Werner Schünemann

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Werner Schumann.
Werner Schünemann
Schünemann em 2003.
Nome completo Werner Eduardo Schünemann
Nascimento 21 de fevereiro de 1959 (60 anos)
Porto Alegre, Rio Grande do Sul
Brasil
Nacionalidade brasileira
Cônjuge Tânia Oliveira (c. 1993–2015)
Ocupação
Período de atividade 1984–presente
Principais trabalhos

Werner Eduardo Schünemann (Porto Alegre, 21 de fevereiro de 1959) é um ator e cineasta brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Neto de alemães, Werner nasceu em Porto Alegre, mas foi criado entre Novo Hamburgo e São Leopoldo. Começou a fazer teatro aos quinze anos, primeiramente na escola e depois no Grupo Faltou o João, no qual estreou em 1979 com o texto de sua autoria "Forca: os fortes", apresentado em direção coletiva [1].

Aos 18 anos, passou a morar em Porto Alegre, onde se graduou em História pela UFRGS. Ao mesmo tempo em que seguia seu trabalho em teatro, foi professor de História numa escola de ensino médio (1980-83) e assinou uma coluna semanal sobre cinema no Jornal NH, de Novo Hamburgo (1981-85). Neste mesmo período, ligou-se ao Grupo Vende-se Sonhos e à turma de jovens cineastas de Porto Alegre, que em três anos realizou três longas-metragens em super-8. Werner foi ator em "Deu pra ti anos 70" (1981), estreou como roteirista e diretor em "Coisa na roda" (1982) e foi o protagonista de "Inverno" (1983). Os filmes foram premiados como Melhor Filme Super-8 em três edições consecutivas do Festival de Gramado.

Nos anos seguintes, o mesmo grupo de realizadores e atores produziu mais três longas, agora na bitola profissional de 35 mm e com lançamento nos cinemas. Werner foi o protagonista de "Verdes anos" (1984), escreveu e dirigiu "Me beija" (1984, prêmio de Melhor Direção no Festival de Brasília) e fez a voz de um dos personagens principais de "Aqueles dois" (1985) [2]. A partir de 1985, começou a trabalhar também com publicidade, dirigindo filmes comerciais e institucionais.

Seu filme seguinte, "O mentiroso" (1988), voltou a ser premiado em Brasília, desta vez como Melhor Filme.[3] Um pouco antes (1987), Werner foi um dos fundadores da Casa de Cinema de Porto Alegre, da qual se desligou em 1991. Nos anos 1990, voltou a trabalhou como diretor de publicidade e na direção de campanhas políticas para a televisão.

Com atuação na política cinematográfica, foi presidente da associação de cineastas do Rio Grande do Sul (APTC/RS, 1997-99) e em seguida da Fundacine, Fundação Cinema RS (1999-2001), tendo sido responsável pela organização, em junho de 2000, em Porto Alegre, do terceiro Congresso Brasileiro de Cinema, onde surgiu o projeto de criação da Ancine [4].

Na RBS TV, retransmissora local da Rede Globo, dirigiu, atuou e fez locução de programas especiais, e foi apresentador da série "Curtas Gaúchos" em 2001. No mesmo período, foi chamado para fazer o papel do General Netto no filme "Netto perde sua alma", de Tabajara Ruas e Beto Souza. Por esta atuação, foi mais uma vez premiado em Brasília, agora com o Troféu Candango de Melhor Ator, e chamou a atenção da Rede Globo, que o contratou para interpretar outro líder da Guerra dos Farrapos, o General Bento Gonçalves, na minissérie "A Casa das Sete Mulheres" (2003).

Assim, depois de mais de 20 anos de carreira, o ator tornou-se nacionalmente conhecido, passando a fazer parte do elenco fixo da maior emissora do país. Desde então, fez sete telenovelas, além de minisséries, episódios e várias participações especiais. Trabalhou em mais de uma dezena de filmes e voltou também a fazer teatro.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Ano Título Personagem Notas
2001 Apresentação de Curtas Gaúcho Apresentador
Histórias Curtas Caíque de Sousa Episódio: "Phil"
Contos de Inverno Danilo Lopes Episódio: "Jogos do Amor e do Acaso"
2002 João Marcello (JM) Episódio: "A Coisa Certa"
2003 Kubanacan Alejandro Rivera
A Casa das Sete Mulheres Bento Gonçalves
2004 Senhora do Destino Carlos Henrique Saraiva (Comandante Saraiva) Episódios: "29–30 de junho"
Começar de Novo Anselmo Pessoa
2005 América Pedro Paulo Jordão Episódio: "29 de outubro"
Episódio: "05 de novembro"
2006 Dom Augusto Barros Telefilme
JK Bernardo Sayão
2007 Eterna Magia Maximilliam Sullivan (Max)
Amazônia, de Galvez a Chico Mendes Rodrigo de Carvalho
2008 Duas Caras Humberto Silveira Episódios: "17 de abril–28 de maio"
Beleza Pura Tomás da Silva Amarante
2010 Passione Saulo Gouveia
2012 Lado a Lado Alberto Assunção
As Brasileiras Alberto Galhardo Episódio: "A Fofoqueira de Porto Alegre"
2015 Babilônia Osvaldo Alvarenga Jr.[5]
2016 Haja Coração Guido Rigoni Di Marino
Mário Maggione
2017 Tempo de Amar Conselheiro Francisco Alcino
2018 Z4 Zé Toledo
2019 Éramos Seis Jorge Assad (Sr. Assad)

Cinema[editar | editar código-fonte]

Ano Título Personagem Notas
1981 Deu pra Ti Anos 70 Roberto
1983 Inverno Herói
1984 Verdes anos Nando
1985 Aqueles Dois voz de Saul
1988 O amor nos anos 1990 homem na TV Curta-metragem
1993 O zeppelin passou por aqui Werner von Aschenbach
1995 Deus ex-machina Inácio
1997 O pulso
1999 Tepê
3 minutos voz do Mágico
Ano novo Esnaider
O velho do saco Mathias
2000 Tolerância Juvenal
O Branco narração curta-metragem
2001 Netto perde sua alma General Netto
2002 A paixão de Jacobina Hillebrandt
2004 Alma mater pastor Assunção
Didi quer ser criança Armando
Olga Arthur Ernest Ewert
Quase dois irmãos Miguel
2005 Bens confiscados Lobo
2006 O Cavaleiro Didi e a Princesa Lili Rei Lindolfo
2008 O Guerreiro Didi e a Ninja Lili George
Netto e o Domador de Cavalos General Netto
2009 Meninos de Kichute Lázaro
Destino Cláudio
2010 Nosso Lar Emmanuel
2012 A Hora e a Vez de Augusto Matraga Ovídio Moura
2015 Vai que Cola - O Filme Quaresma
O maníaco do Facebook Darcilei/Matador da Deep Web
2016 O Último Virgem pai da Bia participação
2017 Bio Professor
2018 Primavera Antônio
TBA Augusta e Antonico Antonico

Teatro [editar | editar código-fonte]

  • 1979 - Forca: os fortes (grupo Faltou o João)[6]
  • 1981 - Erêndira (grupo Faltou o João)
  • 1983 - Priscas eras (grupo Faltou o João)
  • 1985 - Das duas uma (grupo Vende-se Sonhos)
  • 2003 - A Tomada de Laguna
  • 2006 - Cassino coração (direção de Marcos Barreto)
  • 2009 - DNA, nossa comédia (direção de Bibi Ferreira)
  • 2015 - "Querido Brahms"

Ficha Técnica[editar | editar código-fonte]

Como diretor e roteirista

Ano Título Notas
1982 Coisa na roda Longa-metragem em super-8
1984 Me Beija
1988 O Mentiroso
1997 O futuro da terra Curta-metragem
2001 Os alemães do Rio Grande do Sul Documentário para TV
2002 O príncipe das águas Curta-metragem
2003 Mar doce Documentário, não finalizado

Prêmios e Indicações[editar | editar código-fonte]

Ano Premiação Categoria Nomeação Resultado Ref
1984 Festival de Brasília Melhor diretor
Me Beija
Venceu
1988 Festival de Brasília Melhor filme
O Mentiroso
Venceu
2001 Festival de Brasília Melhor ator
Netto Perde Sua Alma
Venceu
2003 Grande Prêmio do Cinema Brasileiro Melhor ator Indicado
Prêmio Qualidade Brasil - RJ Melhor ator revelação
A Casa das Sete Mulheres
Venceu
Prêmio Qualidade Brasil - SP Melhor ator revelação Venceu
2004 Prêmio Contigo! de TV Melhor ator revelação Indicado
Troféu Leão de Ouro Melhor ator revelação Venceu
2005 Cine Ceará Melhor ator
Bens Confiscados
Venceu
2010 Prêmio Extra de Televisão Melhor ator coadjuvante
Passione
Indicado
Prêmio Arte Qualidade Brasil Melhor ator coadjuvante Venceu
2011 Prêmio Contigo! de TV Melhor ator coadjuvante Indicado

Referências

  1. "Dicionário de astros e estrelas do cinema brasileiro", de Antônio Leão da Silva Neto, Coleção Aplauso, Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010, p. 439.
  2. "Dicionário de cineastas brasileiros", de Luiz Felipe Miranda, Art Editora, 1990, p. 312
  3. "Festival de Brasília, 40 anos", de Maria do Rosário Caetano, 2007, pp. 160-163
  4. "Discussões e resoluções do 3º Congresso Brasileiro de Cinema", Fundacine, Porto Alegre, 2000.
  5. Flávia Almeida (1 de julho de 2015). «Werner Schünemann entra no elenco de Babilônia». O Fuxico. Consultado em 8 de julho de 2015 
  6. «Verbete na "Enciclopédia do Teatro Brasileiro"». Consultado em 21 de abril de 2012 

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]