Canecão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Canecão
Tipo casa de shows
Geografia
Coordenadas 22° 57' 20.9873" S 43° 10' 38.0680" O
Localização Rio de Janeiro
País Brasil

Canecão foi uma tradicional casa de espetáculos localizada em Botafogo, Rio de Janeiro. O local chegou a ser chamada Canecão Petrobras no início do século XXI, mas o contrato de naming rights cessou em 2008 com a empresa Petrobras. O imóvel é de propriedade da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

História[editar | editar código-fonte]

Canecão sem sua inscrição na fachada, 2011O imóc

Foi originalmente concebida como uma grande cervejaria, daí o nome "Canecão" (aumentativo de uma "caneca grande") e inaugurado em 1967. Num projeto do jovem arquiteto José Vasquez Ponte, tornou-se uma das grandes referências nacionais para espetáculos de médio e grande porte.

A temporada feita por Maysa em 1969, fez com que o Canecão se tornasse popular entre o meio artístico, logo, a casa de show um dos principais palcos de cidade.

Vários artistas nacionais e internacionais já se apresentaram no palco do Canecão. Entre alguns dos shows mais memoráveis ocorridos na casa estão os shows de Maysa na temporada Canecão Apresenta Maysa, Chico Buarque na turnê As Cidades, Vinícius de Moraes, Antonio Carlos Jobim, Toquinho e Miúcha em 1977, os de Marisa Monte na turnê Verde, Anil, Amarelo, Cor-de-Rosa e Carvão, Cazuza na turnê Ideologia e os shows da banda Los Hermanos na turnê Ventura. Também se destacam os shows do mesmo Chico Buarque (na turnê Carioca), e os de Roberto Carlos em 2007. A banda RPM e o grupo cearense Mastruz com Leite também fizeram apresentações marcantes no Canecão.

O cantor de MPB Elymar Santos também fez história ao utilizar o espaço para lançar sua carreira, num ato ousado, onde desembolsou a quantia de 200 mil reais pela locação do espaço.[1]

Em 2009, a administração da casa sofreu uma derrota na justiça, que favoreceu a UFRJ, recebendo parte do terreno do Canecão.[2] Em 10 de maio de 2010, a propriedade foi retomada pela UFRJ.[3][4]

Em 17 de maio de 2010, a casa foi reaberta mediante uma liminar judicial que devolveu a posse provisória ao antigo inquilino. Em 17 de outubro de 2010, fechou as portas definitivamente após os antigos dirigentes perderem a batalha judicial que já durava 40 anos. A casa de shows foi reintegrada à universidade.[5][6]

Em 4 de junho de 2019, o Canecão foi destombado[7], fruto de apelo da UFRJ à Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). O destombamento era necessário frente à necessidade de regularização do uso da área e ao prosseguimento da parceria com o BNDES, o projeto denominado VivaUFRJ, cujo foco é a valorização do patrimônio da universidade.

Ocupa Canecão[editar | editar código-fonte]

Em 27 de julho de 2016, militantes do movimento Ocupa MinC (Ministério da Cultura) RJ[8], que haviam sido expulsos pelo governo do Palácio Capanema, onde ficaram por 70 dias, realocaram a ocupação para o Canecão. Por mais de um mês, o Ocupa Canecão abrigou shows e atos contra o processo de impeachment de Dilma Rousseff, com atividades diárias e ocupantes fixos que tornaram o salão principal da casa de shows em um grande acampamento com o enorme palco no centro.[9]

No espetáculo de abertura do Ocupa Canecão, dirigido por Bia Lessa e ocupantes, a presença do cantor Chico Buarque, que cantou "Apesar de você".[10]

Vários outros artistas passaram pelo palco do Canecão em 2016 durante a invasão, com destaque para o antológico show de João Bosco, além de diversos artistas iniciantes e veteranos.

Após forte pressão do MEC, a reitoria da UFRJ negociou a saída dos invasores com os artistas militantes, que foi finalizada na madrugada do dia 5 de setembro de 2016.[11]

Propostas para o Canecão[editar | editar código-fonte]

Fachada da antiga casa de espetáculos Canecão no Rio de Janeiro após sete anos de abandono, 2017

A UFRJ, com o projeto VivaUFRJ, prevê que o Canecão se transforme em um equipamento cultural multiuso para cerca de 1500 pessoas[12].

A sugestão apresentada pela UFRJ foi concebida por meio de um escopo mais amplo para valorização do seu patrimônio, ao passo de que a universidade reconhece a necessidade de devolver uma casa de arte e cultura à sociedade[13]. A previsão é que o novo equipamento tenha características de uma casa de espetáculo, cujo uso musical, bem como de outros tipos de atividades artísticas, serão garantidos.

O governo do Estado do Rio de Janeiro chegou a demonstrar vontade em estadualizar o local, mas a ideia não prosperou com propostas definidas[14], em meio à grave crise orçamentária fluminense, cujo déficit é superior à cifra de R$ 10 bilhões[15].

Shows no Canecão[editar | editar código-fonte]

Nacionais (Lista incompleta)[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Fechamento do Canecão atrapalha comemoração de Elymar Santos». 11 de dezembro de 2010. Consultado em 7 de junho de 2016 
  2. UFRJ consegue de volta terreno onde fica o Canecão Conjur.
  3. Justiça devolve terreno do Canecão para a UFRJ Portal Terra.
  4. Canecão vai virar casa de shows à preços populares Portal Terra.
  5. «Abandonado, Canecão, no Rio, está há cinco anos sem receber shows - GloboNews - Jornal das Dez - Catálogo de Vídeos». GloboNews - Jornal das Dez. Consultado em 7 de junho de 2016 
  6. «O último show no Canecão !!!». TaiadaWeb- Jornal Eletrônico de Caçapava e Região. Consultado em 7 de junho de 2016 
  7. «Canecão é destombado pela Alerj». Universidade Federal do Rio de Janeiro. Consultado em 1 de novembro de 2019 
  8. «Ocupa MinC RJ | Facebook». www.facebook.com. Consultado em 24 de dezembro de 2016 
  9. Rodrigues, Theo (1 de agosto de 2016). «Movimento #OcupaMinC ocupa antigo Canecão na Zona Sul do Rio». O Cafezinho. Consultado em 24 de dezembro de 2016 
  10. «Chico Buarque aparece de surpresa e canta no Canecão ocupado - Cultura - Estadão». Estadão 
  11. band.uol.com.br. «Manifestantes do Ocupa MinC deixam Canecão | Notícias Rio de Janeiro | band.com.br». Noticias Band.com.br. Consultado em 24 de dezembro de 2016 
  12. «VivaUFRJ - FAQs». Universidade Federal do Rio de Janeiro. Consultado em 1 de novembro de 2019 
  13. «VivaUFRJ - FAQs». Universidade Federal do Rio de Janeiro. Consultado em 1 de novembro de 2019 
  14. «Canecão: governo do Rio quer estadualizar casa de shows fechada desde 2010». www.extra.globo.com. Consultado em 25 de maio de 2019 
  15. Eu,Rio!; Rangel, Claudio; Rio!, Eu (9 de outubro de 2019). «Governo do Estado prevê déficit de R$ 10,7 bilhões no orçamento de 2020». Eu, Rio!. Consultado em 1 de novembro de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]