Cara ou coroa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Arremesso de uma moeda, comum em disputas de "cara ou coroa".

Cara ou Coroa é um jogo simples, que consiste em se atirar uma moeda ao ar para então verificar qual de seus lados ficou voltado para cima após sua queda. É comumente utilizado para se escolher entre duas alternativas ou para resolver uma disputa entre duas partes. Esse método de escolha tem necessariamente apenas duas possibilidades de resultado, as quais têm a mesma probabilidade de ocorrência. Um uso frequente é a decisão de quem fará o movimento inicial em alguma atividade. No futebol, por exemplo, a moeda decide quem ficará com o direito de opção pelo campo ou pela bola.

O Cara ou Coroa já foi importante para resolver impasses maiores: nos EUA, em 1845, Asa Lovejoy e Francis Pettygrove jogaram a moedinha para saber quem escolheria o nome da nova cidade do estado de Oregon. Pettygrove levou a melhor e nomeou a cidade como Portland.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Uma moeda romana com a cabeça de Pompeu, o Grande no anverso e um navio no reverso

O lançamento de moedas era conhecido pelos romanos como navio aut caput ("navio ou cabeça"), pois algumas moedas tinham um navio de um lado e a cabeça do imperador do outro.[2] Na Inglaterra, isso era conhecido como cruz e pilha.[2][3]

Processo[editar | editar código-fonte]

As partes em disputa decidem qual face da moeda corresponderá a cada uma delas. Se o primeiro escolher uma das faces, ao outro, necessariamente, corresponderá a face oposta. Em se tratando de um processo de escolha, a pessoa designa, a seu critério, qual das alternativas atribuirá a cada um dos lados da moeda.

A moeda é então lançada ao ar, de modo que gire em torno de seu próprio eixo, e sua queda é aparada com as mãos. Em alguns casos, pode-se preferir esperar que a moeda caia no chão. Vence a parte que escolheu a face da moeda que ficou voltada para cima. No caso de um processo de escolha, decide-se pela opção anteriormente designada àquele lado da moeda.

A moeda pode ser de qualquer tipo, desde que tenha duas faces distintas; não precisa ser uma moeda circulante como tal. Moedas maiores tendem a ser mais populares do que as menores. Alguns lançamentos de moedas de alto perfil, como a Copa do Mundo de Críquete e o Super Bowl, usam medalhões cerimoniais feitos sob medida.[4][5]

Origem e Nomenclatura[editar | editar código-fonte]

Este jogo surgiu na Roma Antiga, e era conhecido como navia aut caput, “cara ou navio”, em referência à moeda que trazia de um lado o rosto do deus da mitologia Janus e, do outro, uma embarcação.[1]

Em português, a expressão Cara ou coroa, tem origem nas antigas moedas portuguesas, que numa face tinham gravada a imagem de um rosto (cara) e o valor da moeda e, na outra, um brasão ou as armas da coroa.

No jogo Cara ou Coroa, quem vence? A resposta é deveras simples: nas moedas de real, a “cara” é o lado que tem um rosto; e a “coroa” é o outro lado, o do valor da moeda, mesmo sem coroa.[6]

O anverso de uma moeda é a sua face principal e, em geral, traz a efígie do soberano do País ou as indicações de maior importância (o nome BRASIL, por exemplo). Desse modo, o reverso é a face oposta ao anverso, a qual traz os dados de importância secundária, como o próprio valor monetário da moeda. [7] Em espanhol usa-se a nomenclatura “cara" e "cruz” e, em inglês, “heads” (cabeças) e "tails” (caudas) para designar, respectivamente, o anverso e o reverso das moedas. [8]

Probabilidade e Estatística[editar | editar código-fonte]

Estudo de Métodos[editar | editar código-fonte]

Dentre os métodos de estudo das probabilidades o Cara ou Coroa está no princípio do Método Clássico onde o cálculo é feito com base em um resultado provável divido pela quantidade de resultados possíveis. Comparado à escolha de uma carta em um baralho (1/52 ou 2% aproximadamente) ou de um número extraído do lançamento de um dado (1/6 ou 16%) a probabilidade estatística do lançamento de uma moeda cair do lado escolhido é de exatamente 50%, não sendo possível a preferência em eventos executados de forma natural.

Certa vez, um pesquisador inglês, de nome John Kerrich, resolveu tirar a prova e concluiu que a probabilidade de vitória é de praticamente 50% para cada lado. Kerrich jogou a mesma moeda para o alto 10 mil vezes e anotou todos os resultados. Foram 5.067 caras e 4.933 coroas, ou seja, uma probabilidade de 50,67% de acerto em cara e 49,33% em coroa.[9] Essa "discrepância ínfima" é explicada pelo fato de uma moeda usual não constituir um objeto idealmente honesto (ou seja, a massa de uma das faces não é idêntica à da outra).[10] Mesmo assim, como os valores são muito próximos, estatisticamente a chance de cair cara ou coroa continua igual.

Segundo uns Pesquisadores da Universidade de British Columbia, no Canadá, com um pouco de prática é possível predizer o resultado do cara ou coroa em dois terços dos lançamentos. Para eles, a face da moeda que fica para cima no ponto mais alto do lançamento tem mais probabilidade de cair virada para cima. Isso porque a moeda não gira simetricamente enquanto está no ar. Mas outros fatores também estão envolvidos no resultado, como a altura em que a moeda é lançada e o ângulo em que pegamos ela de volta.[11]

Loterias[editar | editar código-fonte]

O jogo de loteria da Nova Zelândia Big Wednesday usa um sorteio. Se um jogador acertar todos os 6 números, o sorteio decidirá se ele ganha um jackpot em dinheiro (mínimo de NZ$25.000) ou um jackpot maior com prêmios de luxo (mínimo de NZ$2 milhões em dinheiro, mais o valor dos prêmios de luxo). O sorteio também é usado para determinar o prêmio do vencedor da Segunda Chance.

Referências

  1. a b super.abril.com.br/ Conheça a origem de 6 brincadeiras populares
  2. a b Allenunne, Richard (31 de dezembro de 2009). «Coin tossing through the ages». The Telegraph. Consultado em 8 de dezembro de 2012 
  3. «Cross and Pile». Dictionary of Phrase and Fable. Bartleby.com. 1898. Consultado em 8 de dezembro de 2012 
  4. «Want to bid for piece of World Cup history? Find out how...». Rediff.com. 22 de março de 2015. Consultado em 30 de março de 2018 
  5. Allen, Scott (5 de fevereiro de 2012). «A Brief History of the Super Bowl Coin Toss». Mental Floss. Consultado em 30 de março de 2018 
  6. Interessante, Super (3 de abril de 2017). «Qual é a cara e qual é a coroa das moedas? | Superinteressante». Superinteressante 
  7. «Moedas do Brasil» 
  8. «Heads or Tails» 
  9. caraoucoroa.blogosfera.uol.com.br/ Saiba como surgiu o cara ou coroa, jogo que decidiu futebol e até eleição
  10. folha.uol.com.br/ Matemática: Será que existem moedas e dados honestos?
  11. super.abril.com.br/ Cara ou coroa não depende da sorte