Estádio Presidente Antônio Carlos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Antônio Carlos

Nomes
Nome Estádio Presidente Antônio Carlos
Apelido Estadinho da Colina
Características
Local Belo Horizonte, MG, Brasil
Gramado Grama natural
Capacidade 5000 pessoas
Construção
Data 1928 a 1929
Inauguração
Data 30 de Maio de 1929
Partida inaugural Atlético 4 x 2 Corinthians
Outras informações
Fechado 1969
Demolido 1994
Proprietário Clube Atlético Mineiro
Mandante Clube Atlético Mineiro

O Estádio Presidente Antônio Carlos (ou Estádio de Lourdes e Estadinho da Colina), foi um estádio brasileiro de futebol localizado em Belo Horizonte. Pertenceu ao Clube Atlético Mineiro, que mandou seus jogos no local de 1929 a 1968. Hoje no local encontra-se o Diamond Mall.

História[editar | editar código-fonte]

Em 1925, o presidente do Atlético, Alfredo Furtado de Mendonça, permutou com a prefeitura o campo da Avenida Paraopeba – onde atualmente está localizado o Minascentro – por uma indenização e um terreno no Lourdes. Três anos depois, com a ajuda do governador Antônio Carlos, as obras do estádio, que levaria o nome do político, foram iniciadas. O estádio foi inaugurado em 30 de maio de 1929, com o Atlético vencendo o Corinthians por 4 a 2.

O Estadinho da Colina foi também o primeiro estádio mineiro a contar com iluminação para jogos noturnos.[1] A iluminação foi inaugurada em 9 de agosto de 1930 e contou com a presença do presidente da FIFA, Jules Rimet.[1] Em 1 de setembro de 1930 o Atlético disputou a primeira partida internacional realizada em Minas Gerais.[2] O time mineiro derrotou por 3 a 1 o Vitória de Portugal, campeão do Campeonato de Setúbal nas temporadas de 1927/1928 e 1928/1929, e do Campeonato de Lisboa nas temporadas de 1923/1924 e 1926/1927. Uma semana depois, o presidente da FIFA Jules Rimet, também esteve presente no empate de 1 a 1 contra o Fluminense.[3][4]

O estádio ajudou a aumentar a circulação pela região de Lourdes.[5] A baixa capacidade do Estadinho da Colina deixou-o obsoleto após a inauguração do Estádio Independência, que se tornou sede da maior parte dos jogos do Atlético. Para resolver uma crise financeira, o time acabou vendendo o estádio à prefeitura na década de 1960. O último jogo no local foi em junho de 1968.[4]

Estrutura[editar | editar código-fonte]

O estádio tinha duas entradas, a principal do lado da Rua Rio Grande do Sul, e um pequeno portão de funcionários e atletas na Gonçalves Dias. A arquibancada concretada ocupava o lado paralelo à Rua Rio Grande do Sul, dividido em três setores: a torcida do Atlético, a adversária, e no centro um compartimento com cadeiras para os dirigentes e convidados. O lado da Rua Gonçalves Dias era um muro, enquanto o resto abrigava a geral, com degraus cimentados ao ar livre separados do gramado por um alambrado. Entre o alambrado e o corredor havia degraus onde reservas, técnicos e a equipe de segurança se sentavam.

Atrás da geral, do lado da Avenida Olegário Maciel, ficavam as quadras de basquete e tênis. Sob a arquibancada, o estádio abrigava uma sala de reuniões, vestiários, ambulatório, e quartos onde os atletas solteiros do Atlético moravam.[6]

Depois do futebol[editar | editar código-fonte]

A Prefeitura tinha prometido construir no lote do Lourdes a nova sede administrativa da capital em 15 anos. Caso contrário, o imóvel obrigatoriamente seria devolvido ao Atlético, o que ocorreu em 1991, por desvirtuar a finalidade da desapropriação. Até aquele ano, o antigo estádio sofreu várias transformações.

Foi desapropriado pela prefeitura em 1970, transformando-se em espaço para feiras e assembleias sindicais, e 10 anos mais tarde transformou-se no campo do lazer. Após conseguir o terreno de volta, a diretoria atleticana, em parceria com o Multiplan, planejou construir um shopping center no local.

O estádio foi demolido em 1994, e o Diamond Mall, que ocupava o espaço, inaugurado dois anos depois.[4]

Partida de Inauguração[editar | editar código-fonte]

O Trio Maldito do Atlético: campeão do Campeonato Mineiro de 1926 e 1927.
O esquadrão do Corinthians: campeão do Campeonato Paulista de 1928 e 1929.
30 de maio de 1929 Atlético Atletico mineiro galo.png 4 – 2 Corinthians Estádio de Lourdes, Belo Horizonte
15:30
Said Gol marcado aos 23 minutos de jogo 23'
Mário de Castro Gol marcado aos 35 minutos de jogo 35' Gol marcado aos 42 minutos de jogo 42'Gol marcado aos 70 minutos de jogo 70'
Ficha do Jogo Valeriano Gol marcado aos 15 minutos de jogo 15'
De Maria Gol marcado aos 40 minutos de jogo 40'
Público: 5,000[7]
Árbitro: São PauloCésar Nunes
GR 1 Oswaldo
LD 2 Cordeiro
ZA 4 Chiquinho
ZA 3 Binga
LE 6 Ivo Melo
VO 5 Brant
VO 8 Dalmi
AD 7 Jairo
MC 9 Geraldino
AE 11 Said
AT 10 Mário de Castro
Treinador: Chico Neto
GR 1 Tuffy
LD 2 Nerino
ZA 3 Grané
ZA 4 Del Debbio
LE 6 Bastos
MC 5 Amendoim
MC 8 Peres
AD 7 Aparício
MA 10 Rato
AT 9 Valeriano
AT 11 De Maria
Treinador: Virgílio Montarini

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre estádios de futebol é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.