Iomar do Nascimento

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: "Mazinho" redireciona para este artigo. Para o futebolista nascido em 1987, veja Anderson da Silva.
Mazinho
Mazinho
Mazinho em 2019
Informações pessoais
Nome completo Iomar do Nascimento
Data de nasc. 8 de abril de 1966 (56 anos)
Local de nasc. Santa Rita, Paraíba, Brasil
Nacionalidade brasileiro
Altura 1,76 m
destro
Informações profissionais
Clube atual aposentado
Posição ex-meia e lateral-direito
Clubes de juventude
1983–1985
1985
Santa Cruz-PB
Vasco da Gama
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1985–1990
1990–1991
1991–1992
1992–1994
1994–1996
1996–1999
1999–2000
2001
2001
Vasco da Gama
Lecce
Fiorentina
Palmeiras
Valencia
Celta de Vigo
Elche
Alavés
Vitória
00232 000(17)
00035 0000(2)
00021 0000(0)
00127 0000(2)[1]
00078 0000(0)
00131 000(10)
00018 0000(0)
00015 0000(0)
00015 0000(0)
Seleção nacional
1989–1994 Brasil 00036 0000(0)
Times/clubes que treinou
2009 Aris Salônica
Medalhas
Jogos Olímpicos
Prata Seul 1988 Equipe
Última atualização: 7 de julho de 2009

Iomar do Nascimento (Santa Rita, 8 de abril de 1966), mais conhecido como Mazinho, é um ex-futebolista brasileiro que atuava como meio-campista ou lateral-direito.

Ao longo de sua carreira passou por vários clubes do Brasil e da Europa, além da Seleção Brasileira, pela qual foi campeão da Copa do Mundo FIFA de 1994.[2]

Tem dois filhos que também seguiram a carreira futebolística: o mais velho, Thiago Alcântara, nascido na Itália e criado na Espanha, atua no Liverpool, enquanto o mais novo, Rafinha Alcântara, joga no Paris Saint-Germain.[3][4]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Vasco da Gama[editar | editar código-fonte]

Formado nas categorias de base do modesto Santa Cruz da Paraíba, ainda na base foi para o Vasco da Gama, onde subiu ao time profissional e demonstrou uma técnica apurada.

Um dos grandes laterais-direitos da história do clube carioca, Mazinho foi revelado em 1985, junto com Romário, Lira, Mário Tilico e outros. Mazinho fez sua estreia pelo Vasco em 30 de novembro de 1985, jogo válido pelo Campeonato Estadual de 1985, derrota para o Flamengo por 2-0, golos de Bebeto (Flamengo 30/2ºT) e Valtinho (Flamengo 38/2ºT). Ele fez seu primeiro gol em um jogo amistoso entre Vasco e Nova Venécia, vitória do time da Colina por 5-1, na data de 6 de dezembro de 1985.[5]Foram poucas partidas em seu ano de estreia, mas o suficiente para lhe assegurar a posição de titular em 1986; conquistou dois Campeonatos Cariocas (1987 e 1988) e um Campeonato Brasileiro em 1989.

Por três vezes, em 1987, 1988 e 1989, recebeu a Bola de Prata como um dos melhores jogadores do campeonato de seu país.

Em meados de 1990 deixou o Vasco com 232 jogos e 17 gols, além de vários títulos: três Taças Guanabara (1986, 1987 e 1990), uma Taça Rio (1988), dois Estaduais (1987 e 1988), dois Troféus Ramón de Carranza (1987 e 1988) e um Campeonato Brasileiro (1989).[6]

Lecce[editar | editar código-fonte]

No ano de 1990 foi para a Itália, onde teve curtas passagens pelo Lecce, ele jogou 34 partidas pelo time do Salento no campeonato da Série A de 1990-1991, com 2 gols marcados, e um golo na Copa da Itália.[7]

Fiorentina[editar | editar código-fonte]

Para a temporada 1991-1992 da Série A , ele foi comprado pela Fiorentina por 8 bilhões de liras.[8] Mazinho disputou 21 partidas pelo campeonato, sendo utilizado como meio-campista, e não marcou nenhum gol, já na Copa da Itália foi utilizado em três partidas.[9]

Palmeiras[editar | editar código-fonte]

Em 1992 retornou ao Brasil para jogar pelo Palmeiras, que montou uma máquina no início daquela década. Mazinho ajudou o clube a conquistar o Campeonato Paulista e o Brasileirão de 1993, além do bicampeonato paulista no ano seguinte.[10]

Mazinho deixou o Palmeiras, onde jogou entre 92 e 94, pelo time comandado por Luxemburgo,ele fez 127 jogos (79 vitórias, 24 empates e 24 derrotas) e marcou dois gols, segundo números do "Almanaque do Palmeiras", de Celso Unzelte e Mário Sérgio Venditti.[11]

Valencia[editar | editar código-fonte]

Contratado em 1994 por Paco Roig a pedido do técnico Carlos Alberto Parreira, Mazinho voltou da Copa dos EUA já como jogador do Valencia, da Espanha. Ele estreou em torneio amistoso onde o Valencia venceu o Barcelona por 1-0.[12]

Mazinho viveu duas temporadas de montanha-russa no esporte, embora com um honroso vice-campeonato em 95-96, em que disputou 40 jogos. Aos 30 anos, o técnico Luis Aragonés sugeriu uma mudança de ares, assim deixou o Valencia[13]

Celta[editar | editar código-fonte]

Atuou ainda pelo Celta de Vigo, onde se tornou ídolo (jogou em todas as posições, exceto de goleiro e atacante).[14]

Mazinho permaneceu quatro temporadas em Vigo. Com este clube, disputou 114 partidas na La Liga, marcando oito gols. Ele também fez dez jogos na Copa da UEFA. Com Mazinho o Celta de Vigo chegou às quartas de final da Copa UEFA na temporada 1998–99, sendo eliminado pelo Olympique de Marseille.s quartas-de-final, Mazinho foi titular no jogo de ida vencido por 2 a 1 pelo clube olímpico.[15]Durante a Ele também começou a segunda mão, que terminou em 0-0.[16] Na temporada seguinte, o clube repete o desempenho, mas Mazinho perdeu a posição de titular.

Elche[editar | editar código-fonte]

Em 19 de julho de 2000, Mazinho assinou contrato de um ano com o Elche, da Segunda Divisão.[17]Mazinho chegou como grande contratação, porém, não se destacou muito e disputou apenas 17 partidas.[18]

Vitória[editar | editar código-fonte]

Em 2001, Mazinho acertou com o Vitória, que anunciou sua contratação no dia 4 de julho. A contratação foi um pedido do técnico Valdyr Espinosa, como em todo time que não vai bem, houve trocas no comando e no time titular. Assim, Mazinho acabou indo para o banco de reservas da equipe baiana. Ao final do Brasileirão, o Vitória ficou apenas na 16ª posição entre os 28 times que disputaram a competição. Mazinho, que fez 15 partidas pelo Rubro Negro baiano, acabado o campeonato, ele resolveu encerrar a carreira com 35 anos.[19]

Como treinador[editar | editar código-fonte]

Mazinho treinou por um mês no Vasco da Gama em janeiro de 2001, mas não acertou com a equipe carioca. Acabou sendo anunciado pelo Vitória em julho,[20] clube em que atuou até dezembro e encerrou sua carreira como jogador.

Em janeiro de 2009 assumiu o modesto Aris Salônica, da Grécia, onde exerceu a função de treinador pela primeira vez.[21] Permaneceu na equipe até novembro, até ser demitido e dar lugar ao argentino Héctor Cúper.[22]

Seleção Brasileira[editar | editar código-fonte]

1988 Mazinho disputou com a seleção brasileira os Jogos Olímpicos de Seul e conquistou a prata.[23] Em maio de 1989 estreou-se pela seleção principal, em amistoso contra o Peru.[24]

Pouco tempo depois, fez parte do time que conquistou a Copa América de 1989.[25]Ele foi usado em seis dos sete jogos possíveis. Na final contra o Uruguai, jogou os 90 minutos completos. Um ano depois foi convocado para a seleção de Sebastião Lazaroni para a Copa do Mundo da Itália. Lá ele esteve com Dunga, Alemão e Valdo muita competição no meio-campo da Seleção e por isso não foi utilizado.[26]

Em 1991 participou da Copa América de 1991, onde o Brasil terminou em segundo lugar.

Em 1994 ganhou a posição de Raí na Seleção Brasileira e foi importantíssimo na conquista da Copa do Mundo FIFA de 1994, realizada nos Estados Unidos.[27]

Mazinho disputou 39 jogos pela seleção, sem registrar um gol, no entanto, apenas 35 dessas seleções são consideradas "oficiais".[28]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Vasco da Gama
Palmeiras
Seleção Brasileira

Prêmios individuais[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Almanaque do Palmeiras
  2. «Mazinho - Que fim levou?». Terceiro Tempo. Consultado em 22 de novembro de 2021 
  3. «Pai de Thiago e Rafinha, Mazinho é grato a Guardiola e gosta da influência de Neymar». Jovem Pan. 5 de julho de 2016. Consultado em 7 de maio de 2020 
  4. Ivan Raupp (18 de novembro de 2016). «Mazinho se abre: Neymar, Romário, mágoa por Thiago e futuro de Rafinha». GloboEsporte.com. Consultado em 22 de novembro de 2021 
  5. «"Lembra dele no Vasco?" - Mazinho». Blog do Garone. Consultado em 9 de janeiro de 2023 
  6. «"Lembra dele no Vasco?" - Mazinho». Blog do Garone. Consultado em 9 de janeiro de 2023 
  7. https://calciopedia.com.br/2016/04/mazinho-50-anos-o-bienio-do-tetracampeao-na-bota.html
  8. Nelson Oliveira. «Mazinho: o biênio do tetracampeão mundial na Bota». Calciopédia. Consultado em 22 de novembro de 2021 
  9. Almanacco Viola 1926-2004 & Giansandro Mosti (2004, p. 139)
  10. «Tetracampeão e multicampeão pelo Palmeiras, Mazinho completa 54 anos». Futebol Interior. 8 de abril de 2020. Consultado em 29 de abril de 2022 
  11. «MAZINHO». Terceiro tempo. Consultado em 9 de janeiro de 2023 
  12. «Mazinho, estrella en Mestalla» (PDF). Mundo deportivo. Consultado em 9 de janeiro de 2023 
  13. «Rafinha, Mazinho y el Celta: lo que pudo ser y no fue en el Valencia» (em espanhol). Marca. Consultado em 9 de janeiro de 2023 
  14. «Mazinho jugará tres años en el Celta» (PDF). Mundo deportivo. Consultado em 9 de janeiro de 2023 
  15. «Marseille 2 - 1 Celta Vigo» (em francês). Footballdatabase. Consultado em 9 de janeiro de 2023 
  16. «Celta de Vigo 0 - 0 Marselha» (em francês). Footballdatabase. Consultado em 9 de janeiro de 2023 
  17. «Brasileiro Mazinho vai para o Elche». Diário do Grande ABC. Consultado em 9 de janeiro de 2023 
  18. «1990». folha.uol. Consultado em 9 de janeiro de 2023 
  19. «A passagem de Mazinho pelo Vitória em 2001». O curioso do futebol. Consultado em 9 de janeiro de 2023 
  20. «Vitória acerta contratação do tetracampeão Mazinho». Folha de S.Paulo. 4 de julho de 2001. Consultado em 29 de abril de 2022 
  21. «Mazinho é o novo técnico do Aris Salonica, da Grécia». Estadão. 22 de janeiro de 2009. Consultado em 29 de abril de 2022 
  22. «Clube grego demite Mazinho e contrata ex-técnico da Inter de Milão». UOL. 5 de novembro de 2009. Consultado em 29 de abril de 2022 
  23. «Mazinho lembra medalha de prata em Seul 88 e avalia final olímpica entre Brasil e Espanha no Japão». GE. Consultado em 9 de janeiro de 2023 
  24. «Brésil 4 - 1 Pérou» (em francês). Football data base. Consultado em 9 de janeiro de 2023 
  25. «Copa América de 1989: Da ovada em Salvador à revanche do 'Maracanazo'». Terra. Consultado em 9 de janeiro de 2023 
  26. «Seleção Brasileira». GE. Consultado em 9 de janeiro de 2023 
  27. «COPA DO MUNDO DE 1994 NOS EUA – O TETRA NO CALOR DO TIO SAM». Pátria latina. Consultado em 9 de janeiro de 2023 
  28. «Perfil de Iomar do Nascimento». em Sambafoot.com 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]