Miss Brasil 1955

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Miss Brasil 1955
Data 25 de Junho de 1955
Apresentação Paulo Porto e Lourdes Mayer
Candidatas 19
Local Palácio Quitandinha
Cidade Petrópolis, Rio de Janeiro

Miss Brasil 1955 foi a 2ª edição do Miss Brasil, válido para a disputa de Miss Universo 1955. O concurso que elegeu a cearense Emília Correa Lima foi realizado no dia 25 de junho de 1955 no hotel Quitandinha, localizado em Petrópolis, no Estado do Rio de Janeiro. Sob patrocínio dos produtos "Cinzano", "Companhia América Fabril", "Companhia de Fiação e Tecidos Corcovado", "Laboratório Leite de Rosas" e dos Diários e Emissoras Associados, o certame conseguiu reunir dezenove (19) distintas moças de diversos Estados brasileiros em busca do título sucessório de Martha Rocha.

Resultados[editar | editar código-fonte]

Colocações[editar | editar código-fonte]

Posição Estado & Candidata
Vencedora
2º. Lugar
5º. Lugar

1 As candidatas ficaram empatadas em segundo lugar com 2 votos cada.

Ordem do Anúncio[editar | editar código-fonte]

  1. Ceará
  2. Amazonas
  3. Pará
  4. São Paulo
  5. Estado do Rio

Jurados[editar | editar código-fonte]

Quinze jurados avaliaram as candidatas:

Candidatas[editar | editar código-fonte]

Disputaram o título este ano:

O Concurso[editar | editar código-fonte]

Veículos sociais[editar | editar código-fonte]

Algumas impressões pessoais do jornalista José Mauro do "O Jornal (RJ)" sobre as finalistas do certame: [1]

Ingrid Schmidt, a jovem representante do Estado do Rio, foi uma das mais aplaudidas, principalmente quando desfilou em traje de "soirée". Depois do resultado, Ingrid estava feliz, achando justa a vitória de Emília. Mas, não escondeu, até os últimos momentos, a sua esperança de vencer.
Ethel Chiaroni, loura, alta, elegante e bonita, representou São Paulo no desfile e foi uma das finalistas. Desfilou com o modelo "Bandeirantes" e chegou a finalista empatada com Emília: quatorze votos cada uma, Ethel também conformou-se rapidamente com a vitória de Emília. E foi das primeiras a levar-lhe o seu abraço de felicitações.
A grande surpresa da noite foi Annete Stone, jovem representante do Amazonas, que desfilou com o vestido "Seringal". Anette é do tipo "mignon", e conquistou logo o público que superlotava o Quitandinha. Facilmente chegou a finalista. Annete tem sido homenageadíssima no Rio.
Miss Pará, Gilda Medeiros, também obteve classificação entre as cinco finalistas. Morena (tipo bem brasileiro) alta, elegante, desfilou com classe, e foi muito aplaudida. É inteligente e viajada.
Miss Minas Gerais, Maria Aparecida Benz, aviadora, chegou ao Rio pilotando seu próprio avião. Ficou hospedada na residência do deputado Guilhermino de Oliveira e foi muito homenageada pelo Srº e Srª Vinicius Valadares.
A campeã de simpatia, sem qualquer dúvida, foi a bela Simei Ribeiro Bílio, Miss Maranhão. Todos os organizadores do concurso ficaram bons amigos de Simey que sempre foi disciplinada, pontual e atenciosa. Desfilou bem e foi devidamente aplaudida.

Referências

  1. Seção "Sociedade" por José Mauro - O Jornal (RJ), 03/07/1955.