Cara ou coroa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Cara ou Coroa é um jogo simples, que consiste em se atirar uma moeda ao ar para então verificar qual de seus lados ficou voltado para cima após sua queda. É comumente utilizado para se escolher entre duas alternativas ou para resolver uma disputa entre duas partes. Esse método de escolha tem necessariamente apenas duas possibilidades de resultado, as quais têm a mesma probabilidade de ocorrência. Um uso frequente é a decisão de quem fará o movimento inicial em alguma atividade. No futebol, por exemplo, a moeda decide quem ficará com o direito de opção pelo campo ou pela bola.


Processo[editar | editar código-fonte]

As partes em disputa decidem qual face da moeda corresponderá a cada uma delas. Se o primeiro escolher uma das faces, ao outro, necessariamente, coresponderá a face oposta. Em se tratando de um processo de escolha, a pessoa designa, a seu critério, qual das alternativas atribuirá a cada um dos lados da moeda. A moeda é então lançada ao ar, de modo que gire em torno de seu próprio eixo, e sua queda é aparada com as mãos. Em alguns casos, pode-se preferir esperar que a moeda caia no chão. Vence a parte que escolheu a face da moeda que ficou voltada para cima. No caso de um processo de escolha, decide-se pela opção anteriormente designada àquele lado da moeda.

Nomenclatura[editar | editar código-fonte]

A expressão Cara ou coroa, tem origem nas antigas moedas portuguesas, que numa face tinham gravada a imagem de um rosto (cara) e o valor da moeda e, na outra, um brasão ou as armas da coroa.

Com base nessa origem histórica, é comum, no Brasil, associar-se equivocadamente o lado da moeda que contém seu valor ao nome “coroa” e o outro lado (que nas moedas de um Real, por exemplo, têm a imagem de um rosto, a Efígie da República) ao nome “cara”. Apesar de aparentemente lógica, essa nomenclatura é errônea, pois a “coroa” de uma moeda é sempre o seu anverso.

O anverso de uma moeda é a sua face principal e, em geral, traz a efígie do soberano do País ou as indicações de maior importância (o nome BRASIL, por exempo). Desse modo, o reverso é a face oposta ao anverso, a qual traz os dados de importância secundária, como o próprio valor monetário da moeda. [1]


Na Roma antiga, usava-se a denominação "navia aut caput" (navio ou cabeça), pois algumas moedas tinham a imagem de um navio em uma das faces e a do imperador na outra. Em espanhol usa-se a nomenclatura “cara" e "cruz” e, em inglês, “heads” (cabeças) e "tails” (caudas) para designar, respectivamente, o anverso e o reverso das moedas. [2]

Probabilidade e Estatística[editar | editar código-fonte]

Estudo de Métodos[editar | editar código-fonte]

Dentre os os métodos de estudo das probabilidades o Cara ou Coroa está no princípio do Método Clássico onde o cálculo é feito com base em um resultado provável divido pela quantidade de resultados possíveis. Comparado à escolha de uma carta em um baralho (1/52 ou 2% aproximadamente) ou de um número extraído do lançamento de um dado (1/6 ou 16%) a probabilidade do lançamento de uma moeda cair do lado escolhido é de exatamente 50%, não sendo possível a preferência em eventos executados de forma natural.

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre jogos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.