Januário de Oliveira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Januário de Oliveira
Nascimento 12 de fevereiro de 1940 (75 anos)
Alegrete, Rio Grande do Sul
Nacionalidade Brasil brasileira
Ocupação locutor (Aposentado)

Januário de Oliveira (Alegrete, Rio Grande do Sul, 12 de fevereiro de 1940) é um locutor e narrador brasileiro.

Período em atividade: 1952 - 1998

Foi um radialista, locutor e narrador esportivo, começou na Radio Farroupilha, de Porto Alegre, Rádio Cultura de Bagé, e no Rio de Janeiro, atuou na Rádio Mauá AM, na Rádio Nacional AM, TVE-RJ (1982-1992) e TV Bandeirantes (1992-1997). Aposentou-se em 1998, quando começou a sofrer de diabetes e ficou cego de um olho. Ainda nesse mesmo ano, narrou algumas partidas da Copa do Mundo pela hoje extinta Rede Manchete.

Após a aposentadoria, viveu em Goiânia, e atualmente, vive em Natal participando de um projeto que transmite jogos pela televisão e internet.

Januário foi responsável também por dar apelidos a muitos jogadores, entre eles o atacante Ézio como "Super Ézio", o atacante Sávio como "Anjo Loiro da Gávea", o atacante Túlio como "Tá, Té, Tí, Tó, Túlio...", o atacante Valdir Bigode como "matador de São Januário", o atacante Valdeir (ex-Botafogo) como "The Flash", o atacante Charles (Bahia e Flamengo) como "Príncipe Charles", o volante e lateral Charles (Flamengo) como "Charles Guerreiro".

Bordões[editar | editar código-fonte]

  • "Taí o que você queria, bola rolando…" - quando o juiz apitava o início da partida ou do segundo tempo.
  • "Tá lá um corpo estendido no chão" - para o jogador que caía machucado no gramado.
  • "Lá vem Geraldo e Enéas para mais um carreto da tarde", quando os maqueiros do Maracanã, Geraldo e Enéas, entravam em campo para retirar um jogador machucado.
  • "Vai sair o primeiro carreto da noite" - quando um jogador contundido era levado pela maca para fora do campo.
  • "Sinistro, muito sinistro…" - para falha grave de jogador ou árbitro.
  • "Cruel, muito cruel…" - para elogiar o jogador após o gol ou um lance bonito.
  • "É disso (Fulano), é disso que o povo gosta" - para o jogador (Fulano) que acabara de estufar as redes, marcando o gol.
  • "Olhos nos olhos, se passar fica na boa…" - quando o jogador com a posse da bola ficava frente a frente com um defensor.
  • "Pintou em cores vivas" - quando uma chance clara de gol era perdida.
  • "Tá na área, é agora, bateu..." - quando o jogador tinha uma chance de finalizar em gol.
  • "Tem cartão? Tem cartão? Não! Cartão de crédito para o jogador (Fulano)…" - quando um jogador cometia uma falta dura e o árbitro não lhe aplicava nenhuma punição.
  • "O(a) primeiro(a) só serviu como ensaio!" - quando ocorria a repetição de um lance (chute, cruzamento ou cobrança de falta) em sequência. Exemplo: escanteios cobrados consecutivamente; uma bola alçada na área duas ou mais vezes seguidas.
  • "Pega, não larga mais, não dá rebote pra ninguém!" - quando o goleiro fazia uma defesa firme, segura, sem rebote.
  • "Escancarou, escancarou legal (Fulano)..." - quando o jogador tinha um feito um gol.
  • "Eu vi, eu vi…" - para algum lance que ninguém viu, somente ele.
  • "Acabou o milho, acabou a pipoca, fim de papo." - quando o juiz apitava o fim do jogo.
  • "riririkakakaka, o Juiz despirocou…" - para um lance em que o juiz marcou algo de outro mundo.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre Rádio é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.