Goytacaz Futebol Clube

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Goytacaz
Goytacaz.png
Nome Goytacaz Futebol Clube
Alcunhas
Goyta
Azul da Rua do Gás
Alvi-Anil
O Mais Querido da Cidade
"Trovão Azul"
"Gigante da Planície"
Mascote Índio Curumim
Fundação 20 de agosto de 1912 (105 anos)
Estádio Ary de Oliveira e Souza
Capacidade 15.000
Localização Campos dos Goytacazes
Presidente Brasil Dartagnan Fernandes
Treinador Brasil Paulo Henrique
Patrocinador Brasil Norte Grill Churrascaria
Brasil Cruzeiro do Sul Alimentos
Brasil Aplicativo Garçom
Brasil Claretiano Rede de Educação
Brasil Posto Nova Era
Brasil Posto Arco-Íris
Material (d)esportivo Brasil Trivella
Competição Rio de Janeiro Campeonato Carioca - Série B1
Rio de Janeiro Copa Rio
Website Goytacaz Futebol Clube
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
editar

Goytacaz Futebol Clube é uma agremiação esportiva da cidade de Campos dos Goytacazes, no Estado do Rio de Janeiro.

Fundada em 20 de agosto de 1912, tem como cores o azul e o branco.

História[editar | editar código-fonte]

Equipe profissional do Goytacaz na Série B em 2012

Foi criado a partir de um desentendimento de um grupo de remadores do Clube de Natação e Regatas Campista, que teve negado um pedido de barco para passear no Rio Paraíba do Sul.

O nome do clube foi uma homenagem aos primeiros habitantes da cidade de Campos: os índios goytacazes, que segundo o historiador Eduardo Bueno, eram os mais ferozes índios do atual território conhecido como Brasil, além de exímios nadadores, o que lhes dava uma vantagem extra nas batalhas.

A primeira diretoria do Goytacaz foi formada assim: Luiz Carlos Cabral (presidente), Roberto Melo (vice-presidente), Otto Nogueira (1º tesoureiro), Jaime Rego (2º tesoureiro), Rudah Martins (1º secretário), Álvaro Nogueira (2º secretário), João Cunha (fiscal) e Manoel Patrão (procurador) e também ficou decidido, ainda, que a casa de Otto Nogueira, situada à Rua 21 de abril, nº. 14, no centro da cidade, ficaria sendo provisoriamente a sede do novo clube.

A primeira partida foi em 25 de agosto de 1912 contra o Internacional e a equipe alvi-anil venceu por 2 a 1, com o time tendo formado com: Claudinier, Mário Manhães e Catete, Álvaro Nogueira, Estevam Almeida, e Adelino, Laranjeira, Linconl, Jorge Gomes, Didi e Otto Nogueira.

O primeiro campo do Goytacaz foi defronte à Igreja de Santo Antônio, em Guarus e, por isso, o santo é considerado o padroeiro do time. Mais tarde o campo passou para a Praça da República, onde a Prefeitura Municipal cedeu um terreno, mas ali o clube não ficaria por muito tempo, pois logo se mudaria para perto do Liceu de Humanidades, no antigo campo do Luso Brasileiro, no mesmo terreno onde, mais tarde, seria construído o palacete de Finazinha de Queirós, transformado após a sua morte na Casa de Cultura Villa Maria.

O clube, porém, mudaria novamente e, dessa vez, se estabeleceria em frente à linha férrea campista, no início da Rua do Gás, na Lapa. Foi nesse campo que o Goytacaz tornou-se, definitivamente, um dos maiores times da cidade, chegando a ter ali mesmo o primeiro campo com iluminação elétrica do interior do Estado do Rio de Janeiro, em 5 de junho de 1930, o que causou muita polêmica, já que a cidade vivia sérios problemas de abastecimento de energia.

O Goytacaz foi o primeiro time de Campos dos Goytacazes e o terceiro do antigo Estado do Rio a jogar no Estádio Jornalista Mário Filho, o Maracanã. Isso aconteceu em novembro de 1963, contra a equipe carioca do Madureira e a partida terminou empatada em 2 a 2. Antes dele, jogaram, no Maracanã, o Canto do Rio, que disputava especialmente o Campeonato Carioca desde 1941 e estreou no Maracanã já em 1950 e o Fonseca, que disputava o Campeonato Fluminense mas enfrentou o America no estádio pela Taça Brasil de 1961.

O Goytacaz foi o segundo clube campista a ter um jogador na Seleção Brasileira, Amaro da Silveira, titular absoluto no Campeonato Sul-Americano de Futebol de 1923, tendo o Goytacaz também revelado Amarildo, "O Possesso", goleador da Seleção Brasileira e destaque da Copa do Mundo de 1962.

O Goytacaz foi o primeiro campeão da cidade de Campos dos Goytacazes, isto em 1914. O clube conquistou vinte campeonatos campistas, sendo o de 1955 de forma invicta, além de ter sido o primeiro tetracampeão (1940/1941/1942/1943), levantou duas taças Cidade de Campos e cinco campeonatos estaduais (antigo Campeonato Fluminense, em 1955/1963/1966/1967/1978).

Em campeonatos brasileiros, a melhor performance do Goytacaz na primeira divisão foi em 1978, quando conquistou o 30° lugar, entre 74. Em 1985, foi vice-campeão da Taça de Prata, equivalente ao atual Campeonato Brasileiro Série B.

Os presidentes do Goytacaz ao longo dos anos foram: Luís Cabral, Vicente do Amparo Ferraiuolli, Osvaldo Cunha, Luís Sérgio Silva, Francisco Carvalhal, Augusto Faria, Salim Nagem, Ary de Oliveira e Souza, Dr. Jacintho Simões, Martinho Santafé, Domingos Guimarães, Abelardo Brito, Antônio Ribeiro Alvarenga Filho, Gumercindo Freitas, Sebastião Lírio, José Gabriel, Nilson Cardoso de Souza, Salvador Araújo Nunes, Edson Alvarenga, Antônio José Coutinho, Jacynto Simões , Ramiro Alves Pessanha Filho, Rubens Vieira Rios, Roberto Krunfly, Rafael Martins, Edecyr de Oliveira, Jorge Fernandes de Souza, Amaro Escovedo, Amaro Gimenes, Arizo Azevedo, Manoel Santana, Antônio Eraldo Lopes Riscado, Armando Zanata, Silvio Pinheiro, Dartagnan Fernandes , Valtair de Almeida, Zander Pereira, José Luis Dutra, Jomar Garcia, Robson Neto Barreto e atualmente Dartagnan Fernandes.

Em 2006, o Goytacaz conquistou acesso ao Campeonato Carioca da 1ª Divisão de 2007, ao terminar em quarto lugar na Seletiva de 2006. Nesta Seletiva os públicos do Goytacaz ficaram entre 3.000 e 4.000 pessoas por partida. No jogo final, contra a Associação Atlética Portuguesa, na cidade do Rio de Janeiro, 1.300 torcedores viajaram mais de 300 quilômetros, para incentivar o clube campista. Posteriormente, a Justiça não reconheceu a validade jurídica do torneio, não permitindo o acesso dos clubes que haviam conquistado as vagas dentro do campo.

Em 2009, mesmo na Série B estadual, a torcida continuou a mostrar força, liderando as estatísticas de público.[1]

Em 18 de julho de 2010, o clube foi rebaixado para o Campeonato Carioca da Terceira Divisão, mesmo após vencer o São Cristóvão por 3 a 2.

No mesmo ano, a equipe não se abateu com a queda e fez uma boa campanha na Copa Rio, ficando em terceiro lugar e por pouco não voltando a disputar um Campeonato Nacional

No dia 24 de julho de 2011, o Goytacaz volta ao Campeonato Carioca da Segunda Divisão após ser campeão do Campeonato Carioca da Série C passando pelo América de Três Rios na semifinal em disputa de pênaltis, e vencendo o Juventus nos dois jogos da final.

Em 2012 a tão sonhada volta a 1ª divisão fica próxima de acontecer. A equipe chegou até a última rodada brigando por uma vaga na elite, porém estava na 3ª colocação, um ponto atrás do Audax Rio e três pontos atrás do Quissamã. Para subir, o Goytacaz teria que vencer a equipe do Tigres e torcer por um tropeço do Audax contra o São João da Barra. A vitória sobre o Tigres veio, em uma virada por 3 a 2, porém o outro resultado não ajudou e o Audax venceu o São João da Barra por 4 a 1, subindo assim Audax (vice campeão) e Quissamã (campeão).

Em 2013 o time esteve novamente perto da vaga na elite. Com o melhor aproveitamento entre todos os times do campeonato, o Goytacaz foi punido com a perda de 6 pontos no campeonato pela escalação irregular de um jogador, ficando assim fora da fase decisiva.

Elenco do Goytacaz no jogo do acesso a elite carioca

.

Em 2017 a tão sonhada volta a 1ª Divisão do Campeonato Carioca acontece.

O Goytacaz se sagra campeão da Taça Santos Dumont, primeiro turno da Série B1 aós derrotar o Audax Rio nos pênaltis, e assim assegura sua vaga na semi final do campeonato.

Na Taça Corcovado, segundo turno da campeonato, a equipe se classifica para a semi-final mas é derrotada pelo Itaboraí.

Na grande semi-final do campeonato, um encontro com o maior rival, Americano. O alvinegro jogava pelo empate para passar a final do Carioca da Série B1 e também para Elite do Carioca. O jogo seguia empatado até os 44 de segundo tempo, quando o Goytacaz consegue o seu gol com o atacante Lukinha que veio do banco de reserva e fez o gol que lhe valeu a vitória e o acesso ao Campeonato Carioca de Futebol após 25 anos fora da elite estadual.

Na Final o Goytacaz enfrentou a equipe do America jogando o primeiro jogo da final no Estádio Giulite Coutinho em Mesquita ,e o Goytacaz saiu vencedor do primeiro jogo com o gol do seu Atacante Luan Costa.

O 2° jogo da final foi realizado no Estádio Ary de Oliveira e Souza contando com a presença maciça da sua torcida, aonde teve mais de 5000 torcedores presentes empurrando o Goytacaz. A equipe do Goytacaz sagrou-se Campeão ao empatar de 1 a 1 com o America na segunda partida da final, com Anderson Kunzel marcando para o America aos 19 primeiro tempo e Gabriel Galhardo fez para o Goytacaz aos 14 do segundo tempo o gol de empate que deu o título após rebote do goleiro Thadeu do America em uma belíssima cobrança de falta do meia Leandro Cruz e Galhardo se redimindo da perca do pênalti no primeiro tempo.

FICHA TÉCNICA

GOYTACAZ 1 X 1 AMERICA Local: Ary de Oliveira e Souza, Campos dos Goytacazes (RJ) Data-Hora: 30/9/2017 - 15h Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (RJ) Auxiliares: Wagner de Almeida Santos (RJ) e Jackson Lourenço (RJ) Público: 4.852 pagantes / 5.352 presentes

GOYTACAZ: Paulo Henrique; Tenente, Cleiton, Edson (Lucas Tavares - 40'/2ºT) e Almir; Jefinho, João Vitor, Galhardo e Leandro Cruz (Lukinha - 30'/2T); Luan e Rodriguinho (Mário - 47'/2T) - Téc. Paulo Henrique

AMÉRICA : Thadeu; Belarmino, Pessanha, Douglas e Marlon; Anderson Kunzel (Philip - 18'/2T), Robinho, Alan (Welber - 33'/2T) e Leo Rocha; Tiago e Allan Barreto (Gleisson - 38'/2T) - Téc. Lucho Nizzo

Cartões amarelos: Léo Rocha e Anderson Kunzel (AME); Edson e Paulo Henrique e Luan (GOY) Cartões vermelhos: Luan (GOY) Gols: Anderson Kunzel (19'/1ºT), Gabriel Galhardo (14'/2ºT)

Hino[editar | editar código-fonte]

"Sou Goytacaz,
Sou Goytacaz até morrer,
Nosso lema é vencer, vencer,
Na vitória, na derrota,
Na alegria no amargor,
Sou Goytacaz sim senhor,
Sou Goytacaz por amor.
Nossa camisa, Alvianil,
Tem suas cores destacadas na bandeira do Brasil,
Minha Campos te amo demais,
Por isso sou torcedor do Goytacaz,
E no gramado,
Ninguém faz o que ele faz"

Estádio[editar | editar código-fonte]

Estádio Ary de Oliveira e Souza em 2017

O Goytacaz manda seus jogos no Estádio Ary de Oliveira e Souza, com capacidade para 15 mil espectadores. O alvi-anil é conhecido como "O mais querido de Campos", uma referência as suas origens populares, tendo sido o primeiro campeão da cidade de Campos, ainda em 1914.

O estádio Ary de oliveira e Souza foi inaugurado em 9 de janeiro de 1938 com uma partida entre os donos da casa, que venceram por 3 a 1 o Americano, cuja inauguração se deu na gestão do então presidente Augusto Machado Vianna Faria.

O Estádio Ary de Oliveira e Souza teve o seu recorde de público em 9 de abril de 1978, quando 14.996 pagantes estiveram presentes para assistir ao jogo entre o Goytão e o grande time do Flamengo, com Zico e Cia, pelo Campeonato Brasileiro daquele mesmo ano.

Elenco 2017[editar | editar código-fonte]

Atualizado em 30 de setembro de 2017.


Goleiros
Jogador
Brasil Paulo Henrique
Brasil Rerysson
Brasil Yan
Defensores
Jogador Pos.
Brasil Edson Z
Brasil Lucas Tavares Z
Brasil Mário Pierre Z
Brasil Almir L
Brasil Jhonatan L
Brasil Jacozinho L
Brasil Tenente L
Meio-campistas
Jogador Pos.
Brasil Cleiton V
Brasil Gabriel Leite V
Brasil João Vitor V
Brasil Gabriel Galhardo M
Brasil Jeffinho M
Brasil Leandro Cruz M
Brasil Wallace M
Atacantes
Jogador
Brasil Rodriguinho
Brasil Luquinha
Brasil Luan Costa
Brasil Lorran
Comissão técnica
Nome Pos.
Brasil Paulo Henrique T

Treinadores[editar | editar código-fonte]

Ídolos[editar | editar código-fonte]

  • Brasil Abel Braga
  • Brasil Alfeu Pinto
  • Brasil Amaro da Silveira
  • Brasil Amarildo " O Possesso "
  • Brasil Artur
  • Brasil Artuzinho
  • Brasil Augusto
  • Brasil Belliti
  • Brasil Bibino
  • Brasil Calombinho
  • Brasil Carlos Augusto
  • Brasil Caveira
  • Brasil Cebolinha
  • Brasil Cobian
  • Brasil Coca
  • Brasil César
  • Brasil David
  • Brasil Dedé
  • Brasil Dudu
  • Brasil Fazoli
  • Brasil Gradim
  • Brasil Gérson
  • Brasil Jarbas
  • Brasil Joceir
  • Brasil Jocimar
  • Brasil Joel
  • Brasil Jomar Garcia
  • Brasil Luiz Alberto
  • Brasil Malvino
  • Brasil Manoel Lucas
  • Brasil Mauricinho
  • Brasil Menenel
  • Brasil Nilton Barreto
  • Brasil Otto Nogueira
  • Brasil Pasta Ruça
  • Brasil Paulo Marcos
  • Brasil Pipiu
  • Brasil Pires
  • Brasil Piscina
  • Brasil Rebolinho
  • Brasil Ricardo Batata
  • Brasil Ricardo Sales
  • Brasil Rodoval
  • Brasil Ronaldo
  • Brasil Rondinelli
  • Brasil Sabicinho
  • Brasil Totonho
  • Brasil Tarceli
  • Brasil Titio
  • Brasil Valdir Negrinhão
  • Brasil Wilson Bispo
  • Brasil Zé Carlos

Torcidas organizadas[editar | editar código-fonte]

  • Torcida Jovem Goyta
  • Dragões Alvi-Anis do Goytacaz
  • Torcida Mancha Azul
  • Torcida Goyta-Rey
  • Torcida Fiel Alvi-Anil
  • Torcida Piza Show
  • Torcida GoytaChopp
  • Goyta-Loucos
  • Os Guerreiros da Lapa
  • Rasta Goyta
  • Os Fanáticos (extinta)
  • Movimento Goyta-Gospel
  • Movimento Popular Tribo 1912 (Barra Brava)

Rivalidade[editar | editar código-fonte]

O Goytacaz faz com o Americano, seu grande rival na cidade, o clássico de maior tradição e rivalidade do interior do Estado do Rio de Janeiro, clássico conhecido como Goyta-Cano.

Nas duas partidas realizadas em Campeonatos Brasileiros da 1° Divisão, até hoje, houve um empate de 1 a 1 (30 de outubro de 1977) e uma vitória do Goytacaz por 1 a 0 (26 de março de 1978), com os 2 jogos sendo realizado no campo do Americano.

Ver artigo principal: Goyta-Cano

O clube também mantinha grande rivalidade contra o Rio Branco e o Campos, contra quem fazia o chamado "Clássico Vovô de Campos".

Titulos[editar | editar código-fonte]

Equipe principal[editar | editar código-fonte]

ESTADUAIS
Competição Títulos Temporadas
Rio de Janeiro Campeonato Carioca - 2ª Divisão 2 1982 e 2017
Rio de Janeiro Taça Santos Dumont 1 2017
Rio de Janeiro Campeonato Carioca - 3ª Divisão 1 2011
Rio de Janeiro Campeonato Fluminense 6 1940, 1955, 1963, 1966, 1967 e 1978
MUNICIPAIS
Competição Títulos Temporadas
Bandeira de Campos dos Goytacazes.png Campeonato Campista 20 1914, 1920, 1926, 1932, 1933, 1940, 1941, 1942, 1943, 1945, 1948, 1951, 1953, 1954, 1955, 1956, 1959, 1960, 1966 e 1977
Bandeira de Campos dos Goytacazes.png Torneio Início do Campeonato Campista 11 1952, 1953, 1954, 1955, 1956, 1959, 1960, 1966, 1968, 1969 e 1972
Bandeira de Campos dos Goytacazes.png Taça Cidade de Campos 3 1970, 1976 e 1978

Campanhas de destaque[editar | editar código-fonte]

Categorias de base[editar | editar código-fonte]

NACIONAIS
Competição Títulos Temporadas
Brasil Copa Juventude Sub-15 1 2015
Brasil Copa Nacional Guri Sub-17 1 2016
ESTADUAIS
Competição Títulos Temporadas
Rio de Janeiro Campeonato Carioca Sub 17 Série BC 1 2015
Rio de Janeiro Campeonato Carioca da 2ª Divisão Sub 17 1 2006
Rio de Janeiro Campeonato Carioca da 3ª Divisão Sub 20 1 2011 vice campeão
MUNICIPAIS
Competição Títulos Temporadas
Bandeira de Campos dos Goytacazes.png Campeonato Campista de Segundo Quadros 10 1914, 1919, 1920, 1923, 1925, 1929, 1930, 1932, 1933 e 1935
Bandeira de Campos dos Goytacazes.png Campeonato Campista Infanto-Juvenil 2 1954 e 1957
Bandeira de Campos dos Goytacazes.png Campeonato Campista Infantil 5 1990, 1993, 1994, 2000 e 2014
Bandeira de Campos dos Goytacazes.png Campeonato Campista Juvenil 10 1956, 1974, 1982, 1989, 1991, 1993, 1994, 1995, 1999 e 2001.
Bandeira de Campos dos Goytacazes.png Taça Cidade de Campos Juvenil 3 2006, 2008 e 2010
Bandeira de Campos dos Goytacazes.png Taça Cidade de Campos Infantil 5 1995, 2006, 2008, 2010 e 2013

Retrospecto no Campeonato Carioca[editar | editar código-fonte]

Após a fusão dos Estados da Guanabara e do Rio de Janeiro em 1975, o Goytacaz disputou os seguintes Campeonatos Carioca Série A:

Ano Posição
1976 6º colocado
1977 14º colocado
1979e 8º colocado
1979 9º colocado
1980 11º colocado
1983 6º colocado
1984 8º colocado
1985 7º colocado
1986 11º colocado
1987 6º colocado
1988 11º colocado
1991 14º colocado
1992 12º colocado
2018 A disputar

Torcida[editar | editar código-fonte]

Em 1972, a revista Placar, estimulada pela força que o Goytacaz demonstrava no início das disputas dos Estaduais, designou o jornalista Péris Ribeiro para fazer uma reportagem especial na qual também foi apresentada uma pesquisa do Ibope, que apontou o Goytacaz dono da quinta maior torcida do Estado do Rio de Janeiro, atrás apenas dos quatro grandes clubes: Flamengo, Fluminense, Vasco, Botafogo. Os números apontaram a torcida do Goytacaz com 70% dos torcedores entre os clubes da cidade de Campos dos Goytacazes.

Maiores públicos do Goytacaz em campeonatos brasileiros[editar | editar código-fonte]

  • Públicos pagantes, partidas disputadas em Campos.
  1. Goytacaz 0 x 1 Flamengo: 14.996 pessoas em 9 de abril de 1978.
  2. Goytacaz 1 x 3 Palmeiras: 12.923 pessoas em 4 de dezembro de 1977.
  3. Goytacaz 0 x 0 Santos: 11.489 pessoas em 14 de dezembro de 1977.

Jogo do Goytacaz já encheu o Godofredo Cruz[editar | editar código-fonte]

No Campeonato Carioca de Futebol de 1976, em 14 de março, a partida entre Goytacaz e Flamengo disputada no Estádio Godofredo Cruz, do Americano, teve o expressivo público de 19.834 torcedores pagantes.[2]

Participação em campeonatos brasileiros[editar | editar código-fonte]

Ano Divisão Posição Observações
1964 Primeira 21º Taça Brasil
1967 Primeira Taça Brasil
1968 Primeira Taça Brasil
1977 Primeira 55º Taça de Ouro
1978 Primeira 30º Taça de Ouro
1979 Primeira 33º Taça de Ouro
1980 Segunda 41º Taça de Prata
1984 Segunda 27º Taça de Prata
1985 Segunda Taça de Prata
1986 Segunda 10° Taça de Prata
1987 Terceira 18º Módulo Azul
2003 Terceira 34º Série C

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Nesta estatística não constam alguns jogos do Campeonato Campista, jogos de outras competições promovidas pelas ligas de futebol de Campos dos Goytacazes, de vários torneios e de vários jogos amistosos. Não consta também a maioria dos jogos do Campeonato Carioca da 3ª Divisão de 1994. Carece de confirmação também o local da realização de parte dos jogos contabilizados.

Confrontos contra os principais adversários[editar | editar código-fonte]

Clube J V E D GP GC SG
America-RJ 38 10 13 15 35 46 -11
América-Três Rios 8 3 1 4 9 12 -3
Americano 221 72 70 79 309 312 -3
Angra dos Reis 19 7 9 3 24 14 10
Atlético-MG 3 0 1 2 3 8 -5
Atlético-PR 2 1 0 1 4 2 2
Audax-Sendas 16 6 6 4 19 18 1
Bangu 35 7 12 16 30 51 -21
Barra da Tijuca 7 3 2 2 12 8 4
Barra Mansa 15 5 6 4 23 14 9
Bonsucesso 41 17 9 16 46 36 10
AD Cabofriense 6 2 1 3 6 7 -1
Botafogo-RJ 32 6 9 17 30 56 -26
Campo Grande 33 13 13 7 42 22 20
Campos-AA 87 48 15 24 214 122 92
CE Rio Branco 126 75 21 30 281 152 177
Ceres 18 6 10 2 36 26 10
Cruzeiro 1 0 0 1 1 3 -2
Duque de Caxias 8 5 2 1 9 4 5
Flamengo 35 2 6 27 25 87 -62
Fluminense 29 5 4 20 23 65 -42
Friburguense 22 9 7 6 20 15 5
Itaperuna 15 3 7 5 18 20 -2
Macaé Esporte 20 4 9 7 18 22 -4
Madureira 19 4 9 6 16 22 -4
Nova Iguaçu 18 2 8 8 12 24 -12
Olaria 40 15 16 9 44 37 7
Portuguesa-RJ 51 16 19 16 57 63 -6
Resende 4 2 0 2 6 6 0
Rio Branco-ES 11 6 2 3 17 15 2
Sampaio Corrêa-RJ 10 6 1 3 12 8 4
São Cristovão 45 17 14 14 58 54 4
São João da Barra 8 3 3 1 10 7 3
Serrano 14 7 8 3 18 8 10
Tigres do Brasil 8 4 0 4 13 12 1
Vasco da Gama 30 3 6 21 18 69 -51
Vitória-ES 3 3 0 0 7 1 6
Volta Redonda 25 11 8 6 33 17 16

Confrontos nas principais competições[editar | editar código-fonte]

Competição J V E D GP GC SG
Campeonato Brasileiro 61 17 15 29 56 81 -25
Campeonato Brasileiro 2ªD 27 11 6 10 31 32 -1
Campeonato Brasileiro 3ªD 14 6 1 7 14 15 -1
Campeonato Carioca 334 88 108 138 293 407 -114
Campeonato Carioca 2ªD 419 179 128 112 534 414 120
Campeonato Carioca 3ªD 32 21 7 4 61 17 44
Campeonato Fluminense 59 26 15 18 125 79 46
Copa Rio 75 26 29 20 85 68 17
Campeonato Campista 545 301 110 134 1291 740 551
Torneios 86 40 25 21 115 75 40
Amistosos 148 61 30 57 285 286 -1

Confrontos nos principais estádios[editar | editar código-fonte]

Estádios J V E D GP GC SG
Ary de Oliveira e Souza 575 299 160 116 902 512 390
Godofredo Cruz 66 20 26 20 68 61 7
Maracanã 34 2 6 26 21 92 -71
Luso-Brasileiro 27 4 11 12 19 38 -19
Leônidas da Silva 25 4 6 15 18 33 -15
Moça Bonita 22 1 7 14 11 39 -28
Nielsen Lousada 19 6 5 8 15 19 -4
Rua Bariri 17 1 9 7 10 18 -8
São Januário 15 1 3 11 6 40 -34
Raulino de Oliveira 13 2 5 6 9 11 -2

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • História do Futebol Campista, de Paulo Ourives.
  • Almanaque Esportivo do Jubileu de Ouro do Futebol Campista, de Nilo Terra Areas.
  • www.rsssfbrasil.com
  • Site da Liga Campista de Desportos.
  • Acervo digitalizados dos jornais A Batalha, A Manhã, A Noite, Correio da Manhã, Diário Carioca, Diário da Noite, Diário de Notícias, Gazeta de Notícias, Imprensa Popular, Jornal do Brasil, Jornal dos Sports, O Fluminense, O Imparcial, O Paiz, O Radical, Tribuna Popular e Última Hora, todos do Estado do Rio de Janeiro, contidos na página da internet da Biblioteca Nacional do Brasil hemerotecadigital.bn.br.