Ézio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o futebolista brasileiro. Para outros significados, veja Ézio (desambiguação).
Ézio
Super Ezio.JPG
Informações pessoais
Nome completo Ézio Leal Moraes Filho
Data de nasc. 15 de maio de 1966
Local de nasc. Espírito Santo (estado) Mimoso do Sul, ES,  Brasil
Falecido em 9 de novembro de 2011 (45 anos)
Local da morte Rio de Janeiro Rio de Janeiro, RJ,  Brasil
Altura 1,81 m[1]
Apelido Super-Ézio
Informações profissionais
Posição Atacante
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
1986—1988
1989
1990
1990—1991
1991—1995
1995—1996
1998
1998
1998
Brasil Bangu
Brasil Olaria
Brasil Americano
Brasil Portuguesa
Brasil Fluminense
Brasil Atlético Mineiro
Brasil CFZ-RJ
Brasil Rio Branco
Brasil Inter de Limeira
10 (1)
? (?)
5 (5)
13 (1)
236 (118)
63 (21)
? (?)
? (?)
? (?)

Ézio Leal Moraes Filho (Mimoso do Sul, 15 de maio de 1966Rio de Janeiro, 9 de novembro de 2011) foi um futebolista brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

O ex-artilheiro Ézio ladeado pelo ex-vice de futebol do Fluminense, Walquir Pimentel

Revelado pelo Bangu em 1986,[2][3] aos 20 anos, Ézio passou por alguns clubes de pequeno porte do futebol brasileiro até se transferir para o Fluminense, em 1991. Apesar de ter sido um jogador que não prezava pela qualidade técnica,[3] Ézio se destacou no tricolor carioca, onde recebeu o apelido de "Super-Ézio" do radialista Januário de Oliveira.[2][3] À época de sua contratação, o Fluminense passava por um período difícil, de crise financeira e escassez de títulos.[3] Sua chegada foi determinante para uma mudança nesse cenário: em seu primeiro ano no clube, ajudou a equipe a conquistar a Taça Guanabara de 1991.[2][3] Atuou pelo Fluminense de 1991 a 1995, participando de 236 jogos e marcando 118 gols pelo clube,[2][4][5] número que o torna o décimo maior artilheiro da história do tricolor carioca.[5] Muitos desses gols podem ser creditados ao fato de o jogador nunca desistir do gol.[3]

Notabilizou-se pela média de gols marcados no Flamengo, maior rival do Fluminense.[4] Foram 12 gols marcados no clube rubro-negro, o que o torna o terceiro maior artilheiro do Fla-Flu.[3]

Seu relacionamento com o Fluminense era tão intenso que Ézio chegou a assinar contratos em branco com o clube. "Era coisa de maluco. Eu assinava qualquer papel no início da temporada e depois discutia os valores. Nunca criei empecilho para renovar acordo, tamanha era a vontade de permanecer no Fluminense."[4] Com o Fluminense, Ézio conquistou as Taças Guanabara de 1991, 1993 e o Campeonato Carioca de 1995, além de ter disputado a final da Copa do Brasil de 1992,[2] marcando, inclusive, um dos gols da primeira partida.[6]

Vítima de seguidas lesões, Ézio deixou o Fluminense em 1995,[3][4] transferindo-se para o Atlético Mineiro, onde ficou quase um ano parado, devido a uma lesão no joelho.[3] As seguidas lesões o obrigaram a encerrar sua carreira, em 1998.

Ézio Leal Moraes Filho se tornou um dos maiores artilheiros do Fluminense com mais de 100 gols marcados, além disso é o terceiro maior artilheiro do Tricolor das Laranjeiras em brasileiros, ao lado de Doval.

Habilidoso e com forte presença na área, buscava o gol a todo instante e, por isso, mereceu o apelido carinhoso da torcida, e do locutor esportivo Januário Oliveira, de "Super Ézio". Apesar de todas as dificuldades, ele sempre marcou gols importantes em clássicos, participou do vice-campeonato da Copa do Brasil quando o Fluminense foi derrotado com um pênalti duvidoso marcado no final da partida. Integrou também o elenco que foi Campeão Carioca em 1995, único título conquistado pelo Super Craque. Posteriormente foi negociado com o Atlético Mineiro. Ele marcou 21 gols com a camisa alvinegra.

O destaque de Ézio fica por conta, também, de que conseguira ser um ídolo tricolor numa fase difícil para o Fluminense, grave crise financeira ainda assolava o clube e culminaria na série de rebaixamentos, mesmo assim o "Super Ézio" não se abalava, sempre chamado pela torcida ele estava lá, firme e forte.

Jogou pelo Fluminense de 1991 a 1995 marcando 118 gols em 236 jogos. É o décimo-primeiro maior artilheiro da história do clube como também é um dos maiores artilheiros da história do Fla-Flu, com 12 gols.

Morte[editar | editar código-fonte]

Ézio faleceu no dia 9 de novembro de 2011 em decorrência de um câncer. O ex-jogador tinha dois tumores: um no pâncreas e outro no fígado. A doença foi descoberta em outubro de 2010[7].

Conquistas[editar | editar código-fonte]

Rio de Janeiro Bangu
Rio de Janeiro Fluminense

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Ézio Leal Moraes Filho». Enciclopédia Galo Digital. Consultado em 14 de agosto de 2011 
  2. a b c d e Micheletti, Rogério. «Que Fim Levou? - Ézio». terceirotempo.ig.com.br. Consultado em 14 de Agosto de 2011 
  3. a b c d e f g h i Shalom, David (8 de Setembro de 2010). «Ídolo do Fluminense, "Super-Ézio" diz que apelido projetou sua carreira». R7. Consultado em 14 de Agosto de 2011 
  4. a b c d Costa, FAbrício (2 de Julho de 2008). «Lembra dele? Super Ézio, o herói do Flu nos anos 90, vira decorador de imóveis». GloboEsporte.com. Consultado em 14 de Agosto de 2011 
  5. a b «Capítulo VI – Estatísticas». Site oficial do Fluminense. Consultado em 14 de Agosto de 2011 
  6. Fluminense 2 x 1 Internacional, 10/12/1992. Futpédia. Página visitada em 14 de Agosto de 2011.
  7. Morre aos 45 anos o ex-jogador Ézio, do Fluminense Portal Folha.com (ed. de 10 de novembro de 2011)