Come-Fogo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Come-Fogo
Leão versus Pantera
Comercial FC.png Botafogo Ribeirao Preto SP.png
Comercial 49 vitória(s), 208 gol(s)
Botafogo 61 vitória(s), 212 gol(s)
Empates 57
Total de jogos 167
Total de gols 420
editar

Come-Fogo é o clássico de futebol da cidade de Ribeirão Preto que envolve o Comercial e o Botafogo.

Até 2013, pensava-se que o primeiro jogo entre as equipes havia sido disputado em 1924. A grande discrepância entre os anos de criação dos dois clubes (Comercial foi fundado em 1911 e o Botafogo em 1918) e a data da primeira partida intrigava a todos, em especial ao jornalista Igor Ramos.

O Comercial Futebol Clube, o Leão do Norte, foi fundado em 10 de outubro de 1911, o Botafogo Futebol Clube, o Pantera da Mogiana, em 12 de outubro de 1918. Segundo o livro do jornalista Igor Ramos, o primeiro confronto ocorreu em 1º de agosto de 1920, no Estádio da Rua Tibiriçá que pertencia ao Leão, o resultado foi uma sonora goleada de 8 a 0 para o Comercial e, alguns dados, registram que nessa primeira fase da história os duelos aconteceram até 1936.[1]

Vale ressaltar que, foram 27 jogos realizados entre 1920 e 36, considerada a fase amadora do confronto, computando todas partidas, o Botafogo possui 61 vitórias, o Comercial 49 e aconteceu 57 empates, tendo o Botafogo marcado 212 gols e o Comercial 208 gols.[2][3]

O nome[editar | editar código-fonte]

A origem do nome deste clássico remonta a 9 de novembro de 1954, quando o cronista esportivo Lúcio Mendes publicou no jornal Diário da Manhã que o jogo entre os dois principais times locais seria "um autêntico Come-Fogo!"[4]

Os rivais na seleção[editar | editar código-fonte]

O Comercial já cedeu três jogadores à Seleção Brasileira de Futebol e o Botafogo, dois. Por outro lado, os dois jogadores botafoguenses têm soma maior de jogos (dez) que os comercialinos (nove).[5] Os três do Comercial foram utilizados na Copa América de 1963: o meia titular Marco Antônio, que jogou sete vezes pelo Brasil, marcando um gol no 5-1 contra a Colômbia e outro na derrota por 4-5 para a anfitriã e campeã (pela única vez) Bolívia; o atacante Amaury, usado só na derrota por 0-3 para a Argentina; e o defensor Píter, usado só no 2-2 com o Equador.[6]

Os jogadores do Botafogo foram Zé Mário, usado em 1977 duas vezes, em amistosos contra a Inglaterra (0-0) e a seleção paulista (pela qual curiosamente atuou o colega Sócrates no 1-1);[7] e Raí, que jogou oito vezes dez anos depois, em 1987, contra a Escócia (2-0 pela Taça Stanley Rous, com gol dele), Finlândia (3-2 em amistoso), Israel (4-0 em amistoso), Equador (4-1 com gol dele em amistoso), Paraguai (1-0 em amistoso), Venezuela (5-0 pela Copa América de 1987), Chile (0-4 pela Copa América e 2-1 em amistoso) e Alemanha Ocidental (1-1 em amistoso).[8]

Além deles, outro jogador da rivalidade esteve na seleção, ainda que não na principal e sim na olímpica: o atacante Mattar, que jogou três vezes em 1964: 3-0 na Argentina em amistoso e, já nos Olimpíadas de Roma, nos 4-0 na Coreia do Sul e no 0-1 para a Tchecoslováquia.[9]

1977 - Seletiva da CBD para o Campeonato Brasileiro[editar | editar código-fonte]

Ribeirão Preto, cidade sede da dupla Come-Fogo

Na ocasião nenhuma das equipes de Ribeirão Preto disputava o Campeonato Brasileiro. A CBD decidiu então abrir apenas uma vaga para os dois times. Esta vaga seria então decidida entre a dupla Come-Fogo em 3 jogos. O time que obtivesse a melhor campanha se consagraria campeão e garantiria a vaga para o Brasileiro de 1978.

O Botafogo FC estava em grande fase, contando em seu elenco campeão da Taça Cidade de São Paulo com craques como Sócrates e Zé Mario.

O 1° jogo ocorreu no Estádio Santa Cruz, do Botafogo, no dia 6 de outubro de 1977, com vitória da equipe comercialina por 1 a 0, num gol de contra-aque anotado pelo lateral direito Marco Antônio que venceu o goleiro Aguilera, aos 38 minutos do segundo tempo.

A 2ª partida ocorreu a 9 de outubro de 1977, em Palma Travassos, casa do alvinegro. Se o Comercial vencesse, garantiria a vaga e o título. A partida terminou em 1 a 1, com gols de Marciano e Celso Orlandim, adiando o título do Comercial por mais alguns dias.

A 3ª e decisiva partida se deu a 16 de outubro de 1977, novamente em Santa Cruz. O Comercial só precisaria de um empate para comemorar , já que havia vencido a primeira partida e empatado a segunda. Para o Botafogo restava apenas vencer para provocar uma disputa de penaltis. O clima era tenso como nos dois jogos anteriores. O Santa Cruz estava completamente lotado. Depois de um grande jogo, o placar de 1 a 1 (gols de Sócrates e Jader).O Comercial estava garantido na primeira divisão do Campeonato Brasileiro de 1978.

Mas no que ficou conhecido na década de 70 como "inchaço do Brasileirão", dias depois da vitória do Comercial, a CBD cedeu mais uma vaga para Ribeirão Preto, e o Botafogo teve o direito também de participar do Brasileiro de 1978 como vice dessa seletiva.

Nem Vasco e Flamengo e muito menos Santa Cruz e Sport chegam aos pés de um Come-Fogo. Isso eu garanto.
 
Ferreira, ex-lateral do Comercial e Botafogo - Livro: "Come-Fogo Tradição e Rivalidade no Interior do Brasil", do jornalista Igor Ramos.

Volta do clássico a primeira divisão do Paulistão[editar | editar código-fonte]

Em 28 de janeiro de 2012, as duas equipes voltaram a se enfrentar pelo Paulistão - Série A1 depois de 26 anos. O clássico voltou com tudo e o Comercial de virada venceu o Botafogo por 2 a 1 em pleno Santa Cruz.

Eto'o no Come-Fogo[editar | editar código-fonte]

No dia 22 de dezembro de 2015, o camaronês Samuel Eto'o jogou um Come-Fogo[10] amistoso organizado pela rede social Twitter e pela emissora ESPN[11]. No clássico, disputado pelas equipes Sub-20 de Comercial e Botafogo, reforçadas por grandes ídolos dos dois clubes, Eto'o atuou 40 minutos pelo Comercial e marcou um gol, e depois atuou 50 minutos pelo Botafogo, marcando dois gols. O jogo, que aconteceu no Estádio Santa Cruz, terminou empatado em 3 a 3[12].

Além de Eto'o, os ex-jogadores Raí, Marco Antônio Boiadeiro e Lucas atuaram pelo Botafogo, enquanto Mauricinho, Vagner Mancini, e Acleison atuaram pelo Comercial.

Apesar da festa, o jogo não entra para as estatísticas, pois não foi um Come-Fogo dos times profissionais.

O Come-Fogo foi marcante para mim desde a época do juvenil. Lembro de um jogo onde marquei o gol da vitória e à noite passou na televisão. Era um gol de um jogo juvenil e foi o primeiro meu que passou na tv. No profissional uma vez sugeriram que o empate seria bom para os dois. Mas nem de longe o jogo foi a marmelada que alguns sugeriram. Acabou sendo um empate por 0 a 0, mas daqueles pegados com muita disputa.
 
Raí, ex-meia do Botafogo - Livro: "Come-Fogo Tradição e Rivalidade no Interior do Brasil", do jornalista Igor Ramos.

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

A pesquisa mais completa e atualizada até aqui envolvendo o clássico Come-Fogo é do jornalista Igor Ramos (da Revista Lance), publicada em 2011. Este jornalista esportivo, que já havia atuado no jornal A Cidade de Ribeirão Preto, é autor de dois livros, ambos os mais importantes sobre as histórias respectivamente do Botafogo (publicado por ocasião dos 90 anos em 2008) e do Comercial (comemorativo ao centenário em 2011).

Torcidas de Comercial e Botafogo.
  • Total geral de clássicos: 167[13][14]
  • Vitórias do Botafogo: 61
  • Empates: 57
  • Vitórias do Comercial: 49
  • Gols do Botafogo: 212
  • Gols do Comercial: 208
  • Maior vitória do Botafogo: 5 a 0 em 1955
  • Maior vitória do Comercial: 8 a 0 em 1920 e 5 a 0 em 1966
  • Maior invencibilidade do Botafogo: 13 de novembro de 1966 a 6 de fevereiro de 1972, 17 jogos
  • Maior invencibilidade do Comercial: 1 de agosto de 1920 a 16 de agosto de 1931, 12 jogos
  • Maior Artilheiro do Botafogo: Geraldão, 8 gols
  • Maior Artilheiro do Comercial: Paulo Bin e Jair Bala, 7 gols
  • Gol mais rápido: Jairzinho (Botafogo), a 1 minuto do primeiro tempo, no dia 26 de fevereiro de 1967
  • Jogador que mais atuou pelo Botafogo: Manoel, 30 jogos
  • Jogadores que mais atuaram pelo Comercial: Paulo Bin e Piter, 23 jogos
  • Goleiro que mais atuou: Machado, 18 jogos (Botafogo, 16) e (Comercial, 2)
  • Treinador que mais trabalhou: Alfredinho, 29 jogos (Comercial, 21) e (Botafogo, 8)
  • Árbitro com mais participações: Dulcídio Wanderley Boschilia, 12 jogos
  • Maior Público (pagante) no Estádio Santa Cruz: 31.369, Botafogo 1 a 0, 1º de maio de 1977
  • Maior Público (pagante) no Estádio Palma Travassos: 24.253, 0 a 0, 23 de abril de 1978
  • Primeira partida: Comercial 8 x 0 Botafogo, em 01 de agosto de 1920, no Estádio da Rua Tibiriça
  • Última partida: Comercial 3 a 0 Botafogo, 06 de setembro de 2014, no Estádio Palma Travassos

Os cinco maiores públicos[editar | editar código-fonte]

Público Total Público Pagante Estádio Data Competição
1 36 369 31 369 Santa Cruz 01 de maio de 1977 Paulistão 1977
2 27 144 24 253 Palma Travassos 23 de abril de 1978 Brasileirão 1978
3 24 479 21 760 Palma Travassos 17 de julho de 1977 Paulistão 1977
4 24 113 23 742 Santa Cruz 19 de junho de 1980 Paulistão 1980
5 23 315 21 229 Santa Cruz 21 de julho de 1985 Paulistão 1985

Todos os clássicos disputados[editar | editar código-fonte]

# Data Estádio Comercial x Botafogo Campeonato C E B
1 1 de agosto de 1920 Estádio da Rua Tibiriçá 8 x 0 Amistoso 1 0 0
2 7 de dezembro de 1924 Estádio da Rua Tibiriçá 2 x 1 Amistoso 2 0 0
3 24 de maio de 1925 Estádio da Rua Tibiriçá 6 x 3 Campeonato do Interior 3 0 0
4 12 de outubro de 1925 Estádio da Rua Tibiriçá 6 x 3 Campeonato do Interior 4 0 0
5 21 de novembro de 1926 Estádio da Rua Tibiriçá 5 x 1 Campeonato do Interior 5 0 0
6 6 de fevereiro de 1927 Estádio da Rua Tibiriçá 5 x 1 Campeonato do Interior 6 0 0
7 11 de julho de 1927 Estádio da Rua Tibiriçá 1 x 0 Taça APEA 7 0 0
8 29 de setembro de 1929 Estádio da Rua Tibiriçá 1 x 1 Amistoso 7 1 0
9 30 de novembro de 1930 Estádio da Rua Tibiriçá 3 x 0 Amistoso 8 1 0
10 1 de março de 1931 Estádio Luís Pereira 1 x 1 Amistoso 8 2 0
11 5 de julho de 1931 Estádio da Rua Tibiriçá 3 x 1 Amistoso 9 2 0
12 16 de agosto de 1931 Estádio Luís Pereira 1 x 0 Amistoso 10 2 0
13 25 de outubro de 1931 Estádio da Rua Tibiriçá 0 x 1 Torneio Início Campeonato Interior 10 2 1
14 22 de novembro de 1931 Estádio Luís Pereira 3 x 2 Campeonato do Interior 11 2 1
15 24 de janeiro de 1932 Estádio da Rua Tibiriçá 1 x 3 Campeonato do Interior 11 2 2
16 20 de novembro de 1932 Estádio da Rua Tibiriçá 2 x 1 Amistoto 12 2 2
17 27 de novembro de 1932 Estádio Luís Pereira 4 x 2 Amistoso 13 2 2
18 12 de fevereiro de 1933 Estádio da Rua Tibiriçá 1 x 0 Torneio Diário da Manhã 14 2 2
19 3 de setembro de 1933 Estádio da Rua Tibiriçá 1 x 1 Taça Sudan 14 3 2
20 17 de setembro de 1933 Estádio Luís Pereira 0 x 1 Taça Sudan 14 3 3
21 10 de dezembro de 1933 Estádio da Rua Tibiriçá 1 x 0 Taça Sudan 15 3 3
22 24 de dezembro de 1933 Estádio da Rua Tibiriçá 0 x 2 Taça Sudan 15 3 4
23 1 de maio de 1935 Estádio da Rua Tibiriçá 1 x 0 Torneio Início da Liga Regional 16 3 4
24 5 de maio de 1935 Estádio da Rua Tibiriçá 4 x 3 Taça Dunlop 17 3 4
25 12 de maio de 1935 Estádio Luís Pereira 1 x 2 Taça Dunlop 17 3 5
26 22 de março de 1936 Estádio da Rua Tibiriçá 3 x 1 Amistoso 18 3 5
27 29 de março de 1936 Estádio Luís Pereira 2 x 2 Amistoso 18 4 5
28 19 de dezembro de 1954 Estádio Luís Pereira 1 x 1 Campeonato Paulista – Divisão de Acesso 18 5 5
29 27 de março de 1955 Estádio Costa Coelho 2 x 1 Campeonato Paulista – Divisão de Acesso 19 5 5
30 17 de maio de 1955 Estádio Luís Pereira 0 x 5 Campeonato Paulista – Divisão de Acesso 19 5 6
31 12 de junho de 1955 Estádio Costa Coelho 2 x 1 Campeonato Paulista – Divisão de Acesso 20 5 6
32 13 de novembro de 1955 Estádio Luís Pereira 2 x 4 Campeonato Paulista – Divisão de Acesso 20 5 7
33 18 de dezembro de 1955 Estádio Costa Coelho 2 x 1 Campeonato Paulista – Divisão de Acesso 21 5 7
34 15 de janeiro de 1956 Estádio Costa Coelho 3 x 3 Campeonato Paulista – Divisão de Acesso 21 6 7
35 11 de março de 1956 Estádio Luís Pereira 1 x 2 Campeonato Paulista – Divisão de Acesso 21 6 8
36 24 de junho de 1956 Estádio Costa Coelho 2 x 2 Taça Centenário de Ribeirão Preto 21 7 8
37 1 de julho de 1956 Estádio Luís Pereira 0 x 1 Taça Centenário de Ribeirão Preto 21 7 9
38 15 de julho de 1956 Estádio Luís Pereira 2 x 4 Taça Centenário de Ribeirão Preto 21 7 10
39 11 de janeiro de 1959 Estádio Costa Coelho 0 x 1 Amistoso 21 7 11
40 14 de janeiro de 1959 Estádio Luís Pereira 3 x 1 Amistoso 22 7 11
41 4 de fevereiro de 1959 Estádio Luís Pereira 0 x 2 Amistoso 22 7 12
42 16 de setembro de 1959 Estádio Luís Pereira 1 x 1 Paulista A1 22 8 12
43 18 de outubro de 1959 Estádio Costa Coelho 0 x 1 Paulista A1 22 8 13
44 17 de julho de 1960 Estádio Luís Pereira 2 x 5 Paulista A1 22 8 14
45 2 de outubro de 1960 Estádio Costa Coelho 3 x 3 Paulista A1 22 9 14
46 17 de setembro de 1961 Estádio Costa Coelho 1 x 2 Paulista A1 22 9 15
47 8 de novembro de 1961 Estádio Luís Pereira 0 x 0 Paulista A1 22 10 15
48 29 de julho de 1962 Estádio Luís Pereira 1 x 2 Paulista A1 22 10 16
49 2 de dezembro de 1962 Estádio Costa Coelho 4 x 2 Amistoso 23 10 16
50 23 de junho de 1963 Estádio Costa Coelho 2 x 2 Paulista A1 23 11 16
51 17 de dezembro de 1963 Estádio Luís Pereira 0 x 1 Paulista A1 23 11 17
52 16 de agosto de 1964 Estádio Luís Pereira 0 x 0 Paulista A1 23 12 17
53 1 de novembro de 1964 Estádio Palma Travassos 2 x 2 Paulista A1 23 13 17
54 21 de março de 1965 Estádio Pedro Ludovico 1 x 1 Amistoso - Quadrangular Cidade de Goiânia 23 14 17
55 12 de setembro de 1965 Estádio Luís Pereira 2 x 0 Paulista A1 24 14 17
56 5 de dezembro de 1965 Estádio Palma Travassos 0 x 0 Paulista A1 24 15 17
57 9 de abril de 1966 Estádio Palma Travassos 1 x 1 Torneio João Mendonça Falcão 24 16 17
58 29 de maio de 1966 Estádio Luís Pereira 2 x 0 Torneio João Mendonça Falcão 25 16 17
59 28 de agosto de 1966 Estádio Palma Travassos 5 x 0 Paulista A1 26 16 17
60 13 de novembro de 1966 Estádio Luís Pereira 2 x 2 Paulista A1 26 17 17
61 26 de fevereiro de 1967 Estádio Palma Travassos 2 x 3 Quadrangular Ribeirão Preto 26 17 18
62 16 de agosto de 1967 Estádio Palma Travassos 1 x 3 Paulista A1 26 17 19
63 1 de outubro de 1967 Estádio Luís Pereira 0 x 2 Paulista A1 26 17 20
64 24 de março de 1968 Estádio Santa Cruz 1 x 1 Paulista A1 26 18 20
65 26 de maio de 1968 Estádio Palma Travassos 1 x 2 Paulista A1 26 18 21
66 27 de julho de 1969 Estádio Santa Cruz 1 x 2 Taça Ribanco 26 18 22
67 10 de agosto de 1969 Estádio Palma Travassos 0 x 1 Taça Ribanco 26 18 23
68 12 de outubro de 1969 Estádio Santa Cruz 0 x 1 Torneio José Ermírio de Moraes 26 18 24
69 30 de novembro de 1969 Estádio Palma Travassos 1 x 3 Torneio José Ermírio de Moraes 26 18 25
70 28 de janeiro de 1970 Estádio Palma Travassos 0 x 2 Paulista A1 26 18 26
71 5 de abril de 1970 Estádio Santa Cruz 1 x 1 Taça Marechal Castelo Branco 26 19 26
72 11 de outubro de 1970 Estádio Santa Cruz 2 x 3 Paulista A1 26 19 27
73 25 de novembro de 1970 Estádio Palma Travassos 1 x 1 Paulista A1 26 20 27
74 19 de setembro de 1971 Estádio Palma Travassos 0 x 0 Paulista A1 26 21 27
75 21 de novembro de 1971 Estádio Santa Cruz 0 x 0 Paulista A1 26 22 27
76 6 de fevereiro de 1972 Estádio Santa Cruz 0 x 1 Torneio Laudo Natel 26 22 28
77 12 de fevereiro de 1972 Estádio Palma Travassos 2 x 0 Torneio Laudo Natel 27 22 28
78 26 de março de 1972 Estádio Santa Cruz 1 x 1 Torneio 25 de Janeiro 27 23 28
79 14 de maio de 1972 Estádio Palma Travassos 2 x 2 Torneio 25 de Janeiro 27 24 28
80 1 de outubro de 1972 Estádio Santa Cruz 0 x 1 Paulista A1 27 24 29
81 29 de novembro de 1972 Estádio Palma Travassos 1 x 0 Paulista A1 28 24 29
82 21 de janeiro de 1973 Estádio Palma Travassos 0 x 1 Torneio Laudo Natel 28 24 30
83 28 de janeiro de 1973 Estádio Santa Cruz 0 x 2 Torneio Laudo Natel 28 24 31
84 17 de junho de 1973 Estádio Palma Travassos 1 x 1 Taça São Paulo 28 25 31
85 21 de outubro de 1973 Estádio Santa Cruz 1 x 1 Paulista A1 28 26 31
86 9 de dezembro de 1973 Estádio Palma Travassos 1 x 1 Paulista A1 28 27 31
87 2 de março de 1974 Estádio Palma Travassos 0 x 2 Taça Ribeirão Preto 28 27 32
88 6 de março de 1974 Estádio Santa Cruz 0 x 0 Taça Ribeirão Preto 28 28 32
89 20 de abril de 1974 Estádio Santa Cruz 1 x 1 Paulista A1 28 29 32
90 9 de junho de 1974 Estádio Palma Travassos 0 x 2 Paulista A1 28 29 33
91 25 de agosto de 1974 Estádio Palma Travassos 1 x 2 Paulista A1 28 29 34
92 20 de outubro de 1974 Estádio Santa Cruz 1 x 3 Paulista A1 28 29 35
93 19 de janeiro de 1975 Estádio Palma Travassos 1 x 0 Torneio Laudo Natel 29 29 35
94 6 de abril de 1975 Estádio Santa Cruz 1 x 1 Paulista A1 29 30 35
95 5 de outubro de 1975 Estádio Santa Cruz 2 x 1 Torneio José Ermirio de Moraes Filho 30 30 35
96 7 de dezembro de 1975 Estádio Palma Travassos 0 x 1 Torneio José Ermirio de Moraes Filho 30 30 36
97 1 de fevereiro de 1976 Estádio Palma Travassos 0 x 1 Torneio Vicente Feola 30 30 37
98 7 de março de 1976 Estádio Palma Travassos 0 x 1 Paulista A1 30 30 38
99 1 de maio de 1977 Estádio Santa Cruz 0 x 1 Paulista A1 30 30 39
100 17 de julho de 1977 Estádio Palma Travassos 1 x 1 Paulista A1 30 31 39
101 6 de outubro de 1977 Estádio Santa Cruz 1 x 0 Torneio Seletivo Campeonato Brasileiro 31 31 39
102 9 de outubro de 1977 Estádio Palma Travassos 1 x 1 Torneio Seletivo Campeonato Brasileiro 31 32 39
103 16 de outubro de 1977 Estádio Santa Cruz 1 x 1 Torneio Seletivo Campeonato Brasileiro 31 33 39
104 23 de abril de 1978 Estádio Palma Travassos 1 x 1 Copa Brasil 31 34 39
105 17 de junho de 1978 Estádio Santa Cruz 0 x 1 Copa Brasil 31 34 40
106 5 de novembro de 1978 Estádio Palma Travassos 3 x 1 Paulista A1 32 34 40
107 10 de dezembro de 1978 Estádio Santa Cruz 3 x 1 Paulista A1 33 34 40
108 15 de julho de 1979 Estádio Palma Travassos 1 x 0 Paulista A1 34 34 40
109 14 de outubro de 1979 Estádio Santa Cruz 0 x 1 Paulista A1 34 34 41
110 19 de junho de 1980 Estádio Santa Cruz 0 x 1 Paulista A1 34 34 42
111 5 de outubro de 1980 Estádio Palma Travassos 0 x 1 Paulista A1 34 34 43
112 8 de março de 1981 Estádio Palma Travassos 2 x 2 Paulista A1 34 35 43
113 28 de março de 1981 Estádio Santa Cruz 0 x 1 Paulista A1 34 35 44
114 5 de julho de 1981 Estádio Palma Travassos 0 x 1 Paulista A1 34 35 45
115 4 de outubro de 1981 Estádio Santa Cruz 0 x 0 Paulista A1 34 36 45
116 19 de setembro de 1982 Estádio Palma Travassos 2 x 0 Paulista A1 35 36 45
117 14 de novembro de 1982 Estádio Santa Cruz 0 x 0 Paulista A1 35 37 45
118 10 de julho de 1983 Estádio Palma Travassos 0 x 0 Paulista A1 35 38 45
119 16 de outubro de 1983 Estádio Santa Cruz 0 x 1 Paulista A1 35 38 46
120 25 de março de 1984 Estádio Santa Cruz 0 x 2 Copa Ray-o Vac 35 38 47
121 29 de abril de 1984 Estádio Palma Travassos 2 x 2 Copa Ray-o Vac 35 39 47
122 9 de setembro de 1984 Estádio Palma Travassos 1 x 0 Paulista A1 36 39 47
123 21 de outubro de 1984 Estádio Santa Cruz 0 x 3 Paulista A1 36 39 48
124 21 de julho de 1985 Estádio Santa Cruz 0 x 2 Paulista A1 36 39 49
125 29 de setembro de 1985 Estádio Palma Travassos 1 x 4 Paulista A1 36 39 50
126 4 de maio de 1986 Estádio Santa Cruz 2 x 2 Paulista A1 36 40 50
127 20 de julho de 1986 Estádio Palma Travassos 0 x 0 Paulista A1 36 41 50
128 18 de junho de 1992 Estádio Palma Travassos 3 x 1 Amistoso –festejo aniversário de Ribeirão Preto 37 41 50
129 21 de junho de 1992 Estádio Santa Cruz 1 x 0 Amistoso –festejo aniversário de Ribeirão Preto 38 41 50
130 2 de março de 1994 Estádio Santa Cruz 2 x 2 Paulista A2 38 42 50
131 24 de abril de 1994 Estádio Palma Travassos 0 x 1 Paulista A2 38 42 51
132 5 de fevereiro de 1995 Estádio Palma Travassos 3 x 0 Paulista A2 39 42 51
133 23 de abril de 1995 Estádio Santa Cruz 0 x 2 Paulista A2 39 42 52
134 16 de agosto de 1995 Estádio Santa Cruz 1 x 0 Paulista A2 40 42 52
135 14 de julho de 1996 Estádio Palma Travassos 0 x 0 Amistoso – Taça Eduardo José Farah 40 43 52
136 11 de setembro de 1996 Estádio Santa Cruz 0 x 0 Brasileiro Série C 40 44 52
137 15 de setembro de 1996 Estádio Palma Travassos 0 x 2 Brasileiro Série C 40 44 53
138 18 de março de 1998 Estádio Palma Travassos 1 x 1 Paulista A2 40 45 53
139 15 de abril de 1998 Estádio Santa Cruz 2 x 2 Paulista A2 40 46 53
140 18 de abril de 1999 Estádio Santa Cruz 0 x 4 Paulista A2 40 46 54
141 30 de maio de 1999 Estádio Palma Travassos 2 x 2 Paulista A2 40 47 54
142 21 de setembro de 2003 Estádio Santa Cruz 1 x 1 Brasileiro Série C 40 48 54
143 28 de setembro de 2003 Estádio Palma Travassos 0 x 1 Brasileiro Série C 40 48 55
144 14 de fevereiro de 2004 Estádio Santa Cruz 2 x 2 Paulista A2 40 49 55
145 21 de março de 2004 Estádio Palma Travassos 2 x 2 Paulista A2 40 50 55
146 4 de julho de 2004 Estádio Santa Cruz 1 x 0 Copa FPF 41 50 55
147 7 de agosto de 2004 Estádio Palma Travassos 2 x 0 Copa FPF 42 50 55
148 20 de março de 2005 Estádio Palma Travassos 1 x 1 Paulista A2 42 51 55
149 15 de maio de 2005 Estádio Santa Cruz 1 x 0 Paulista A2 43 51 55
150 10 de agosto de 2005 Estádio Santa Cruz 1 x 0 Copa FPF 44 51 55
151 7 de setembro de 2005 Estádio Palma Travassos 1 x 1 Copa FPF 44 52 55
152 30 de julho de 2006 Estádio Santa Cruz 1 x 3 Copa FPF 44 52 56
153 7 de setembro de 2006 Estádio Palma Travassos 1 x 2 Copa FPF 44 52 57
154 4 de fevereiro de 2007 Estádio Palma Travassos 1 x 0 Paulista A2 45 52 57
155 27 de fevereiro de 2008 Estádio Santa Cruz 1 x 2 Paulista A2 45 52 58
156 19 de julho de 2008 Estádio Santa Cruz 0 x 1 Copa Paulista 45 52 59
157 30 de agosto de 2008 Estádio Palma Travassos 2 x 1 Copa Paulista 46 52 59
158 8 de agosto de 2009 Estádio Santa Cruz 1 x 0 Copa Paulista 47 52 59
159 19 de setembro de 2009 Estádio Palma Travassos 1 x 1 Copa Paulista 47 53 59
160 23 de julho de 2011 Estádio Santa Cruz 1 x 1 Copa Paulista 47 54 59
161 3 de setembro de 2011 Estádio Palma Travassos 1 x 1 Copa Paulista 47 55 59
162 28 de janeiro de 2012 Estádio Santa Cruz 2 x 1 Paulista A1 48 55 59
163 5 de agosto de 2012 Estádio Santa Cruz 0 x 3 Copa Paulista 48 55 60
164 8 de setembro de 2012 Estádio Palma Travassos 1 x 1 Copa Paulista 48 56 60
165 8 de março de 2014 Estádio Santa Cruz 0 x 1 Paulista A1 48 56 61
166 20 de agosto de 2014 Estádio Santa Cruz 1 x 1 Copa Paulista 48 57 61
167 6 de setembro de 2014 Estádio Palma Travassos 3 x 0 Copa Paulista 49 57 61

Clássicos realizados nos estádios de Ribeirão Preto e Goiânia[editar | editar código-fonte]

Números do Botafogo no Santa Cruz
J V E D GP GC SG AP
52 23 19 10 63 38 25 44.23%
Números do Botafogo no Luis Pereira
J V E D GP GC SG AP
25 12 07 06 43 31 12 57.33%
Números do Comercial no Palma Travassos
J V E D GP GC SG AP
58 14 23 21 65 67 -02 24.13%
Números do Comercial no Costa Coelho
J V E D GP GC SG AP
11 04 04 03 21 19 02 36.36%
Números do Comercial na Rua Tibiriçá
J V E D GP GC SG AP
20 15 02 03 54 23 31 78,33%
Números do Come-Fogo em Goiânia
J V E D GP GC SG AP
01 00 01 00 01 01 00 33,33%

Campeonato Brasileiro[editar | editar código-fonte]

O Come-Fogo no Campeonato Brasileiro da 1ª Divisão:

Sobre o clássico[editar | editar código-fonte]

O único Come-Fogo não disputado em Ribeirão Preto ocorreu a 21 de março de 1965, na cidade de Goiânia, terminando em 1 a 1.

Os demais clássicos foram disputados na Rua Tibiriçá (Estádio do Comercial, de 1911 a 1936), em Luiz Pereira (Estádio do Botafogo, de 1918 a 1968), Costa Coelho (Estádio do Comercial, de 1954 a 1964), Palma Travassos (Estádio do Comercial, desde 1964) e Santa Cruz (Estádio do Botafogo, desde 1968).

Um jogo marcante aconteceu no dia 15/05/2005, pelo Campeonato Paulista da Série A2, o Tricolor não aproveitou as oportunidades criadas, perdeu pênalti, e viu o Leão do Norte fazer a festa em pleno estádio Santa Cruz, na vitória por 1 a 0, com gol de Márcio Luís. Este resultado decretou o rebaixamento da Pantera para a Série A3 do Estadual.[15]

Livro[editar | editar código-fonte]

"Come-Fogo Tradição e Rivalidade no Interior do Brasil", do jornalista Igor Ramos (2013)[16]

Referências

  1. Francisco De Laurentiis, do ESPN.com.br Página visitada em 26 de agosto de 2018. «Come-Fogo já teve Sócrates de ressaca, Raí invicto e gandula preso; conheça causos» 
  2. Futebol Interior Página visitada em 16 de outubro de 2015. «Copa Paulista: Comercial tem a vantagem do Come-Fogo em jogos da Copinha» 
  3. Folha de S.Paulo Página visitada em 16 de outubro de 2015. «Livro revela fatos inéditos da história do Come-Fogo de Ribeirão Preto» 
  4. EPTV Ribeirão Página visitada em 2 de janeiro de 2012. «História do Come-Fogo» [ligação inativa]
  5. ARRUDA, Marcelo Leme de (6 de março de 2014). «Jogadores cedidos por clube na história da Seleção Brasileira». RSSSF Brasil. Consultado em 7 de março de 2014 
  6. ARRUDA, Marcelo Leme de; PEREIRA, André do Nascimento (6 de março de 2014). «Seleção Brasileira (Brazilian National Team) 1961-1963». RSSSF Brasil. Consultado em 7 de março de 2014 
  7. ARRUDA, Marcelo Leme de; PEREIRA, André do Nascimento (15 de fevereiro de 2014). «Seleção Brasileira (Brazilian National Team) 1976-1977». RSSSF Brasil. Consultado em 7 de março de 2014 
  8. ARRUDA, Marcelo Leme de; PEREIRA, André do Nascimento (15 de fevereiro de 2014). «Seleção Brasileira (Brazilian National Team) 1985-1987». RSSSF Brasil. Consultado em 7 de março de 2014 
  9. ARRUDA, Marcelo Leme de (18 de fevereiro de 2013). «Seleção Brasileira Restritiva (Brazilian National Restrictive Team) 1964-1971». RSSSF Brasil. Consultado em 7 de março de 2014 
  10. http://globoesporte.globo.com/sp/ribeirao-preto-e-regiao/noticia/2015/12/etoo-agrada-torcidas-ajuda-rai-e-diz-aguardar-proposta-para-jogar-no-brasil.html
  11. http://espn.uol.com.br/noticia/566273_passagem-de-etoo-pelo-brasil-teve-jatinho-e-carnes-nobres-mas-com-show-de-humildade
  12. http://globoesporte.globo.com/sp/ribeirao-preto-e-regiao/futebol/noticia/2015/12/etoo-brilha-com-tres-gols-no-classico-e-come-fogo-termina-sem-vencedor.html
  13. rgdogol.webnode.com.br Página visitada em 26 de agosto de 2018. «Canal Come-Fogo» 
  14. André Dutra. «Come-Fogo é um dos atrativos de Ribeirão Preto»  Texto " ACidade ON Página visitada em 26 de agosto de 2018" ignorado (ajuda)
  15. Por GloboEsporte.com Página visitada em 02 de fevereiro de 2019. «Inesquecível: Comercial vence por 1 a 0 e Botafogo-SP cai para a Série A3» 
  16. Reportagem da Folha de S.Paulo sobre o lançamento do livro "Come-Fogo Tradição e Rivalidade no Interior do Brasil"

Ligações externas[editar | editar código-fonte]