Lídia Brondi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde dezembro de 2011) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde junho de 2012). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Lídia Brondi
Nascimento 29 de outubro de 1960 (56 anos)
Campinas, SP
Nacionalidade  brasileira
Ocupação atriz, psicóloga
Atividade 1974-1992 (atriz)
Cônjuge Cássio Gabus Mendes (1990-presente)
Outros prêmios
Prêmio Mambembe de atriz revelação, em 1981, pela peça Calúnia
IMDb: (inglês)

Lídia Brondi Resende Mendes (Campinas, 29 de outubro de 1960) é uma psicóloga e ex-atriz brasileira.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Filha de Lilya Brondi e do pastor Jonas Rezende, Lídia, aos dois anos de idade, mudou-se com a família de Campinas para Ribeirão Preto e, sete anos depois, para o Rio de Janeiro, onde seu pai fora trabalhar [2]. Suas primeiras experiências com atuação se deram em apresentações amadoras na comunidade da Igreja Presbiteriana de Ipanema, na qual Jonas era pastor [3][4]. Levada à TV Educativa do Rio pelo pai (que lá trabalhava) fez testes e ganhou o papel principal em Márcia e seus Problemas (1975), série pedagógica elaborada sob orientação do psicólogo Vilena de Moraes [3][4][5] .

Após testes com o diretor Walter Avancini, Lídia ingressou na Rede Globo, líder de audiência na televisão brasileira, estreando na telenovela O Grito (1975), de Jorge Andrade. Logo em seguida participou de duas telenovelas das 18h - À Sombra dos Laranjais (1976) e O Feijão e o Sonho (1977). Ganha maior notoriedade em Espelho Mágico (1977), onde sua interpretação de Beatriz, uma adolescente em conflito com a mãe e o padrasto, lhe rendeu o prêmio APCA de atriz revelação [3][6]. No ano seguinte, atinge novo patamar de popularidade com Dancin' Days (1978-9), de Gilberto Braga, um dos maiores sucessos da teledramaturgia na década de 1970. Nela, Lídia incorporava a orfã Vera Lúcia, par romântico de Beto, defendido por Lauro Corona, outra jovem promessa da emissora [7].

No cinema, Lídia estreou em 1980, em Perdoa-me por Me Traíres, de Braz Chediak, baseado na obra do dramaturgo Nelson Rodrigues, protagonizado por Vera Fischer e Nuno Leal Maia. Contudo, o seu filme mais famoso é O Beijo no Asfalto (1981), também baseado na obra de Nelson Rodrigues e dirigido por Bruno Barreto, que levou 880 mil espectadores aos cinemas [6][8] . Enveredaria pela tela grande ainda uma terceira vez, em 1987, participando do filme Rádio Pirata, de Lael Rodrigues.

Paralelamente aos papéis em telenovelas como Baila Comigo (1981), O Homem Proibido (1982), Final Feliz (1982-3) e Transas e Caretas (1984), encetou carreira no teatro, estreando nos palcos no infantil Passageiros da Estrela (1980), de Sérgio Fonta. Em 1981, venceria o Troféu Mambembe de atriz revelação por sua atuação na peça Calúnia, de Lilian Hellman, dirigida por Bibi Ferreira, onde encarnava uma estudante problemática que difamava duas professoras, acusando-as de terem uma relação lésbica [9].

Na segunda metade dos anos 1980, Lídia se consolidaria como uma das atrizes mais bem sucedidas de sua geração, atuando no período em três telenovelas que estão entre os dez maiores sucessos da história do gênero no país[10]: Roque Santeiro (1985-6), onde interpretou Tânia Malta, a filha do Coronel Sinhozinho Malta (Lima Duarte); Vale Tudo (1988), no papel de Solange Duprat; e Tieta (1989-90), onde incorporou Leonor, enteada de Tieta [6] . A repercussão de sua personagem em Vale Tudo - uma bela e sofisticada produtora de moda enganada pela arrivista Maria de Fátima (Glória Pires) - foi tamanha que o corte de cabelo usado na caracterização (franjas curtas) foi maciçamente imitado pelas mulheres da época.[11]

Contudo, apesar do sucesso, após os trabalhos na novela Meu Bem, Meu Mal (1990-1) e na peça Parsifal (1992), Lídia retirou-se da carreira artística.

Lídia posou para a edição brasileira da revista Playboy pela primeira vez em julho de 1980. Mais tarde, voltou a aparecer na revista, numa edição especial de agosto de 1987.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Casou-se com o diretor de televisão Ricardo Waddington, em 1982, com quem teve a sua única filha, Isadora, nascida em 1985. Separou-se em 1988 e voltou a casar-se em 1991, desta vez com o ator Cássio Gabus Mendes, com quem vive até hoje e com quem contracenou em Vale Tudo e em Meu Bem, Meu Mal. Longe da fama, dedicou-se aos estudos e formou-se em Psicologia. Afastada dos holofotes e apesar do interesse dos fãs em saber como anda a então famosa atriz, raramente ela é vista em público ou dá entrevistas. Em 2013, oficializou sua união com Cássio. A cerimônia aconteceu no dia 25 de maio e foi realizada pelo pastor Jonas Rezende, pai de Lídia.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Ano Título Papel
1974 Márcia e Seus Problemas
1975 O Grito Estela
1976 O Feijão e o Sonho Irene Campos Lara
1977 À Sombra dos Laranjais Lúcia Alvarez
Espelho Mágico Beatriz
1978 Ciranda, Cirandinha (participação em um episódio)
Caso Especial ep. "Jardim Selvagem"
Dancin' Days Vera Lúcia
1979 Série Aplauso ep. "A Ilha das Cabras"
Os Gigantes Renata
1981 Baila Comigo Mira Maia (Semíramis)
1982 Final Feliz Suzy Brandão
O Homem Proibido Joyce
1984 Transas e Caretas Luciana
1985 Roque Santeiro Tânia Magalhães Malta
1987 Corpo Santo Bárbara Diniz
1988 Vale Tudo Solange Duprat
1989 Tieta Leonora Cantarelli
1990 Meu Bem, Meu Mal Fernanda Castro

Cinema[editar | editar código-fonte]

Teatro[editar | editar código-fonte]

  • 1980 - Passageiros da Estrela
  • 1981 - Calúnia .... Mary Tilford
  • 1983 - O Colecionador .... Miranda
  • 1986 - A Verdadeira Vida de Jonas Wenka .... Sílvia
  • 1988 - Drácula
  • 1989 - George Dandan .... Angélica
  • 1990 - Descalços no Parque
  • 1992 - Parsifal

Referências

  1. Extra - A vida de Lídia Brondi longe da TV
  2. Abreu, Ana Maria. (Junho de 1981). "Lídia Brondi – “Tá difícil mas acho que estou no caminho certo”". Revista NOVA. São Paulo: Editora Abril.
  3. a b c Nagle, Leda. (28 de dezembro de 1977). "Uma adolescente sentindo o gosto da fama". Revista Capricho. São Paulo: Editora Abril.
  4. a b Valença, Fátima. (5 de outubro de 1977). "Lídia Brondi -“Eu acredito no amor, sabe”". Revista Amiga. Rio de Janeiro: Editora Bloch.
  5. Televisão, Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 20 de junho de 1975, Caderno B
  6. a b c «Lídia Brondi». Internet Movie Database (em portugues). Imdb.com. 
  7. Memória Globo -http://memoriaglobo.globo.com/programas/entretenimento/novelas/dancin-days.htm
  8. Filmes Brasileiros com mais de 500.000 Espectadores - 1970 a 2015, Observatório Brasileiro do Cinema e do Audiovisual - http://oca.ancine.gov.br/filmes_bilheterias.htm.
  9. Troféu Mambembe para Artistas do Rio, Folha de S.Paulo, São Paulo, 28 de janeiro de 1982, Caderno Ilustrada
  10. Redação Quem Online (10 de março de 2009). «Aguinaldo Silva divulga lista das novelas com maior audiência da história». Revista Quem Acontece. Consultado em outubro de 2016. 
  11. Sedução Egípcia, Revista VEJA, 17 de agosto de 1988, Editora Abril

Ligações externas[editar | editar código-fonte]