Joel Santana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Joel Santana
Joel Santana
Joel Santana durante o desfile da Mocidade Independente de Padre Miguel em 2008
Informações pessoais
Nome completo Joel Natalino Santana
Data de nasc. 25 de dezembro de 1948 (67 anos)
Local de nasc. Rio de Janeiro (RJ), Brasil
Nacionalidade  brasileiro
Altura 1,85 m
Apelido Papai Joel
Rei do Rio
O Cigano [1]
Informações profissionais
Equipa atual Sem clube
Posição Treinador (ex-Zagueiro)
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1971–1973
1973
1974–1975
1976–1980
Brasil Vasco da Gama
Brasil Olaria
Brasil Vasco da Gama
Brasil América-RN
0019 0000(0)
0011 0000(0)
0032 0000(0)
0044 0000(0)
Times/Equipas que treinou
1981–1986
1986–1987
1987–1990
1990
1990–1992
1992–1993
1994
1995
1996
1997
1997
1998
1999
2000
2000–2001
2001
2002–2003
2003
2004
2004
2004–2005
2005
2005
2006
2007
2007–2008
2008–2009
2010–2011
2011
2011–2012
2012
2013
2014
=Emirados Árabes Unidos Al Wasl
Brasil Vasco da Gama
Arábia Saudita Al Hilal
Brasil América-RJ
Arábia Saudita Al-Nasr
Brasil Vasco da Gama
Brasil Bahia
Brasil Fluminense
Brasil Flamengo
Brasil Botafogo
Brasil Corinthians
Brasil Flamengo
Brasil Bahia
Brasil Botafogo
Brasil Vasco da Gama
Brasil Coritiba
Brasil Vitória
Brasil Fluminense
Brasil Guarani
Brasil Internacional
Brasil Vasco da Gama
Brasil Brasiliense
Brasil Flamengo
Japão Vegalta Sendai
Brasil Fluminense
Brasil Flamengo
Bandeira da África do Sul África do Sul
Brasil Botafogo
Brasil Cruzeiro
Brasil Bahia
Brasil Flamengo
Brasil Bahia
Brasil Vasco da Gama

000022



000082








000043





000032





000027
000076
000015
000022
000031
000007
000019
Última atualização: 10 de dezembro de 2014

Joel Natalino Santana (Rio de Janeiro, 25 de dezembro de 1948) é um treinador e ex-futebolista brasileiro, que atuava como zagueiro. Atualmente está sem clube.

Joel é mais reconhecido por ter sido o único campeão estadual com os quatro grandes clubes cariocas (Botafogo, Fluminense, Flamengo e Vasco) e com os dois baianos (Bahia e Vitória), além de ter comandando a Seleção Sul-Africana no período de preparação para a Copa do Mundo que aconteceu no país, em 2010.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Como jogador[editar | editar código-fonte]

Nascido e criado no bairro Olaria,[2] [3] Joel Santana teve uma curta carreira como jogador profissional, iniciada tarde, aos 23 anos. Ele atuava como zagueiro, jogou de 1971 a 1980 e passou por poucos clubes: Vasco da Gama, Olaria e América de Natal.[4] [5]

Cquote1.svg "Joel era um zagueiro voluntarioso, não tinha muita técnica, mas era muito bom em cima, se cuidava muito e era um líder nato".[6] Cquote2.svg
Maeterlinck Rego, médico do Amerca-RN, à época que Joel era jogador do clube

Em uma entrevista concedida em 2014, Joel contou a história da peneira que passou em Olaria:

Cquote1.svg "Eu participei de uma peneira quando comecei a jogar futebol, no Olaria. Naquele tempo não tínhamos nem chuteira. Jogávamos descalços. Nesta peneira saíram jogadores de grandes equipes: o Miguel, o Alfinete. Começamos juntos no juvenil do Olaria. Era lá pelos anos 1960. Foram feitas várias equipes e os selecionadores iam passando os garotos adiante. Até que formamos uns dois ou três times. Foi muito difícil. Eu morava em um lugar aqui no Rio, atrás do campo do Olaria, onde havia muitas equipes de futebol. Eu jogava numa equipe chamada “Os Garotos da Bariri”, um time de várzea. Não tínhamos nem chuteira, era jogo descalço."[7] Cquote2.svg
Joel Santana.

Como treinador[editar | editar código-fonte]

Joel decidiu encerrar a carreira de jogador para trabalhar como treinador por ver mais chances no futebol se ocupasse esse cargo. Para isso, Joel graduou-se em Educação Física na Universidade Federal do Rio Grande do Norte.[6]

Logo depois de se formar, Joel voltou para o Rio e foi trabalhar na base do Vasco. Antes, dirigiu um time de estudantes em uma competição em Brasília, na qual, segundo o próprio treinador, terminou em terceiro lugar. Esta foi a primeira experiência de Joel como treinador.[6]

Em 1981, Joel assumiu o seu primeiro clube. O Al Wasl Club decidiu apostar no jovem treinador e contratou-o. Apesar de não conquistar qualquer título, Joel permaneceu no comando da equipe por cinco anos. Também conhecido como "Papai Joel", por conversar muito com seus jogadores e dar conselhos.

Em 1986 o Vasco da Gama convidou-o para retornar ao Brasil para treinar a equipe principal do clube. O convite foi aceito e Joel assumiu o seu primeiro clube brasileiro. A passagem não durou tanto quanto o seu primeiro desafio e ao fim de um ano o treinador mudou de ares mais uma vez seguindo para a Arábia Saudita para treinar o Al Hilal.

Três anos após, Joel retorna ao Brasil, agora o novo desafio é treinar o América do Rio de Janeiro. A passagem foi muito curta e no mesmo ano ele volta à Arábia Saudita.

O primeiro título[editar | editar código-fonte]

Mas em 1992 Joel volta a assumir o Vasco da Gama. Esta segunda passagem rende ao treinador o seu primeiro título, o Campeonato Carioca de 1992 de forma invicta. Devido à conquista, ele é mantido no cargo e no ano seguinte conquista novamente o Campeonato Carioca.

A conquista baiana[editar | editar código-fonte]

Em 1994 o treinador aceita um novo desafio e assume o Bahia. Uma experiência curta de um ano, mas onde pôde conquistar o Campeonato Baiano. Em 1999 Joel voltou ao Bahia para uma nova conquista do Campeonato Baiano, título dividio com o Vitória após uma confusão sobre onde sería disputada a segunda partida da final.

Mais uma vez carioca[editar | editar código-fonte]

Em 1995 ele volta ao Rio de Janeiro para treinar o Fluminense. O clube estava desacreditado e com poucas chances de ganhar o Campeonato Carioca. O grande favorito para a conquista era o Flamengo, que havia se reforçado com Romário. Mas contra todas as probabilidades o treinador levou o clube à final da competição contra o Flamengo e num jogo que surpreendeu a todos, o Fluminense sagrou-se campeão carioca rendendo ao treinador o seu terceiro título.

Com o título a diretoria manteve o treinador e reforçou o clube para a disputa do Campeonato Brasileiro. Joel chegou até as semifinais, onde venceu o Santos em casa de goleada, e conseguiu a incrível proeza de ser eliminado no jogo de volta, sendo goleado.

Com três título cariocas, Joel Santana começava a ser visto como um treinador vitorioso no Rio de Janeiro. Em 1996 o Flamengo, que no ano anterior perdeu o título para Joel, contratou o treinador com o objetivo de conquistar o Campeonato Carioca. O objetivo foi alcançado e de forma invicta o treinador conquistou o seu quarto título.

Em 1997, assume o Botafogo, que era o único clube grande do Rio de Janeiro que ainda não tinha treinado e, mais uma vez, ele conquistou o título carioca. O treinador saiu durante o campeonato brasileiro, em virtude de uma grande proposta do Corinthians, onde, entretanto, não ficou por muito tempo. Foi mais uma vez contratado pelo Flamengo por seis meses em 1998. O treinador esteve de volta ao Botafogo em 1999, mas sem grande sucesso.

O primeiro título brasileiro e internacional[editar | editar código-fonte]

Joel passou a ser conhecido como o "Rei do Rio" devido às suas passagens vitoriosas e ao seus cinco títulos cariocas. Mas o treinador nunca havia conquistado um título nacional ou internacional.

Em 2000, após um desentendimento do presidente do Vasco da Gama, Eurico Miranda, com o treinador do clube, Oswaldo de Oliveira, que culminou com a demissão deste, Joel Santana foi contratado para assumir o cargo. Esta passagem foi atípica e o assumiu a equipe quando esta já estava na fase final da Copa Mercosul. O treinador seguiu no clube até o final da Copa João Havelange (Campeonato brasileiro), que o Vasco venceria numa final disputada contra o São Caetano, no ano de 2001. O treinador assim somou dois títulos inéditos à sua coleção.

De volta à Bahia[editar | editar código-fonte]

Após uma passagem rápida pelo Coritiba, ainda em 2001, foi contratado pelo Vitória, onde conquistou dois títulos baianos e um da Copa do Nordeste de 2003.

De conquistador de títulos a salvador[editar | editar código-fonte]

Joel Santana começou a ser contratado por curtos períodos não com o objetivo de conquistar um título, mas sim de recuperar uma equipe mal classificada.

Voltou ao Fluminense em 2003 e por seis meses esteve no comando da equipe. No ano seguinte treinou o Guarani e o Internacional, ambos por um curto período. No mesmo ano assumiu pela quarta vez o Vasco da Gama, para no ano seguinte ir para o Brasiliense. No mesmo ano Joel foi convidado a assumir novamente o Flamengo. O clube encontrava-se em má posição no Campeonato Brasileiro e o objetivo principal era garantir a permanência da equipe na primeira divisão. Joel tinha apenas nove jogos para comandar e atingir o objetivo. Com seis vitórias e três empates, o clube conseguiu se manter na primeira divisão. No fim da competição Joel foi para o Japão treinar o Vegalta Sendai que tinha outros objetivos, ser promovido à primeira divisão japonesa. Porém o treinador não conseguiu atingir o objetivo.

Em 2007 Joel foi convidado pelo amigo e dirigente do Fluminense, Branco, para assumir a equipe tricolor. O contrato firmado era de um ano,[8] mas a passagem foi muito curta, dois meses, e após dez jogos o treinador teve o contrato rescindido.[9]

Três meses após a dispensa do Fluminense, Joel voltou a assumir outro clube carioca, o Flamengo. O objetivo era o mesmo de há dois anos, recuperar a equipe em má posição no Campeonato Brasileiro. Desta vez o treinador assumiu a equipe com uma maior margem de manobra, tendo ainda vinte e seis jogos para disputar, e obteve uma recuperação surpreendente, levando o Flamengo da zona de rebaixamento à conquista de uma vaga para a Copa Libertadores da América 2008.[10] E no torneio de sua despedida do clube, levou o Flamengo ao título do Campeonato Carioca de 2008.

Em sua partida de despedida pelo Flamengo, no entanto, Joel não pôde evitar a derrota por 3 a 0 para o América do México no Maracanã, e a consequente eliminação da Libertadores da América 2008.

Em uma entrevista dada em em 2015, ao jornal Lance!, Joel disse se arrepender de ter deixado o Flamengo e ter ido treinar a Afrca do Sul[11] :

Cquote1.svg Joel Santana Cquote2.svg

Futebol internacional[editar | editar código-fonte]

Após conquistar mais um título carioca—e após partida na qual o Flamengo viria a ser eliminado pelo América do México nas oitavas-de-final da Libertadores de 2008 --, Joel Santana saiu do Flamengo e foi comandar a seleção da África do Sul, país sede da Copa do Mundo de 2010, sob indicação do até então técnico Carlos Alberto Parreira (que, na época, afirmava aposentar-se da carreira de técnico de futebol). O cargo de técnico do Flamengo foi assumido por Caio Júnior. A passagem de Joel como treinador de seleção não durou muito: foi demitido em 19 de Outubro de 2009, após uma série de derrotas. Apesar disso, teve um ponto alto com a seleção da África do Sul: levou o país à semifinal da Copa das Confederações de 2009.

De volta ao Rio de Janeiro[editar | editar código-fonte]

Em 2010 Joel Santana foi contratado pelo Botafogo após uma goleada de 6 a 0 sofrida para o Vasco da Gama.

O treinador organizou o time, que subiu de rendimento e conquistou, em cima do mesmo Vasco da Gama, a Taça Guanabara. Em seguida, o clube alvinegro conquistou também o returno do Campeonato Carioca, a Taça Rio, em cima do Flamengo, sagrando-se campeão estadual sem a necessidade de final. Ganhou também o prêmio de melhor técnico do campeonato.

Renovou o contrato em dezembro de 2010,[12] mas em 22 de março de 2011, após derrota para o Vasco da Gama na Taça Rio e magoado com as vaias e críticas da torcida, Joel pediu demissão do comando do Alvinegro.[13]

Acerto com o Cruzeiro[editar | editar código-fonte]

Passou a dirigir a equipe do Cruzeiro em 19 de junho. Após alternar bons e maus resultados, a diretoria do Cruzeiro o demitiu em 2 de setembro, depois da derrota por 4 x 2 diante do Figueirense.[14]

Bahia[editar | editar código-fonte]

Ainda em 2011, em 4 de setembro, a diretoria anunciou via twitter, que Joel seria o novo técnico do tricolor baiano.

Volta ao Flamengo[editar | editar código-fonte]

No dia 3 de fevereiro de 2012, após uma rápida negociação, acertou sua volta ao Flamengo. Foi é a quinta passagem do treinador no rubro-negro carioca.[15] . Joel acabou sendo eliminado ainda na fase de grupos da Libertadores e não conseguira classificar o flamengo para as finais da Taça Rio, fazendo com que o time ficasse mais de um mês sem jogos oficiais até o inicio do Campeonato Brasileiro de 2012. Após uma derrota para o Grêmio, na 6ª rodada, do Campeonato Brasileiro de 2012, por 2x0, onde o placar foi generoso, Joel disse que o Flamengo jogou bem e que poderíam cobrá-lo ao final de dezembro, que o Flamengo seria campeão.

Após seis meses de irregularidades, incluindo a eliminação da Taça Libertadores da América, do Campeonato Carioca e uma série de péssimos resultados no Campeonato Brasileiro, Joel foi demitido do Flamengo em 23 de julho de 2012.[16]

Volta ao Bahia[editar | editar código-fonte]

Em 8 de abril de 2013, Joel acerta o seu retorno ao tricolor baiano. Mas em apenas 1 mês, no em 13 de maio, foi demitido após goleada para o arquirrival Vitória por 7x3 na final do Campeonato Baiano.

Quinta vez no Vasco[editar | editar código-fonte]

Em 6 de setembro de 2014, foi contratado pelo Vasco até 31 de dezembro.[17] Conseguiu levar a equipe ao terceiro lugar da Série B e ao retorno a Série A de 2015. Neste período, foi submetido a uma cirurgia para a remoção da vesícula biliar, após ser diagnosticado com colecistite aguda (inflamação da vesícula).[18]

Estilo[editar | editar código-fonte]

Conhecido por orientar seus jogadores sempre com uma prancheta, Joel faz o estilo paizão.[19] Por isso ele é idolatrado e respeitado pelos jogadores[20] . Coisa difícil em uma classe recheada de vaidade.[21]

Cquote1.svg "Dizem que Joel é paizão e coloca a mão na cabeça dos jogadores. Mas não é bem assim. Trato bem porque vejo cada um deles como se fossem meus filhos. É o que sempre digo: “você vai ter a minha confiança até o fim, desde que não me magoe. Por isso, gozo do respeito dos jogadores".[21] Cquote2.svg
Joel Santana, sobre sua fama de "paizão".

Assim, este "estilo boleiro" de treinar as equipes fez com que na maioria das vezes, ele fosse lembrado pelos cartolas apenas quando seus clubes estavam passando por momentos complicados.[19] [22] Afinal, Joel preza muito mais pela capacidade de melhorar o ambiente em que trabalha do que pelo aspecto técnico em si.[23]

Cquote1.svg "Quase sempre chego nos clubes com a coisa pegando fogo e tento apagar. Mas não sou bombeiro, tento apenas ajudar."[21] Cquote2.svg
Joe Santana

O uso da prancheta à beira do campo, acabou virando uma "marca" do treinador.[24] Tanto que, uma de suas alcunhas é "Joel Prancheta"[25] . Em uma entrevista dada em janeiro de 2016 ao programa "Redação SporTV", Joel disse que sente um certo preconceito com relação a isso. Ele disse que Juan Carlos Osorio, ex-técnico do São Paulo, por ser estrangeiro, recebeu aplausos por usar "bilhetinhos" no trabalho, enquanto ele sofreu com deboches, ao longo da carreira.

Cquote1.svg "Muitas pessoas, às vezes, levaram em deboche aquela minha prancheta, mas bateram palmas para esse treinador que esteve no São Paulo e usava duas canetinhas, uma vermelha e uma preta, até porque não dão valor a nós brasileiros."[26] Cquote2.svg
Joe Santana

Sobre sua maneira de armar as equipes, Joel é adepto confesso dos fortes esquemas defensivos.[27]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Clube Jogos Vitórias Empates Derrotas Aproveitamento
Vasco 22 10 6 6 54,5%
Vasco 82 53 19 10 72,4%
Fluminense 10 5 1 4 53,3%
Flamengo 54 35 7 12 69,1%
Africa do Sul 27 10 3 15 40,7%
Botafogo 76 41 23 12 64,04%
Cruzeiro 15 8 0 7 53,3%
Bahia 22 9 5 8 48,5%
Flamengo 31 17 5 9 60,2%
Bahia 7 2 3 9 42,9%
Vasco 19 8 7 4 54,4%

Títulos[editar | editar código-fonte]

Como Jogador[editar | editar código-fonte]

Vasco da Gama
América-RN

Como Treinador[editar | editar código-fonte]

AL-Wasl FC
  • UAE League: 1982, 1983, 1985
Vasco da Gama
AL-Hilal
  • Campeonato Saudita: 1988, 1990
Bahia
Fluminense
Flamengo
Botafogo
Vitória

Outros Trabalhos[editar | editar código-fonte]

Anúncios publicitários[editar | editar código-fonte]

Em 2013, depois de gravar o comercial da Head & Shoulders, no qual brinca com seu inglês pouco escorreito - tal produção, no entanto, seria a segunda gravada pelo treinador, que, em 2012, já havia participado de um reclame da Pepsi.[carece de fontes?] Santana também se disse "inteligente", ao ter sabido gozar do sucesso depois de ter transformado a fala pouco hábil no idioma inglês em chamados publicitários.[28]

Referências

  1. Globoesporte.com - Papai Joel brinca com desafio na Angola: 'Pode me chamar de cigano'
  2. Cria de Olaria, Joel lembra infância e planeja volta antes da aposentadoria GE (29 de janeiro de 2011).
  3. Divinos da Vida Real: Olaria é berço de craques e grandes treinadores Lancenet! (5 de outubro de 2012).
  4. esporte.uol.com.br/ Ex-zagueiros, Abel Braga alfineta Joel Santana: "Eu jogava muito melhor do que ele"
  5. globoplay.globo.com/ Joel Santana fala sobre tempos de zagueiro e relembra momento com Pelé
  6. a b c globoesporte.globo.com/ "Vassoura", professor e capitão: em Natal, Joel foi campeão e virou técnico
  7. anoticia.clicrbs.com.br/ Joel Santana conta histórias da peneira que passou em Olaria e de sua carreira
  8. Joel Santana acerta com o Flu (21 Fevereiro de 2007 - 18:45). Visitado em 30 Julho de 2007.
  9. Sob pressão, Fluminense demite técnico Joel Santana (21 Abril de 2007 - 16:49). Visitado em 30 Julho de 2007.
  10. Joel volta ao Fla (30 Julho de 2007 - 1:53). Visitado em 30 Julho de 2007.
  11. esportes.terra.com.br/ Joel espera "telefone tocar" e diz que daria bi da Libertadores ao Flamengo
  12. Joel Santana renova com o Botafogo por mais um ano Jornal do Brasil (8 de dezembro de 2010).
  13. Joel Santana pede demissão e deixa o Botafogo. Adilson Batista na mira GE (23 de março de 2011).
  14. Joel Santana é apresentado no Cruzeiro. Visitado em 21 Junho de 2011.
  15. Empresário de Joel confirma que técnico tem acerto com o Flamengo
  16. Joel Santana é demitido do Flamengo GE (23 de julho de 2012).
  17. Joel Santana é o novo técnico do Vasco Sítio oficial CR Vasco da Gama (6 de setembro de 2014).
  18. Cirurgia termina, e Joel Santana passa bem após retirada da vesícula GE (28 de setembro de 2014).
  19. a b terceirotempo.bol.uol.com.br/ Que Fim Levou? Joel Santana
  20. fute.blog.br/ O que esperar de Joel Santana no Flamengo
  21. a b c tribunadomaranhao.com.br/ De papai a bombeiro, as multifacetas do campeão Joel Santana
  22. taticasdofutebol.wordpress.com/ Treinadores mais rodados de cada estado.
  23. esporte.ig.com.br/ Entre milagres e vexames, Joel Santana fez história no Flamengo
  24. noticias.bol.uol.com.br/ Perto de recorde, Joel dispara e diz que "folclórica prancheta não está velha"
  25. cnews.com.br/ Joel Prancheta acerta com Bahia
  26. sportv.globo.com/ Joel questiona aplausos a bilhetes de Osorio e "deboches" à prancheta
  27. extra.globo.com/ Em alta no Brasileiro, Joel Santana rebate fama de retranqueiro
  28. Joel Santana se compara a Tom Cruise e diz que é o ‘rei’ do Rio de Janeiro R7 (19 de agosto de 2010).
Precedido por
Cláudio Garcia
Nelsinho Rosa
Oswaldo de Oliveira
Geninho
Adilson Batista
Treinador do Vasco
1986–1987
1992–1993
2000–2001
2004–2005
2014
Sucedido por
Sebastião Lazaroni
Alcir Portella (interino)
Alcir Portella (interino)
Dário Lourenço
Doriva
Precedido por
Washington Rodrigues
Paulo Autuori
Andrade
Ney Franco
Vanderlei Luxemburgo
Treinador do Flamengo
1996
1998
2005
2007–2008
2012
Sucedido por
Valinhos
Toninho Barroso (interino)
Adílio
Caio Júnior
Dorival Júnior
Precedido por
Jair Pereira
Antônio Clemente
Estevam Soares
Treinador do Botafogo
1997
2000
2010–2011
Sucedido por
Sebastião Rocha
Antônio Clemente
Caio Júnior
Precedido por
Ivo Wortmann
Treinador do Coritiba
2002
Sucedido por
Paulo Bonamigo
Precedido por
Lori Sandri
Treinador do Internacional
2004
Sucedido por
Muricy Ramalho
Precedido por
Cuca
Treinador do Cruzeiro
2011
Sucedido por
Emerson Ávila
Precedido por
René Simões
Jorginho
Treinador do Bahia
2011–2012
2013
Sucedido por
Paulo Roberto Falcão
Cristóvão Borges