 Guarani 26 17 10 6 1 30 12 18
2 Corinthians 24 17 10 4 3 29 9 20
3 Ferroviária 17 17 6 5 6 21 15 6
4 Botafogo 13 17 4 5 8 21 21 0
5 Juventus 13 17 4 5 8 21 21 0
6 Marília 5 17 0 5 12 9 31 -22
Grupo C
Pos. Time PG J V E D GP GC SG
1 Palmeiras 25 17 9 7 1 24 12 12
2 Ponte Preta 22 17 10 2 5 20 10 10
3 América 21 17 8 5 4 20 18 2
4 Noroeste 18 17 6 6 5 17 14 3
5 Santos 17 17 6 5 6 15 16 -1
6 Portuguesa Santista 9 17 2 5 10 9 41 -32

Segundo turno[editar | editar código-fonte]

Em seu antepenúltimo jogo, o Palmeiras, com treze pontos, teve confronto direto com o São Paulo, que tinha quatro pontos a menos e só poderia igualar o adversário se vencesse o clássico e seu último jogo, além de o Palmeiras não pontuar mais. A vitória palmeirense por 1 a 0 fez o clube chegar aos quinze pontos, pôs fim às pretensões de bicampeonato do Tricolor e ainda eliminou o Guarani, que só poderia chegar a catorze pontos.

Na penúltima rodada, apenas Palmeiras, XV de Piracicaba e América ainda estavam na disputa. A tabela previa o jogo entre Palmeiras e XV no Palestra Itália, enquanto o América recebia, em Rio Preto, a já eliminada Ponte Preta. Um simples empate garantiria o título ao Palmeiras, enquanto os dois clubes do interior precisavam vencer seus dois últimos jogos e torcer para o Alviverde não pontuar mais. O Palmeiras acabou por vencer por 1 a 0 o XV de Piracicaba, sagrando-se campeão paulista com uma rodada de antecipação. Foi a última conquista de Ademir da Guia e o último título antes do jejum de quase dezessete anos sem títulos, o maior já vivido pelo clube.

Grupo A
Pos. Time PG J V E D GP GC SG
1 Palmeiras 19 11 8 3 0 15 6 9
2 XV de Piracicaba 14 11 5 4 2 11 8 3
3 Guarani 13 11 2 8 1 9 8 1
4 Botafogo 12 11 4 4 3 12 9 3
5 América 12 11 3 6 2 8 6 2
6 Ponte Preta 11 11 4 3 4 10 7 3
7 São Paulo 11 11 3 5 3 15 8 7
8 Portuguesa 11 11 3 5 3 10 12 -2
9 Noroeste 9 11 3 3 5 8 13 -5
10 São Bento 9 11 3 3 5 7 12 -5
11 Corinthians 7 11 3 1 7 6 13 -7
12 Ferroviária 5 11 2 1 8 7 16 -9

Jogo decisivo[editar | editar código-fonte]

18 de agosto de 1976 Palmeiras 1 – 0 XV de Piracicaba Parque Antártica, São Paulo, SP
21 horas
Jorge Mendonça Gol marcado aos 39 minutos de jogo 39' do 1.º[9] Ficha técnica Público: 35 533
Renda: Cr$ 777 913
Árbitro: Romualdo Arppi Filho

Palmeiras — Leão; Valdir, Samuel, Arouca e Ricardo; Pires, Ademir da Guia e Jorge Mendonça; Edu Bala, Toninho e Nei. Técnico: Dudu.

XV de Piracicaba — Donah; Volmil, Fernando, Eloy e Almeida; Muri e Vágner; Pitanga, Nardela (Capitão), Benê (Paulinho) e João Paulo. Técnico: Dema.

Premiação[editar | editar código-fonte]

Campeão Paulista de 1976
Bandeira da cidade de São Paulo.svg
PALMEIRAS
(18º título)[1]

Referências

  1. a b «Palmeiras pode ganhar o campeonato hoje». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo (31 106). 24 páginas. 18 de agosto de 1976. ISSN 1516-2931. Consultado em 13 de dezembro de 2016 
  2. a b c d e f «Clubes, só um jogo por semana». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo (30 948). 22 páginas. 13 de fevereiro de 1976. ISSN 1516-2931. Consultado em 30 de julho de 2015 
  3. a b «Federação decide: final terá 12 times». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo (30 949). 17 páginas. 14 de fevereiro de 1976. ISSN 1516-2931. Consultado em 30 de julho de 2015 
  4. «Começam contatos com os 'grandes'». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo (30 935). 33 páginas. 19 de janeiro de 1976. ISSN 1516-2931. Consultado em 30 de julho de 2015 
  5. «Finalmente, surge o campeão (e líder do returno)». Folha de S. Paulo (17 278). São Paulo: Empresa Folha da Manhã S/A. 4 de julho de 1976. 40 páginas. ISSN 1414-5723. Consultado em 30 de julho de 2015 
  6. «Guarani, vitória de campeão». Folha de S. Paulo (17 279). São Paulo: Empresa Folha da Manhã S/A. 5 de julho de 1976. 11 páginas. ISSN 1414-5723. Consultado em 30 de julho de 2015 
  7. «A torcida chega à praça canta, dança, comemora». Folha de S. Paulo (17 279). São Paulo: Empresa Folha da Manhã S/A. 5 de julho de 1976. 11 páginas. ISSN 1414-5723. Consultado em 30 de julho de 2015 
  8. «Picolé entristeceu uma cidade e garantiu o Noroeste: 2 a 0». Folha de S. Paulo (17 279). São Paulo: Empresa Folha da Manhã S/A. 5 de julho de 1976. 13 páginas. ISSN 1414-5723. Consultado em 30 de julho de 2015 
  9. «Palmeiras Campeão». Folha de S. Paulo (17 304). São Paulo: Empresa Folha da Manhã S/A. 19 de agosto de 1976. 34 páginas. ISSN 1414-5723. Consultado em 30 de julho de 2015