Marcelo Mattos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Marcelo Mattos
Informações pessoais
Nome completo Marcelo de Mattos Terra
Data de nasc. 10 de fevereiro de 1984 (33 anos)
Local de nasc. Ouroeste (SP), Brasil
Nacionalidade Brasil Itália Ítalo-brasileiro
Altura 1,79 m
Destro
Apelido Marcelo van Mattos
Informações profissionais
Clube atual Brasil Vasco da Gama
Posição Volante
Clubes de juventude
1997–1998 Brasil Mirassol
Clubes profissionais2
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
1999–2002
2002
2002
2003–2004
2005–2007
2007–2011
2009–2010
2010–2011
2011–2015
2015
2016–
Brasil Mirassol
Japão FC Tokyo
Japão Oita Trinita
Brasil São Caetano
Brasil Corinthians
Grécia Panathinaikos
Brasil Corinthians (emp.)
Brasil Botafogo (emp.)
Brasil Botafogo
Brasil Vitória
Brasil Vasco da Gama
0133 0000(5)
0006 0000(0)
0013 0000(3)
0106 0000(6)
0118 000(14)
0062 0000(5)
0015 0000(1)
0029 0000(0)
0146 0000(2)
0010 0000(0)
0035 0000(2)


2 Partidas e gols totais pelo
clube, atualizados até 16 de setembro de 2016.

Marcelo de Mattos Terra, mais conhecido como Marcelo Mattos (Indiaporã, 10 de fevereiro de 1984)[1][2] é um futebolista brasileiro que atua na posição de volante. Atualmente, defende o Vasco da Gama.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Início[editar | editar código-fonte]

Iniciou sua carreira no Mirassol, clube que na época disputava a primeira divisão do Campeonato Paulista. Posteriormente, teve passagem pelo FC Tokyo e Oita Trinita, ambos do Japão. Regressou ao Brasil para atuar pelo São Caetano, onde se destacou, despertando o interesse de grandes clubes.

Corinthians[editar | editar código-fonte]

Após o bom Campeonato Brasileiro de 2004 pelo São Caetano, o volante foi contratado pelo grupo investidor MSI, que na época gerenciava o departamento de futebol do Corinthians.

2005[editar | editar código-fonte]

Marcelo Mattos foi a contratação mais barata do Corinthians para a temporada de 2005, porém criou uma forte identificação com o torcedor corintiano, pela liderança, raça e bom futebol apresentados dentro de campo. Rapidamente tornou-se titular absoluto e homem de confiança de todos os treinadores que passaram pela equipe durante o ano, sendo, inclusive, capitão do time por algum tempo.

Ao término do Campeonato Brasileiro de 2005, Marcelo, além de sair com a faixa de Campeão, conquistou também dois títulos de melhor primeiro volante do Brasil, nas eleições feitas pela tradicional Revista Placar - popular Bola de Prata - e pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

2006[editar | editar código-fonte]

Iniciou a temporada de 2006, cujo principal objetivo era vencer a inédita Copa Libertadores da América, como um dos principais jogadores da equipe. Apesar de mais um bom ano do volante pelo Timão, coletivamente a equipe não obteve o mesmo sucesso do ano anterior, sendo eliminada nas oitavas de final da Libertadores para o River Plate e terminando apenas com uma 9ª colocação no Campeonato Brasileiro. Ainda assim, foi novamente indicado ao prêmio de melhor volante do Campeonato Brasileiro, desta vez perdendo para Mineiro, do campeão São Paulo.

2007[editar | editar código-fonte]

Em 2007, vinha sendo o artilheiro da equipe no Campeonato Brasileiro, até que em julho acertou sua transferência para o Panathinaikos da Grécia.

Retorno em 2009[editar | editar código-fonte]

O jogador retornou ao Corinthians por empréstimo até o final do primeiro semestre de 2010. Sendo pouco utilizado por Mano Menezes, no dia 13 de julho de 2010, o jogador foi dispensado, do Corinthians.[3]

Somando as duas passagens, ao todo pelo Timão, o volante entrou em campo 133 vezes e marcou 15 gols.

Botafogo[editar | editar código-fonte]

Foi contratado pelo Botafogo por empréstimo até junho de 2011.

Em junho de 2011, Marcelo retornou a Grécia para resolver sua situação com o Panathinaikos, pois seu contrato havia se encerrado e o jogador desejava ficar no Glorioso. O jogador então conseguiu fechar seu contrato em definitivo com o Botafogo.

No Botafogo foi titular absoluto durante três anos, sendo um dos destaques da equipe alvinegra, contando com a mesma raça, liderança e o bom futebol dos tempos de Corinthians. Se destacou especialmente no ano de 2013, quando a equipe alvinegra liderada por Clarence Seedorf, lutou pelo título do Brasileirão, sendo superada pelo Cruzeiro, porém se classificando para a Copa Libertadores da América novamente depois de 18 anos.

Ao todo na equipe alvinegra foram 175 jogos disputados e 2 gols marcados.

Vitória[editar | editar código-fonte]

Em 2015, após rescindir com o Botafogo por questões salariais, Marcelo Mattos fechou contrato com o Vitória.

Pouco atuou pelo rubro-negro baiano, sendo apenas 10 partidas com nenhum gol marcado

Vasco da Gama[editar | editar código-fonte]

Em 6 de janeiro de 2016, o clube cruzmaltino acertou a sua contratação.[4] Marcou seu primeiro gol no dia 19 de março de 2016, em partida contra o Boavista, válida pelo Campeonato Carioca, sendo esse o gol da vitória do Vasco. Uma cena curiosa é que após esse gol, Marcelo Mattos beijou o escudo do Vasco, mesmo estando apenas há três meses no clube. A explicação do jogador foi que o beijo foi de agradecimento ao Vasco por ter aberto as portas para ele e que ele não saberia o que seria dele se o Vasco não o tivesse contratado.

Em setembro de 2016, uma lesão grave no joelho tirou o jogador do restante da temporada.[5]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Até 16 de setembro de 2016.

Clube Temporada Campeonato
nacional
Copa
nacional[a]
Competições
continentais[b]
Outros
torneios[c]
Total
Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols
Mirassol Total 133 5
FC Tokyo 2002 6 0 6 0
Total 6 0 6 0
Oita Trinita 2002 13 3 13 3
Total 13 3 13 3
São Caetano 2003 30 5 4 0 10 0 44 5
2004 40 1 14 0 8 0 62 1
Total 70 6 18 0 18 0 106 6
Corinthians 2005 35 6 2 1 4 0 10 0 51 7
2006 29 4 11 0 8 0 48 4
2007 8 3 11 0 19 3
Total 72 13 2 1 15 0 29 0 118 14
Panathinaikos 2007-08 24 4 4 0 6 0 34 4
2008-09 18 0 5 1 4 0 27 1
2009-10 1 0 1 0
Total 42 4 9 1 11 0 62 5
Corinthians 2009 8 0 8 0
2010 1 0 6 1 7 1
Total 8 0 1 0 6 1 15 1
Botafogo 2010 14 0 14 0
2011 32 1 4 0 3 0 9 0 48 1
2012 2 0 5 0 17 0 24 0
2013 33 0 8 0 15 0 56 0
2014 5 0 7 0 4 1 16 1
2015 5 0 12 0 17 0
Total 91 1 17 0 10 0 57 1 175 2
Vitória 2015 10 0 10 0
Total 10 0 10 0
Vasco da Gama 2016 16 1 6 0 13 1 35 2
Total 16 1 6 0 13 1 35 2
Total na carreira 328 28 34 2 55 0 123 3 673 38

Títulos[editar | editar código-fonte]

Brasil São Caetano
Brasil Corinthians
Brasil Botafogo
Brasil Vasco

Prêmios individuais[editar | editar código-fonte]

Ano Premiação Prêmio Time Resultado Ref.
2005 Brasil Prêmio Craque do Brasileirão Melhor volante-direito Corinthians Venceu [6]
Brasil Bola de Prata Melhor volante Venceu [7]
2006 Brasil Prêmio Craque do Brasileirão Melhor volante-direito Indicado [8]
2011 Rio de Janeiro Melhores do Campeonato Carioca Melhor primeiro volante Botafogo 2º lugar [9]
2012 Rio de Janeiro Melhores do Campeonato Carioca Melhor primeiro volante 3º lugar [10]
2013 Rio de Janeiro Melhores do Campeonato Carioca Melhor segundo volante 2º lugar [11]

Referências

  1. ogol.com.br: Dados pessoais de Marcelo Mattos
  2. br.sambafoot.com: Detalhes do atleta
  3. Sem chance com Mano Menezes, Marcelo Mattos se prepara para sair
  4. Vasco contrata Marcelo Mattos, ex-Botafogo
  5. Marcelo Mattos passará por cirurgia e está fora da temporada do Vasco
  6. «Argentino Tevez é eleito o craque do Brasileiro 2005». GloboEsporte.com. 5 de dezembro de 2005. Consultado em 27 de março de 2015 
  7. «Bola de Prata Placar 2005». Placar. 1 de abril de 2013. Consultado em 27 de março de 2015 
  8. «Marcelo Mattos na luta pelo bicampeonato». GloboEsporte.com. 29 de novembro de 2006. Consultado em 27 de março de 2015 
  9. «Com seis jogadores, Flamengo domina a seleção do Cariocão 2011». GloboEsporte.com. 16 de maio de 2011. Consultado em 27 de março de 2015 
  10. «Na festa do Flu, Vasco é o time com mais representantes na seleção». GloboEsporte.com. 14 de maio de 2012. Consultado em 27 de março de 2015 
  11. «Botafogo domina premiação dos melhores do Campeonato Carioca». LanceNet.com.br. 20 de maio de 2013. Consultado em 27 de março de 2015