Vigário Geral

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Vigário Geral
Rua Fernandes da Cunha, em Vigário Geral
Bairro do Rio de Janeiro Bandeira do Município do Rio de Janeiro.png
Área: 338,53 ha (em 2003)
Fundação: 23 de julho de 1981
IDH: 0,763[1] (em 2000)
Habitantes: 41 820 (em 2010)[2]
Domicílios: 14 152 (em 2010)
Limites: Jardim América, Irajá e Parada de Lucas[3]
Região Administrativa: XXXI R.A.(Vigário Geral)
Em vermelho, localização do bairro no município do Rio de Janeiro

Vigário Geral é um bairro da Zona Norte do município do Rio de Janeiro, no estado do Rio de Janeiro, no Brasil. Faz limite com os bairros do Jardim América, Irajá e Parada de Lucas, e com o município de Duque de Caxias.[4] Seu índice de desenvolvimento humano, no ano 2000, era de 0,763, o 107º colocado entre 126 regiões analisadas na cidade do Rio de Janeiro.[5]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Vigário Geral

História[editar | editar código-fonte]

Vista do Parque Proletário de Vigário Geral ao lado da linha férrea

O bairro de Vigário Geral teve origem quando da implantação da linha de trem. Conta a história que o vigário-geral da freguesia do Irajá ia de trem do Centro da cidade até a estação do Velho Engenho (atual Vigário Geral) e, de lá, seguia a cavalo até a sede, que se situava na igreja construída na primeira metade do século XVII e que se localiza atualmente ao lado do cemitério do Irajá. O caminho que este percorria ficou conhecido como "Estrada do Vigário Geral", a qual corta o bairro. Com o passar do tempo, a estrada acabou por dar seu nome ao bairro. A Avenida Brasil, quando construída na década de 1940, cortou a Estrada do Vigário Geral. O seguimento que liga esta a Irajá posteriormente recebeu o nome de Aníbal Porto.

O primeiro loteamento no bairro ocorreu no final da década de 1930 através do Companhia Territorial do Rio de Janeiro. No final da década de 1940, o bairro cedeu o seu nome à favela que se ergueu no terreno ao lado da linha férrea da Leopoldina.

Em 1950, uma parte da antiga Fazenda Botafogo, adjacente ao bairro, foi loteada, criando-se o ex-sub-bairro e atual bairro dentro de Vigário Geral chamado Jardim América.

Em 1966, o Conjunto Habitacional Padre José de Anchieta, financiado pelo extinto Banco Nacional da Habitação, foi inaugurado com a presença do então presidente da república, o general Castelo Branco. Posteriormente, já na década de 1970, foi inaugurado o Conjunto Habitacional Vigário Geral.

Por essa época, o bairro, eminentemente residencial, teve várias industrias instaladas, tais como a Paskin Cia. Ltda. e a Freitas Leitão Ind. e Com., as quais, por iniciativa de suas associações de moradores, foram, por fim, fechadas devido à poluição que causavam.

Atualmente, Vigário Geral tornou-se um polo de comércio de produtos importados da China, tais como louças, plásticos, vidros e material escolar no varejo e atacado. Seus limites são: Avenida Brasil, BR-040, Linha Vermelha e rua Bulhões Marcial, com a qual margeia a linha de trem.

Conta o dito popular que, na década de 1980, durante uma partida de futebol, houve um desentendimento entre moradores de Vigário Geral e da favela bem ao lado chamada Parada de Lucas. A discussão acabou em confronto armado que acirrou uma rivalidade entre os moradores das duas comunidades, mas hoje em dia os moradores podem ir de uma comunidade para a outra.

Escolas do bairro[editar | editar código-fonte]

O bairro conta com seis escolas municipais: Alfredo Valadão, Heitor Beltrão, CIEP Mestre Cartola), E. M. Jorge Gouvea, República do Líbano e Cardeal Câmara

A comunidade[editar | editar código-fonte]

As primeiras moradias são atribuídas a "João 67", "Pedro Amaro", "Alcides" e "Naíldo". Este último atraiu muitos ferroviários para morar no local, que pertencia à Estrada de Ferro Leopoldina, tendo fundado a Associação de Moradores de Vigário Geral. Durante muitos anos, a população conviveu com o perigo de travessia da linha férrea sem uma passarela, erguida mais tarde com o auxílio do "Sindicato dos Ferroviários".

O fornecimento de luz elétrica só foi regularizado em 1984. A rede de distribuição de água foi implantada em regime de mutirão, custeado, à época, por todos os moradores. Como outras favelas da cidade do Rio de Janeiro, Vigário Geral é um local de alta periculosidade e de alto índice de violência. A favela é dominada por narcotraficantes que podem condenar qualquer morador à morte ou expulsão de suas casas.

Referências