Barra de Guaratiba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Barra de Guaratiba
Praia Grande
Bairro do Rio de Janeiro Bandeira do Município do Rio de Janeiro.png
Área: 944,20 ha (em 2003)
Fundação: 23 de julho de 1981[1]
IDH: 0,744[2] (em 2000)
Habitantes: 3 577 (2010)
Domicílios: 2 163 (2010)
Limites: Guaratiba, Vargem Grande, Grumari
e Recreio dos Bandeirantes[3]
Subprefeitura: Zona Oeste[4]
Região Administrativa: XXVI R.A.(Guaratiba)

Barra de Guaratiba é um bairro litorâneo de classe média da Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro, no Brasil.

Faz limite com os bairros de Guaratiba, Vargem Grande, Recreio dos Bandeirantes e Grumari[5] .

Seu IDH, no ano 2000, era de 0,744, o 118º colocado entre 126 regiões analisadas na cidade do Rio de Janeiro.[6]

Toponímia[editar | editar código-fonte]

"Guaratiba" é um termo oriundo da língua tupi que significa "ajuntamento de guarás", através da junção dos termos agwa'rá ("guará")[7] e tyba ("ajuntamento")[8] .

História[editar | editar código-fonte]

Ao longo de sua estrada de acesso, ainda nos dias de hoje, encontram-se algumas grandes propriedades remanescentes de um passado rural, já misturadas a novos loteamentos.

No passado, especialmente entre as décadas de 1960 e 1970, ali se refugiavam alguns cariocas ilustres, que, avessos às badalações de outros lugares praianos de veraneio, preferiam a tranquilidade das grandes chácaras da Barra de então, tais como Burle Marx, em cuja homenagem foi batizada a estrada e ainda cujo sítio fora doado por ele próprio, ainda em vida, ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. As propriedades de Antonio Jorge Menezes na região foram vendidas ainda nos anos 1970, estando, entretanto, preservado o antigo casarão que, outrora, hospedou a cantora Wanderléa - outra fã da paz e do sossego da região - justamente nos tempos da Jovem Guarda.

Barra de Guaratiba também foi o local escolhido para a locação fixa série infanto-juvenil da Rede Globo "Sítio do Pica-Pau Amarelo" de 1977 a 1986. Um sítio, com casa, curral e jardins de Burle Marx, foi construído especialmente para o programa na Estrada Burle Marx (antiga estrada de Barra de Guaratiba). No local, foram gravadas as cenas externas e também quase todas as internas (sala e cozinha da casa de Dona Benta) do seriado. As outras gravações (biblioteca, quartos, gruta da Cuca, Reino das Águas Claras etc.) eram gravadas nos estúdios da Cinédia.

Hoje, infelizmente, o local encontra-se abandonado e em estado de quase total destruição. O telhado da casa principal perece. Existem também sinais de vandalismo por toda parte e todo o entorno está envolto de muito mato.

O sítio doado por Roberto Burle Marx ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional é um ótimo ponto turístico na região. Com uma coleção botânica riquíssima e bem cuidada, o sítio Roberto Burle Marx conta ainda com muitas obras de arte de autoria do seu fundador e de sua coleção pessoal. As visitas precisam ser agendadas.

O bairro aguarda o início e a conclusão das obras, já há muito anunciadas e debatidas, do Túnel da Grota Funda, que deverá intensificar seu processo de desenvolvimento e urbanização.

Características[editar | editar código-fonte]

Pedra da Tartaruga

Possui uma extensão territorial de 944,20 hectares, abrigando 4 380 habitantes (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística/2000). O bairro é banhado pelo oceano, bem como pelos canais de acesso à Baía de Sepetiba.

Ao longo da Estrada Roberto Burle Marx, podem ser encontrados, ainda hoje, diversos atrativos da flora da Mata Atlântica, grandes bananais e localidades ainda virgens, a despeito de estarem em pleno município do Rio de Janeiro.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia do Rio de Janeiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.