Campeonato Paulista de Futebol de 1957

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Campeonato Paulista de Futebol de 1957
Campeonato Paulista de Futebol da Primeira Divisão de 1957
Dados
Participantes 20
Organização FPF
Período
Gol(o)s 1363
Partidas 371
Média 3,67 gol(o)s por partida
Campeão São Paulo (8º título)
Vice-campeão Santos
Melhor marcador Pelé - Santos
◄◄ São Paulo 1956 Soccerball.svg 1958 São Paulo ►►

O Campeonato Paulista de Futebol de 1957 foi a 56.ª edição do torneio, organizado pela Federação Paulista de Futebol, e teve o São Paulo como campeão.[1] Foi o último título do clube até 1970, sendo treze anos que representaram o maior jejum de títulos da história tricolor. O jogo decisivo foi São Paulo 3 × 1 Corinthians. O Linense foi rebaixado.

Participantes[editar | editar código-fonte]

Disputaram o campeonato vinte equipes: Corinthians, Palmeiras, São Paulo, Portuguesa, Juventus, Ypiranga e Nacional, todas da capital; Santos, Portuguesa Santista e Jabaquara, as três de Santos; Guarani e Ponte Preta, ambas de Campinas; XV de Piracicaba, XV de Jaú, Botafogo de Ribeirão Preto, Noroeste de Bauru, São Bento, de São Caetano do Sul, Ferroviária de Araraquara, Taubaté e Linense, de Lins.

Regulamento[editar | editar código-fonte]

O campeonato foi dividido em duas fases. Na primeira fase, de classificação, os vinte clubes se enfrentaram, todos contra todos, em turno único. Os dez melhores times classificaram-se para a Série Azul, para disputar o título. Em caso de empate entre mais de um time na décima posição, haveria um jogo-desempate. A Série Azul foi disputada em pontos corridos, com todos os times se enfrentando em turno e returno. A contagem de pontos da Série Azul foi independente da pontuação na primeira fase. Havendo empate na primeira posição, ao término das rodadas, haveria um jogo-desempate. Os dez piores classificados na primeira fase, disputaram a Série Branca, torneio que rebaixou à Segunda Divisão o último colocado. A disputa foi em pontos corridos, todos contra todos em turno e returno, também com contagem de pontos independente da primeira fase.

O campeonato[editar | editar código-fonte]

A fase de classificação não é computada por alguns autores como parte do campeonato. Para esses autores, apenas a Série Azul (os turnos decisivos) é considerada como o Campeonato Paulista de 1957. Nessa fase de classificação, o Corinthians "passeou", invicto, e terminou cinco pontos à frente de Santos e Portuguesa. Uma das vitórias do time foi sobre o Santos, por 2 a 1, em 21 de julho, e foi a última vitória corintiana sobre os santistas em campeonatos paulistas até 1968.

Outro marco importante na fase de classificação foi a primeira partida de Pelé em um Paulistão. Foi em 14 de julho, contra o XV de Piracicaba, na Vila Belmiro. Ele marcou um gol na vitória por 5 a 3. Pela fase decisiva, a estréia de Pelé foi em 20 de outubro, contra o Botafogo, em Ribeirão Preto. O Santos perdeu por 4 a 2 e Pelé não balançou as redes. Ele só viria a marcar seu primeiro gol na fase decisiva no terceiro jogo, uma vitória por 4 a 3 sobre o Palmeiras.[2]

Já o São Paulo, com o técnico húngaro Bela Guttmann no banco, começou a fase classificatória de maneira claudicante, mas garantiu a vaga no torneio decisivo sem maiores sustos. A diretoria ajudou a melhorar o time com a contratação por empréstimo de Zizinho, considerado, mesmo aos 37 anos, o maior craque do futebol brasileiro à época.[3] A estréia foi nos 4 a 2 sobre o Palmeiras, em 10 de novembro. Nos quatro jogos seguintes, já no segundo turno da fase decisiva, mais goleadas, incluindo 6 a 2 sobre o Santos.

O Corinthians manteve a boa campanha na fase decisiva e sustentou uma invencibilidade de 35 jogos até a penúltima rodada, com direito até à Taça dos Invictos, conquistada justamente na vitória sobre o Santos e de forma dramática, com o gol de empate no último minuto de jogo.[4] A derrota para o Santos, por 1 a 0, na Vila Belmiro, em 23 de dezembro, embolou o campeonato: São Paulo e Corinthians tinham 28 pontos, com o Santos logo na cola, com 27. Como a tabela previa para a última rodada o confronto direto entre os dois líderes, um empate nesse jogo, somado a uma vitória santista contra o Palmeiras, deixaria três times empatados com 29 pontos, forçando uma decisão.

O Santos fez a sua parte e ganhou do Palmeiras por 4 a 1, no dia 28 de dezembro. No dia seguinte, São Paulo e Corinthians entraram tensos em campo no Pacaembu. Não só porque a vitória daria o título a qualquer um dos dois times: na partida do primeiro turno, empate em 1 a 1, Alfredo Ramos, lateral corintiano que tinha acabado de ser contratado junto ao próprio São Paulo,[5] fraturou a perna em um choque casual com Maurinho, do São Paulo, e o corintiano Luizinho e o são-paulino Gino Orlando discutiram bastante durante o resto da partida — no dia seguinte, Gino e outros jogadores são-paulinos foram visitar o ex-companheiro Alfredo no hospital, e na saída, Luizinho apareceu e acertou uma tijolada na testa de Gino.[5]

O nervosismo do início do jogo só começou a arrefecer quando o São Paulo abriu o placar, com um gol de Amaury aos 17 minutos do segundo tempo. Como o resultado não interessava nem um pouco, o Corinthians teve de se abrir, e Canhoteiro ampliou dois minutos depois. Outros dois minutos se passaram, e Rafael, de bicicleta,[6] descontou para o alvinegro, que começou a pressionar. No auge dessa pressão, aos 34 minutos, Maurinho decretou o placar final, supostamente em posição de impedimento, não marcada pelo bandeirinha inglês Lynch.[2]

O São Paulo foi campeão, mas não houve volta olímpica: a torcida do Corinthians, revoltada com o lance do terceiro gol são-paulino, começou a jogar garrafas na direção do campo. Não por acaso, a ocasião passou para a história como "A Tarde das Garrafadas".[6]

Final[editar | editar código-fonte]

SÃO PAULO 3x1 CORINTHIANS
Data: 29 de dezembro de 1957
Local: Pacaembu (São Paulo, SP)
Árbitro: Alberto da Gama Malcher (RJ)
Renda: Cr$ 2 409 040,00   Público: 39 670
Gols: Amaury (17/2), Canhoteiro (19/2), Rafael (21/2), Maurinho (34/2)
SÃO PAULO
Poy
De Sordi
Mauro
Sarará
Vítor
Riberto
Maurinho
Amaury
Gino Orlando
Zizinho
Canhoteiro
 
CORINTHIANS
Gylmar
Olavo
Oreco
Idário
Walmir
Benedito
Cláudio
Luizinho
Índio
Rafael
Zague

Classificação[editar | editar código-fonte]

Fase de classificação[editar | editar código-fonte]

  Time PG J V E D GP GC SG
1 Corinthians 32 19 13 6 0 46 18 28
2 Santos 27 19 13 1 5 81 35 46
3 Portuguesa 27 19 11 5 3 37 21 16
4 Jabaquara 25 19 11 3 5 35 33 2
5 São Paulo 25 19 10 5 4 46 19 27
6 Ponte Preta 23 19 10 3 6 37 31 6
7 Palmeiras 23 19 9 5 5 38 23 15
8 XV de Piracicaba 22 19 11 0 8 45 39 6
9 Portuguesa Santista 22 19 9 4 6 25 19 6
10 Botafogo 21 19 9 3 7 28 24 4
11 Noroeste 21 19 8 5 6 42 33 9
12 São Bento 18 19 8 2 9 25 33 -8
13 Juventus 17 19 8 1 10 31 39 -8
14 Ferroviária 17 19 7 3 9 28 37 -9
15 Taubaté 14 19 6 2 11 31 34 -3
16 Guarani 13 19 5 3 11 35 48 -13
17 XV de Jaú 12 19 4 4 11 24 46 -22
18 Nacional 11 19 4 3 12 27 45 -18
19 Ypiranga 8 19 3 2 14 18 50 -32
20 Linense 4 19 1 2 16 12 62 -50
  classificados à Série Azul (torneio decisivo).
  disputam a Série Banca (torneio de rebaixamento).
  Botafogo e Noroeste disputaram um jogo-desempate, vencido pelo Botafogo por 4x1. Com isso, o Botafogo disputaria a Série Azul, e o Noroeste, a Branca.
 

Série Branca (torneio de rebaixamento)[editar | editar código-fonte]

  Time PG J V E D GP GC SG
1 Noroeste 44 38 18 8 12 78 60 18
2 Taubaté 38 37 17 4 16 70 59 11
3 São Bento 38 37 14 10 13 49 56 -7
4 Juventus 35 37 15 5 17 65 68 -3
5 Ferroviária 34 37 14 6 17 60 75 -15
6 Nacional 34 37 14 6 17 62 78 -16
7 Guarani 33 37 14 5 18 91 81 10
8 XV de Jaú 24 37 9 6 22 55 89 -34
9 Ypiranga 20 37 7 6 24 37 82 -45
10 Linense 15 37 4 7 26 29 105 -76
  O Linense foi rebaixado.

Série Azul[editar | editar código-fonte]

  Time PG J V E D GP GC SG
1 São Paulo 30 18 13 4 1 53 24 29
2 Santos 29 18 13 3 2 63 30 33
3 Corinthians 28 18 12 4 2 44 21 23
4 Portuguesa 20 18 7 6 5 38 30 8
5 Botafogo 18 18 6 6 6 24 30 -6
6 Portuguesa Santista 15 18 4 7 7 31 43 -12
7 Ponte Preta 13 18 6 1 11 22 42 -20
8 Jabaquara 10 18 2 6 10 19 34 -15
9 Palmeiras 9 18 2 5 11 28 36 -8
10 XV de Piracicaba 8 18 3 2 13 25 57 -32
  O São Paulo sagrou-se campeão paulista de 1957.

Jogos da Série Azul[editar | editar código-fonte]

  SAO SAN COR POR BOT PON PSA JAB XVP PAL
São Paulo X 2x2 3x1 3x1 1x1 6x2 5x1 2x0 7x1 4x2
Santos 2x6 X 1x0 3x1 2x1 6x1 2x2 4x0 6x2 4x1
Corinthians 1x1 3x3 X 1x0 4x0 5x1 5x1 1x0 3x1 1x0
Portuguesa 4x0 0x6 2x2 X 5x0 5x2 3x1 2x1 4x0 1x1
Botafogo 0x0 4x2 2x2 2x2 X 2x1 0x1 1x1 3x1 2x1
Ponte Preta 0x2 1x2 1x3 0x0 1x0 X 2x1 3x1 1x0 2x1
Portuguesa Santista 2x3 2x6 2x3 2x2 1x1 1x0 X 3x3 4x2 2x2
Jabaquara 1x2 1x5 0x1 1x1 1x2 4x1 1x1 X 2x0 0x0
XV de Piracicaba 3x5 0x3 2x5 5x3 1x3 2x1 0x0 3x0 X 1x6
Palmeiras 0x1 3x4 1x3 0x2 3x0 1x2 3x4 2x2 1x1 X


Campeão Paulista de 1957
Bandeira da cidade de São Paulo.svg
SÃO PAULO
(8º título)

Referências

  1. «Todos os campeões paulistas». Federação Paulista de Futebol. Consultado em 1 de dezembro de 2016 
  2. a b Valmir Storti e André Fontenelle, A História do Campeonato Paulista, Publifolha, 1997
  3. Alexandre da Costa, Almanaque do São Paulo Placar, Editora Abril, 2005, pág. 92
  4. Celso Dario Unzelte, Almanaque do Corinthians Placar, Editora Abril, 2005, pág. 209
  5. a b Conrado Giacomini, São Paulo: Dentre os Grandes, És o Primeiro, Ediouro, 2005, pág. 108
  6. a b Celso Dario Unzelte, Almanaque do Corinthians Placar, Editora Abril, 2005, pág. 210

Ligações externas[editar | editar código-fonte]