Carlos Roberto Orrigo da Cunha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gaúcho
Informações pessoais
Nome completo Carlos Roberto Orrigo da Cunha
Data de nasc. 3 de março de 1953 (63 anos)
Local de nasc. Porto Alegre (RS),  Brasil
Apelido Gaúcho
Informações profissionais
Posição Treinador
Clubes de juventude
1965-1971 Brasil Vasco da Gama
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1971-1979
1979-1983
1983
Brasil Vasco da Gama
Brasil Botafogo
Brasil Grêmio
Times/Equipas que treinou
1985
1986-1987
1988
1991-1993
1993
1994
1995
1995
1996
1997
1998-1999
2000-2001
2002
2004
2005
2006
2007
2008
2009
2009
2010
2010-2012
2012-2013
2016
Brasil Rio Negro-AM
Brasil Volta Redonda
Brasil Maranhão
Brasil Vasco da Gama (juniores)
Brasil Vasco da Gama (interino)
Brasil América-RJ
Brasil Atlético Mineiro
Brasil América-MG
Brasil Friburguense
Brasil Bonsucesso
Arábia Saudita Al Wehda
Arábia Saudita Hajer Club
Brasil Americano
Brasil Madureira
Arábia Saudita Al-Ansar
Argélia JSK
Brasil Boavista-RJ
Brasil América-RJ
Brasil Vasco da Gama (juniores)
Brasil Vasco da Gama (interino)
Brasil Vasco da Gama
Brasil Vasco da Gama (interino/assistente)
Brasil Vasco da Gama
Brasil Portuguesa-RJ

Carlos Roberto Orrigo da Cunha, mais conhecido como Gaúcho (Porto Alegre, 3 de Março de 1953), é um treinador e ex-futebolista brasileiro que atuava como zagueiro. Seu trabalho mais recente foi no começo de 2016 quando treinou a Portuguesa da Ilha.[1] Atualmente está sem clube.

Possui forte ligação com o Vasco da Gama onde jogou durante oito anos. Além disso, Gaúcho já dirigiu o Vasco em quatro oportunidades, sendo duas como técnico efetivo e duas como interino, além de ter sido auxiliar técnico e treinador do time sub-23.

Em 6 de novembro de 2015, após quase 3 anos desempregado, foi anunciado como novo treinador da Portuguesa da Ilha para a disputa do Campeonato Carioca de 2016, que retorna a elite após 9 anos.[2] Em 11 de fevereiro de 2016, Gaúcho encerrou em comum acordo com a diretoria, o ciclo na Portuguesa da Ilha, Gaúcho comandou a equipe da Ilha do Governador em três jogos oficiais pelo Campeonato Carioca de 2016, foram uma vitória e duas derrotas.[1]

Técnico do Vasco[editar | editar código-fonte]

Primeira Passagem[editar | editar código-fonte]

Em 24 de março de 2010 após derrota para o Americano e fraca campanha no Campeonato Carioca, Vágner Mancini é demitido do Vasco. Gáucho, então treinador da equipe sub-20 do Vasco, é convocado pelo então presidente Roberto Dinamite a assumir a equipe principal do clube.

Logo na estréia de Gaúcho, o Vasco enfrentou o Fluminense conseguindo uma convincente vitória por 3x0. Após a partida, em entrevista ainda na beira no gramado e visivelmente emocionado, gaúcho declarou:

Após realizar algumas mudanças no time e conseguir mais duas vitórias, sendo uma delas pela Copa do Brasil, Gáucho é efetivado mesmo após uma derrota para o Flamengo.[3]

No dia 18 de maio de 2010, passado alguns dias da eliminação nas quartas-de-final da Copa do Brasil, diante de uma fraca atuação contra o Palmeiras em São Januário e sob forte pressão da torcida, Gaúcho é afastado do comando do time. Com a chegada do novo técnico, Celso Roth, Gaúcho é confirmado como auxiliar técnico.[4]

Segunda Passagem[editar | editar código-fonte]

Após um péssimo começo de campeonato carioca, o então técnico do Vasco PC Gusmão é demitido em 28 de janeiro de 2011. Gaúcho, na época treinando times da categoria de base do Vasco, é novamente designado para assumir a equipe principal interinamente. Desta vez, permaneceu no cargo somente por dois jogos, sendo uma derrota por 2x1 para o rival Flamengo e um empate com o Volta Redonda.

Com a chegada de Ricardo Gomes e seu auxiliar Cristóvão Borges, Gaúcho retorna para o comando das categorias de base do Vasco.

Terceira Passagem[editar | editar código-fonte]

Com o pedido de demissão do então treinador do Vasco, Cristóvão Borges em 10 de setembro de 2012, Gaúcho é mais uma vez acionado para comandar o Vasco interinamente, permanecendo no comando do time por apenas uma partida, uma vitória por 3x1 sobre o Palmeiras em São Januário. Voltou para as categorias de base passando o posto para o técnico contratado Marcelo Oliveira.

Quarta Passagem[editar | editar código-fonte]

Em 04 de novembro de 2012 voltou ao comando da equipe principal após apenas dez partidas desde sua última passagem. Com um péssimo aproveitamento, o técnico Marcelo Oliveira foi logo descartado pela diretoria do Vasco.[5] Mais uma vez, Gaúcho não fugiu ao seu compromisso com o clube e assumiu a equipe que vinha de seis derrotas consecutivas. Após uma série invicta de oito jogos, Gaúcho ganhou a confiança do então presidente Roberto Dinamite para conduzir a equipe até o fim do Campeonato Brasileiro daquele ano. Com um bom aproveitamento nos jogos finais, o Vasco terminou a competição na quinta colocação. Com o bom resultado, Gaúcho foi mantido como técnico para a temporada de 2013.

Em 21 de março de 2013, após uma campanha instável no estadual e uma série de três derrotas, Gaúcho é demitido pelo então diretor executivo do Vasco, Renê Simões. Diferente das outras vezes, quando deixava a equipe principal para ser auxiliar ou técnico de categorias de base, desta vez Gaúcho não foi realocado em nenhum outro setor do Vasco, encerrando uma intensa relação como o clube nos últimos cinco anos.[6]

Na ocasião, Gaúcho utilizou as redes socias para agradecer ao Vasco:

Títulos[editar | editar código-fonte]

Jogador[editar | editar código-fonte]

Vasco da Gama

Treinador[editar | editar código-fonte]

Vasco da Gama
Boavista
Americano
Rio Negro

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Referências

Precedido por
Vágner Mancini
Marcelo Oliveira
Técnico do Vasco da Gama
2010
20122013
Sucedido por
Celso Roth
Paulo Autuori
Ícone de esboço Este artigo sobre um futebolista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.