Campeonato Paulista de Futebol de 1943

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Campeonato Paulista de Futebol de 1943
Campeonato Paulista de Futebol da Primeira Divisão de 1943
Dados
Participantes 11
Organização FPF
Campeão São Paulo (2º título)
Vice-campeão Corinthians
Melhor marcador Mário Milani
◄◄ São Paulo 1942 Soccerball.svg 1944 São Paulo ►►

O Campeonato Paulista de Futebol de 1943 foi a 42.ª edição do torneio, promovido pela Federação Paulista de Futebol, e teve como campeão o São Paulo. O artilheiro foi Mario Milani, do Corinthians, com vinte gols. Foi o segundo título estadual conquistado pela agremiação tricolor, e o primeiro após sua refundação, em 1935.

O fim da hegemonia e a moeda que caiu de pé[editar | editar código-fonte]

Desde 1937, o Paulistão sempre ficava entre Corinthians e Palmeiras, o que gerou a piada de que, para decidir quem seria o campeão, bastava jogar cara ou coroa, já que só havia duas possibilidades.

Um dirigente são-paulino questionou a piada, perguntando quando, nesse caso, o São Paulo seria o campeão. Responderam-lhe que o São Paulo só seria campeão paulista se a moeda caísse de pé. Ao fim do campeonato, com o título são-paulino, a diretoria tricolor fez uma carreata, que incluiu um carro alegórico com uma moeda de pé.

Participantes[editar | editar código-fonte]

Disputaram o título onze equipes: Palmeiras, Corinthians, São Paulo, Portuguesa, Juventus, Ypiranga, São Paulo Railway e Comercial, todas da capital, além de Santos, Portuguesa Santista e Jabaquara, as três da cidade de Santos.

Regulamento[editar | editar código-fonte]

Campeonato disputado em pontos corridos, onde todos enfrentam todos, em turno e returno. Em caso de empate na liderança ao fim do returno, haveria um "supercampeonato" entre os clubes empatados: um torneio com pontuação independente, em turno único entre cada um dos líderes empatados. Não havia classificação a outros torneios nem rebaixamento.

Disputa[editar | editar código-fonte]

Corinthians, Palmeiras e São Paulo disputaram ponto a ponto até a última rodada, com os clássicos marcados para as últimas rodadas. No início de setembro, o Corinthians liderava o torneio, com quatro pontos perdidos, seguido por São Paulo, com seis, e Palmeiras, com oito. O São Paulo então venceu o confronto direto com o Corinthians por 2 a 0, passando a dividir com este a liderança, dois pontos perdidos à frente do Palmeiras. No jogo seguinte, o Tricolor venceu o Santos por 4 a 1, na Vila Belmiro e manteve-se na liderança, faltando-lhe apenas uma partida, contra o Palmeiras.

Na rodada seguinte, o Corinthians perdeu outro clássico, desta vez para o Palmeiras, por 3 a 1, e, ao ficar com oito pontos perdidos, deixou o São Paulo na liderança isolada. Corinthians e Palmeiras passaram a dividir a vice-liderança. Como o Corinthians venceu as suas duas partidas restantes, se o Palmeiras vencesse o Choque-Rei da última rodada, os três clubes ficariam empatados, com 32 pontos ganhos e oito pontos perdidos, e teriam de disputar um desempate. Chegou-se a cogitar que o São Paulo poderia "entregar" o jogo ao Palmeiras, para se beneficiar das rendas desse eventual desempate,[1] porém o time segurou o 0 a 0, mesmo com um jogador a menos desde os seis minutos (Sastre contundiu-se e passou o resto do jogo fazendo número, pois à época não eram permitidas substituições), e o Tricolor ficou com a taça. Foi o ano em que "a moeda caiu em pé".

Resultados[editar | editar código-fonte]

  COM COR JAB JUV PAL POR PSA SAN SAO SPR YPI
Comercial 2–4 3–1 3–2 1–2 1–3 1–1 2–7 1–2 6–1 1–2
Corinthians 2–1 9–0 2–2 0–2 6–1 2–2 2–1 0–2 7–1 2–0
Jabaquara 1–3 2–8 1–2 2–3 0–4 3–4 2–2 2–3 2–1 0–1
Juventus 1–1 1–3 6–0 2–2 0–1 5–1 2–1 1–1 5–1 1–3
Palmeiras 3–0 3–1 4–2 3–1 3–1 5–0 1–0 1–2 1–2 6–0
Portuguesa 4–1 1–2 6–0 1–4 0–0 2–1 2–1 0–3 2–2 1–0
Portuguesa Santista 2–4 1–6 2–1 0–3 2–5 2–1 0–3 1–8 3–2 2–4
Santos 3–1 2–5 3–1 1–3 2–0 2–1 5–1 1–4 4–1 1–0
São Paulo 4–1 1–2 4–3 3–2 0–0 1–1 9–0 6–1 5–1 1–2
São Paulo Railway 4–2 3–5 0–3 2–5 2–8 2–5 5–4 2–3 1–2 1–2
Ypiranga 4–2 0–3 5–4 1–1 0–1 3–2 7–3 3–2 1–2 3–4

Jogo do título[editar | editar código-fonte]

3 de outubro de 1943 São Paulo 0 – 0 Palmeiras Pacaembu, São Paulo
16h40
Crystal Clear app kworldclock.png Histórico
Ficha técnica Público: 42 143 pagantes (50 143 presentes)
Renda: Cr$ 522 577 (recorde na época)
Árbitro: Carlos de Oliveira Monteiro

Classificação final[editar | editar código-fonte]

Classificação - Final
Time PG J V E D GP GC SG
1 São Paulo 33 20 15 3 2 63 21 42
2 Corinthians 32 20 15 2 3 71 28 43
3 Palmeiras 31 20 14 3 3 53 20 33
4 Juventus 23 20 9 5 6 49 31 18
5 Ypiranga 23 20 11 1 8 41 40 1
6 Santos 21 20 10 1 9 45 39 6
7 Portuguesa 21 20 9 3 8 39 34 5
8 Comercial F.C. 12 20 5 2 13 37 53 - 16
9 Portuguesa Santista 10 20 4 2 14 32 81 - 49
10 São Paulo Railway 9 20 4 1 15 38 77 - 39
11 Jabaquara 5 20 2 1 17 29 73 - 44
PG - pontos ganhos; J - jogos; V - vitórias; E - empates; D - derrotas; GP - gols pró; GC - gols contra; SG - saldo de gols
Campeão Paulista de 1943
Bandeira da cidade de São Paulo.svg
SÃO PAULO
(2º título)

Referências

  1. Thomaz Mazzoni (4 de outubro de 1943). «A moeda caiu de pé…». São Paulo: Fundação Cásper Líbero. A Gazeta (11 485): 10