Olávio Dorico Vieira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Vacaria
Informações pessoais
Nome completo Olávio Dorico Vieira
Data de nasc. 26 de janeiro de 1949
Local de nasc. Urussanga, Santa Catarina,  Brasil
Falecido em 30 de julho de 2016 (67 anos)
Local da morte Canoas, Rio Grande do Sul,  Brasil
Informações profissionais
Posição lateral-esquerdo e treinador
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1965
1968-1969
1970-1971
1972
1973-1977
1977-1978
Brasil Glória
Brasil 14 de Julho-PF
Brasil Internacional
Brasil Figueirense (emp.)
Brasil Internacional
Brasil Palmeiras
Times/Equipas que treinou
1981
1982
1983
1984
1984-1985
1985
1986
1987
1988
1989
1990
1990
1991
1991
1992
1992
1993
1993
1994
1994
1995
1995
1996
1997
1997
1998
1998-1999
1999
2000
2001
2001
2002
2002
2004
2005
2005
2006
2007
2008
Brasil Chapecoense
Brasil Gaúcho
Brasil São Borja
Brasil Caxias
Brasil Aimoré
Brasil Novo Hamburgo
Brasil Esportivo
Brasil Avaí
Brasil Internacional (júnior)
Brasil Novo Hamburgo
Brasil Santa Cruz-RS
Brasil Araranguá
Brasil Ypiranga de Erechim
Brasil Guarani-VA
Brasil Ypiranga de Erechim
Brasil Aimoré
Brasil Ypiranga de Erechim
Brasil Atlético Paranaense
Brasil Brasil de Farroupilha
Brasil Glória
Brasil Brasil de Pelotas
Brasil Glória
Brasil Veranópolis
Brasil Brasil de Farroupilha
Brasil Brasil de Pelotas
Brasil Figueirense
Brasil Criciúma
Brasil Avenida
Brasil Novo Hamburgo
Brasil Glória
Brasil Santa Cruz-RS
Brasil Palmeirense
Brasil Novo Hamburgo
Brasil Porto Alegre
Brasil São José-RS
Brasil Santa Cruz-RS
Brasil Chapecoense
Brasil Aimoré
Brasil Sinop

Olávio Dorico Vieira, mais conhecido como Vacaria (Urussanga, 26 de janeiro de 1949Canoas, 30 de julho de 2016), foi um jogador de futebol e técnico brasileiro, que se destacou nos anos 1970 como lateral-esquerdo do Internacional[1].

Seu último trabalho foi em 2008 como treinador.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Começou sua carreira em 1965, aos 16 anos, no Glória de Vacaria. Em 1968, tornou-se profissional e transferiu-se para o 14 de Julho de Passo Fundo, pelo qual foi campeão da Série B gaúcha em 1968, e onde começou a chamar atenção por suas qualidades de marcador e pelo potente chute de canhota, especialmente em bolas paradas.

Nessa época, ganhou o apelido de "Vacaria", nome da cidade do nordeste do Rio Grande do Sul, onde havia iniciado sua carreira, no Grêmio Esportivo Glória.[2][3][4][5]

Em 1970 foi para o Internacional de Porto Alegre, onde viveria seus melhores momentos como jogador. Mesmo fazendo parte do grupo campeão gaúcho de 1970 e 1971, não se firmou como titular, e foi emprestado ao Figueirense.

Foi campeão catarinense em [1972 e voltou ao Inter no ano seguinte, assumindo a titularidade da lateral esquerda e formando parte do grande time preparado por Dino Sani (1972-73) e montado por Rubens Minelli (1974-76).

Voltou a ser campeão gaúcho em 1973, 1974, 1975 e 1976 e foi bicampeão brasileiro em 1975 e 1976, ao lado de craques como Manga, Figueroa, Falcão, Carpegiani, Valdomiro e Lula.

Por motivo de lesão, Vacaria não jogou a final do Brasileirão de 1975, mas esteve presente em toda a campanha vitoriosa do Inter em 1976, até hoje o maior desempenho de um clube na história do Campeonato Brasileiro, com 19 vitórias em 23 jogos disputados.

Em 1977 foi contratado pelo Palmeiras e no ano seguinte chegou novamente à final do Brasileiro, perdendo o título para o Guarani.

Ao encerrar sua carreira de jogador, Vacaria passou a atuar como treinador de futebol, dirigindo principalmente clubes do interior do Rio Grande do Sul. Mas, como técnico, foi também campeão gaúcho da categoria júnior pelo Inter em 1988, treinou o Atlético Paranaense em 1993 e venceu o campeonato catarinense de 1998 pelo Criciúma[6]. Ganhou duas vezes seguidas o título da segundona gaúcha, em 1999 pelo Avenida de Santa Cruz e em 2000 pelo Novo Hamburgo

Desde a virada do século, Vacaria passou a treinar apenas clubes pequenos. Em janeiro de 2008 foi contratado pelo Sinop, que terminou o campeonato matogrossense em 12º lugar, entre 20 disputantes. Este foi seu último trabalho e estava sem atividade quando morreu em 30 de julho de 2016, de falência múltipla dos órgãos. Em 2013, havia sofrido um AVC e em 2015, foi diagnosticado como portador de hepatite C.[2][7]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Como jogador[editar | editar código-fonte]

14 de julho
Internacional
Figueirense

Como treinador[editar | editar código-fonte]

Internacional
Criciúma
Avenida
Novo Hamburgo
Porto Alegre

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Vicente
Técnico do Avaí
1987
Sucedido por
Zanata
Ícone de esboço Este artigo sobre um treinador de futebol é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.