Olaria (bairro do Rio de Janeiro)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde março de 2016).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Olaria
—  Bairro do Brasil  —
Vista aérea de Olaria.
Vista aérea de Olaria.
Olaria.svg
Criado em 23 de julho de 1981
Área
 - Total 368,98 ha (em 2003)
População
 - Total 57 514 (em 2 010)[1]
 - IDH 0,853[2](em 2000)
Domicílios 21 620 (em 2010)
Limites Penha Complexo do Alemão e Ramos[3]
Fonte: Não disponível

Olaria é um bairro da Zona da Leopoldina na Zona Norte do município do Rio de Janeiro, no Brasil. Faz limite com os bairros da Penha, do Complexo do Alemão e de Ramos.[4] Seu índice de desenvolvimento humano no ano 2000 era de 0,853: o 52º melhor da cidade do Rio de Janeiro.[5] Suas ruas possuem, em geral, caráter estritamente residencial. Possui casas e prédios de bom padrão, também o estádio da Rua Bariri, que pertence ao Olaria Atlético Clube.

Está localizada, no bairro, a sede do Fórum Regional da Leopoldina, que, em 2011, inaugurou o seu novo prédio na rua Filomena Nunes, próximo ao estádio do Olaria.[6]

História[editar | editar código-fonte]

A origem do nome Olaria deu-se em virtude dos senhores de engenho, que mantinham, no local, inúmeros desses fornos, sendo a primeira olaria construída em 1821 por iniciativa da família Ferreira, aproveitando a abundância de barro oriundo do Morro do Alemão, pertencente àquela época à dita família.

Com a implantação da estrada de ferro, iniciada em 1882, e das primeiras paradas (Olaria, Bonsucesso e Ramos), ficou evidente que o negócio prosperaria. Por volta de 1886, o progresso no local foi marcado pelo apito da locomotiva de ferro da Estrada de Ferro do Norte.

Estádio do Olaria Atlético Clube ("Alçapão" da Rua Bariri).
Fachada da Sede do Olaria A.C.

As olarias primitivas tornaram-se potências econômicas que caracterizavam o bairro. Destacamos a mais importante fábrica, que foi construída na Estrada da Penha, mais tarde denominada Democráticos, e hoje Rua Uranos. Outra importante cerâmica, também na Rua Uranos, foi a da firma de Bernardo de Mello e Custódio Ornellas, conforme citação de Jorge Raed, de família pioneira de Olaria e estudioso da história do bairro e de Olaria.

A tradição manteve-se na linguagem popular: a localidade primitiva passou a ser conhecida como "Olaria", conservando-se até os nossos dias, apesar de a estação alterar seu nome para "Pedro Ernesto". Porém, a ideia não vingou, mantendo-se o primitivo e pitoresco nome do local de "Olaria".

A construção da Avenida Brasil, durante a administração do prefeito Henrique Dodsworth, determinou a integração definitiva do bairro de Olaria à cidade, sendo que esse traçado acabou destruindo importantes vestígios da história preexistente do bairro. A Estação de Trem de Olaria chamava-se "Pedro Ernesto". A Estrada Engenho da Pedra ganhou esse nome por causa de uma fábrica de tijolos: por isso, o bairro ganhou o nome de Olaria.

Conjunto Residencial do IAPC de Olaria: 1945[editar | editar código-fonte]

Por iniciativa do governo Vargas - 2° mandato -, foi construído o conjunto residencial do IAPC (Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Comerciários), que representou um grande avanço em termos de solução de moradia. Possuía toda a infraestrutura de um bairro de forma independente. Prefeitura, teatro, salão de baile e festas, escola, jardim de infância, posto de saúde, cooperativa de abastecimento, leiteria, lavanderia, casa de força, residência do administrador e 83 blocos residenciais cercados de jardins e com policiamento próprio e uma praça central contornando o mastro da bandeira. Além disso, possuía quadra polivalente e playground.


A data do decreto de criação do bairro é 23 de julho de 1981.

Rua Bariri, em Olaria
Antigo Fórum Regional da Leopoldina

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Esporte[editar | editar código-fonte]

No bairro se localiza o Estádio Mourão Filho, pertencente ao Olaria Atlético Clube, que também abriga outros esportes como a natação, o basquete, entre outros, o bairro também abriga outros clubes de menor porte.

Transporte[editar | editar código-fonte]

O bairro tem linhas de ônibus para a maior parte das regiões da Região Metropolitana do Rio de Janeiro, além da Estação Olaria (Cacique de Ramos) do BRT Transcarioca, e a Estação de trem de Olaria,fundada há mais de 130 anos, pertencente á Linha Saracuruna.

Características[editar | editar código-fonte]

  • Área territorial (2003): 368,98 hectares
  • População (2000): 62 509
    • Masculino (2000): 28 874
    • Feminino (2000): 33 635
  • Total de domicílios (2000): 19 469

Os limites do bairro são, aproximadamente, o Posto 11 e a Rua João Silva( Restaurante Majestade ).

O Olaria Atlético Clube está localizado Rua Bariri 251, possuindo capacidade para 12 000 pessoas.

Há várias opções de templos religiosos, com antigas e novas construções, como por exemplo a Matriz de São Geraldo (fundada em 26/10/1915 - 1ª Igreja do Rio de Janeiro totalmente em LED DIGITAL (31/10/2015), a Universal do Reino de Deus, a Igreja de Nova Vida, a Igreja de São Sebastião e a de Nossa Senhora da Conceição.

Olaria possui um comércio razoável: Polo gastronômico das 5 bocas( com diversos bares, barracas etc), 2 boates( Estação Leopoldina e Deck 7), padarias, pizzarias, restaurantes e supermercados como Prezunic, Extra, Mega Box e Super Market.[carece de fontes?]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Olaria (bairro do Rio de Janeiro)

Referências